iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Voula, a tia louca

Por Jenna Birch. Leia o artigo completo no Jewish World Review

De acordo com o psiquiatra e neurocientista Amir Levine, que co-escreveu “Attached” com a terapeuta Rachel Heller, os bebês nascem com uma necessidade inata de criar vínculos. “A teoria do apego destaca as adaptações que fazemos para que nossas necessidades sejam atendidas”, diz a psicóloga clínica Lisa Firestone.

As crianças usam seus guardiões como uma “base segura” para explorar o mundo, voltar e ser consoladas. Firestone estudou as reações de bebês e pais em um ambiente de laboratório; as crianças foram separadas de seus cuidadores, deixadas com um estranho e depois reunidas. Ela descobriu que as crianças que tinham cuidadores responsivos lidavam com a separação mais facilmente – essas crianças tinham um estilo de apego seguro. As crianças cujos cuidadores primários só às vezes atendiam às suas necessidades – talvez tivessem dificuldade em ler os sinais dos bebês ou estavam preocupadas com outras tarefas além do cuidado – eram apegados ansiosos. Eles não gostavam de ficar de fora, apegando-se aos seus guardiões e usando “comportamentos de protesto” para chamar a atenção. Alguns eram ariscos, resultado de um cuidador desinteressado; eles aprenderam a se defender sozinhos e a projetar alta autoconfiança, agindo sem serem afetados se o cuidador principal deles vem ou vai. Um raro quarto estilo, apego desorganizado, foi identificado posteriormente; é nesse ponto que as crianças não têm uma maneira razoável de satisfazer suas necessidades, muitas vezes resultantes de abuso ou negligência do cuidador.

Um dia, essas relações entre cuidadores e bebês são mapeadas em nossos relacionamentos românticos adultos. Os apegados confiantes se sentem confortáveis ​​com a intimidade e desenvolvem laços românticos com relativa facilidade. Apegados ansiosos temem o abandono e a perda do amor de seus parceiros (assim como os apegados temerosos, a versão adulta dos desorganizados). Apegados esquivos nunca chegam perto demais nem “se conectam”, diz Firestone; eles se recusam a confiar em parceiros românticos e muitas vezes vêem esses parceiros como “carentes” se eles exigem muita intimidade.

Voula, a tia louca

A teoria do apego originou-se na década de 1940 e assistiu a uma recente explosão de interesse e pesquisa. O jornalista Peter Lovenheim, que escreveu um novo livro sobre a teoria do apego: “O efeito do apego: explorar as formas poderosas de nosso vínculo mais antigo molda nossos relacionamentos e vidas“, disse que soube da teoria do apego depois de sair de um casamento de 20 anos com três filhos. Ele entrou em um novo relacionamento “que parecia uma montanha russa emocional”, explica ele. “Então, visitando minha filha na faculdade, encontrei um livro de psicologia em seu dormitório detalhando a teoria do apego – especificamente a ‘armadilha ansioso-esquivo’ onde estilos de apego opostos se tornam um casal. Os autores descreveram o que eu estava passando com perfeição.”

As estimativas sugerem que cerca de 50% da população é confiante, 20% é ansiosa, 25% é esquiva e 5% tem medo. Antes que você conclua que existem “estilos ruins” (tipos inseguros) ou “bons estilos” (confiantes), porém, Lovenheim aponta para pesquisas sobre apego no trabalho que mostram como os tipos ansiosos e esquivos têm valor excepcional. “Os pesquisadores reuniram um grupo de pessoas e mediram seus estilos de apego”, explica ele. “Eles disseram aos participantes que iriam analisar os dados na tela do computador. Mas esse não era o objetivo do estudo. Eles haviam manipulado o computador para que ele começasse a soltar fumaça”.

Como Lovenheim descreve, os pesquisadores queriam ver como o apego informava a reação dos participantes à ameaça. Apegados ansiosos foram os primeiros a detectar a fumaça, e os esquivos foram os primeiros a encontrar uma saída para a situação. Os cientistas concluíram como essas descobertas se encaixam no modelo de relacionamentos de apego. “Os tipos ansiosos estão em sintonia com as ameaças pessoais, enquanto os esquivos evitam relacionamentos íntimos em favor da autonomia”, diz Lovenheim.

Sensibilidade e auto-suficiência têm seus espaços, e assim os tipos ansiosos e esquivos se adaptaram a seus ambientes. Eles aprenderam a satisfazer suas necessidades sem um cuidador totalmente responsivo. “Esses tipos são variações da norma”, diz Levine. “Quando chego a pensar em apego agora, é mais um modelo de trabalho versus estilos; é algo no que você ainda está trabalhando, e está sujeito a mudanças com diferentes conjuntos de expectativas e crenças sobre o mundo. Seu modelo de trabalho decide em quais sugestões você presta atenção e o que você ignora.”

Yia Yia, a paranóica

As experiências também informam seu modelo de trabalho. O par perfeito pode torná-lo mais confiante, enquanto o par errado pode deixá-lo ainda mais ansioso ou esquivo. Já que eu vagueio no lado ansioso, eu combinaria melhor com uma pessoa confiante para satisfação a longo prazo. Eu só não sabia disso anos atrás.

Olhando para trás ao longo da minha história romântica, posso ver como diferentes parceiros afetaram minha segurança nos relacionamentos. Meu primeiro namorado era ansioso, o que nos deixou a ambos super sensíveis aos sinais um do outro. Meu segundo namorado era evasivo. Embora tenha começado com uma “faísca” – característica de muitos casais ansiosos e esquivos, diz Firestone – terminou com frustração perpétua. Sua independência profunda costumava vir antes de minhas necessidades de intimidade.

Depois de conhecer o meu estilo de apego no rescaldo da minha armadilha ansiosa e esquiva, encontrei um modelo de trabalho melhor para os meus relacionamentos românticos, baseado nas minhas necessidades pessoais. Escolhi namorar principalmente homens seguros desde então, homens que podem responder às minhas necessidades sem ficar na defensiva. (Meu último namorado era um apegado confiante, e não surpreende que esse foi o meu relacionamento mais longo e saudável.)

Se você é inseguro, a consciência do seu modelo pode ser crucial na construção de laços mais fortes. “Conhecer seu estilo de apego pode ser fortalecedor”, diz Lovenheim. “É difícil se você passa a vida ansioso e não sabe, por exemplo, você não vai entender os conflitos e frustrações em seus relacionamentos. Quando você entende o apego, você pode pensar: ‘Ah, esse é o meu estilo de apego falando” quando você é provocado por alguma coisa. Você pode até pensar: ‘Eu não preciso reagir dessa maneira’ e mudar seus comportamentos”.

Irmão e primo super-protetores

Talvez a tecnologia e o advento dos aplicativos de namoro tenham colocado os apegados inseguros em maior desvantagem do que nunca; há mais maneiras de evitar o seu parceiro (tempo de tela, mensagens de texto) e mais maneiras de se sentir ansioso (imagens duplas, monitoramento de mídias sociais, etc.). Mas você pode aprender a reconhecer os que respondem às suas necessidades de maneira mais saudável e são, provavelmente, confiantes.

O que é ótimo sobre os confiantes é que eles são seres humanos super-adaptáveis. Eles podem fornecer a intimidade e a confiança que os apegados ansiosos e medrosos exigem sem se assustarem; eles também podem fornecer aos esquivos o espaço de que precisam, de modo que relacionamentos românticos não os sobrecarregam. Namorar com segurança é provavelmente o objetivo, embora Firestone diga que muitos tipos ansiosos e esquivos são atraídos um pelo outro pelo “apelo inicial das diferenças”, acrescentando “mas não se resume tudoa uma faísca”.

Segundo Lovenheim, dois tipos inseguros podem namorar. “É preciso mais trabalho e conscientização”, diz ele. No entanto, se você é inseguro e nunca namorou alguém seguro, pode valer a pena tentar. Como descobri, sendo do tipo ansioso, é muito mais fácil namorar alguém que vai tranquilizá-lo quando você se preocupa ou que não tem medo da intimidade. Se você é esquivo, também é mais fácil namorar alguém que lhe dará o espaço necessário em seu relacionamento. Namorar alguém seguro pode, finalmente, torná-lo mais seguro. Isso é chamado de “segurança adquirida”.

Então, se você quer relacionamentos mais seguros, é importante identificar pretendentes em potencial que possam atender às suas necessidades desde o início. Perguntei a todos os especialistas em apego como identificar uma dessas míticas pessoas seguras no grupo de namoro. A estratégia de Levine está em busca de “CDCRP”, que significa alguém consistente, disponível, confiável, responsivo e previsível. Isso significa que eles estão arrumando tempo para ir em encontros; eles atendem o telefone quando você liga; eles respondem aos textos em tempo hábil; e quando o parceiro expressa as necessidades de relacionamento, é recebido com solidariedade.

Pais exageradamente emotivos

Lovenheim também diz que se deve prestar atenção à quantidade de informação que uma pessoa divulga sobre si mesma. Apegados ansiosos podem se revelar em excesso, porque anseiam por intimidade; eles também podem ser bastante envolventes. “Eles têm uma tendência a antecipar-se e ser mais emocionalmente abertos de imediato”, diz Lovenheim. “Por outro lado, um esquivo não lhe diria muito sobre si mesmo; eles podem se dedicar ao trabalho, esportes, imóveis e assim por diante.” Os confiantes têm uma abordagem mais intermediária “não quente demais, não muito fria”. “Eles não dizem muito, nem muito pouco”, diz Lovenheim. “Você se sente confortável. Nem testado nem julgado.”

Firestone diz que você pode reunir informações sobre o passado de um pretendente em potencial antecipadamente, ou pelo menos dentro de alguns encontros. “Eles têm uma visão saudável e equilibrada de seus pais? Eles têm experiências positivas de relacionamentos passados? Além disso, eles provavelmente têm razoável confiança, parecem solidários e gentis, e têm uma opinião equilibrada sobre você. Eles não se precipitaram em idealizar você; eles não estão apaixonados pela ideia de você, mas ao invés disso, vêem você como um todo. uma pessoa com pontos fortes e fracos. “

Em uma era de gratificação instantânea, onde encontramos encontros em aplicativos e esperamos sentir uma conexão romântica imediata, os especialistas dizem para não desistir depressa demais, para dar à química um pouco mais de tempo se você se deparar com uma pessoa segura em quem possa estar interessado.

Talvez seja essa a minha lição favorita sobre a teoria do apego – como ela se opõe às mensagens da cultura pop e às tendências atuais. Quando você vê um casal equilibrado e seguro em um filme, sem esse conflito central característico? Levine consegue pensar em apenas um: “My Big Fat Greek Wedding“. O casal é solidário e há uma intimidade fácil dentro do namoro, diz Levine, enquanto a dinâmica familiar fornece a maior parte do conflito do filme.

Barreira da língua

Há fascínio e mistério em opostos. A frase “opostos se atraem” poderia se derivar dos muitos casais ansiosos e esquivos que estão por aí. Inicialmente, cada um parece ter o que o outro não tem; um é emocional e expressivo, o outro é distante e confiante, afirma Firestone. “É uma espécie de Cinderela”, explica ela. “Está procurando alguém para salvar você, ficar bem, ou ficar inteiro.”

Esses relacionamentos podem ser inebriantes – mas geralmente não são construídos para durar, de acordo com as leis da teoria do apego. “Na verdade, sentir-se relaxado perto de um parceiro – o oposto da faísca – é provavelmente um bom sinal”, diz Firestone.

Eu não poderia concordar mais.

Fonte:

www.theodysseyonline.com/the-bittersweet-end

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Educação

A INQUISIÇÃO SECULAR

Por Melanie Phillips. Leia o artigo original em Melaniephilips. Alguns dias atrás, o filósofo John Gray escreveu no site Unherd uma análise sombria, mas precisamente direcionada , de por que as ciências

Leia Mais »