iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por James Delingpole no Breitbart. Leia o artigo completo aqui.

Tempos estranhos em que vivemos, quando 99,99 por cento da população ainda acredita que existem apenas dois sexos, homens e mulheres, mas dificilmente ousa dizer isso por medo de cair em desgraça diante do lobby do T (para Transsexual) que, astuciosamente, pregou sua agenda ao lobby LGB (Lésbicas, Gays e Bissexuais), apesar do fato de que os interesses dos dois grupos muitas vezes são opostos.

Spectator relatou que até os parlamentares que acham que o ativismo transexual está tendo conseqüências danosas têm medo de falar. Ele cita uma pesquisa no Sunday Times :

28 por cento de todos os deputados concordam que as pessoas devem poder decidir o seu próprio sexo legal sem a aprovação de um médico; 50 por cento discordam.

59 por cento disseram que o aumento no número de crianças se apresentando como transexuais “é um desenvolvimento preocupante que ainda não foi devidamente explicado nem discutido.”

67 por cento disseram: “estou preocupado que as regras que permitem que os homens se identifiquem como mulheres e acessem espaços exclusivos para mulheres, como prisões e refúgios, podem ser explorados por indivíduos abusivos”.

Os deputados estão preocupados. Mas por que eles não disseram isso? Por que essa pesquisa da ComRes constitui uma notícia real, preenchendo um espaço bastante grande em nosso entendimento? O que eu acho mais impressionante sobre a pesquisa,

Quanto à afirmação: “Sinto que posso falar livremente sobre questões transexuais sem medo de ataques da mídia social ou ser acusado de transfobia”. Apenas 33 por cento dos deputados concordaram. 54 por cento discordaram.

Em outras palavras, a maioria dos parlamentares não acha que pode discutir livremente uma questão que diz respeito ao bem-estar das crianças e à segurança das mulheres vulneráveis.

Isso, penso eu, é um exemplo tão profundo quanto preocupante de um efeito assustador. Quando parlamentares não podem falar sobre algo importante, algo deu errado.

Fico feliz que homens e mulheres gays agora vivam em um mundo onde eles podem se sentir confortáveis para serem eles mesmos (embora alguns dos meus amigos gays me digam que eles se ressentem de serem aceitos como heterossexuais: tira todo o perigo e excitação e exclusividade de suas inclinações sexuais), mas o movimento transexual é muito mais insidioso do que o movimento pelos direitos gays, especialmente no que diz respeito às crianças.

Amigos meus têm filhos na escola de Brighton (epicentro da Grã-Bretanha do “despertar”: o local cujo conselho municipal ordenou que suas escolas ensinassem crianças de até oito anos que pessoas “de todos os gêneros” podem menstruar) e não estão nada confortáveis com o que está acontecendo. Sua filha relata que muitos de seus amigos estão se pronunciando “com fluidez de gênero” sob a influência de toda essa propaganda que estão recebendo de seus professores da moda. A vantagem é que o resultado é que a filha está se tornando muito mais direitista A desvantagem – e essa é a conseqüência mais séria desse modismo perigoso – é que as crianças estão sendo direcionadas para a terapia hormonal e até mesmo para a cirurgia de redesignação em uma idade em que elas são jovens demais para ter certeza de sua identidade sexual, correndo o risco de causar danos permanentes a si mesmos, dos quais elas podem acabar se arrependendo pelo resto de suas vidas.Em algum momento no futuro não tão distante, vamos estar colhendo um redemoinho. Eu pessoalmente conheço uma pessoa transexual que é muito, muito amarga por ter passado por uma cirurgia de redesignação durante um período de confusão sobre sua identidade sexual, apenas para se arrepender depois. Nós vamos ver muito mais disso. E quando essas vítimas estão olhando em volta, imaginando a quem culpar, acho que terão sempre razão em ficar furiosas com o governo (por não enfrentar o lobby dos transexuais) e a mídia de esquerda liberal, por sua abordagem vergonhosamente acrítica da questão, como incorporada por artigos idiotas como este.

Um pouco de humor para aliviar o peso do assunto. O cartaz pergunta: Não sou nem menino nem menina, onde faço xixi?.
A pronta resposta de um leitor: Lá fora!
star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.