iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Em comemoração à Páscoa, ofereçemos uma reflexão sobre como recuperar-se de mágoas, traições, rejeições, humilhações, abandono.
Resultado de imagem para picture river banks flood
 “Perdoe eles”
 
 
“Pai, perdoa-os porque eles não sabem o que estão fazendo.” Jesus conseguiu pronunciar aquelas palavras penetrantes através de lábios sangrados e rachados, inchados do sol do meio-dia. Empalado naquela cruel cruz romana, Ele intercedeu em favor de Seus inimigos. Que magnífico modelo de perdão!
 
Ele pagou a pena pelos pecados do mundo, na íntegra, o justo pelos injustos. Como resultado de Sua morte sacrificial, a reconciliação foi feita entre o homem e Deus. Ele é nosso modelo para resolver corretamente disputas. Em última análise, é uma questão de perdão.
 
“Pai, perdoa-os …” Que maneira de viver!
 
Antes de continuar, você pode ter que fazer uma reflexão honesta. Eu convido você a revisitar seu próprio passado ferido e não curado. Pode remontar há muitos anos, pode trazer à mente o rosto de um pai, filho, amigo, ex-companheiro, colega de trabalho, chefe, treinador, pastor ou irmão. Eles feriram você. A dor permaneceu todos esses anos. Você não pode sequer ouvir o nome deles ou ver uma fotografia sem que toda a raiva e desconfiança inunde sua alma como um rio que ultrapassa as margens.
 
Meu amigo, é hora de seguir em frente. Procure uma solução. Procure a ajuda de outra pessoa, se você precisar. Mas continue com isso. O que quer que seja preciso para se tornar livre, faça.
 
Neste momento, convido você a ficar sozinho ao pé da cruz, olhar para Ele, e liberar deliberadamente tudo. Veja-o pendurado lá, sangrando e morrendo, e abrace o Seu perdão, para você e para seu inimigo. Ao perdoar, você não está tolerando o pecado deles. Você está simplesmente deixando isso para Deus. Esse é o território dEle, não o seu. Isso é graça. E você pode oferecê-la aos outros porque você também não a merece.
 
Tem um pouco de dever de casa para fazer? Comece com isso antes que fique muito tarde e você perca o caminho de casa.
 
Perdoar não é desculpar o pecado de outra pessoa. É deixar a ferida na alçada de Deus, não na sua.
Charles R. Swindoll, extraído de Great Days with the Great Lives (Nashville: W Publishing Group, 2005).
star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Opinião

Seja seu Próprio Herói.

Por Andrew Klavan. Leia o artigo completo no Daily Wire. [George] Lucas, você sabe, incorporou outras influências. O grande cineasta japonês Akira Kurosawa fazia parte de

Leia Mais »