Resultado de imagem para addiction to pornography

Grandeza é escolher viver  com integridade.

Quer dizer fazer a coisa certa mesmo quando ninguém está olhando.

É ser uma pessoa que responde pelas próprias ações.

Por que fazemos uso da pornografia?

Após um breve exame das causas, por um psicanalista, um escritor norte-americano explica porque a pornografia é nociva a todos.

Jay Stringer, conselheiro de saúde mental, notou, entre seus pacientes, tendências que uniam certos traumas de infância ou certos estados de vida a certos tipos de pornografia. Ele comissionou um amplo estudo de usuários de pornografia que confirmaram amplamente seus resultados pessoais. Ele conta que um grande fator recorrente em quem fazia uso de pornografia era um senso de inutilidade. Usuários de pornografia se vêem como fracassos, têm necessidades não satisfeitas,  sentem-se culpados e afligidos. Eles estão presos dentro de empregos sem perspectivas, sem esperança de promoção. Em resumo, eles não sabiam quem eles eram nem para onde estavam indo na vida, e isso os levava à pornografia para se acalmarem.

Assim chegamos em casa, do trabalho sem sentido, frustrante, e recorremos à pornografia porque ela nos dá um senso de controle e importância.
Para a nossa vida readquirir sentido, então, precisamos reacender um senso de orgulho. Não falso orgulho, dizendo que somos incríveis e merecemos o melhor, mas o senso honesto de realização de trabalho duro.
Em um mundo ideal, isto poderia até impossível. Aprender passatempos  pode realizar o mesmo objetivo.

É comum a frustração no trabalho e em casa levarem à porografia. Você pode ter trabalhado duro e seu chefe ignorar seu trabalho, rejeitá-lo, ou até mesmo reivindicar o crédito para ele.
Ou você resolveu um problema de encanamento para a sua mulher mal reconhecer seus esforços.
Não há nada errado em querer se orgulhar de seu trabalho; mas é uma tentação comum pensar que nosso trabalho merece aquele reconhecimento,  tornar a admiração dos outros em uma idolatria. E, quando nós não conseguirmos isto de nosso chefe ou professor ou sócio, nós procuramos estrelas pornôs para nos falar que nós fizemos um bom trabalho.

Nós precisamos aprender a nos orgulhar de nosso próprio trabalho e parar de nos preocupar se será apreciado adequadamente. Uma boa maneira de fazer isso é se coluntariando para trabalhos invisíveis, nos bastidores.
​​

 

5 razões pelas quais a pornografia deveria ser proibida

por Matt Walsh no Breitbart
Se você perguntasse a uma pessoa comum, há 50 anos, se deveria ser legal distribuir pornografia pesada e grotesca através de um meio em que pessoas de todas as idades, especialmente crianças e adolescentes, pudessem ter acesso fácil e gratuito a ela, ela provavelmente ficaria chocada por você ter precisado fazer a pergunta. Claro que não deveria ser legal, ela teria dito. Somos seres humanos civilizados, não somos?
Faça a mesma pergu nta para um a pessoa comum hoje e ela também ficará chocada por você sentir a necessidade de perguntar. Só que ficará chocada pela razão oposta. Até mesmo o “conservador” padrão na cultura de hoje pensa que qualquer discussão sobre proibir ou censurar a pornografia é loucura. A pornografia esteve amplamente disponível, através da internet, por algumas décadas, portanto, deve continuuar sempre disponível. Ele não pode conceber nenhuma outra opção.

Mas há outra opção, quer a mente moderna – com seu campo de visão extraordinariamente limitado e sua propensão a aceitar literalmente tudo o que vê como um dado absoluto e imutável – possa ou não imaginá-la.
Ross Douthat escreveu recentemente uma coluna para o The New York Times, fazendo uma excelente defesa para proibir pornografia. Concordo com seu argumento e acho que muito mais pode e deve ser dito. Por isso, vou oferecer, como suplemento, estas cinco razões para a proibição da pornografia:

1) A pornografia é prostituição.
A prostituição é ilegal em todos os estados, contudo,a pornografia é legal em todos os estados. O efeito é que uma pessoa pode ser presa por aceitar dinheiro em troca de sexo – a menos que o sexo seja filmado e visto por milhões de outras pessoas. Nesse caso, a prostituta e o cafetão estão livres para continuar seus negócios. A prostituição torna-se legal pela presença de uma câmera. Como isso faz sentido?
Parece que uma pessoa razoável e honesta deve defender a proibição da prostituição em todas as suas formas, ou a legalização da prostituição em todas as suas formas. Não tenho dúvidas de que muitas pessoas escolherão alegremente o último. Mas talvez essas pessoas possam parar, apenas por um momento, e se perguntar se elas realmente querem que seus filhos vivam em um país com pornografia na Internet explodindo em todos os computadores e Bunny Ranches em cada esquina. De que maneira isso melhoraria a sociedade? Em que sentido garantiria um futuro melhor para a próxima geração? Ou nos desviamos paraum estado que nem sequer consideramos esse tipo de questão?

2) A pornografia alimenta a indústria de tráfico sexual.

Não faz muito sentido tentar combater o tráfico sexual e, ao mesmo tempo, defender a pornografia como um direito sagrado. O elo entre os dois é inconfundível e deve ser auto-evidente para qualquer pessoa pensante. Traficantes sexuais rotineiramente forçam seus escravos à pornografia.
E como o espectador da pornografia na internet sabe se uma mulher está “consentindo livremente ” ou não? Bom, do mesmo jeito que ele sabe que ela é maior de idade. Ele não sabe. Ele não consegue. Ele aceita que pode estar observando uma mulher -drogada, que sofreu abuso e foi coagida – explorada para seu prazer. Sua dignidade, sua liberdade, sua humanidade não interessam nem um pouco a ele. O espectador da pornografia torna-se moralmente cúmplice no abuso das mulheres. Não só cúmplice, mas excitado por ela. Não admira que o Departamento de Polícia do Estado de Michigan tenha descoberto que a pornografia é usada ou imitada em mais de 40% dos crimes sexuais que eles investigam. A pornografia é um campo de treinamento para os desviantes sexuais.

3) A pornografia destrói as crianças.

Uma criança americana é apresentada à pornografia hardcore na internet aos 11 anos de idade, em média. Muitas crianças são expostas aos 8 ou  anos, ou até mais jovens. O cérebro em desenvolvimento de uma criança simplesmente não está preparado para lidar com isso. El a não tem como processar o que vê. El a não sabe o que fazer com isso. El a não tem nenhum conceito de sexualidade humana saudável, e qualquer conceito que el a venha a desenvolver será formado pela pornografia na Internet. Os efeitos psicológicos são obviamente devastadores.

Todos nós sabemos que nossos filhos estão sendo arruinados por essas coisas, mas nos sentamos, emasculados, agindo como se fôssemos impotentes para fazer algo sobre isso. Determinamos que o “direito” de um vendedor ambulante de vomitar obscenidades por toda a sociedade é, de alguma forma, mais sacrossanto, mais digno de proteção, do que o bem-estar de nossos filhos. Somos verdadeiramente patéticos.

4) A pornografia torna você menos livre.

Não há nada de libertador na pornografia. Uma “sociedade livre” não é aquela que deve, ou deveria, apresentar pornografia de fácil acesso. A pornografia mata a liberdade porque escraviza o espectador às suas paixões. Eu entendo que pessoas muito tolas, que não têm o hábito de pensar, vão rir da frase anterior. Mas eles riem apenas porque eles próprios são escravos. Eles e s t ão tão consumidos pela pornografia, tão obrigados a isso, que não são capazes de se engajar intelectualmente com nenhuma crítica a ela. Eles e s t ão obcecados com pornografia, e eles vão defendê-l a cruelmente , mas el a não lhes proporciona nenhuma alegria e eles se odeiam enquanto assistem. Eles são escravos. E os escravos não podem ser livres.

5) As leis são importantes.

A lei é uma professora . As pessoas ficam mais propensas a aceitar algo como normal e moral se a lei o tratar como tal. Este é um fato simples da natureza humana. Leis não são amorais. El as codificam e comunicam verdades morais. A lei não deve proibir automaticamente todas as coisas imorais, mas deve apenas proibir as coisas imorais. Todo o nosso sistema de governo é baseado no Direito Natural, que é em si uma doutrina moral. Toda lei cresce ou deveria crescer a partir dessa raiz.

Dizem que não podemos “legislar a moralidade”. Não tenho certeza do que isso significa exatamente, mas sei que podemos e devemos legislar moralmente. Isto é, legislar de acordo com a doutrina moral que criou este país e serviu de base para todos os seus documentos fundadores. A pornografia é um ataque tão extremo e insidioso à lei natural que um país baseado na lei natural deve proibi-la.

Agora, por uma questão de eficiência, deixe-me incluir uma breve réplica aos quatro pontos que serão feitos contra a minha posição.

1) A pornografia é protegida pela Primeira Emenda.

Não, não é. Miller v. Califórnia descobriu que a obscenidade não é discurso protegido e pode ser censurada. Aqui está um fato interessante: a lei federal já proíbe a distribuição de material obsceno. Mas a lei não é aplicada ou não é aplicada como deveria ser.

2) Então você quer proibir pornografia, mas não as armas? Hipócrita!

Isso é como me acusar de hipocrisia porque você me pega comendo um bife depois que eu acab ei de explicar por que você não deve comer fraldas. “Ah, então agora você acha que não há problema em comer coisas!” Sim, eu nunca disse que não devíamos comer nada. Sóa cabei de dizer que não devemos comer essa coisa em particular.

Da mesma forma, nunca disse que não deveríamos banir nada. Acabei de dizer que não devemos proibir armas. A s a rmas são protegidas pela Declaração de Direitos. A pornografia não é. As armas são uma ferramenta que pode ser usada para preservar nossa liberdade. A pornografia não é. A s a rmas têm muitas aplicações positivas. A pornografia não tem . Uma arma é um objeto moralmente neutro cujos perigos ou benefícios são determinados inteiramente pela pessoa que a utiliza. A pornografia é sujeira moralmente degradada sem qualidade redentora e não há aplicação positiva para isso.

3) A proibição da pornografia é inexequível.

Não, não é. Não haveria problema em fechar as operações pornográficas “profissionais” e ir atrás dos principais sites pornográficos como o Porn Hub. Quanto ao resto, o governo poderia ser tão bem sucedido policiando quanto policiar pornografia infantil. Ou seja, eles não podem se livrar de tudo, mas podem conter o problema e punir aqueles que distribuem o material.

4) É uma ladeira escorregadia.

Com o que você está preocupado, quepodemos “escorregar”? Decência? Deus, quem dera.

Qual, exatamente , é o pior cenário aqui? Que a lei anti-pornografia p o ssa ser usada contra redes de TV que transmitem conteúdo obsceno? B om, ok então. E por que isso seria um resultado tão horrível? Enquanto você não p uder argument ar razo avelmente que as leis contra a obscenidade poderiam ser usadas para suprimir a troca de idéias livres e legítima s , ou , de alguma forma , punir a dissidência política, não vou me preocupar muito com as ladeiras escorregadias. Se a lei fo r realmente esticada até os limites, a “pior” coisa que posso ver acontecer é a censura de material sexualmente explícito na TV e talvez a criminalização de clubes de strip-tease. Tanto melhor, tanto quanto eu posso dizer.

Nós vimos onde a pista escorregadia leva quando as leis contra a obscenidade não são aplicadas. Tenho certeza de que o declive escorregadio na outra direção não poderia resultar em algo tão ruim quanto a nossa situação atual.

 

Sugestão de vídeo:

 

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!