iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
As alegações da ideologia do transsexualismo não são comprovadas cientificamente, e os argumentos usados pela revista são inconsistentes. O fato de a jornalistas ser especialista em ciência e premiada, em si não a credencia uma vez que as instituições premiam quem está em sintonia com a sua opinião, vale dizer: Para obter reconhecimento de uma autoridade, endosse seu ponto-de-vista. É um processo de realimentação.
Adaptação de artigo de Andrew T. Walker e Denny Burk, no site The Public Discourse
A edição de janeiro de 2017 da revista National Geographic se dedica ao que chama de “Revolução de Gênero” – um movimento que busca desconstruir entendimentos tradicionais sobre a personificação humana, o dimorfismo sexual masculino-feminino e gênero. Robin Marantz Henig assina a matéria da capa. Ela é uma jornalista especializada em ciência, com vários livros sobre ciência, e vários prêmios. Em seu artigo “Repensando o Gênero”, Henig cita as normas de gênero em evolução como uma justificativa para a Revolução de Gênero. Mas o argumento de Henig não falha apenas em ser persuasivo, ele se baseia em uma proposta radical sobre a natureza humana que está em desacordo com a lei natural e a antropologia bíblica.
 
Vamos abordar alguns dos erros mais flagrantes no artigo. Muitas das críticas abaixo se aplicam não apenas ao artigo de Henig, mas também aos problemas filosóficos mais amplos inerentes ao movimento transgênero.
 
Identidade de Gênero, Confusão de Categoria e Inconsistência Moral
 
Primeiro (e mais problemático): Henig não oferece nenhum argumento substantivo para explicar por que a auto-percepção interna de sua “identidade de gênero” deve determinar seu sexo ou ter autoridade maior do que o seu sexo biológico. Seu artigo oferece testemunhos de pessoas que dizem que sua identidade de gênero está em desacordo com seu sexo biológico. Mas o testemunho não é suficiente. A afirmação de uma alegação não demonstra a autenticidade dessa alegação. Os leitores não recebem nenhuma explicação de por que devemos considerar as alegações de uma identidade de gênero como realidade, em vez de um sentimento subjetivo ou auto-percepção.
Na verdade, este é o cerne da questão que assola o movimento transgênero. Baseia-se não na evidência, mas na ideologia do individualismo expressivo – a ideia de que a identidade é autodeterminada, que se deve viver essa identidade e que todos devem respeitar e afirmar essa identidade, não importa o que ela seja. O individualismo expressivo não requer nenhum argumento moral ou justificação empírica para suas alegações, não importa quão absurdas ou controvertidas possam ser. O transsexualismo não é uma descoberta científica, mas um compromisso ideológico prévio sobre a flexibilidade do gênero.
 
Em segundo lugar, Henig comete uma falácia de composição ao associar duas categorias diferentes: intersexuais com o transgênero. “Intersexo” refere-se a  “distúrbios do desenvolvimento sexual” que resultam em anatomia reprodutiva atípica. Algumas pessoas intersexuais nasceram com “genitália ambígua”, que tornam a determinação do sexo ao nascer muito difícil.
 
As pessoas que se identificam como transgêneros, por outro lado, não estão lidando com ambigüidade quanto ao seu sexo biológico. Elas sentem que sua identidade de gênero está fora de sincronia com seu sexo biológico. Assim, identidades transgênero são construídas sobre o pressuposto de que o sexo biológico é conhecido e claro.
 
Os que estão promovendo a revolução de gênero têm interesse em confundir essas categorias. Eles acham que, se puder ser demonstrado que o sexo biológico é um espectro, em vez de um binário, então eles podem minar o essencialismo do gênero. Mas as condições intersexuais não refutam o binário sexual. São desvios da norma binária, não o estabelecimento de uma nova norma. Assim, a experiência fisiológica da intersexualidade está em uma categoria diferente das construções psicológicas da disforia de gênero e do transsexualismo. Henig relaciona essas categorias de forma problemática, de modo a embaçar a identidade de gênero e a anomalia médica em uma categoria abrangente.
 
Aceitar que a identidade de gênero de alguém está em desacordo com seu sexo biológico não é nada mais do que ideologia sem nenhuma verificação nem dados empíricos para sustentar essa afirmação. É metafisicamente impossível verificar a afirmação de que a identidade de gênero declarada confirma uma compreensão mais precisa do gênero do que o sexo biológico.
 
A última página do artigo de Henig comemora a mutilação de crianças menores com uma foto de uma menina de 17 anos sem camisa, que sofreu recentemente uma mastectomia dupla para se “transformar” em menino. Por que os ideólogos do transgenerossexualismo consideram prejudicial a tentativa de mudar a mente dessa criança, mas consideram um progresso exibir seu peito nu e mutilado para uma maria de capa? Os ideólogos do transgnerossexualismo, como Henig, nunca abordam esta contradição ética no âmago de seu paradigma. Por que é aceitável alterar cirurgicamente o corpo de uma criança para coincidir com seu senso de si mesma, mas intolerante tentar mudar seu senso de si mesma para que corresponda ao seu corpo? Se é errado tentar mudar a identidade de gênero de uma criança (porque ela é fixa e se intrometer com ela é prejudicial), então por que é moralmente aceitável alterar algo tão fixo quanto a anatomia reprodutiva de um menor? A inconsistência moral aqui é clara.
 
Ciência fraca e alegações contraditórias
 
Terceiro, o artigo refere-se obliquamente à “Teoria do Sexo do Cérebro” para sustentar a conclusão mais ampla de que as identidades de gênero expansivas são imutáveis, objetivas e uma expressão autêntica do verdadeiro sexo de uma pessoa. Henig reconhece, com razão, as deficiências da Teoria do Sexo do Cérebro, mas, no final, não oferece qualquer suspeita sobre a legitimidade das alegações do transgenerossexualismo à luz da inconclusividade dos estudos científicos sobre esta questão.
 
É por isso que seu argumento é, em última análise, pouco convincente e problemático: não há consenso científico sobre o que causa o transsexualismo. As teorias do sexo do cérebro são hipóteses, Se Henig admitisse a falta de certeza em torno do transsexualismo, desfaria a certeza sobre a qual o artigo (e toda a questão) se baseia. Henig não aborda seus próprios pressupostos e admite que as categorias descritas no artigo se baseiam em teoria, não em fatos.
 
Em quarto lugar, além do artigo de Henig, a cobertura da National Geographic é acossada por declarações contraditórias e incoerentes. Por exemplo “Entender que a identidade de gênero e a orientação sexual não podem ser alteradas, mas a forma como as pessoas identificam sua identidade de gênero e orientação sexual podem mudar ao longo do tempo, à medida em que elas descobrem mais sobre si mesmas”. A primeira metade desta frase afirma a imutabilidade da identidade de gênero, mas a segunda metade da frase afirma que a autoconsciência das pessoas sobre essas coisas pode mudar ao longo do tempo. Mas não há uma contradição aqui, quando definimos nossos termos? A identidade de gênero não é uma categoria objetiva, mas sim subjetiva. É como se percebe seu próprio senso de masculinidade ou feminilidade (Yarhouse, pp. 16-17). Se essa percepção é fixa e imutável (como afirma a primeira metade da frase), então é incoerente dizer que a autopercepção pode mudar ao longo do tempo (como afirma a segunda metade da frase). A auto-percepção pode mudar ou não. Não pode ser ambos. Esta é uma contradição desconcertante contido dentro de uma única frase, mas que parece esquecido pelo autor.
 
Além disso, a afirmação de que as identidades transgênero são igualmente fixas e imutáveis ​​como a orientação sexual simplesmente não é apoiada por qualquer tipo de consenso científico. De acordo com um importante relatório*, “Também há pouca evidência de que as questões de identidade de gênero têm uma alta taxa de persistência em crianças”. De fato, cerca de 80% das crianças que vivenciam sentimentos transgêneros resolvem completamente suas dificuldades sem nenhuma intervenção após a puberdade. Dizer que as identidades transgênero são fixas e imutáveis ​​é simplesmente impreciso.
 
O que a Justiça Realmente Exige?
 
Em quinto lugar, toda a questão enquadra a “Revolução do Gênero” como a próxima fronteira da justiça social. Isso parece extraordinariamente míope dado o ritmo acelerado em que a revolução de gênero veio para a América. Mas vamos reformular elementos da discussão que são omitidos do artigo de Henig e da questão geral:
 
– Por que a sociedade deve aceitar uma teoria do gênero que tem tão pouca adjudicação histórica?
 
– Por que não fazer perguntas que sondem se certos meios sociais não são a causa de tais experiências recém-descobertas na história humana?
 
– Por que não explorar os elementos politizados do transsexualismo que são apoiados por um movimento agressivo do LGBT?
 
– Por que omitir a história contestada por trás desse movimento: que a compreensão da confusão de gênero como uma patologia a ser aliviada ao invés de uma norma a ser abraçada, comum até o passado recente, agora é estigmatizada, quando não apagada, da história?
 
– Por que a corrida para aceitar a alegação de que alguém é um membro do sexo oposto ou que não possui nenhum gênero sequer?
 
– Por que a justiça exige a aceitação de um regime de medicina que mutila partes do corpo que funcionam, tudo em nome da identidade de gênero?
 
Henig não reconhece quaisquer vozes dissidentes que questionam a validade das identidades transgênero. Seu artigo – e a revista como um todo – dá por certo a ideia de que a compaixão e a justiça são mediadas apenas através da aceitação das controvertidas teorias nele contidas. Nós rejeitamos isso.
 
Finalmente, o artigo não aborda as conclusões que se seguem de suas premissas. Em uma legenda, lemos:
 
Henry foi designado homem no nascimento, mas se considera “criativo de gênero.” Ele se expressa através de seu senso de moda singular. Seus pais o inscreveram no Acampamento Arco-íris da Área da Baia, onde ele pode encontrar o vocabulário para explicar seus sentimentos. Aos seis anos de idade, ele já está muito seguro de quem ele é.
 
Esta legenda é um radicalismo desenfreado. Nenhum menino de seis anos tem certeza de quem ele é. A afirmação radical não-julgadora não é uma abordagem saudável para os pais nem uma estratégia de governo viável para a sociedade. Os pais deveriam realmente suspender toda forma de julgamento e se curvar aos caprichos fugazes dos filhos? Isso se estende a todos os assuntos?
 
Em um ponto, Henig descreve um indivíduo que está procurando por uma identidade que “pareça certa”. Isso é assustadoramente subjetivo e sujeito a auto-reinterpretações sem fim. O que “parece certo” para uma pessoa não constitui caminho para o que é certo. É também um exemplo de por que a revolução de gênero consiste em “cisternas quebradas que não podem conter água” (Jeremias 2:13). Como ilustra um vídeo viral, pegar a linguagem de “identidade” e “identificar” junto com “gênero” leva a afirmações frívolas e ridículas que em nossa consciência sabemos serem falsas. E, na verdade, isso é o que é mais problemático com este artigo: aceitar as alegações contidas nele exige encobrir a consciência. Requer fazer uma zombaria da “lei escrita no coração” de que nossos corpos dão testemunho sobre nosso projeto complementar. Como este artigo demonstra, não há limites para a revolução sexual e de gênero; Apenas o rastro da carnificina humana que resulta da supressão da verdade.
 
Henig faz uma admissão surpreendente e chocante perto do final de seu artigo: “A biologia tem o hábito de se pronunciar no final.” Sobre isso, Henig está certo. A humanidade não pode escapar dos limites inscritos nela. É impossível transgredir fronteiras biológicas carimbadas na natureza humana sem as categorias básicas da existência humana se desmoronem. Se a história de National Geographic diz alguma coisa, ela fala de uma sociedade descendo por um caminho de experimentação voluntária que levará à miséria e uma negação do telos humano. Na verdade, esse movimento nascido de academias efêmeras e mitologia progressiva não é mais do que uma barbárie vestida.
* Lawrence Mayer e Paul McHugh no The New Atlantis
Denny Burk é Professor de Estudos Bíblicos na Faculdade Boyce e The Southern Baptist Theological Seminary. Ele também é presidente do Conselho para a masculinidade bíblica e feminilidade. Andrew T. Walker é o Diretor de Estudos Políticos da Comissão de Ética e Liberdade Religiosa e um estudante de doutorado em Ética Cristã no Seminário Teológico Batista do Sul.
star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Epidemia de ‘Eco-ansiedade’

Por Thomas D. Williams. Leia o artigo completo no Breitbart. “Protestos de grupos como a Extinction Rebellion, os recentes incêndios na Amazônia e os alertas

Leia Mais »