Uma californiana se “casou” com uma estação de trem chamada Daidra, depois de passar 36 anos apaixonada por ela.
Carol Sante Fe spends some intimate moment with her partner
veja todas as fotos no The Sun.
 
Carol Santa Fe, de 45 anos, trabalhadora voluntária, alega que esteve apaixonada da estação de trem de Santa Fe desde que tinha nove anos de idade.
 
Carol faz uma viagem de ônibus de 45 minutos até a estação todos os dias para passar um tempo de qualidade com seu prédio amado.
Embora seu casamento não seja juridicamente vinculativo, Carol afirma que eles se amarraram em 2015 – e comemoraram seu aniversário de um ano no Natal passado.
Carol diz que faz “sexo” com a construção mentalmente e se identifica como um objeto sexual – uma pessoa sexualmente atraída por objetos e estruturas inanimadas.
É um debate mundial se o fenômeno é uma sexualidade, fetiche ou condição mental.
Carol só descobriu isso aos 40 anos, depois de pesquisar on-line “Estou apaixonado por um prédio”.
Ela disse: “Eu sou casada com a estação de trem de Santa Fé – o nome dela é Daidra”.
 
Carol disse: “Nós só começamos o relacionamento em 2011, mas eu era apaixonada pela estação desde a minha juventude.
 
“Quando nos casamos, fiquei lá e disse a ela que eu o aceitava como meu parceiro.
 
“Foi o dia mais feliz de nossas vidas.
 
“Quando eu chego lá, eu digo olá para ela, daí ando ao redor do bloco circulando em torno dele, tentando não deixar ninguém notar que eu estou falando”.
Ela disse que muitas vezes encontra uma área privada da estação que ela toca, apoiando-se contra ela – embora mantenha suas roupas.
 
“Quando a estou tocando, eu sinto como se ela realmente me abraçase e me beijasse”, disse ela.
 
“Eu não faço sexo físico com a estação em público, eu quero ser respeitosa.
 
“Eu não faria isso com um humano em público, então por que eu faria isso neste caso.
 
“Eu faço sexo com Daidra na minha mente quando eu fico lá.
 
“Eu gosto especialmente quando ouço os trens acelerarem seus motores, me excita”.
 
Carol – que mora na Califórnia desde os três anos – afirma que a estação de trem é o amor de sua vida, apesar de ter tido um relacionamento anterior com um homem.
 
Ela acrescentou: “Amei um humano uma vez, antes, o nome dele era Tom e nós ficamos juntos por 18 meses.
 
“Mas não funcionou e eu me senti incrível quando comecei o relacionamento com a Daidra porque ela disse que nunca iria me deixar.
 
“Eu só escondo minha atração sexual pela estação, porque simplesmente não quero que as pessoas saibam e me impeçam de vê-la.
 
Carol acrescentou: “A sexualidade de Objectum não é uma doença mental como a mídia sempre diz.
 
“É nossa sexualidade, como ser lésbica ou bissexual – não somos loucos.
 
“Daidra e eu conversamos sobre coisas normais, sempre digo a ela como foi o meu dia”.

 

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!