iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
A Traição de Cristo, de
Bartolomeo di Tomasso

Thomas Roberts e Delbert Hayden

Segunda parte de um artigo de duas partes. Você pode ler a primeira parte aqui . 

Um indicador de saúde mental é a capacidade de manter um estado de esperança diante das lutas da vida. Alguns pesquisadores concluíram que os humanos têm uma propensão natural para experiências religiosas, o que significa que as pessoas tendem a ser mais ansiosas e preocupadas quando não têm uma orientação religiosa. [1] Em um de seus ensinamentos, Jesus ofereceu pensamentos úteis nas seguintes citações. Ele incentivou as pessoas a viajarem com pouca bagagem emocional e a adotarem uma perspectiva transcendente em relação às preocupações humanas comuns.

Portanto, eu lhe digo, não se preocupem com suas próprias vidas, quanto ao que comer ou beber; nem com seus próprios corpos, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante do que a comida, e o corpo mais importante do que a roupa? Observem as aves do céu: não semeiam nem colhem nem armazenam em celeiros; contudo, o Pai celestial as alimenta. Não têm vocês muito mais valor do que elas? (Mt 6: 25-26).

Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal”. (Mt 6:34).

O conselho dado neste ensinamento sobre o valor de depender de um poder superior e de viver um dia de cada vez é visto como salvador de vidas por membros de Alcoólicos Anônimos e outros 12 passos de auto-ajuda. [2] Nenhuma técnica terapêutica sugere que se deve perseguir a perfeição ou insistir em fazer as coisas da maneira certa, de forma consistente. De fato, todos os modelos terapêuticos sugerem que aceitar o que não se pode mudar é saudável. [3] A oração da serenidade: “Deus me conceda a serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, a coragem de mudar as coisas que posso, e a sabedoria para discernir a diferença” – baseia-se na crença de que se deve confiar na fé em Deus para aquelas coisas que não podem ser mudadas. [4]

Muitos pesquisadores descobriram que o bem-estar é uma consequência de não se preocupar com o que não se pode controlar. [5] Rosmarin faz parte de um grupo de pesquisadores do Mclean Hospital, uma afiliada da Howard University; com base em suas pesquisas, eles concluíram que as pessoas que acreditam em um Deus benevolente se preocupam menos com os problemas e as preocupações cotidianas da vida. Além disso, eles atribuem o maior foco clínico na religião para melhora dos resultados da terapia.

O resultado de acreditar nos ensinamentos de Jesus pode ser que a pessoa fique menos sobrecarregada por problemas comuns e, em geral, tenha menor ansiedade e reatividade a eventos negativos. Em termos da Teoria do Sistema de Bowen, não ser afetado negativamente por eventos está associado a maior diferenciação e saúde emocional. [6] A mensagem implícita nos ensinamentos de Jesus é em direção a uma maior diferenciação e menos reação emocional. Ao aceitar coisas que não pode mudar, é menos provável que uma família se projete negativamente em um filho ou desenvolva um relacionamento complementar no qual um membro é adaptativo e o outro dominante.

Pensamento de segunda ordem

Os terapeutas estratégicos delinearam duas abordagens para a solução de problemas: soluções de primeira ordem e soluções de segunda ordem. [7] As soluções de primeira ordem envolvem estratégias nas quais o solucionador de problemas aplica mais do mesmo tipo de pensamento até que o problema seja amenizado (por exemplo, se alguém estiver com frio, ele continua adicionando camadas de roupa até se aquecer). As soluções de primeira ordem parecem ser “lógicas” e são usadas com mais frequência na solução de problemas diários. As soluções de segunda ordem envolvem estratégias que muitas vezes parecem “ilógicas” na primeira visualização, uma vez que não implicam mais das mesmas abordagens para a resolução de problemas. Uma abordagem de segunda ordem envolve conceituar os parâmetros do problema além dos “nove pontos” originais.

Jesus parece defender o pensamento de segunda ordem em muitos de seus ensinamentos, já que suas soluções parecem “irracionais” na primeira visualização. Quando Jesus começou um ensinamento com “Você já ouviu dizer …” denotou que um paradoxo se seguiria. Observe o conselho que Jesus dá nos seguintes ensinamentos:

“Vocês ouviram o que foi dito: ‘Olho por olho e dente por dente’. Mas eu lhes digo: Não resistam ao perverso. Se alguém o ferir na face direita, ofereça-lhe também a outra. E se alguém quiser processá-lo e tirar-lhe a túnica, deixe que leve também a capa.
Se alguém o forçar a caminhar com ele uma milha, vá com ele duas. Dê a quem lhe pede, e não volte as costas àquele que deseja pedir-lhe algo emprestado”.(Mt 5: 38-42).

Mas eu lhes digo: amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem (Mt 5:44).

O que o pensamento de segunda ordem faz é permitir que uma pessoa saia do limite esperado de um problema e veja o problema e a solução de outra perspectiva. O que está implícito no uso que Jesus faz do pensamento de segunda ordem é o efeito que os processos de segunda ordem têm sobre os outros. Por exemplo, quando Jesus diz para resistir ao mal, ele está falando mais de uma perspectiva sistêmica do que de uma perspectiva individual.

Pode-se afetar os outros agindo de maneiras inesperadas ou fora do comum. O pensamento de segunda ordem aumenta drasticamente o repertório de comportamentos e a capacidade de afetar os outros de maneira indireta. O pensamento de segunda ordem reduz a tendência de perseguir objetivos de maneira linear. Em vez de estabelecer o sucesso como meta, a pessoa deve mergulhar em coisas que são maiores que o eu. [8] Na medida em que a pessoa se esquece de perseguir metas, é mais provável que tenha sucesso em alcançá-las.

A literatura sobre casamento e terapia familiar está repleta do uso do pensamento de segunda ordem, incluindo o paradoxo. [9] Uma técnica terapêutica simples é o terapeuta dizer algo que parece falso, mas contém uma verdade profunda que pode não ser conscientemente reconhecida. O pensamento de segunda ordem aumenta o pensamento fora da caixa e introduz oportunidades de se enxergar o problema sob uma nova luz e de desenvolver respostas criativas. Jesus usou esse tipo de paradoxo nos seguintes versículos:

Quem tentar salvar sua vida, vai perdê-la; e quem perder a vida salvá-la-a (Lucas 17:33).

Pois todo o que se exalta será humilhado, e o que se humilha será exaltado”. (Lucas 14:11).

De fato, é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus”. (Lucas 18:25).

Interesse social

Um princípio da psicologia adleriana é que a medida da saúde mental é indicada pelo seu nível de interesse social, isto é, o grau em que o indivíduo contribui para o bem-estar dos outros seres humanos. [10] De acordo com Ferber et al., Adler acreditava que os seres humanos, desde o nascimento, são socialmente integrados e a saúde psicológica de cada pessoa aumenta quando ela satisfaz suas necessidades de intimidade, fazendo contribuições socialmente úteis para o bem-estar do grupo. A visão de que nossos relacionamentos são fundamentais para estados mentais e físicos saudáveis ​​foi recentemente corroborado pelas descobertas de um projeto de pesquisa longitudinal de 80 anos.

Este estudo foi encaminhado ao “Estudo de Harvard do Desenvolvimento Adulto”, que começou em 1938. [11] Apenas 19 dos participantes do estudo original, de 268, ainda estão vivos. O estudo descobriu que os relacionamentos íntimos e como as pessoas são felizes em seus relacionamentos estão relacionados à sua saúde mental e física. Embora essas descobertas tenham sido um pouco surpreendentes para os pesquisadores, elas ilustram claramente a proposição de que “Minha felicidade está ligada à sua felicidade”.

Infelizmente, no estado atual da evolução humana, a maioria das pessoas não percebe intuitivamente que sua felicidade e bem-estar psicológico dependem do amor uns pelos outros. Como esse conhecimento não é auto-evidente, ele deve ser transmitido por uma voz social externa, como a instituição da religião organizada. As religiões cristãs, lembrando aos adeptos dos ensinamentos de Jesus que “vocês amarão o próximo como a si mesmos”, aumentam continuamente o nível de interesse social entre os seres humanos, aumentando assim o nível de saúde psicológica em indivíduos e famílias. Para o jovem rico que perguntou a Jesus sobre o discipulado, Jesus respondeu:

‘Se você quer ser perfeito, vá, venda os seus bens e dê o dinheiro aos pobres, e você terá um tesouro no céu. Depois, venha e siga-me”.
Ouvindo isso, o jovem afastou-se triste, porque ele tinha muitas posses (Mt 19: 21-22).

A integração social foi um ponto focal na teoria de Durkheim. [12] De acordo com Idler e Kasl, a função social da religião promove intimidade e pertencimento junto aos outros. [13] Aumentar o compromisso de alguém com os outros promove um vínculo mais forte entre as instituições individuais e sociais. Todos os modelos de psicoterapia endossam envolvimento social adequado em vez de atividades isoladas e individualistas.

Requisito de mudança de terceira ordem

Mudanças de terceira ordem raramente são discutidas na literatura familiar. No entanto, pode muito bem acontecer que as famílias devam fazer, ocasionalmente, uma mudança radical para se adaptar ou continuar funcionando. Enquanto uma mudança de segunda ordem é uma mudança no próprio sistema, uma mudança de terceira ordem é uma mudança radical e descontínua, em que novas crenças e comportamentos substituem as velhas maneiras de pensar e de se comportar. [14]Uma experiência de conversão religiosa é uma maneira de conceber a mudança de terceira ordem. Para fazer uma mudança de terceira ordem, é preciso estar ciente de que uma mudança fundamental é necessária para se seguir em frente. A estrutura ou paradigma atual subjacente ao processo de tomada de decisão de uma pessoa deve ser desafiada por um pensamento novo e criativo. A mudança de terceira ordem redefine a identidade de modo que a pessoa é fundamentalmente diferente de antes. Jesus exigiu uma mudança de terceira ordem quando chamou seus seguidores.

Então, um mestre da lei aproximou-se e disse: “Mestre, eu te seguirei por onde quer que fores”. Jesus respondeu: “As raposas têm suas tocas e as aves do céu têm seus ninhos, mas o Filho do homem não tem onde repousar a cabeça”. Outro discípulo lhe disse: “Senhor, deixa-me ir primeiro sepultar meu pai”. Mas Jesus lhe disse: “Siga-me, e deixe que os mortos sepultem os seus próprios mortos”. (Mt. 8: 19-22).

Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus. (João 1:12).

Embora pouco se escreva sobre a mudança de terceira ordem na literatura familiar, há situações em que esse tipo de mudança é necessário para um ótimo funcionamento. Por exemplo, para uma mulher em um relacionamento abusivo que não acredita em divórcio, uma mudança de terceira ordem pode ser necessária para terminar o relacionamento. Ela pode ter que mudar seus pontos de vista sobre o compromisso com o casamento e a família, a fim de escapar do abuso.

Ser capaz de mudar a identidade ou a visão da realidade sob circunstâncias severas cria uma maior probabilidade de que alguém possa se ajustar. Pode-se argumentar que grande parte da terapia é uma mudança de terceira ordem, porque uma nova direção na vida de uma pessoa pode ocorrer apenas pela mudança de seus paradigmas internos que filtram experiências novas ou não familiares. Os terapeutas sistêmicos concentram-se em técnicas de mudança que levam a resultados diferentes. [15]Por exemplo, reenquadrar ou redefinir um comportamento, sintoma ou crença é uma técnica que os terapeutas sistêmicos usam e que muda a perspectiva de uma pessoa e, portanto, cria uma mudança fundamental no modo como se comporta.

O aspecto feliz do sacrifício altruísta

Sacrifício é o confisco de algo altamente valorizado por causa de algo que tem um valor maior. De acordo com essa definição, os sacrifícios têm um aspecto negativo e um aspecto positivo. Joseph Campbell observou que o aspecto ditoso do sacrifício, descrito em vários rituais religiosos, é frequentemente negligenciado por pessoas que tendem a ver apenas a dimensão onerosa e negativa do sacrifício. [16] Apesar de a tradição judaica estar mergulhada no mandamento de amar a Deus e ao próximo, Jesus acrescentou outra dimensão quando uniu os dois em um só mandamento. As seguintes palavras de Jesus enfatizam as consequências positivas que fluem da submissão auto-alcançada:

Pois quem quiser salvar a sua vida, perde-la-ámas quem perder a vida por minha causa, encontra-la-á.
Mateus 16:25′ (Matt. 16:25).

Em verdade, em verdade vos digo que, se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto ”(João 12:24).

Viver com um parceiro em um relacionamento comprometido, cuidar dos filhos, cuidar de membros idosos da família, de fato, todas as manifestações do amor maduro envolvem algum grau de altruísmo, ou comportamentos altruístas que promovem o bem-estar dos outros. Pesquisadores descobriram que o sacrifício é importante nos relacionamentos íntimos. [17]  O sacrifício é mais provável de ocorrer quando há um alto comprometimento mútuo, um alto nível de confiança e a crença de que o parceiro irá retribuir.

Os compromissos exigidos para viver uma vida adulta responsável podem parecer emocionalmente insuportáveis, a menos que haja um senso de equilíbrio de realização pessoal que flua de atos de abnegação. Novas pesquisas indicam que o sacrifício pelo parceiro é recompensador para ambos os parceiros quando é reconhecido e depois retribuído. [18] As citações acima mencionadas de Jesus nos incentivam, lembrando-nos das conseqüências frutíferas e duradouras dos atos sacrificiais.

A coragem de viver

Quando Jesus foi a Jerusalém pela última vez, está claro que ele antecipou sua traição e morte. A coragem de defrontar-se com esses eventos, apesar do resultado inevitável, ecoa os escritos de filósofos, como Tillich e Heidegger, que acreditavam que superar o medo da morte é a essência da vida. [19]Enquanto para alguns, a morte sinaliza um fim para a vida e as realizações que marcam os indivíduos, de acordo com San Filippo, Heidegger acreditava que o status e realizações na vida não têm peso para a vida após a morte. [20] O reconhecimento de que os humanos passarão e chegarão a um acordo com o mundo, continuando depois que alguém morreu, é o ingresso para a vida autêntica no presente. Só é possível participar plenamente da vida quando a aceitação da própria morte foi totalmente enfrentada.

A partir desse momento Jesus começou a mostrar aos seus discípulos que era necessário que ele fosse para Jerusalém e sofresse muitas coisas nas mãos dos líderes religiosos, dos chefes dos sacerdotes e dos mestres da lei, e fosse morto e ressuscitasse no terceiro dia. Então Pedro, chamando-o à parte, começou a repreendê-lo, dizendo: “Nunca, Senhor! Isso nunca te acontecerá! “
Jesus virou-se e disse a Pedro: “Para trás de mim, Satanás! Você é uma pedra de tropeço para mim, e não pensa nas coisas de Deus, mas nas dos homens”. (Mt 16: 21-23).

O medo da morte está relacionado a distúrbios emocionais e psicológicos. [21] Todos os cristãos acreditam que a morte não é o fim da vida e que existe uma vida após a morte. [22] Essa crença torna a aceitação da morte menos perturbadora e temerosa.

Eu sou a ressurreição e a vida, quem crê em mim ainda que morra, viverá;
e quem vive e crê em mim, não morrerá eternamente. (João 11: 25-26).

A aceitação da morte também reduz o efeito da importância de acumular bens materiais nesta vida, ao mesmo tempo que aprofunda a sensação de segurança. Consequentemente, questões emocionais relacionadas à morte são menos prevalentes entre os cristãos.

E ele continuou a dizer-lhes: Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens”. (Lucas 12:15).

É consistente com todos os modelos terapêuticos que a aceitação da morte liberta alguém para viver autenticamente no presente. [23] Como alguém está livre do medo da morte para viver no presente, pode-se encontrar sentido na vida, independentemente das circunstâncias. [24] Há evidências de pesquisas de que a fé religiosa não apenas fornece significado e a capacidade de aceitar perdas, mas também aumenta a capacidade de uma pessoa enfrentar a morte. [25]

Conclusão

Este artigo é uma tentativa de entender o valor terapêutico das mensagens subjacentes nos ensinamentos de Jesus. Os autores concluem que Seus ensinamentos utilizaram muitas idéias terapêuticas aplicadas, como pensamento de segunda e terceira ordem, ressignificação, aceitação da morte, aceitação das circunstâncias, altruísmo e manutenção da esperança. Muitas dessas idéias foram recentemente incorporadas em modelos terapêuticos com a ascensão do pensamento sistêmico.

Além disso, acreditamos que esses temas estão relacionados, inerentemente, à vantagem da saúde mental e física dos crentes, por meio de construções cognitivas e emocionais que permitem adaptações às crises e respostas novas e singulares aos eventos da vida. Embora essa análise fosse limitada aos ensinamentos de Jesus Cristo, seria de se esperar que todas as experiências religiosas e espirituais proporcionassem vantagens nos ajustes cognitivos e psicológicos, em contraste com o pensamento secular ou não religioso. Esperamos que futuros pesquisadores abordem esses temas cognitivos e emocionais na pesquisa empírica.

Thomas W. Roberts é professor emérito e ex-presidente do Departamento de Desenvolvimento Infantil e Familiar da San Diego State University.

Delbert J. Hayden é professor emérito do Departamento de Educação para Conselheiros da Western Kentucky University.

Psicologia adleriana , Durkheim , pensamento de segunda ordem , terapias sistêmicas ,ensinamentos de Jesus , mudança de terceira ordem

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Opinião

Seja seu Próprio Herói.

Por Andrew Klavan. Leia o artigo completo no Daily Wire. [George] Lucas, você sabe, incorporou outras influências. O grande cineasta japonês Akira Kurosawa fazia parte de

Leia Mais »