iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Este é o vídeo viral do ano, não tanto pela música, mas principalmente pela história por trás dele.
O vídeo, filmado por Billy McAuley, foi enviado ao Facebook e YouTube, e noticiado na imprensa local. Em alguns dias passou de um milhão de visualizações. e a escola recebeu ligações da Austrália, América e Japão.
Uma menina de 10 anos maravilhou o mundo cantando uma versão do Aleluia, de Leonard Cohen. A interpretação é linda, mas o que torna o vídeo ainda melhor é que a letra foi alterada; é impressionante não só que Kaylee tenha sido capaz de cantar a música mas que tenha decorado a versão da letra.
Kayleigh Rogers é aluna, desde os quatro anos, de uma escola cujo lema é “Juntos, podemos.” Ela tem autismo e ADHD.
De acordo com a Sociedade Autística Nacional, “autismo é uma deficiência que afeta a maneira como a pessoa se comunica e se relaciona com as outras pessoas. O Distúrbio de Déficit de Atenção, além da óbvia falta de atenção, causa hiperatividade e impulsividade.
Essas condições podem criar desafios para a auto-confiança e a disposição de Kayle de falar na frente dos outros.
“Normalmente, Kayleen, é muito tímida.” diz a diretora da escola, Colin Millard, e continua: “Ela é uma menina muito quieta, mas quando ela canta, ela desabrocha.”E explica o que significa a coragem da menina: “Para uma criança, que quando chegou não falava nem lia na sala, ficar na frente de uma platéia e se apresentar é extraordinário. Isso requer muito esforço da parte de Kaylee.” De fato, ela foi capaz de cantar em frente a uma pequena multidão, de seus colegas, professores e câmeras, e fez um excelente trabalho.
O professor de música de Kayleight, Lloyd Scates, descobriu cedo o talento dela e a incentivou a cantar solos durante as apresentações da escola, a fim de desenvolver sua voz e sua confiança.
Quanto ao futuro de Kaylee, sua mãe Tracy, disse que a filha poderá ter algumas oportunidades para cantar profissionalmente, mas que só funcionará se o seu professor de música participar.  “Ela sempre adorou cantar, mas foi só na Killiard House que ela realmente ficou independente. O professor é o porto seguro dela.”
A diretora concluiu: “Cantar lhe dá muita confiança.” “Todas as minhas crianças têm talentos, assim como barreiras, e esta é a dela.”
Kayleight está muito entusiasmada pelo fato de seu video ter viralizado: “Foi fantástica a quantia de visualizações que tive. Adorei ter feito o video.”
Um comentário do Youtube resumiu: “O que é fantástico neste vídeo é que não é bom só porque ela tem 1o anos. E não é bom só porque ela tem autismo e ADHD. É bom porque é bom – muito bom.”
Transtornos como o autismo ainda sofrem com um estigma desnecessário na sociedade. Kaylee fez um excelente trabalho em nos lembrar de que se trata o Natal. Não se trata de presentes, Papai Noel, nem comida; trata-se do nascimento de Jesus Cristo. Ao mudar as palavras da canção, ela nos lembra que a verdadeira razão pela qual estamos celebrando é que há um bebê na mangedoura, que morreu por nossos pecados.
star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.