Resultado de imagem para left wing teachers

Adaptado do New Criterion. Leia o artigo completo aqui.

Para este alívio muito obrigado.
—Francisco, Ato I, Cena I, Hamlet

 

A administração Obama emitiu cartas “Caro Colega” para universidades do país lembrando-as que “uma condição para receberem fundos federais”, é que elas devem seguir as disposições “igualdade de gênero” : “uma escola não deve tratar um estudante transexual de maneira diferente da maneira como trata outros estudantes com a mesma identidade de gênero”. Entre outras coisas, isso significa que as meninas que pensam, ou pelo menos dizem que são meninos, e vice-versa, devem poder usar banheiros designados para o sexo oposto. “Uma escola pode fornecer instalações separadas com base no sexo”, adverte a carta “Caro Colega”, “mas deve permitir que os estudantes transexuais tenham acesso a essas instalações de acordo com sua identidade de gênero”.

A conveniência, de fato, a legalidade das cartas “Queridos Colegas” – missivas cujo propósito principal é intimidar e tiranizar – é em si um assunto substancial. Mas devemos nos concentrar no que pode vir a ser uma das realizações de política doméstica do governo Obama, seu esforço de violar a privacidade dos banheiros , vestiários, etc., em busca da questão dos pseudo-direitos civis de equidade (trans) de gênero.

Em certo sentido, Obama está simplesmente capitalizando uma tendência que se arraigou pela primeira vez na academia há uma década e que, mais recentemente, recebeu a aprovação do The New York Times, da Newsweek e de outros barômetros confiáveis ​​de atitudes politicamente corretas. A retórica tornou-se cada vez mais aguda à medida que a campanha por essa espécie de extravagância psico-sexual mudou de uma cruzada privada para um imperativo legal. Quando a legislatura da Carolina do Norte recentemente desafiou o Departamento de Justiça sobre a questão de quem pode usar o banheiro, o Times acusou o estado de ser um “pioneiro na intolerância” e criticou a “loucura” absurda dos que questionam a propriedade da nova dispensação.

Bom, The New York Times é uma coisa. O Departamento de Justiça é outra coisa. Aqui nos movemos da irritação barulhenta de uma chihuahua retórica incontinente para o jackboot do poder ilimitado do estado. No mês passado, Loretta Lynch, a Procuradoria Geral dos Estados Unidos, fez um discurso em que, invocando Jim Crow, ela assegurou à “comunidade transgênero” que o governo Obama tinha suas costas: “nós vemos você; nós estamos com você; e faremos tudo o que pudermos para protegê-lo daqui para frente. Ah, e ela também rebateu a Carolina do Norte.

O que está acontecendo aqui? Como é que uma questão que, até ontem, a maioria das pessoas achava merecedora da administração da psiquiatria emergiu como a mais recente candidata à santidade dos direitos civis? Existem, acreditamos, dois imperativos trabalhando nos bastidores.

O primeiro envolve a longa onda da revolução cultural, em particular os recintos da revolução que visam transformar a vida pela emancipação do sexo. Como Irving Kristol observou em 1994:

A “liberação sexual” está sempre perto do topo de uma agenda contracultural – embora a forma de libertação possa variar e varie, e às vezes de maneira bastante selvagem. A libertação das mulheres, da mesma forma, é outra característica consistente de todos os movimentos contraculturais – sua libertação dos maridos, sua libertação das crianças, sua libertação da família. De fato, o verdadeiro objeto dessas várias heterodoxias sexuais é desestabilizar a família como a instituição central da sociedade humana, a cidadela da ortodoxia.

É curioso como, sistematicamente, a campanha pela libertação transforma-se em uma demanda por novas formas de servidão. O movimento da liberdade de expressão nasceu em Berkeley em 1964. Atualmente, o clamor é por limites a falas que são “ofensivas” ou “privilegiadas”. Uma faixa vista na Harvard Law School resume: “A liberdade de expressão não é discurso igual”. nos anos 60 o slogan era “sexo livre”; agora, ironicamente, encontramos algo mais próximo de “livre do sexo”. Considere, para citar apenas um exemplo, Paisley Currah, professor de ciência política do Brooklyn College e autor de Fazendo o Transexual Valer à Pena“Assim como as teorias de Herbert Marcuse foram importantes no campus em sua época, a teoria de gênero é importante agora.” A srta. – ou é sr.? –Currah tem toda a razão de invocar Herbert Marcuse. O radical nascido na Alemanha, que morreu em 1979, era um guru essencial dos anos sessenta. Mas ele era mais que isso. Em seus “protestos contra a ordem repressiva da sexualidade procriadora” e na insistência de que a libertação genuína requer um retorno a um estado de “narcisismo primário”, Marcuse parece uma nota muito contemporânea. Tal “mudança no valor e no alcance das relações libidinais”, escreveu em Eros e a Civilização, “levaria a uma desintegração das instituições nas quais as relações interpessoais privadas foram organizadas, particularmente a família monogâmica e patriarcal”.

Vista como um ingrediente na longa marcha da revolução cultural dos anos 1960, o repentino florescimento de um fenômeno que pertence às páginas de Krafft-Ebing* é apenas o item mais recente na agenda para “desestabilizar” as maneiras e a moral tradicionais. Mas as intervenções do governo Obama na questão do transsexualismo também fazem parte de um movimento maior para insinuar o poder do Estado nos interstícios da vida cotidiana. Tocqueville, notoriamente, advertiu que, nas democracia,s o despotismo não tanto tiraniza os cidadãos quanto os infantiliza. E fez isso, escreveu ele, esquadrinhando os recantos da vida, enfraquecendo a iniciativa e transformando atores independentes em custodiados do Estado – “ovelhas”, como disse Tocqueville, com a burocracia do Estado como pastor.  Imagine: funcionários em Washington dizendo às pessoas em todo o país como devem organizar seus banheiros com base em critérios arbitrários! O autor de Gênesis observou de passagem que “homem e mulher os criou”. Mas isso foi antes de Barack Obama e Loretta Lynch chegarem com seu mandato “progressista” coercitivo. Se o estado pode nos dizer como devemos organizar banheiros públicos, o que ele não pode fazer?

 

* Richard von Krafft-Ebing (1840 – 1902) foi um psiquiatra alemão. Introduziu em sua obra os conceitos de sadismo, masoquismo e fetichismo no estudo do comportamento sexual. Sua obra foi: Psychopathia Sexualis (1886).

 

Perfil mantido pela equipe editorial do CONIPSI.
“Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados.”
Millôr Fernandes

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!