iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Transexual chama para briga balconista que o chamou de “Senhor”, e chuta mercadorias ao sair da loja.

Por Gerard JM van den Aardweg , Ph.D. National Center for Biotechnology Information.

Os fatos mais bem estabelecidos em relação à homossexualidade apontam para causalidade desenvolvimental-psicológica, não genética ou fisiológica. Os esforços das últimas décadas para encontrar evidências que sustentem uma teoria biológica tornaram mais duvidoso do que nunca que essa evidência será encontrada. Em contraste, muitos estudos mostraram que o fator mais significativo que se correlaciona com a homossexualidade é a “não-conformidade de gênero” ou isolamento de pares do mesmo sexo. Outro fator intimamente associado à homossexualidade é um desequilíbrio na interação entre pais e filhos, notadamente formas de super-influência do genitor do sexo oposto em combinação com uma relação deficiente com o genitor do mesmo sexo. A terceira correlação bem estabelecida é com o “neuroticismo” inerente, e não com a discriminação, ou a instabilidade / imaturidade emocional.

Estruturada em torno dessa evidência essencial da pesquisa clínica e estatística, a homossexualidade é explicada, aqui, como uma neurose de caráter. As características dessa síndrome do caráter neurótico incluem a imaturidade da personalidade, a auto-vitimização e o egocentrismo. Essa síndrome afeta não apenas as dimensões emocionais, mas também as morais e espirituais da psique e, se induzida, leva à deterioração generalizada da personalidade. Terapeuticamente, uma abordagem holística, ao mesmo tempo em que aborda os componentes emocional, moral e espiritual da psique, oferece a melhor oportunidade para superar a homossexualidade. A egocentralização e a maturidade da personalidade, incluindo o desenvolvimento da masculinidade/feminilidade madura, são os objetivos da terapia.

As duas opiniões atualmente predominantes sobre as causas e dinâmica da homossexualidade 1são, primeiro, “genéticas” e, segundo, “ainda são desconhecidas, mas provavelmente inatas”. Ambas as opiniões têm sido defendidas há décadas pelos proponentes da ideologia gay, apoiadas por uma corrente de ideias e interpretações semelhantes em periódicos profissionais. Essas visões penetraram em todos os lugares, inclusive no mundo cristão e acadêmico. Elas servem como a lógica pseudocientífica para o argumento bem-sucedido da “discriminação”. Pois existe uma forte crença de que, se algumas pessoas são “assim” por sua composição biológica, seria injusto negar a elas “direitos iguais” e desumano esperar que elas suprimam sua natureza ou tentem mudar. Em geral, porém, somos confrontados com uma mitologia moderna disfarçada de ciência.

Na verdade, causas primárias e eficientes da atração pelo mesmo sexo (SSA), incluindo a pedofilia homossexual, não foram encontradas, e é muito improvável que sejam encontradas no campo da “biologia”. Evidências esmagadoras apontam para a “psicologia”, mais precisamente para a história de vida psicológica da pessoa, suas experiências de infância e adolescência e sua família e relacionamentos com seus pares. Antes de ler atentamente esta evidência, devemos inspecionar criticamente os argumentos e observações aduzidos para uma causalidade biológica presumida; enquanto essa crença arraigada (que na sua forma atual remonta ao século XIX 2)) prevalece, toda a questão da homossexualidade permanece obscurecida na ignorância e na escuridão. E esse argumento biológico cria um clima que favorece as falácias da ideologia gay com seus efeitos prejudiciais em muitos indivíduos com propensões homossexuais e na moralidade pública. De maneira desconcertante, a maior parte da ciência institucional e a maioria das publicações acadêmicas sobre SSA seguem essa ideologia. Não são poucos os pesquisadores proeminentes que são ativistas gays, vários deles professando abertamente seu desejo de provar a normalidade da condição. 3

Mais de quinze anos atrás, uma ativista lésbica advertiu: “Devemos estar cientes da interseção potencialmente perniciosa do ativismo gay com a ciência, que produz mais propaganda* do que verdade. ” 4  Em outras palavras, as pessoas são enganadas. Há exceções louváveis, mas a situação hoje não melhorou. Muito dinheiro de pesquisa, público e privado, é gasto em estudos que são considerados potencialmente úteis para o compromisso internacional de normalizar socialmente o comportamento e as relações entre pessoas do mesmo sexo. A busca intensificada de correlatos físicos da SSA durante as últimas décadas deve ser vista sob essa luz. A tendência geral é interpretar e apresentar os resultados unilateralmente, como apoiador da causalidade biológica desejada; psicólogos e psicólogos sociais tentam demonstrar a normalidade das relações homossexuais e dos pais gays. 5Por outro lado, pesquisas e publicações em desacordo com a visão de normalidade são virtualmente proibidas em universidades e institutos de pesquisa e não são bem-vindas pela maioria das revistas profissionais e editoras.

Logicamente, se a SSA – ou a pedofilia – fosse determinada por variáveis ​​genéticas ou fisiológicas, isso não tornaria essas orientações mais normais ou naturais. Essa lógica falsa, entretanto, estgá, regularmente implícita na propaganda* para a normalização da mesma SSA. Assim, o sentido do que é biologicamente saudável e normal (e moralmente bom) em relação à sexualidade fica ofuscado e as justificativas para comportamentos sexualmente anormais (tanto em freqüência como em riscos à saúde médica e psicológica) tornam-se cada vez mais absurdas. Considere este exemplo: uma brochura “para meninos e homens” da Agência governamental alemã para a Educação em Saúde.revela: “Oficialmente, o ânus não é contado entre os órgãos sexuais, mas na verdade deveria ser. No ânus, muitos nervos acabam, o que pode ser facilmente estimulado prazerosamente. Pode-se também considerar o ânus como pertencente à categoria dos órgãos sexuais, já que muitas pessoas homossexuais e também heterossexuais praticam o sexo anal… isso pode ser muito excitante para ambos os parceiros ” .6Essa anormalidade é“ normalizada ”pela argumentação pseudo-biológica.

Paradoxalmente, ao contrário do que geralmente é sugerido e amplamente aceito, a análise da pesquisa nos campos da “biologia” e da psicologia leva às seguintes conclusões: (1) Nenhuma evidências concreta da existência de causas genéticas ou “biológicas” para tendências homossexuais foram encontradas. (2) “Indicações” de correlatos físicos relatados em algumas publicações acabaram sendo “borboletas de um dia” que não puderam ser confirmadas em investigações subseqüentes, ou que podem se encaixar melhor em ,uma explicação psicológica. (3) Existe um corpo de evidências bem estabelecido e consistente que aponta para origens psicogênicas, não físicas. Uma breve pesquisa pode elucidar essa avaliação.

Em sua clássica pesquisa de 1993 sobre o estudo da homossexualidade e seus fatores “biológicos” (físicos), W. Byne e B. Parsons concluíram que “não há evidência … para substanciar uma teoria biológica” .7 Dezesseis anos e muitos estudos posteriores, essa conclusão continuou inalterada: “Não é exagero dizer que nossa compreensão dos fundamentos biológicos da homossexualidade não progrediu muito” .8 A história da busca de peculiaridades hormonais da atração pelo mesmo sexo é um bom exemplo. Reiteradament, foi relatado algum correlato “promissor”, mas, invariavelmente, se revelou um artefato específico da amostra que não pôde ser encontrado em outras amostras. 9Byne afirma: “Tentativas de provar que homens gays têm as respostas de gonadotrofina feminizadas foram feitas décadas depois de fortes evidências sugerirem que o mecanismo cerebral regulador da resposta não difere entre homens e mulheres.” Ele também diz: “Foram necessários 25 estudos para convencer alguns de que os níveis de testosterona na idade adulta não revelam a orientação sexual. ” 10 E quanto à periodicidade de ressurgimento da ideia de peculiaridades hormonais pré-natais atípicas em homossexuais que gerariam estruturas cerebrais sexuais atípicas: “[Já] é difícil, se não impossível, relacionar os esteróides sexuais de maneira consistente para as diferenças anatômicas do cérebro entre os sexos ”, quanto mais para as diferenças hipotéticas entre os homossexuais e os heterossexuais. 11Isso se distingue do fato de que a hipótese hormonal pré-natal para a própria homossexualidade não é apenas puramente especulativa, mas também muito improvável. 12

Quanto aos fatores genéticos , as especulações e investigações atuais dificilmente enfocam genes para a homossexualidade propriamente dita, mas sim fatores hipotéticos predisponentes de natureza não sexual . Isso reconhece, silenciosamente, que os fatores decisivos que produzem a SSA não são genéticos, mas “ambientais”, no sentido mais amplo da palavra, do ambiente intra-uterino ao psicológico (infância e adolescência). Nenhum fator biológico ambiental foi bem estabelecido, mas, de fato, vários fatores psicológicos de fundo têm sido. A pesquisa de gêmeos, em particular, praticamente derrubou o mito da causalidade genética. Esta, em si, é uma história fascinante. Em 1952, FJ Kallmann relatou 100 por cento de concordância para propensões homossexuais em uma amostra voluntária masculina de gêmeos monozigóticos, contra 11,5 por cento ou 42,3 por cento em dizigóticos, dependendo da definição de homossexualidade. 13 (Incidentalmente, essa definição é um fator complicado na pesquisa sobre homossexualidade). Compare isso com números posteriores: porcentagens de concordância de homossexualidade entre 25 e 66 para grupos de pares monozigóticos masculinos e femininos, contra cerca de 20% para pares dizigóticos. 14 De irmãos não gêmeos de homossexuais masculinos, 9% e 11% de irmãos adotivos também eram homossexuais. 15Então, logicamente, “o fato de irmãos biológicos e irmãos adotados mostrarem a mesma incidência de homossexualidade sugere fortemente que é inteiramente de origem ambiental”. 16

Há mais. A concordância monozigótica para SSA prova ser muito baixa em estudos com amostras que não são auto-selecionadas (conveniência ou “amostras de bola de neve”), como as acima. Apenas 3 de 27 pares masculinos monozigóticos do registro duplo australiano concordaram com SSA (11%), contra 0 de 16 pares dizigóticos de mesmo sexo e 2 de 19 pares dizigóticos de sexo oposto (12%). Dos 22 pares monozigóticos femininos, 3 (14 por cento) eram concordantes com SSA, contra 0 de 16 pares dizigóticos de mesmo sexo e 2 de 19 pares dizigóticos de sexo oposto (12 por cento). 17Dos entrevistados em um estudo recente do registro de gêmeos sueco (o maior do mundo), 7 pares monozigóticos masculinos concordaram com SSA, 64 concordantes (portanto 10% monozigóticos discordantes), contra 3 pares dizigóticos concordantes e 50 discordantes (assim 6 por cento de concordância dizigótica). Para as mulheres, a concordância monozigótica foi de 12 por cento, a concordância dizigótica de 9 por cento. 18 Em resumo, a concordância monozigótica aparece inferior na proporção em que as amostras se tornarem mais representativas da população em geral; assim, a discrepância entre as amostras mais recentes e as mais antigas deve-se, principalmente, aos procedimentos de seleção. Claramente, pares monozigóticos concordantes foram sobre-representados nos estudos de voluntários mais velhos. 19Além disso, a determinação da zigosite tem sido imprecisa algumas vezes, porque a aparência semelhante não é decisiva; somente o exame de sangue é 20 (e mesmo as amostras de registro duplo não são protegidas contra essa sobre-representação de pares monozigóticos concordantes com a homossexualidade). Acrescente a isso que, em última análise, ainda é uma minoria de todos os gêmeos registrados que participam de um estudo como este, e cujas respostas são úteis (por exemplo, um mero um terço no estudo sueco).

Em suma, a hipótese genética tornou-se muito improvável. Para salvá-la, as chamadas fórmulas de ajuste de modelo que geram “coeficientes de herdabilidade” foram aplicadas a alguns dados de gêmeos, mas se parecem com “massagem estatística” porque os resultados são apresentados unilateralmente como indicativos de influências genéticas, enquanto a explicação da alternativa “ambiental” é ignorada. (Publicações posteriores citam negligentemente tais publicações anteriores preconceituosas como tendo demonstrado o fator genético). O ajuste do modelo pressupõe, por exemplo, que as (pequenas) diferenças na concordância da SSA entre pares monozigóticos e dizigóticos indicam influências genéticas – precisamente o que deve ser demonstrado. São ignoradas as interpretações baseadas em observações psicológicas sobre o desenvolvimento da auto-identidade em gêmeos. 21Na realidade, esses “coeficientes de herdabilidade” não são medidas de influências genéticas, mas sim estimativas da força das influências genéticas se elas existirem. 22

Mas a psicologia dos gêmeos oferece os insights mais plausíveis – e verificáveis. Gêmeos podem se identificar intensamente com seu co-gêmeo, querem ser e agir como seu alter ego, em particular quando são tratados pelos pais, irmãos e colegas como “idênticos”. Portanto, o comportamento, gostos e desgostos de um podem se repetir no outro até os menores detalhes. Compreensivelmente, essa identificação / imitação mútua pode ser mais forte em gêmeos monozigóticos do que em gêmeos dizigóticos, e mais forte em gêmeos dizigóticos do que em irmãos não gêmeos. O outro fenômeno de gêmeo importante é justamente o oposto, a ênfase exagerada de suas diferenças, freqüentemente como um efeito de seus pais (e do ambiente) fazendo isso. Em sua constante auto-comparação mútua, eles podem acentuar os pontos que os distinguem como um indivíduo em seu próprio direito. Isso pode levar a um complexo de inferioridade em quem chega a se ver como o menos valorizado dos dois. Além disso, um gêmeo pode se ligar mais fortemente com a mãe, o outro com o pai ( essas coisas podem estar relacionadas). 23 

Curiosamente, precisamente, tais fatores distintivos são encontrados na infância (adolescência) de gêmeos monozigóticos discordantes na homossexualidade; e eles fornecem uma pista sobre sua psicogênese. Para gêmeos monozigóticos homossexualmente inclinados com co-gêmeos heterossexuais – cerca de 90% dos gêmeos monozigóticos são discordantes para SSA – os primeiros parecem ser mais “não-conformes ao gênero” na infância, ou seja, menos infantis ou femininos, quando comparados ao cônjuge. 24 Esta não-conformidade de gênero de um versus a conformidade de gênero do outro, sugere uma visão de inferioridade do primeiro – o fraco versus o forte. Cinqüenta anos atrás, esse era o triste tema de um romance aparentemente autobiográfico de Morris West, então popular nos círculos católicos. Central foi a tragédia do homossexual Nicholas Black, que era, ou melhor, se viu como a sombra inferior de seu irmão gêmeo heterossexual. Ilustra bem como o típico complexo de inferioridade de gênero de homens com interesses homossexuais pode se desenvolver como resultado da auto-comparação com um irmão próximo (ou com outros meninos – veja abaixo) e vale, portanto, citar com alguma extensão:

Desde o início, ele havia sido enganado: o início fetal oculto quando os elementos determinantes eram distribuídos por qualquer poder que decidisse que, fora do acoplamento cego de marido e mulher, deveria haver uma paródia de um homem. Ele nascera gêmeo – idêntico no rosto e na forma com o irmão que o precedeu por uma hora fora do útero. Ele nasceu católico… Mas aqui a identidade acabou e a divisão lenta começou. O primogênito era tenso e forte, o segundo era pálido e doentio. Eles eram como Esaú e Jacó – mas Esaú gozava do direito de primogenitura: os esportes de campo, a pesca, os longos passeios no verão rajado, enquanto Jacó se agarrava ao abrigo da casa e ao porto seguro da sala de costura e da biblioteca. Na escola, ele ficou para trás, estava um ano atrasado em Oxford; e enquanto seu irmão gêmeo estava fora com uma comissão de artilharia no deserto ocidental, ele estava confinado a uma cama de hospital com febre reumática. Toda a força estava dentro de um; toda a fraqueza dentro do outro. Toda a masculinidade pertencia ao primogênito e, em Nicholas Black, havia apenas uma beleza epicena, a delicadeza de uma mente voltada demais para si mesma.25

A busca por um link genético para a SSA também não trouxe evidências substanciais. O primeiro estudo amplamente publicado de DH Hamer et al. (1993) foi uma tempestade em uma xícara de chá. 26 O veredicto do famoso geneticista francês Jerome Lejeune de que seus defeitos metodológicos eram tão sérios que “se não fosse pelo fato de que este estudo é sobre a homossexualidade, provavelmente nunca teria sido aceito para publicação” 27 se mostrou correto. Uma replicação pouco convincente de uma equipe de pesquisa liderada por Hamer 28 foi seguida por uma falha clara em replicá-la com uma amostra canadense maior. 29Nem os achados de genealogia se saem melhor para a teoria da causação biológica. O mesmo Hamer reconheceu: “Nunca encontramos uma família em que a homossexualidade fosse distribuída no padrão óbvio que Mendel observava”. Referindo-se à descoberta de uma correlação mais alta na SSA entre mulheres lésbicas e suas mães do que entre elas e suas irmãs, ele comentou: “A taxa foi de 33%, significando que a filha de uma lésbica tinha uma chance em três de também ser lésbica. Geneticamente falando, esse resultado era impossível. ” 30 Esse tipo de conclusão, no entanto, demora a penetrar. Com poucas exceções, descobertas como uma ocorrência um tanto elevada de SSA masculina entre parentes maternos (caso contrário, ainda não confirmada), 31ou a freqüência levemente mais alta de irmãos mais velhos entre homens homossexuais do que heterossexuais 32 tem sido apresentada como suporte de uma teoria fisiológica ad hoc – e mais complicada -, apesar da existência de uma explicação simples e direta baseada em observações psicológicas. Mais exemplos de “indicações genéticas” para a homossexualidade da última década de pesquisa também poderiam ser dados.

Também não foram demonstrados correlatos neuroanatômicos da SSA, apesar de algumas sugestões invalidadas em contrário. Por exemplo, um relatório inicial de feixes de fibras inter-hemisféricas maiores em homens com SSA não pôde ser replicado. 33 LeVay (1991) relatou um núcleo hipotalâmico menor (INAH3) em homens com SSA que haviam morrido de AIDS do que em homens heterossexuais usuários de drogas. 34 Supostamente, isso era evidência de um centro cerebral feminilizado em homens homossexuais, mas várias explicações mais triviais não poderiam ser descartadas. Dez anos depois, Byne encontrou uma proporção menor não significativa do volume de INAH3 para o peso do cérebro em homens homossexuais que haviam morrido de AIDS do que em usuários de drogas heterossexuais masculinos falecidos, mas os núcleos de ambos os grupos continham o mesmo número de neurônios. 35Os dados do peso do cérebro podem refletir os cuidados de saúde superiores recebidos pelos homens homossexuais ou variações nos procedimentos de autópsia e fixação, pois os grupos vieram de diferentes hospitais. 36 O número igual de neurônios em ambos os grupos é interessante porque o INAH3 pode ser uma das poucas estruturas anatômicas cerebrais humanas para as quais o dimorfismo sexual foi razoavelmente demonstrado. 37

Além disso, muitos estudos de função cerebral com pessoas com SSA estão sujeitos a interpretações biológicas preconceituosas – e a publicidade. Por exemplo, assimetria hemisférica funcional atípica do sexo e achados de conectividade, como os relatados em um estudo, 38mesmo que sejam replicados, podem ser explicados por vários fatores além das diferenças inerentes nas estruturas ou funções cerebrais entre homossexuais e controles (por exemplo, fatores de atenção e condicionamento psicossocial). Metodologicamente, qualquer correlação incidental no campo das ciências “biológicas” e comportamentais – como entre algum fator neuro-anatômico, neuro-funcional ou outro fator físico e homossexualidade – deve primeiro ser confirmada em uma série de replicações, em diferentes amostras e por pesquisadores independentes, antes que possa ser considerada como razoavelmente estabelecida. Além disso, no caso teórico de um correlato físico comprovado de um traço comportamental como a homossexualidade, não se segue logicamente que a variável física é uma causa, nem mesmo uma disposição que seria por si mesma facilitar ou catalisar o desenvolvimento homossexual. Tal correlato poderia também ser a base biológica de alguma peculiaridade física ou temperamental que em si mesma não está relacionada com a orientação sexual, mas só indiretamente predispõe a ela, dependendo de a) as reações do ambiente da criança a essa peculiaridade ou b) a auto-percepção ou auto-imagem da criança em relação a isso. 39 Mas, novamente, os determinantes físicos da SSA não foram demonstrados, mais do que para a pedofilia homossexual ou heterossexual. Dante estava errado. Não há razão para pensar que as pessoas homossexuais são prejudicadas por “nervos mal colocados”, mal protesi nervi. 40

A observação de que os gêmeos homossexuais de pares monozigóticos com co-gêmeos heterossexuais tinham mais interesses e comportamentos de não-conformidade de gênero do que seus co-gêmeos, 41 como vimos ilustrado no caso de Nicholas Black, leva a uma discussão sobre a importância do fator de pares na psicogênese da homossexualidade. Para isso, a não-conformidade de gênero não pode ser explicada genetica ou hormonalmente (em vista da ausência de evidência de anormalidades hormonais em pessoas com SSA). Significativamente, é esse fator de pares na infância e / ou adolescência que provou ser estatisticamente o mais intimamente associado à homossexualidade masculina e feminina, mais do que qualquer outra coisa. Há um registro ininterrupto de replicações desse fenômeno em todos os tipos de amostras, clínicas e não-clínicas, em vários países e culturas e por mais de meio século. 42Portanto, logicamente, qualquer teoria da SSA deve tomá-la como ponto de partida.

O que exatamente se entende por interesses e comportamentos “não conformes ao gênero”? A terminologia sugere atitudes normalmente exibidas pelo sexo oposto, assim, tendências femininas em homens com SSA e tendências masculinas em mulheres. Essa explicação, no entanto, é apenas parcialmente adequada. É verdade que muitas pessoas com SSA mostram um grau de atitudes cruzadas entre os sexos, 43 uma minoria até mesmo em alto grau. 44 Contudo, mediante a inspeção dos traços que compõem o fator de não-conformidade de gênero, “pode ser [no caso do menino pré-homossexual] a ausência de traços masculinos em vez da presença de traços femininos que seja a variável mais forte e influente para uma orientação homossexual futura na idade adulta”. 45Invariavelmente, os itens mais distintivos que caracterizam “não-conformidade de gênero” para meninos pré-homossexuais são os seguintes: “Não participava do beisebol / futebol”, “ evitava lutas físicas”, “medo de lesão física”, “não ousava” 46 Assim, para os meninos pré-homossexuais, o denominador comum desses sintomas de falta de virilidade ou de falta de se comportar como menino pode ser melhor descrito como “não-combatividade”, “suavidade”, “sentir-se fraco”, “fuga da masculinidade” .47 Para garotas pré-lésbicas, a situação é comparável. Um certo grau de “molequice” caracteriza a maioria delas, mas apenas uma minoria de meninas conhecidas como mocinhas desenvolve o lesbianismo. 48A principal característica da não-conformidade de gênero em meninas pré-lésbicas, como em mulheres lésbicas adultas, é mais adequadamente descrita como feminilidade subdesenvolvida – “suavidade” feminina deficiente, “fraqueza” – ou falta de autoconfiança feminina, ou seja, fuga da feminilidade em vez de a “masculinidade” como tal. 49 Particularmente relevante para a compreensão do desenvolvimento de tendências entre pessoas do mesmo sexo é a observação universal de que essas crianças e adolescentes pré-homossexuais não-conformes de gênero eram e, acima de tudo, sentiam-se como se fossem estranhos entre seus pares do grupo do mesmo sexo.  Meninos pré-homossexuais eram “lobos solitários”, não conseguiam lidar com outros meninos e tinham poucos amigos. 50 E “o drama de muitas lésbicas era que tão poucas conseguiam encontrar verdadeiras amigas [por volta da puberdade]”.51 A experiência crucial de não pertencer ao mundo dos pares do mesmo sexo é traumática. Ela engendra a visão de si de inferioridade de gênero e sentimentos de solidão e angústia ou pesar. Na pré-adolescência e na adolescência, esse não pertencimento alimenta o anseio de pertencer à comunidade do mesmo sexo. E isso pode dar origem a fantasias de amizade homoeróticas.

A falta de masculinidade, falta de combatividade, “suavidade”, etc. nos meninos e uma identificação deficiente com feminilidade no comportamento e / ou auto-visão nas meninas são hábitos de comportamento e pensamento que, muitas vezes, nem sempre, se originam em casa, especialmente como efeitos da educação e interações entre pais e filhos. Isso pode ser deduzido da segunda maior correlação estatística entre SSA e fatores da infância / adolescência (o “fator de pares” acima mencionado é o maior), a saber, a associação entre SSA e fatores parentais, em particular em relação ao pai do mesmo sexo. 52

A grande maioria dos homens com SSA relata a distância emocional da infância de seu pai, e / ou relacionamentos perturbados com o pai ou a ausência paterna, de qualquer forma, assim como a falta de confidencialidade entre pai e filho e de influências paternas positivas. Como regra, essa figura paterna “psicologicamente ausente” co-ocorreu com a super-influência materna, igualmente em muitas variantes: excesso de possessividade, excesso de ansiedade, superproteção, predileção, superinterferência / controle, favorecimento, blandícia, infantilização ou mimação, agarrar-se ao filho, tratando-o involuntariamente como a garota que ela preferia em seu lugar, 53 e coisas do tipo.

Esses dois fatores parentais são típicos da infância da maioria dos homens com SSA no mundo ocidental e – talvez com algumas variações 54 – também em culturas não ocidentais. 55Mas é um quadro modal que certamente não leva em conta todos os casos. Por exemplo, alguns pais se comportaram como mães superprotetoras; em outros casos, ambos os pais eram superprotetores. Alguns homens com SSA tinham pais mais velhos (por exemplo, um dos filhos mais novos de uma família maior), enquanto alguns eram criados por seus avós e outros por pais adotivos. O efeito líquido dessa educação parental foi masculinização comportamental e mental
insuficiente e / ou inibição da meninice (do menino) e da masculinidade. Hábitos foram formados, tais como medo físico, super-sensibilidade, falta de firmeza, suavidade para si mesmo, falta de iniciativa, submissão, excesso de docilidade e presteza, comportamento excessivamente domesticado, infantilidade e ingenuidade, inibição comportamental ou idéias de narcisismo e superioridade. Relativamente muitos meninos pré-homossexuais foram excessivamente influenciados pelas mães, ligados a elas ou dependentes delas, imitando o comportamento e atitudes delas (embora isso não necessariamente implique em proximidade afetiva), ao passo que o pai não desempenhou grande papel ou foi percebido como rejeitador.

As influências parentais em meninas pré-lésbicas muitas vezes desincentivam hábitos, interesses e papéis femininos. O elemento maternal pode ter sido muito fraco, a pressão para “conquistar”, comportar-se “fortemente”, suprimir seu lado mais suave, desproporcionalmente forte. Por exemplo, a menina pode ter sido demasiada companheira de seu pai, o pai muito proeminente em sua educação enquanto a mãe não estava envolvida, ou o pai não estava muito interessado nela como uma menina, ou não foi carinhoso ou foi negligente de outras maneiras.  Em suma, o menino não era suficientemente visto e tratado como “um menino de verdade”, a garota não era suficientemente valorizada como “uma garota de verdade”. Em alguns casos, havia uma medida de inversão de papéis dos pais. Relativamente muitos pais tiveram problemas emocionais ou foram emocionalmente desequilibrados, e muitos casamentos não foram felizes. 56Assim, objetivamente, as crianças pré-homossexuais muitas vezes eram vítimas não intencionais da personalidade e dos problemas relacionais de seus pais. Pode-se notar que o amor dos pais que demasiadamente prendem um filho a si mesmos é muitas vezes mais autodirigido do que direcionado para a criança (o vínculo de Marcel Proust [1871-1922] com sua mãe é um exemplo clássico). Essas crianças podem ter se sentido solitárias e não compreendidas apesar do afeto de seus pais. De qualquer forma, a maioria das crianças e jovens pré-homossexuais perdeu uma atmosfera familiar saudável e afetuosa.

Com poucas exceções, os fatores parentais acima não causam, diretamente, SSA, mas se estiverem juntos, predispõem a ele. Por exemplo, o pai psicologicamente ausente, distante ou rejeitador também figura proeminentemente na infância de delinqüentes masculinos (não homossexuais), 57 e muitos homens adultos hoje sentiram falta de seu pai sem nunca se interessarem por homossexuais. 58Os hábitos de criação dos pais (e outros) são predisponentes na medida em que geram traços de falta de masculinidade (nos meninos) e não feminilidade (nas meninas). Estes, por sua vez, dificultam o enfrentamento de uma criança com o mundo do mesmo sexo, particularmente na fase crítica da pré-adolescência. Os jovens se comparam a outros, em primeiro lugar com pares do mesmo sexo e mesma idade. Comportamentos e interesses não-conformes ao gênero são facilmente sentidos como “ser diferente”, que é virtualmente idêntico ao “ser inferior”, pois um dos mais poderosos instintos psíquicos é a necessidade de ser como os outros, ser um deles, pertencer a eles .

Além dos fatores pais-filhos, as experiências com os pares podem catalisar sentimentos de inferioridade de gênero ou não pertencimento ao gênero. Por exemplo, o adolescente pode se comparar com um irmão ou irmã que é “completamente o oposto de mim” 59 (como Nicholas Black se comparou negativamente com seu irmão gêmeo). Ser ou sentir-se rejeitado, intimidado ou provocado por irmãos ou pares do mesmo sexo é outro exemplo particular disso. 60O lugar da criança na ordem dos irmãos pode ser importante, como no caso mencionado anteriormente de meninos pré-homossexuais com irmãos mais velhos. Fatores predisponentes reforçam um ao outro. Um paiente da SSA que havia sido o favorito da mãe e que havia sofrido com o desprezo de seus irmãos mais velhos e, em sua opinião, mais robustos, resumiu sua opinião: “A galinha mais fraca no galinheiro é sempre escolhida. 61

Uma categoria diferente de fatores que predispõem a sentimentos de inferioridade de gênero – operando em conjunto com atitudes parentais predisponentes – envolve doenças e deficiências físicas ou psicológicas. Estas podem incluir os efeitos de lesões cerebrais mínimas, asma (estimulando superproteção), surdez, estrabismo, gagueira, falta de jeito, uma doença de pele, um lábio leporino, gordura ou insignificância, altura e pouca estatura e irregularidade de traços faciais. (Não é de se admirar que algumas meninas com genitais semi-masculinos desenvolvam um complexo de inferioridade de feminilidade, e talvez interesses lésbicos). Entre as mulheres lésbicas, “complexos de fealdade” em relação às qualidades femininas de seu corpo não são incomuns; pois o valor da graciosidade feminina e da beleza é alto na comunidade de adolescentes.

Os períodos de pré-adolescência e adolescência são cruciais para o desenvolvimento da SSA. Antes dessas fases, as crianças podem exibir traços de “gênero não-conforme”, mas deve-se enfatizar que não há crianças “gays”. (Este é um mito irresponsável e estigmatizante.) Os primeiros sentimentos ou fantasias homoeróticos do adolescente provêm de um doloroso senso de inferioridade de gênero e de não pertencimento. 62 Tais sentimentos ainda podem ser superados, mas têm raízes mais profundas, se esses sentimentos de inferioridade se intensificam e se tornam um complexo de inferioridade 63Sentir-se inferior, não valorizado, bloqueado e solitário desencadeia espontaneamente sentimentos de depressão e luto. Isso é lamentar o eu, o ego, e pode evoluir para autopiedade. Por causa de seu egocentrismo inerente, auto-importância, e percepção de que eles são o centro do mundo, a auto-piedade de crianças e adolescentes pode ser descrita como auto-dramatização: “Sou apenas … pobre de mim.” 64 Como receber piedade (consolação), a autopiedade (auto-consolação) é uma reação defensiva destinada a superar traumas e mágoas de si. Torna-se facilmente um hábito autônomo, no entanto, quando desfruta de um período mais longo. Pois, sem ajuda, é muito difícil para um jovem sofrer sem autocomiseração e rebeldia, ou seja, aceitar de verdade inferioridades reais ou imaginárias, injustiça, rejeição ou uma situação humilhante. Uma vez habitual, a atitude pobre-de-mim – auto-dramatização interior, auto-vitimização, revolta, raiva – e reações excessivamente compensatórias associadas, como auto-afirmação exagerada, busca de reconhecimento, atenção e afeto do mesmo sexo como uma segunda natureza, uma segunda personalidade, “uma criança interior (ou adolescente)”. Um patético “eu” adolescente gira em torno de si mesmo e de seus anseios insatisfeitos por carinho compensador, pertencimento e reconhecimento. No entanto, esforçar-se para satisfazê-los não diminui nem “conserta” a tristeza e o desgosto subjacentes; ao contrário, gratificar esses anseios cada vez mais traz ou mantém a pessoa no cativeiro do ego frustrado de sua adolescência. Interesses homoeróticos não são incomuns durante a adolescência, quando o instinto sexual desperto ainda não encontrou seu objetivo natural definitivo. Em termos de desenvolvimento, os adolescentes devem primeiro sentir que pertencem ao mundo do seu próprio sexo e se identificam confiantemente com o seu próprio sexo antes de se tornarem sensíveis ao apelo do sexo oposto. Adolescentes olham para modelos do mesmo sexo e querem imitá-los. Garotas adolescentes podem delirar com uma professora encantadora ou com garotas – geralmente um pouco mais velhas, já mais desenvolvidas – que dão um show (e são populares entre os garotos). Os meninos olham para meninos (principalmente os mais velhos) e homens jovens com um alto status de masculinidade (e que são populares com as meninas). Adolescentes que se sentem lamentáveis ​​e inferiores quanto à sua masculinidade / feminilidade admiram seus ídolos do mesmo sexo, tanto mais em proporção à dor que sentem ao perder o que os outros parecem possuir. Eles objeto natural. Em termos de desenvolvimento, os adolescentes devem primeiro experimentar que pertencem ao mundo do seu próprio sexo e se identificam confiantemente com o seu próprio sexo antes de se tornarem sensíveis ao apelo do sexo oposto. Adolescentes olham para modelos do mesmo sexo e querem imitá-los. Garotas adolescentes podem delirar com um professor encantador ou – geralmente um pouco mais velhas, já mais desenvolvidas – garotas que levam o programa (e são populares entre os garotos). Os meninos olham para (principalmente os mais velhos) meninos e homens jovens com um alto status de masculinidade (e que são populares com as meninas). Adolescentes que se sentem lamentáveis ​​e inferiores quanto à sua masculinidade / feminilidade admiram seus ídolos do mesmo sexo, tanto mais em proporção à dor que sentem ao perder o que os outros parecem possuir. Eles anseiam por esse amigo e seu afeto viril (ou feminino), no entanto, na forma de um devaneio irrealizável, como uma criança que vive na pobreza pode sonhar em tornar-se rica. A subcorrente emocional é a solidão, o autodrama de não pertencer ao mundo personificado por seu ídolo. Tais adolescentes se encerram no mundo privado de fantasias impossíveis e desejáveis. Na (pré-) puberdade, esse desejo ardente de ternura adquire um tom erótico e desenvolve raízes ainda mais profundas, se encenado em fantasias de masturbação.

Este estado mental tem várias implicações. Em consequência de uma fixação no egocentrismo e no egoísmo dos adolescentes , a maturação emocional fica mais ou menos gravemente prejudicada, pois a maturidade psíquica depende do processo de des-egocentralização do jovem. Ligado a isso, o núcleo do amor homossexual é o amor-próprio imaturo; o amigo / parceiro deve me amar antes de qualquer outra coisa. Isso é parte da explicação da instabilidade e do caráter utópico dos assuntos homossexuais. 65 O desejo homossexual é insaciável, inconstante, autodirigido e não direcionado à pessoa. 66 Quanto mais é o espectáculo, mais profunda a insatisfação, como com outros vícios sexuais. 67A fixação adolescente também é aparente no “parceiro ideal”, que é o mesmo que foi sonhado na (tardia) adolescência. Na maioria dos casos, o adolescente com sentimento de inferioridade torna-se obcecado por um adolescente do mesmo sexo ou jovem adulto com os traços físicos e de personalidade dolorosamente perdidos ou percebidos como insuficientes em si mesmo (ela mesma). 68

Essa “fórmula de atração” assinala o egocentrismo básico das fascinações entre pessoas do mesmo sexo. O que é admirado e procurado no parceiro preferido é inspirado pelos sentimentos de inferioridade da pessoa (musculosidade, beleza, pênis grande, popularidade, malícia infantil, roupas “machistas” no caso dos homens, traços de suavidade feminina, graciosidade no caso das mulheres ). Os affairs “estáveis” caracterizam-se pelas oscilações emocionais da euforia à desilusão depressiva típicas da adolescência. Os relacionamentos lésbicos “envolvem mais de uma relação simbiótica, uma proximidade sugestiva de quase mística unidade. [Isto é] ilustrado pela grande proporção de lésbicas que se sentem arrasadas … no término abrupto de um relacionamento próximo, sentido como a separação de gêmeos siameses”. 69

Em segundo lugar – depois do egocentrismo – já que o eu do adolescente interior é uma personalidade frustrada (isto é, um complexo de inferioridade com sentimentos inerentes de autopiedade e desejo apaixonado não realizado), a SSA é o fruto do desenvolvimento neurótico. Uma ilustração instrutiva é a seguinte: dos 17 homens com SSA que não se sentiam femininos, 13 (76%) relataram o terror persistente e crônico de lutar com outros meninos durante o período juvenil e o início da adolescência e essa dolorosa perda de autoestima e a solidão resultantes de sua extrema aversão às interações agressivas entre pares. Todos, exceto um, estavam cronicamente com fome de proximidade com outros garotos … e estes eram rotulados como “maricas” pelos colegas … Nenhum deles se envolveu nem mesmo nas mais modestas interações juvenis de tipp sexual descritas pelo menos agressivo jovem heterossexual. ”70 Esse sentimento de não-pertencimento masculino (feminino), incluindo a fome da “proximidade”, torna-se um hábito mental. É por isso que a correlação bem estabelecida entre a homossexualidade e o chamado neuroticismo (tendências neuróticas, instabilidade emocional) não pode ser atribuída à discriminação social, 71 a inevitável explicação daqueles que têm dificuldade em aceitar a patologia intrínseca da SSA. A angústia emocional na realidade é anterior e traz as primeiras atrações do mesmo sexo. Três fontes de evidência indicam o “neuroticismo” da SSA: a) Os escores elevados nos testes de neuroticismo (N), ou seja, nos poucos questionários adequadamente padronizados e validados, como o Maudsley Personality Inventory (MPI) de HJ Eysenck e o Eysenck Personality Inventory (EPI). ), 72e algumas escalas do Sixteen Personality Factor Questionnaire (PF) de RP Cattell 73 e do Minnesota Multifhasic Personality Inventory (MMPI). 74 Esses testes fornecem as melhores estimativas de emocionalidade neurótica, comparáveis ​​a testes padronizados de inteligência. Testes de neuroticismo não medem a discriminação social. 75 b) Estudos sobre psicopatologia concomitante da SSA na vida: sobre ansiedade e depressão, 76 sobre tentativas de suicídio relacionadas a conflitos de relacionamento entre pessoas do mesmo sexo, 77 sobre procura compulsiva de parceiros e capacidade prejudicada de vínculo, 78 sobre prevalência de disfunções sexuais 79 e “violência doméstica ” 80em parcerias estáveis” e em abuso de álcool e drogas. 81 c) Biografias e autobiografias de pessoas com SSA representam, invariavelmente, uma vida sobrecarregada por patologia emocional acima da média desde a juventude, mais conspicuamente se a pessoa adotasse um estilo de vida gay. 82

A imaturidade engloba uma ampla gama de padrões mentais e comportamentais, desde os apegos infantis / púberes aos pais, ao comportamento e pensamento da criança-do-passado em áreas relacionadas aos sentimentos de inferioridade de masculinidade / feminilidade, às fantasias e relacionamentos homossexuais. Em parte, um homossexual “está emocionalmente na adolescência”. 89Olhando para trás, ex-homossexuais às vezes verbalizam o mesmo auto-insight. 90  O egocentrismo neurótico e imaturo é mais evidente na vida de muitos que esgorregam ou se lançam – fatalista ou rebeldemente – num estilo de vida gay. Isso leva, por fim, a uma deterioração generalizada da personalidade emocional e moralmente. A pessoa corre o risco de se tornar viciada em luxúria despersonalizada; muitos buscam narcisisticamente a atenção e a veneração, tornam-se mentirosos para si mesmos e para os outros e enganam seus parceiros. O senso moral se torna monótono; muitos perdem sua fé religiosa. Apesar das aparências externas, a falta de alegria, o cinismo e a auto-absorção podem predominar na vida interior e privada da pessoa. 91

Mas tentar mudar é uma alternativa realista? Argumenta-se frequentemente que, se a mudança para a heterossexualidade plena não é possível, não há sentido e é desnecessário o auto-tormento suprimir os desejos pelo mesmo sexo. Principalmente o corolário desse argumento é que a mudança é impossível afinal de contas. Esta é, no entanto, uma representação errada do dilema. A escolha fundamental é entre abandonar-se a um estilo de vida neurótico e emocionalmente, moralmente (e medicamente) degradante e resistir a esse estilo de vida, independentemente de a última opção implicar mudanças maiores ou menores na orientação sexual. A resistência sincera e sensível, no entanto, sempre traz pelo menos alguma melhora, no que diz respeito à atração sexual e à condição mental geral. Porque a SSA é uma neurose de caráter, as abordagens mais adequadas de “resistir”, terapêuticas ou não, focam simultaneamente os comportamentos e emoções sexuais, a falta de identificação e autoconfiança masculina / feminina e a imaturidade do auto-direcionamento e da personalidade em que estão enraizados. Para a pessoa que se torna menos imatura / autocentrada, sentirá uma diminuição proporcional nas atrações do mesmo sexo e aumentará a masculinidade / feminilidade madura . Dito isto, a perspectiva da mudança sexual propriamente dita não é tão sombria como geralmente se pensa. É verdade que, por enquanto, uma mudança completa, significando o desaparecimento de todas as atrações homossexuais mais a restauração das atrações heterossexuais normais, é alcançada apenas por uma minoria. Mas a maioria ainda pode reduzir seus interesses pelo mesmo sexo, muitas vezes substancialmente, e melhorar emocionalmente e com respeito a outros aspectos relevantes da personalidade. 92

Várias razões podem ser dadas para o sucesso limitado das tentativas terapêuticas. Uma é a falta de resolução para mudar – o fator de motivação e a fraqueza da vontade de muitas pessoas envolvidas, apesar de suas boas intenções. Embora elas possam querer mudar, elas ainda podem acalentar suas fantasias e outros hábitos de personalidade. Outra razão reside na dificuldade em superar padrões emocionais e comportamentais profundamente arraigados, o que requer perseverança e uma certa resistência em relação a si mesmo. E há relativamente poucos conselheiros, pastores e terapeutas orientados-para-mudança, e a propaganda* anti-mudança é forte nas profissões de saúde mental e médica e na cultura em geral. Não obstante, é infundado que as pessoas que querem mudar devam ser dissuadidas do tratamento ou de outras abordagens dirigidas à resistência ou à mudança, porque a taxa de mudança radical é – ainda – modesta. Seguindo essa lógica fatalista, a maioria das tentativas de superação de hábitos emocionais e de caráter desordenados, síndromes neuróticas profundamente arraigadas, vícios, tendências criminosas, etc., de qualquer tipo, deve ser abandonada com base em que mudanças completas e duradouras são alcançadas somente em uma minoria de casos. Além disso, a ciência da terapia SSA ainda é jovem. Em comparação com um século atrás, temos mais conhecimento sobre as origens dos hábitos emocionais e de caráter desordenados, e houve um desenvolvimento positivo nos métodos de tratamento. Uma porcentagem não desprezível de pessoas com SSA pede, e continuará pedindo, ajuda para mudança orientada, por motivos morais e religiosos ou porque sua experiência homossexual os deixa insatisfeitos. Se não for desincentivado pela doutrinação pró-gay prevalente, esse número pode ser de 25%.93

A mudança é um processo holístico, psicológico-moral-espiritual. A pessoa deve conhecer a si mesma não apenas psicologicamente – incluindo seu lado imaturo e neurótico, como descrito acima -, mas também em um nível mais profundo, moralmente: reconhecer suas fraquezas ou vícios morais – egoísmo e falta de amor, escravidão da luxúria, orgulho, insinceridade, amor próprio desproporcional, falta de autodisciplina, covardia, descontentamento, revolta e ingratidão. Em seguida, ele (ela) deve aprender como contrariar esses hábitos e reforçar seu oposto. Motivos terapêuticos principais são os seguintes: egocentrismo e egoísmo (falta de interesse pelos outros, falta de amor); como resistir ao comportamento do mesmo sexo (incluindo masturbação e pornografia, entre outras coisas) e fantasias; sentimentos de inferioridade de gênero (versus autoconfiança masculina / feminina); pensamento adolescente, sentimento e comportamento; auto-piedade infantil, auto-dramatização, reclamar, sentir-se injustiçado, culpar os outros; falta de consciência dos deveres e responsabilidades diárias; imaturidade em relação aos outros, aos pais, amigos. Colocado de forma mais positiva, é uma batalha para crescer em virtudes enquanto lutam contra os vícios. 94 Neste esforço, as dimensões morais, espirituais e religiosas da psique devem estar envolvidas e ativadas: a necessidade inerente, da alma, de Deus, sua consciência moral e desejo inconsciente da pureza moral, os poderes de cura da oração, do perdão 95 e de se pedir perdão e fazer penitência. Como essa abordagem holística trata toda a psique e personalidade e não apenas uma parte, ela abre as melhores perspectivas de mudança. 96

Ao mesmo tempo, essa abordagem holística é a mais civilizada e humana. Baseia-se em insights e pesquisas científicas e em uma visão realista (ou seja, não exclusivamente materialista) da psique humana. Evita, por um lado, os erros de uma visão materialista-humanista rasa do homem, com sua cegueira às dimensões morais e espirituais da alma, e sua indiferença factual às misérias emocionais, médicas e morais das pessoas abandonadas à auto-destrutividade do modo de vida homossexual. Por outro lado, esta abordagem está em desacordo com a mentalidade primitiva, que embora reconheça a falta de naturalidade e a imoralidade do comportamento e dos relacionamentos homossexuais, reage com impiedosa dureza para com aqueles que podem sentir ou agir com base na SSA.

Notas

* Em inglês, Propaganda quer dizer informação, muitas vezes informação imprecisa, que uma organização política publica or transmite a fim de influenciar as pessoas.

1 Definição: Atração crônica pelo mesmo sexo após os 17 ou 18 anos, acompanhada de quase ausência ou forte atração heterossexual.

2 O axioma básico da psiquiatria de Emil Kraepelin (1856-1926), que inspirou muitas teorias não só das psicoses, dos desvios neuróticos e sexuais e da delinquência, é duplo: as causas da maioria das aberrações psíquicas são “biológicas”, em última análise fundadas. no cérebro e (em geral) genético. A psique foi considerada, implícita ou explicitamente, um subproduto ou conseqüência do cérebro material, onde os processos “reais” acontecem.

3 Nomes conhecidos neste contexto: Magnus Hirschfeld, Benjamin, Alfred Kinsey, S. LeVay, DH Hamer, JM Bailey, RC Pillard, S. Hershberger, MS Weinberg, BS Mustanski.

4 Camille Paglia, Vamps and Tramps (Nova York: Vintage Books, 1994), ênfase adicionada.

5 Cf. a crítica das alegações infundadas da American Psychological Association em relação ao impacto positivo da parentalidade gay por Philip M. Sutton, “Dr. Sutton no relatório da Task Force da APA ”(2011), http://narth.com/2011/01/dr-sutton-on-the-apa-task-force-report/ .

6 Bundeszentrale für gesundheitliche Aufklärung (Centro Federal de Educação para a Saúde), Wie steht’s, wie geht’s? Como você está? ) (2009), 40, http://www.medrum.de/content/wissenswertes-fuer-jungen-und-maenner .

7 W. Byne e B. Parsons, “Human Sexual Orientation”, Archives of General Psychiatry 50 (1993): 228-239.

8 L.J. Gooren e W. Byne, “Orientação Sexual em Homens e Mulheres”, em Hormônios, Cérebro e Comportamento , eds. AP Arnold et al. (New York: Academic Press, 2009), 2444.

9 G.JM van den Aardweg, sobre as origens e Tratamento da Homossexualidade (Nova Iorque: Praeger / Westport, 1986), cap. 2; W. Byne, “Ciência e Crença: Pesquisa Psicossexual sobre Orientação Sexual”, Journal of Homosexuality 28 (1995): 336 e 337; W. Byne, “Por que não podemos concluir que a orientação sexual é principalmente um fenômeno biológico”, Journal of Homosexuality 34 (1997). Veja também PS Bearman e H. Brückner, “Gêmeos de Sexo oposto e Atração pelo Mesmo Sexo do Adolescente”, American Journal of Sociology 5 (2002): 1188 e segs.

10 Byne, “Ciência e Crença”, 336, 337.

11 Gooren e Byne, “Orientação Sexual em Homens e Mulheres”, 2444.

12 Por exemplo, pessoas com SSA não têm padrões hormonais atípicos de sexo. Essa SSA parece ocorrer mais do que em média entre as mulheres expostas no período pré-natal a altas doses de testosterona – embora não na grande maioria dos casos (HFL Meyer-Bahlburg, “Gênero e Sexualidade na Hiperplasia Congênita Clássica da Adrenal”, Endocrinologia e Metabolismo na América do Norte30 (2001): 155-171) – não afeta diretamente as causas do lesbianismo; essas mulheres desenvolvem genitais semi-masculinos (entre outros sintomas), enquanto as lésbicas “comuns” são fisicamente normais. Além disso, essas amostras são susceptíveis de representar em excesso as mulheres com anomalias sexuais. A interpretação psicológica do lesbianismo em algumas dessas mulheres masculinizadas está próxima: é muito provável que a garota desenvolva um complexo de inferioridade feminina (veja abaixo). O espantoso é que a possibilidade de tal explicação não é sequer mencionada pela maioria dos autores, sugerindo que a psicologia das pessoas com defeitos físicos e desvantagens é território desconhecido para eles.

13 F.J. Kallmann, “Estudos Comparativos de Gêmeos sobre o Aspecto Genético da Homossexualidade Masculina”, Journal of Nervous and Mental Diseases 115 (1952): 283–298.

14 J. M. Bailey e RC Pillard, “Um Estudo Genético da Orientação Sexual Masculina”, Archives of General Psychiatry 48 (1991): 1089-1096; M. King e E. McDonald, “Homossexuais Que São Gêmeos”, British Journal of Psychiatry 160 (1992): 407-409; FL Whitam et al., “Orientação homossexual em gêmeos”, Archives of Sexual Behavior 22 (1993): 187-202; JM Bailey et al., “Fatores Hereditários Influenciam a Orientação Sexual em Mulheres”, Archives of General Psychiatry 50 (1993): 217–223.

15 J. M. Bailey e RC Pillard, “Genetics of Human Sexual Orientation”, Anual Review of Sex Research 6 (1995): 126-150.

16 T.R. McGuire, “é homossexualidade genética?” Journal of Homosexuality 28 (1995): 139.

17 J.M. Bailey et al., “Influências genéticas e ambientais na orientação sexual e seus correlatos em uma amostra de gêmeos australianos”, Journal of Personality and Social Psychology 78 (2000): 524-536.

18 N. Långstrom et al., “Efeitos genéticos e ambientais sobre o comportamento sexual entre pessoas do mesmo sexo”, Archives of Sexual Behavior 39 (2010): 75–80.

19 O fenômeno é conhecido como “viés de averiguação dependente de concordância”.

20 L. Carter-Saltzman e S. Scarr, “MZ ou DZ?” Behavior Genetics 7 (1977): 273-280.

21 Ignorado por pesquisadores no campo de fatores biológicos e homossexualidade.

22 A aplicação dessas fórmulas aos hábitos mentais às vezes é mais um jogo divertido do que uma ciência séria. Insira os dados na fórmula, e itens como opiniões das pessoas sobre a pena de morte, aborto ou a virtude da “humildade” acabam sendo “geneticamente determinados” por 50% (NE Whitehead e BK Whitehead, Meus genes me fizeram fazer isso ! [Lafayette LA: Huntington House, 1999]).

23 A.C. Sandbank, Twin and Triplet Psychology (Londres / Nova Iorque: Routledge, 1999).

24 Bailey e Pillard, “Genética da Orientação Sexual Humana”. Também vi isso em alguns casos holandeses de gêmeos masculinos discordantes com SSA. SL Farber, Idêntico Twins Reared Apart (Nova York: Basic Books, 1981), descreveu dois gêmeos monozigóticos femininos discordantes com SSA que haviam sido criados separados; a mulher lésbica tinha uma relação conflituosa com sua mãe adotiva e um forte apego ao pai adotivo, a quem ela imitava (fatores de infância não incomuns em garotas pré-lésbicas).

25 M.L. West, The Devil’s Advocate (Nova York: Morrow, 1959), p. 104. Os anseios eróticos de Nicholas provinham de seu complexo de masculinidade inferior.

26 D.H. Hamer et al., “Uma ligação entre marcadores de DNA no cromossomo X e orientação sexual masculina”, Science 261 (1993): 321-327.

27 Jerome Lejeune, carta para este autor, 1993. Lejeune foi o descobridor do gene causador da síndrome de Down.

28 H.S. Hu et al., “Ligação entre Orientação Sexual e Cromossomo Xq28 em Machos, mas Não em Mulheres”, Nature Genetics 11 (1995): 248-256.

29 . G. Rice et ai, “Homossexualidade Homem: falta de ligação para marcadores microssatélites em Xq28,” Ciência 284 (1999): 665-667.

30 D. H. Hamer e P. Copeland, Vivendo com nossos genes (Nova York / Londres: Doubleday, 1998), 104 e 191, respectivamente.

31 A. Camperio-Ciani et al., “Evidência de fatores maternos herdados favorecendo a homossexualidade masculina e promovendo a fecundidade feminina”, continuação da Royal Society of London 271 (2004): 2217–2221. Quanto à coleta de dados, este foi um estudo muito impreciso. A amostra consistiu de voluntários homossexuais auto-selecionados e o “diagnóstico” da SSA de seus familiares repousou em suas idéias sobre eles. (Os homens homossexuais autodeclarados projetam facilmente seus sentimentos nos outros.) É verdade que os autores observam casualmente que “ainda é possível” atribuir seus resultados a “traços culturais em vez de genéticos”, mas em toda a sua apresentação isso não papel qualquer.

32 A.F. Bogaert, “Número de Irmãos mais velhos e orientação sexual”, Journal of Personality and Social Psychology 84 (2003): 644–652. As especulações fisiológicas de Bogaert foram refutadas nesse meio tempo (Gooren e Byne, “Orientação Sexual em Homens e Mulheres”). A alternativa mais plausível, uma explicação psicológica baseada na influência que a posição de “doce irmãozinho” – Brüderchen – tem sobre o desenvolvimento psicossexual de alguns meninos pré-masculinos, já foi descrita em 1937 pelo professor de psiquiatria de Berlim IH Schultz. IH Schultz, “Bemerkungen zu der Arbeit de Theo Lang über die genetische Bedingtheit der Homosexualität” (Notas sobre o trabalho de Theo Lang sobre as condições genéticas da homossexualidade),Zeitschrift für die gesamte Neurologie und Psychiatrie 157 (1937): 575-578.

33 M.S. Lasco et al., “A falta de dimorfismo sexual ou orientação sexual na comissura anterior humana”, Brain Research 936 (2002): 95-98.

34 S. LeVay, “Uma Diferença na Estrutura Hipotalâmica entre Homens Heterossexuais e Homossexuais”, Science 253 (1991): 1034-1037.

35 W. Byne et al., “Os Núcleos Intersticiais do Hipotálamo Anterior Humano”, Hormones and Behavior 40 (2001): 86-92.

36 W. Byne, carta para este autor, julho de 2005.

37 Byne et al., “Os Núcleos Intersticiais do Hipotálamo Anterior Humano”, 90.

38 I. Savic e P. Lindström, “PET e MRI mostram diferenças na assimetria cerebral e na conectividade funcional entre sujeitos homossexuais e heterossexuais”, PNAS 105 (2008), http://www.pnas.org/cgi/doi/10.1073 /pnas.0801566105 .

39 Deve-se também excluir que essa peculiaridade física especulativa seria um efeito da SSA (de estilo de vida homossexual, abuso de drogas, doenças venéreas, AIDS ou medicina) em vez de uma causa ou predisposição direta.

40 Dante, Inferno , XV, v. 114.

41 Bailey e Pillard, “Um estudo genético da orientação sexual masculina”; Bailey et al., “Fatores Hereditários Influenciam Orientação Sexual em Mulheres”.

42 De longe, a maioria dos estudos são sobre homens homossexuais: K. Freund, Die Homosexualität beim Mann ( Homossexualidade no Homem ) (Leipzig: Hirzel Verlag, 1963); GJM van den Aardweg, “Pais de Homossexuais: Não Culpado” American Journal of Psychotherapy 38 (1984): 180-189. Van den Aardweg, sobre as origens e tratamento da homossexualidade , revisou 11 estudos comparando homossexuais masculinos com heterossexuais nesse fator (pp. 78-80) e 4 para mulheres (p. 181); SL Hockenberry e RE Billingham, “Sexual Orientation and Boyhood Gender Conformity”, Archives of Sexual Behavior 16 (1987): 475-487; JM Bailey e KJ Zucker, “Comportamento Sexual Tipificado na Infância e Orientação Sexual”Psicologia do Desenvolvimento 31 (1995): 43-55; Bailey et al., “Influências Genéticas e Ambientais” (uma revisão); G. Rieger et al., “Orientação Sexual e Não Conformidade de Gênero na Infância”, Psicologia do Desenvolvimento44 (2008): 46–58. Significativamente, os métodos de pesquisa variam, mas o resultado é sempre o mesmo. A não-conformidade de gênero em meninas pré-lésbicas (em comparação com meninas pré-heterossexuais) também está bem documentada. Por exemplo, RH Gundlach e BF Riess, “Auto e Identidade Sexual na Mulher”, em New Directions in Mental Health , ed. BF Riess (Nova Iorque: Grune & Stratton, 1968); NL Thompson et al., “Relações Pai-Filho e Identidade Sexual em Homossexuais e Heterossexuais Masculinos e Femininos”, Jornal de Consultoria e Psicologia Clínica41 (1975): 120-127; ES Sbardelini e ET Sbardelini, Homossexualismo masculino e homossexualismo feminino , relatório de pesquisa inédito (Campinas SP [Brasil]: Universidade Católica de Campinas, Departamento de Psicologia, 1977) (amostra brasileira); AP Bell et ai., Sexual Preference(Bloomington, IN: Indiana University Press, 1981); S. Oldham et al., “Identidade do papel sexual de homossexuais femininos”, Journal of Homosexuality 8 (1982): 41-46.

43 Muitos grupos de SSA masculinos têm pontuações elevadas em feminilidade em questionários como a escala masculinidade-feminilidade (Mf) do Minnesota Multifhasic Personality Inventory (MMPI) e a escala I – escala de sensibilidade mental – do 16 Factality Factor Test de Cattell ( Handbook of Questionário do Dezesseis Fator de Personalidade ). Veja WT Doidge e WH Holtzman, “Implicações da Homossexualidade entre os Trainees da Força Aérea”, Journal of Consulting Psychology 24 (1960): 9–13; RB Dean e H. Richardson, “Análise dos Perfis MMPI de Quarenta Homossexuais Masculinos Superiores Educados na Faculdade”, Journal of Consulting Psychology28 (1964): 483–486; GJM den den Aardweg, Homofilie, neurose en dwangzelfbeklag (Homofilia, Neurose e a Tendência Compulsiva à Autopiedade ) (Amsterdam: Polak & van Gennep, 1967); WA Oliver e DL Mosher, “Psicopatologia e Culpa em Heterossexuais e Subgrupos de Reformatórios Homossexuais”, Journal of Abnormal Psychology 73 (1968): 323–329; RB Cattell e JH Morony, “O Uso dos 16 PF na Distinção de Homossexuais, Normais e Criminosos em Geral”, Journal of Consulting Psychology 26 (1962): 531–540; RB Evans, “Dezesseis Questionários do Fator de Personalidade – Dezenas de Homens Homossexuais”, Journal of Consulting and Clinical Psychology 34 (1970): 212–215; MP Feldman e MJ McCulloch, Comportamento Homossexual, Terapia e Avaliação(Oxford: Pergamon Press, 1971). As lésbicas tendem a ter pontuações relativamente altas em masculinidade, mas em média não são extremamente altas. Bell et al. ( Preferência sexual ) relatam uma correlação de .53 entre o lesbianismo e a não-conformidade de gênero entre a infância e o adolescente. Um terço de uma grande amostra norte-americana de mulheres com SSA se considerava “mais feminina do que masculina”, um terço “um pouco dos dois” e um terço “mais masculino que feminino” (Gundlach e Riess, “Self and Sexual Identity in the Fêmea”).

44 Entre 2% e 8% (GA Westwood, A Minority (Londres: Longmans & Green, 1960); I. Bieber e outros; Homossexualidade (Nova York: Basic Books, 1962); van den Aardweg, Sobre as Origens e Tratamento da homossexualidade ).

45 Hockenberry e Billingham, “Sexual Orientation and Boyhood Gender Conformity,” 485, ênfase adicionada; o mesmo é válido para garotas pré-lésbicas.

46 Veja a nota 42 acima para referências.

47 Em 1932, o professor alemão de psiquiatria H. Schultz-Hencke identificou o traço central de personalidade dos homens homossexuais e pré-homossexuais como “não-combatividade” (“nicht kämpferisch”). H. Schultz-Hencke, “Über Homosexualität” (Sobre Homossexualidade), Zeitschrift für die gesamte Neurologie und Psychiatrie 140 (1932): 300–312.

48 Dois por cento, conforme calculado a partir das estatísticas de Gundlach e Riess, “Self e Sexual Identity in the Female”; seis por cento, de acordo com Bailey e Zucker, “Childhood Sex-Typed Behavior”; Rieger et al., “Orientação Sexual e Não Conformidade de Gênero na Infância”. Esse é um dos argumentos contra a estigmatização irresponsável de crianças não-conformes de gênero como “gays”; Eles têm maiores chances de desenvolver SSA, mas essa condição não pode ser considerada mais ou menos habitual antes da idade adulta jovem. Até mesmo a fraqueza extrema nos meninos não leva automaticamente a interesses homossexuais em pelo menos 30% dos casos (R. Green, The Sissy Boy Syndrome e the Development of Homosexuality (New Haven CT: Yale University Press, 1987).

49 Por exemplo, as lésbicas podem se descrever como “fortes”, “independentes”, “autônomas” (por exemplo, JH Hopkins, “A Personalidade Lésbica”, British Journal of Psychiatry 115 [1969]: 1433-1436; Oldham et al., “ Identidade do papel sexual dos homossexuais femininos ”); como fisicamente atrevido ou “não evitando lutas” na infância / adolescência (Thompson et al., “Relações Pai-Filho e Identidade Sexual”; Sbardelini e Sbardelini, Homossexualismo masculino e homossexualismo feminino ). Eles muitas vezes estavam insatisfeitos com a primeira menstruação (Gundlach e Riess, “Auto e Identidade Sexual na Mulher”, Tabela 5). Mas apenas um terço se sentiu mais masculino do que feminino (cf. nota 38).

50 Bieber et al., Homossexualidade. Há ampla confirmação subsequente (cf. nota 42 acima).

51 Gundlach e Riess, “Auto e Identidade Sexual na Mulher”, 222.

52 Para uma pesquisa: van den Aardweg, Sobre as origens e o tratamento da homossexualidade(Tabelas 13.1 e 27.5). O vínculo deficiente com o pai é de cerca de 80% para casos de SSA masculina, uma forma de sobre-influência materna de cerca de dois terços, pelo menos, e os dois fatores combinaram cerca de 60%. O vínculo deficiente com a mãe é de 70% nos casos femininos, principalmente na ausência de um bom relacionamento paterno. Estas são generalizações indiferenciadas, porém, que não descrevem a realidade individual multiforme. Como a maioria dos dados vem de estudos com questionários, eles estão sujeitos a uma coloração subjetiva, bem como pontos cegos por parte do entrevistado em relação à sua origem familiar. Por exemplo, nem todos os indivíduos do sexo masculino com SSA estão cientes da overindulgence materna ou estragar. Traumatizar as atitudes dos pais em relação ao contrário tendem a ser super enfatizadas.

53 Porque ela tinha (vários) meninos já, ou porque a menina antes dele morreu quando ele era jovem ou antes de seu nascimento, ou foi abortada (como aconteceu no caso de um ex-cliente meu).

54 recrutas militares homossexuais jovens em Taiwan foram pensados para ter tido mais superproteger / controlar pais e mães menos afetuosos do que hetero-controles (F.-W. Pulmão e B.-Ch. Shu, “Pai-Filho Apego e Orientação parceiro sexual no Taiwan, ” Comprehensive Psychiatry 48 [2007]]: 20-26). O questionário usado para avaliar as relações entre pais e filhos é, no entanto, muito mal feito – as perguntas relevantes não sendo feitas – para levar a sério esse resultado.

55 Por exemplo, o Brasil (Sbardelini e Sbardelini, Homossexualismo masculino e homossexualismo feminino ). Mas também em uma cultura não-ocidental como o Japão, os clássicos fatores parentais ocidentais parecem predispor à homossexualidade. Veja o caso do notório escritor Yukio Mishima (HS Stokes, A vida e a morte de Yukio Mishima [Nova York: Scooper Square Press, 1999]). Mesmo em uma tribo primitiva como a Sambia da Nova Guiné, o (único) homem identificado como homossexual era caracterizado pelos fatores antecedentes familiares: um homem neurótico, criado por sua mãe como seu único filho, sem pai, e uma situação de pronunciado isolamento de pares (RJ Stoller e GH Herdt, “Teorias das Origens da Homossexualidade Masculina”, Arquivos da Psiquiatria Geral 42 [1985]: 399-404).

56 Como quando a esposa se sentia superior ao marido e dominava a ele e sua família, ou quando o marido era um mulherengo ou tinha um problema com bebida. Problemas graves de casamento marcaram 60% dos pais de homens socialmente adaptados com SSA (R. Liddicoat, “Homossexualidade”, British Medical Journal 9 [1957]: 1110–1111), mais do que pais de controles neuróticos (Bieber et al., Homossexualidade ).

57 Bem documentado desde S. Glueck e ET Glueck, Desvendando a Delinquência Juvenil (Cambrige MA: Harvard University Press, 1950).

58 É sabido que cerca de dois terços dos adolescentes negros americanos crescem sem o pai. Bieber et al., Homossexualidade , encontraram o padrão parental combinado mais característico para homens com SSA e em 20% dos controles neuróticos.

59 Por exemplo, 36% dos 121 casos masculinos (van den Aardweg, Sobre as origens e tratamento da homossexualidade ).

60 Ver, por exemplo, WG Stephan, “Relações parentais e experiências sociais precoces de homossexuais masculinos ativistas e heterossexuais masculinos”, Journal of Abnormal Psychology 82 (1973): 506–513: as experiências ocorreram em 75% de sua amostra masculina.

61 As lembranças de rejeição e provocação são subjetivas. Embora em alguns casos as memórias correspondam mais à realidade do passado do que em outras, essas pessoas podem ter sido afetadas pela autodramatização ou pela auto-vitimização. Além disso, às vezes provocando foi provocada pelo comportamento irritante da criança (por exemplo, maneiras de criança mimada, buscando atenção intrusiva). Crianças e jovens em sua maioria não vêem seu próprio papel nisso.

62 Para os homens, por volta dos quinze anos (J. Loney, “Fatores antecedentes, experiências sexuais e atitudes em relação ao tratamento em duas amostras homossexuais ‘normais’”, Journal of Consulting and Clinical Psychology 38 [1972]: 57-65); entre dez e dezessete anos, com um pico de 13 a 14 anos (van den Aardweg, Sobre as origens e o tratamento da homossexualidade ). Para as mulheres, principalmente após o início da puberdade (Gundlach e Riess, “Auto e Identidade Sexual na Mulher”).

63 Alfred Adler, “O Problema da Homossexualidade”, em Zeitschrift der Individualpsychologie (1917; Leipzig: Hirzel, 1930), foi o primeiro a apontar para o complexo básico de gênero-inferioridade dos homossexuais, que era uma questão fundamental. passo em frente em nossa compreensão da síndrome.

64 A relação entre sentimentos duradouros de inferioridade (isto é, um complexo de inferioridade) e a autodralmatização no caso da homossexualidade foi descrita pela primeira vez pelo psiquiatra holandês Johan Arndt, em “A contribuição para a compreensão”. da homossexualidade), Geneeskundige Bladen 3 (1961): 65-105.

65 D.P. McWhirter e AM Mattison, O casal do sexo masculino(Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1984) (as poucas “fiéis” parcerias entre pessoas do mesmo sexo em homens duraram 5 anos no máximo); M. Dannecker, Homosexuelle Männer und AIDS ( Homens homossexuais e AIDS ) (Stuttgart: Kohlhammer, 1990); AA Deenen et al., “Intimidade e sexualidade em casais de homens gays”, Archives of Sexual Behavior 23 (1994): 421-431 (o número médio de parceiros externos no primeiro ano de relações estáveis ​​era de 2,5, no sexto ano 11); M. Xiridou et al., “A Contribuição de Parcerias Fáceis e Casuais para a Incidência da Infecção por HIV entre Homens Homossexuais em Amsterdã”, AIDS17 (2003): 1009-1038 (parcerias masculinas fixas têm uma média de 1,5 anos); RM Grant et al., “Quimioprofilaxia Pré-Exposição para a Prevenção do HIV entre Homens que Fazem Sexo com Homens”, New England Journal of Medicine 363 (2010): 2587–2599 (SSA HIV-negativo e homens transexuais têm em média dezoito parceiros a cada três meses). Parcerias lésbicas são mais estáveis, mas menos do que relações instáveis ​​de mulheres heterossexuais (P. Blumstein e P. Schwartz, American Couples [Nova York: Morrow, 1983]).

66 O chamado “monumento homo” em Amsterdã, destinado a celebrar a emancipação gay, contém essa exclamação dramática, mas psicologicamente correta, do poeta homossexual holandês Jacob Israel de Haan: “Pela amizade, um desejo tão ilimitado …”

67 “Beber água salgada”, o designer gay alemão Joop Wolff chamava seu vício em sexo.

68 A subcultura gay é psicologicamente pubescente. Apenas 10% dos homens com SSA preferem um parceiro acima dos 40 anos. É importante notar que isso não significa necessariamente que esses homens busquem um pai. Alguns, na verdade, querem ser protegidos por um parceiro mais velho de maneira paternal, mas o homem mais velho parece, acima de tudo, ser o ídolo masculino de sua adolescência: um marinheiro, um soldado e assim por diante. Eles adoravam esse tipo por ter o que sentiam em si mesmos (Estatísticas: H. Giese, Der homosexuelle Mann in der Welt ( O Homem Homossexual no Mundo ) [Stuttgart: Enke, 1958]; Freund, Die Homosexualität beim Mann ; Zebulon et al., “Preferências de Idade de Parceiros Sexuais de Homens e Mulheres Homossexuais e Heterossexuais”, Archives of Sexual Behaviour 29 [2000]: 67-76).

69 Gundlach e Riess, “Auto e Identidade Sexual na Mulher”, 226.

70 R. Friedman e L. Stern, “Agressividade juvenil e fraqueza em homens homossexuais e heterossexuais”, Jornal da Academia Americana de Psicanálise 8 (1980): 432-433.

71 N. Whitehead e B. Whitehead, meus genes me fizeram fazê-lo: homossexualidade e a evidência científica (Lower Hutt, Nova Zelândia: Whitehead Associates, 2010), http://www.mygenes.co.nz/MGMMDIInfo.htm , consulte vários estudos de apoio (p. 257).

72 H.J. Eysenck e SBG Eysenck, Manual do Eysenck Personality Inventory (Londres: University of London Press, 1965). Um vasto corpo de pesquisa fundamenta a noção de neuroticismo como uma das poucas dimensões básicas da personalidade e a subsequente construção e validação de testes de neuroticismo (N); a maior parte do trabalho foi realizada pelas escolas de Hans Eysenck (Londres) e Raymond Cattell (Chicago).

Embora seja verdade que os inventários de N são os melhores instrumentos de medição para tendências neuróticas, eles podem, no entanto, ser falsificados, e não são imunes à simulação, bem como à dissimulação.

73 R. B. Cattell e GF Stice, Handbook of the Sixteen Characterality Questionnaire (Champaign, IL: Instituto para Teste de Personalidade e Habilidade, 1957).

74 G.JM van den Aardweg, em “Masculino Homossexualidade e do Factor de neurose,” dinâmico psicoterapia 3 (1985): 79-87, e sobre as origens e tratamento de Homossexualidade , 170-173 e 188-189, avaliação 17 estudos comparando homossexual com homens heterossexuais até 1986, e alguns comparando lésbicas com controles. Os homossexuais obtêm pontuações altas, sejam eles clientes de terapia, auto-aceitáveis, ou militantemente gays, e independentes de nação ou cultura. Curiosamente, parece que esta linha de estudo secou depois, com algumas exceções (por exemplo, Lung e Shu, “Anexo Pai-Filho”, jovens taiwaneses com SSA pontuaram muito mais do que dois grupos de controle heterossexuais).

75 M.S. Weinberg e CJ Williams, Homossexuais Masculinos (Nova York: Oxford University Press, 1974). Homens com SSA de culturas com diferentes graus de tolerância à homossexualidade (EUA, Dinamarca, Holanda) não diferiram quanto aos sintomas psiconeuróticos. Também não há evidência de que grupos socialmente discriminados, como os negros, obtenham altos escores de N. Negros relatam mais problemas de saúde física do que brancos, mas muitos ou um pouco menos sintomas de saúde mental (Administração de Serviços de Saúde Mental e Abuso de Substâncias, Escritório de Estudos Aplicados, 1996 National Household Survey of Drug Abuse, como analisado por P. Cameron e cols. ., “Sexo homossexual como prejudicial como abuso de drogas, prostituição ou tabagismo”, Psychological Reports 96 [2005]: 915–961).

76 T.GM Sandfort et al., Orientação Sexual e Saúde Mental (Stony Brook, NY: Academia Internacional de Pesquisa do Sexo, 1999); DM Fergusson et al., “A Orientação Sexual Está Relacionada com Problemas de Saúde Mental e Suicidalidade em Jovens?” Archives of General Psychiatry 56 (1999): 876–880 (uma coorte de nascimentos acompanhada até os 21 anos); R. Herrell et al., “Sexual Orientation and Suicidality”, Archives of General Psychiatry 56 (1999): 867-874 (aumenta o risco de suicídio em gêmeos homossexuais com um co-gêmeo heterossexual, relacionado à depressão).

77 Estatística: AP Bell e MS Weinberg, Homosexualities (Nova Iorque: Simon & Schuster, 1978), 457; Gundlach e Riess, “Auto e Identidade Sexual na Mulher”, 225. Confirmação adicional: SD Cochran e V. Mays, “Prevalência ao Longo da Vida de Sintomas de Suicídio e Transtornos Afetivos entre Homens Relatando Parceiros Sexuais do Mesmo Sexo”, American Journal of Public Health 90 (2000): 573-578; M. King et al., “Qualidade de Vida em Saúde Mental de Gays e Lésbicas na Inglaterra e País de Gales,” British Journal of Psychiatry 83 (2003): 552–558; e Fergusson et al., “A orientação sexual é relacionada a problemas de saúde mental”; e ST Russell e K. Joyner, “Orientação Sexual do Adolescente e Risco de Suicídio”, American Journal of Public Health 91 (2001): 1276-1281, para adolescentes.

78 Cf. nota 65 acima.

79 McWhirter e Mattison, o casal masculino : 43% dos casos; e 60% se masturbaram duas a três vezes por semana.

80 P. Cameron, “Violência Doméstica entre os Parceiros Homossexuais”, Psychological Reports 93 (2003): 410–416, (uma revisão).

81 Cameron et al., “Sexo homossexual como prejudicial como abuso de drogas”.

82 Eu não conheço nenhuma exceção a essa regra.

83 Cf. A teoria de Lombroso do “delinquente nato”, o delinquente nascido assim.

84 O pedófilo homossexual, cujas fantasias dizem respeito a crianças que ainda não exibem os sinais sexuais secundários, sentiu-se excluído da comunidade juvenil (não do adolescente), o que despertou seu fascínio por traços típicos de menino. (A pedofilia lésbica é muito mais rara.)

85 Há razões para incluir um número substancial de transexuais na categoria de “homossexualidade” (JM Bailey, O homem que seria a rainha [Washington, DC: Joseph Henry Press, 2003]). Os homens transexuais não diferem dos homens homossexuais não transexuais nos fatores de origem dos pais (por exemplo, K. Freund et al., “Relações entre pais e filhos em homens homossexuais transexuais e não transexuais”, British Journal of Psychiatry 124 [1974]: 22 –23), e há semelhanças marcadas tanto na sua visão infantil / adolescente quanto na sexualidade promíscua (Grant et al., “Quimioprofilaxia Pré-Exposição”).

86 R.P. Fitzgibbons, “As Origens do Transtorno da Atração pelo Mesmo Sexo”, em Homosexuality and American Public Life , ed. Chr. Wolfe (Chicago, IL: Spence, 1999).

87 den den Aardweg, Homofilie, neurose en dwangzelfbeklag (desenho em Arndt, “Een bijdrage tot het inzicht”). A autodramatização interior explica a aptidão de ativistas gays indignados para promover sua causa de normalização social apresentando-se como vítimas de “homofobia” e rejeição desumanas. No entanto, embora possa parecer que a sua visão de dramatização da rejeição resulta da não aceitação por causa de sua homossexualidade, na verdade ela remonta ao seu não-pertencimento traumático ao mundo do mesmo sexo entre a infância e o adolescente, que precedeu e provocou sua orientação. . Por outro lado, se a sexualidade deles fosse completamente reconhecida socialmente, suas queixas de serem menosprezados e maltratados não parariam.

88 E. Bergler, Homossexualidade: Doença ou Modo de Vida? (Nova Iorque: Hill & Wang, 1957). Essas várias noções – “raiva não resolvida”, “autopiedade / auto-vitimização”, “coleta de injustiça” – se sobrepõem amplamente. O leitor pode lembrar as queixas de Nicholas Black, que exemplificam essa mistura de auto-vitimização, amargura e coleta de injustiça.

89 E. Bergler, Sexo Falsificado (New York: Grune & Stratton, 1958).

90 Por exemplo, Alan Medinger, Crescimento para a Masculinidade(Colorado Springs, CO: Waterbrook Press, 2000); para uma ex-lésbica, reconhecer que ela “não cresceu” foi o início de uma cura completa e duradoura (GJM van den Aardweg, “Uma Lésbica Completamente Curada”, em idem, Homossexualidade e Esperança (Ann Arbor, MI). : Servant Publications, 1985), 91-95.

91 Em alguns casos, não pode estar longe da verdade assumir que os impulsos sexuais e outros auto-dirigidos da pessoa são literalmente “demonizados”, isto é, chegaram ao poder de um demônio. Desde que demônios podem soprar sobre paixões e suscitar fantasias e inclinações egoístas (J.-B. Scaramelli, Regeln zur Unterscheidung der Geister ( Regras para Distinguir os Espíritos ), org. W. Schamoni [c. 1740; Abensberg, Alemanha: Josef Kral , 1975], é bastante certo que eles estão envolvidos no crescimento e manutenção de obsessões sexualmente anormais, como a homossexualidade.

92 R.L. Spitzer, “Alguns homens gays e lésbicas podem mudar sua orientação sexual?” Arquivos de comportamento sexual32 [2003]: 403-417, examinando 200 “ex-gays”, encontraram 11% dos homens “completamente alterados” (da homossexualidade à heterossexualidade) de acordo com critérios rigorosos (29% de acordo com critérios mais brandos) e 37 por cento (ou 63 por cento) das mulheres. Vinte e seis por cento dos homens e 49 por cento das mulheres “não se incomodaram” mais com os desejos homossexuais, e 62 por cento dos homens (46 por cento das mulheres) apenas “levemente”. O período médio de acompanhamento foi de 12 anos. Este autor relatou que dos 100 ex-clientes do sexo masculino 43% pararam o tratamento dentro de alguns meses, 11% mudaram radicalmente, 26% satisfatoriamente, 11% melhoraram, 9% ficaram inalterados (acompanhamento médio de dois a três anos pós-tratamento). tratamento, van den Aardweg, sobre as origens e tratamento da homossexualidadeTabela 40.6).

93 Dez por cento de uma recente amostra inglesa de homens homossexuais praticantes desejavam esse tipo de ajuda (King et al., “Qualidade de Vida em Saúde Mental”). Pode-se ter uma impressão da necessidade subjacente de ajuda dirigida por mudança de um achado incidental, como relatado por Bell e Weinberg, Homossexualidades , que entre um quinto e um terço dos homossexuais praticantes consideravam sua sexualidade como um distúrbio emocional, e que mesmo 58 por cento tinham procurado assistência psicológica ou psiquiátrica (por razões não especificadas; Bell et al., Preferência sexual ).

94 G.JM van den Aardweg, A Batalha pela Normalidade (San Francisco: Ignatius Press, 1997).

95 R.D. Enright e RP Fitzgibbons, ajudando os clientes a perdoar(Washington, DC: American Psychological Association, 2000).

96 Um terço dos 200 “ex-gays” examinados por Spitzer, “Pode alguns gays e lésbicas mudarem” (p. 407), disse que um grupo de apoio religioso tinha sido muito útil. O apostolado católico Coragem , fundado pelo falecido pe. John Harvey, tem um ideal mais prático, vivendo castamente. Isso parece um alvo modesto; no entanto, é fundamental em qualquer processo de mudança. Para a impureza, a valorização da sensualidade imatura e egoísta no comportamento e na vida de fantasia reforça fortemente o complexo de inferioridade de gênero.

Neste contexto, a questão pode surgir: o que pode ser feito para ajudar clientes / pacientes não crentes? No caso deles, a abordagem é basicamente a mesma, porque todas as pessoas bem-intencionadas são suscetíveis a valores morais e podem ver a importância de exercitar as virtudes e combater os vícios. Alguns podem se tornar mais abertos à crença em Deus quando lutam com suas fixações imaturas. Outros podem retornar à religião de sua infância. De qualquer forma, os melhores exemplos de mudança radical de longa duração que eu pessoalmente conheço são pessoas com uma vida interior centrada em Deus.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Epidemia de ‘Eco-ansiedade’

Por Thomas D. Williams. Leia o artigo completo no Breitbart. “Protestos de grupos como a Extinction Rebellion, os recentes incêndios na Amazônia e os alertas

Leia Mais »