iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

ALERTA DE GATILHO:
Não conseguimos um orador que pudesse nos deixar certos de que não diria algo que vocês pudessem achar ofensivo. Tapem os ouvidos. Vai acabar logo.
A vida é dura.
Cartum de Chip Bok.

Por Emily Zanotti. no Daily Wire.

Um novo estudo na revista “Clinical Psychological Science” afirma que os chamados “alertas de gatilho” – avisos visíveis colocados em material controverso e material que pode causar transtorno de estresse pós-traumático em indivíduos que passaram por certas formas de trauma – têm apenas ” efeitos triviais “na saúde mental da pessoa e são na maior parte sem valor.

Robby Soave, da Reason Magazine, relata que o estudo constatou que “os alertas mais rígidos não deixam ninguém em situação pior … mas eles também não ajudam: os participantes do estudo que receberam um alerta de gatilho ficaram tão incomodados com palavras e imagens traumáticas quanto participantes que viram as palavras e imagens sem nenhum aviso prévio.”

Isso torna as advertências de gatilho quase que completamente inúteis quando usadas em um contexto acadêmico.

Por estranho que pareça, esta é uma notícia mais positiva para alertas de gatilho e seus respectivos usuários. Um estudo da Universidade de Harvard, publicado no ano passado, que este estudo pode ter tentado contradizer, descobriu que os alertas desencadeadores realmente tornam as pessoas “menos resilientes ao trauma” e, em alguns casos, podem piorar certas reações.

De certa forma, o novo estudo – um esforço conjunto entre a Universidade de Waikoto e a Universidade da Cidade de Nova York – realmente contradiz as descobertas de Harvard, mas apenas ao descobrirem que os alertas de gatilho geralmente são neutros. Nenhum estudo sobre o assunto parece ter achado os alertas de gatilho benéficos, embora muitas faculdades e universidades agora tornem prática comum usar alertas de gatilho quando os alunos recebem material que podem achar perturbador (por várias razões).

“Pesquisadores mostraram a 1.394 voluntários conteúdo perturbador (em vídeo e em forma escrita), com alguns dos voluntários vendo avisos de gatilho como, ‘AVISO DE GATILHO: O seguinte vídeo pode conter imagens gráficas de um acidente fatal. Você pode achar este conteúdo perturbador”. “Os pesquisadores descobriram que as respostas das pessoas ao conteúdo eram as mesmas, quer tivessem ou não visto um aviso”.

“Nós, como muitos outros, estamos ouvindo novas histórias, semana após semana, sobre os alertas que são solicitados ou introduzidos em universidades de todo o mundo”, disse um dos principais pesquisadores do estudo. “Nossas descobertas sugerem que esses avisos, embora bem intencionados, não são úteis”.

Os dados também sugerem, relatam os pesquisadores, que os alertas desencadeadores fazem pouco para ajudar aqueles que podem ter sofrido um trauma real: “Houve pouca diferença entre os grupos. Em outras palavras, indivíduos com histórico pessoal de trauma que receberam um aviso de gatilho relataram níveis semelhantes de aflição como aqueles que não receberam um aviso “.

Na verdade, segundo os pesquisadores, estudos anteriores indicaram que evitar material controverso ou potencialmente “desencadeador” pode na verdade piorar os sintomas de TEPT, e que entrar em contato com material traumático em um ambiente controlado poderia ajudar pessoas que sofreram traumas a cicatrizar, mas que cada paciente individual teria que discutir essa abordagem com seu próprio profissional qualificado.

Os pesquisadores, pelo menos, não recomendam o uso de alertas de gatilhos como uma prática acadêmica regular, mesmo que eles ainda possam alertar certos alunos que podem optar por faltar à aula em vez de encontrar o material desencadeador.

Comentário: TEPT costumava dizer respeito às pessoas com balas voando a um centímetro da cabeça em vez de pessoas ouvindo opiniões que não são marxistas.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.