O custo de nossos vícios digitais

Por Matthew Hennessey. Leia o artigo completo no National Review.

Como um número da revista Ciência, de 2011, observou, nosso relacionamento com nossos aparelhos e engenhocas tecnológicos mudou a maneira como lembramos fatos e eventos. Alguns apelidaram isso de “efeito Google”, por causa do mecanismo de busca na Internet combinado com o domínio de mercado e o poder cultural da US Steel, Standard Oil e Ma Bell. Psicólogos da Columbia, Harvard e d​​a Universidade de Wisconsin revisaram quatro estudos que testaram o quão bem ou mal as pessoas conseguiam se lembrar de informações quando sabiam que um computador estaria disponível para ajudá-las a salvar ou acessar essas informações. No geral, os participantes tiveram mais dificuldade em lembrar detalhes quando souberam que esses detalhes haviam sido armazenados em um computador e que eles poderiam acessá-los novamente quando precisassem. De fato,

“Como os mecanismos de pesquisa estão continuamente disponíveis para nós, muitas vezes podemos estar em um estado de não sentir que precisamos codificar as informações internamente”, observaram os autores do estudo. “Quando precisamos, procuramos isso.” O inverso também é verdadeiro. Quando sabemos que não seremos capazes de procurar as coisas, é mais fácil nos lembrarmos delas. “Parece que acreditar que alguém não terá acesso à informação no futuro aumenta a memória para a informação em si, enquanto que acreditar que a informação foi salva externamente aumenta a memória pelo fato de que a informação pode ser acessada, pelo menos em geral.”

Em outras palavras, estamos tratando a Internet como um cérebro externo. Nossos cérebros reais sabem que não precisam mais trabalhar tanto quanto antes, então naturalmente começam a afrouxar. O preço social para essa transformação foi alto. Em uma entrevista de 2016 com Brian Lamb, da C-SPAN, o historiador David McCullough descreveu: “Fomos informados de que vivemos na era da informação. E nós obtemos informações em quantidades que seriam inimagináveis em outros tempos – e de uma infinita variedade de assuntos, e tudo isso pode vir instantaneamente eletronicamente, e de muitas maneiras que você não tem que carregar nada disso em sua cabeça,” ele disse. Qual é a troca? “Você pode simplesmente procurar, então por que aprender?”
A ideia de que você pode “simplesmente procurar” pode parecer um benefício. O objetivo de uma boa educação, afinal de contas, não é encher sua cabeça com fatos (embora isso seja freqüentemente um feliz subproduto de uma boa educação). Em vez disso, alguém bem instruido sabe o suficiente para saber o que não sabe. O problema agora é que toda uma geração de crianças cresceu, se formou no 2º grau e na faculdade, e está trabalhando no mundo profissional sem saber o que não sabe. . . porque eles não sabem de nada. O ethos que eles absorveram é, na verdade, não saber. Conhecimento é terceirizável. O Google está pronto, esperando para ajudá-los a qualquer momento que estiverem prontos para “simplesmente procurar”. Esses são os chamados “nativos digitais”, nascidos em uma região selvagem do final do século, que estava se conectando. para o salto para o hiperespaço tecnológico.

A mentalidade do “simplesmente procure” do milênio contribuiu em grande medida para o emburrecimento da cultura. Uma pesquisa de 2015, de professores e empregadores comissionados pelo grupo Achieve concluiu que, apesar de as escolas americanas fazerem um trabalho decente de preparar os alunos para usar a tecnologia e trabalhar em equipe, eles fazem um trabalho muito pior ao prepará-los para escrever em inglês correto, pensar em problemas complexos e compreender materiais ou ideias complicados escritos. Uma porcentagem extremamente pequena de professores e empregadores disse que achava que os formandos do ensino médio americanos estavam prontos para “fazer o que se esperava deles”. Por quê? É porque os professores do ensino médio estão piores hoje do que há 70 anos? Não. É porque a maioria dos jovens não tem a capacidade ou o desejo de se concentrar mais tempo do que o necessário para ler um Snapchat que está desaparecendo. As midias sociais e o bate-volta rápido da internet os treinaram para ficar a um clique de distância de qualquer coisa que não prenda a sua atenção por mais do que o tempo que leva para dar um bocejo.

Um estudo de 2014 descobriu que os estudantes universitários gastam uma quantidade enorme de tempo todos os dias usando smartphones e a Internet. As mulheres estudadas passaram dez horas todos os dias on-line, enquanto os homens passaram cerca de 7,5 horas on-line diariamente. “Pesquisas sugerem que o uso da mídia tornou-se uma parte tão significativa da vida estudantil que é ‘invisível’ e os alunos não necessariamente percebem seu nível de dependência e / ou vício em seus celulares”, escreveram pesquisadores em um artigo publicado no Jornal de Vício Comportamental. Outros pesquisadores estudaram a capacidade de alunos universitários se concentrarem em uma palestra enquanto são bombardeados com mensagens de texto às quais se sentem obrigados a responder. Os que receberam 16 ou mais textos durante uma palestra de 30 minutos obtiveram uma nota mais baixa em um exame pós-palestra do que aqueles que receberam metade dos textos. Os da geração do milênio são levados à distração por seus vícios tecnológicos.

Está afetando suas notas, seu desempenho no trabalho e sua capacidade de estar presente nos relacionamentos pessoais. Mas eles são os chamados “nativos digitais”, nascidos e criados na era da Internet, então nem sequer reconhecem isso como um problema. É só a vida. Escrever mensagens é viver.

Cena do filme Wall-E

Não me entenda mal – os adultos hoje em dia também não conseguem se concentrar. Um estudo canadense mostrou que, embora a média de atenção humana fosse de doze segundos em 2000, quase 20 anos de influência na Internet reduziram esse número para oito segundos. Estamos todos perdendo nossa capacidade de manter a concentração. Estamos deixando nosso foco escapar, e todos nós fomos, voluntariamente, por esse caminho. É um problema se, como eu, você estiver na meia-idade, mas pelo menos um cara como eu pode procurar soluções para o problema com o conhecimento completo de como as coisas costumavam ser – como era mais fácil nos dias pré-Internet se sentar com um livro sem pensar no seu telefone, ou ficar sozinho com você mesmo (ou sua família) por algumas horas. Se você é um aluno do ensino médio no final da segunda década do século 21 – ou o pai de tal criança – isso não é apenas um problema; é uma crise. Uma professora de inglês do ensino médio disse-me recentemente que assiste, maravilhada, ao fato de seus alunos procurarem no Google fatos e informações básicas que antes constituíam o mínimo do que uma pessoa deveria saber quando chegasse à adolescência. As coisas estão indo depressa ladeira abaixo.

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!