A linguagem serve, entre outras coisas, para descrever a realidade. Entretanto, quando a verdade não agrada, se você não tiver caráter, pode usar a linguagem para distorcê-la. 
George Orwell em A Revolução dos Bichos, mostra como a linguagem é usada para se conquistar o poder. Nietzsche, por sua vez, dizia que as verdades são construídas por meio da linguagem e do esquecimento. Artigo do Daily Wire mostra que imprensa está chamando a cirurgia de mudança de sexo de cirurgia de confirmação de gênero.
Você pode ler o artigo completo de Amanda Prestigiacomo no Daily Wire (aqui).
A fim de condicionar a opinião pública a não entender que os transexuais são doentes mentais, a imprensa, em geral, tem chamado a “cirurgia de reatribuição de sexo” de “cirurgia de confirmação de gênero”.
O termo é estratégico. Se a cirurgia trata simplesmente de “confirmar” o gênero, então a implicação é que a transsexualidade não é mais uma doença mental: um homem que acredita que é uma mulher é, na verdade, uma mulher, e uma mulher que acredita que ela é um homem é, realmente, um homem.
O cirurgião plástico de Chicago, Loren S. Schechter, explicou por que “a cirurgia de confirmação de gênero” é o termo politicamente correto do futuro.
 
“Por mais de 11 anos, eu fiz cirurgia de confirmação de gênero como parte da minha prática cirúrgica. Eu a chamo de” cirurgia de confirmação de gênero “, porque eu acredito que entre a miríade de rótulos que eu ouvi para o procedimento – cirurgia de reatribuição de sexo, cirurgia de mudança de sexo,  operação de mudança de sexo, para citar apenas alguns – nenhum é tão preciso quando se trata de descrever o que realmente está ocorrendo como “cirurgia de confirmação de gênero”, escreveu Schechter.
 
Esse ardil para remodelar uma verdade impopular na linguagem, por meio da imprensa, já ocorreu no que diz respeito ao transsexualismo. Em março, a Associated Press lançou um novo manual de estilo abordando o uso do pronome e as definições de sexo e gênero, das quais há aparentemente mais de dois!
 
“O gênero se refere à identidade social de uma pessoa, enquanto o sexo se refere a características biológicas”, diz o manual.
 
“Nem todas as pessoas se enquadram em uma das duas categorias de sexo ou gênero, de acordo com as principais organizações médicas, por isso evite referências a ambos, ou a gêneros ou sexos opostos, como uma forma de abranger todas as pessoas”, explicam as diretrizes. “Quando necessário, para clareza ou em certas histórias sobre estudos científicos, a alternativa é incluir homens e mulheres, meninos e meninas, masculinos e femininos”.
 
O manual de estilo recomenda aos jornalistas que ignorem os padrões gramaticais e usem pronomes plurais, “eles”, “seus”, etc., para se referir a um indivíduo transexual.
 
Nem mesmo George Orwell previu isso.

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!