iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Qual a consequência, para a sociedade, de se banir a meritocracia?

Sem Zero. a Nota Mais Baixa Possível é 50%.

Por Kim Wong-Shin. Leia o artigo no Upworthy.com

Diane Tirado é professora há anos. Mais recentemente, ela foi professora de história do oitavo ano na Westgate K-8 School em Port St. Lucie, Flórida.

Tirado recentemente deu a seus alunos duas semanas para concluir um projeto, mas vários alunos simplesmente não o entregaram. Como não havia trabalho, Diane deu a eles zeros.

Ela foi demitida por isso.

A escola elementar tem uma regra chamada “política zero”. A nota mais baixa possível que os professores podem dar aos alunos é de 50, mesmo que eles não entreguem nada.

É uma regra com a qual, previsivelmente, Diane não concorda. Depois de ser demitida por desobedecer, ela deixou para os alunos uma mensagem encantadora de despedida no quadro branco.

“Tchau, crianças. A Sra. Tirado ama vocês e deseja a vocês tudo de bom na vida. Fui despedido por me recusar a dar a vocês 50% por não entregar nada. Amor, Sra. Tirado”

Diane depois compartilhou a história no Facebook , na esperança de difundir a consciência sobre a política da escola.

“Uma nota na aula da Sra. Tirado se conquista”, disse ela.

“Estou muito chateada porque temos uma nação de crianças que esperam receber o pagamento e viver a vida apenas por aparecer em algum lugar e não é assim.”

O post de Diane se tornou viral, e a maioria dos comentaristas concorda com sua posição – não é justo distribuir notas por trabalhos que não existem.

“A razão pela qual eu me envolvi nessa luta foi porque era ridícula. Ensinar não deveria ser tão difícil “, disse Diane.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.