Dr. David Schwartz, foto Alliance Defending Freedom.

Por Hank Berrien. Leia o artigo completo no Daily Wire.

No dia 23, um psicoterapeuta judeu ortodoxo entrou com uma ação federal contra a cidade de Nova York por ela impedir que os terapeutas tratassem pacientes que querem seguir sua fé religiosa e se livrar de desejos sexuais indesejados, como como atração pelo mesmo sexo ou disforia de gênero.

O Dr. David Schwartz, que pratica sua profissão há 40 anos, está contestando a lei de 2018 que tornou ilegal pagar alguém por oferecer serviços que “buscam mudar a orientação sexual de uma pessoa ou procuram mudar a identidade de gênero da pessoa para que se adeque ao sexo com que essa pessoa foi registrada no nascimento. ”A Aliança para Defesa da Liberdade – ADF observa que “Concretamente, a lei proíbe apenas o conselho em uma direção: auxiliar um paciente que deseja reduzir a atração por pessoas do mesmo sexo ou obter uma identidade de gênero que combine com seu corpo físico. … Por outro lado, o aconselhamento que direciona o paciente para uma identidade de gênero diferente do seu corpo físico é permitido”.

A introdução do processo diz:

A relação paciente-psicoterapeuta requer dar aos pacientes a capacidade de se expressarem sem medo de represálias, e permitir aos terapeutas a liberdade de responder a essa expressão com compreensão; é o último lugar possível onde o governo deveria ditar quais tópicos ou ideias estão fora dos limites. No entanto, a Lei nº 2018/22 de Nova York, promulgada em Nova York, alcança essa relação confidencial para proibir a discussão e a exploração de ideias – e até mesmo os objetivos pessoais do paciente – às quais o Conselho da Cidade de Nova York faz objeção.

Especificamente, se um paciente adulto está sentindo – e não deseja sentir – atração pelo mesmo sexo, ou um senso de identidade de gênero que é discordante com seu sexo biológico, a Lei de Censura do Aconselhamento ameaça multas de até US $ 10.000 contra um psicoterapeuta se ele ou ela compartilhar algum pensamento – ou, na verdade, seja o que for – para ajudar o paciente a perseguir uma meta escolhida pessoalmente de reduzir a atração pelo mesmo sexo, aumentar a atração sexual pelo sexo oposto ou alcançar consolo em uma identidade de gênero congruente com o corpo físico do paciente e natureza reprodutiva.

Como resultado, a Lei da Censura do Aconselhamento impede que os pacientes adultos ouçam ideias e sugestões de profissionais qualificados que os pacientes querem ouvir, e obtenham ajuda desses profissionais para buscar as atrações, identidade, relacionamentos e, de fato, a vida que escolhem para si mesmos e vontade de prosseguir.

Roger Brooks, advogado da Alliance Defending Freedom, declarou: “Todos os americanos, seculares e religiosos, merecem o direito de conversas privadas, livres de censura do governo. É difícil imaginar uma violação mais direta da liberdade de expressão protegida pela Primeira Emenda do que a tentativa, da cidade de Nova York, de regular as sessões privadas entre um adulto e seu conselheiro. A regulamentação do conselho da cidade é sem precedentes e ameaça ficar entre os pacientes do Dr. Schwartz e as vidas que eles escolhem perseguir. Como a Suprema Corte dos EUA observou em sua decisão de 2018 do NIFLA, “as pessoas perdem quando o governo é quem dita quais ideias devem prevalecer”.

A assessora jurídica da ADF, Jeana Hallock, acrescentou: “Quase todos os pacientes do Dr. Schwartz compartilham de sua fé, e eles valorizam seu conselho sobre questões de sexualidade e família, em parte porque sua perspectiva é fundamentada em sua fé judaica compartilhada e respeito pelos ensinamentos da Torá. O governo não tem o direito de ditar os objetivos pessoais que um adulto persegue com seu terapeuta. Se, por exemplo, a meta de vida de uma mulher inclui se casar com um marido e começar uma família, e ela busca informações de um conselheiro que compartilha de suas crenças, o governo simplesmente não tem nada que se meter em monitorar essas conversas ou interferir com essas metas, independentemente da opinião da câmara de vereadores da cidade. A relação conselheiro-paciente é delicada, privilegiada sob as leis estaduais e federais, e a câmara municipal ultrapassa seriamente seu papel quando tenta controlar essas conversas, ou impor a opinião do governo sobre os pacientes ou terapeutas”.

A lei posta em prática, de acordo com a The Alliance Defending Freedom, é a primeira que censura a fala entre conselheiros e pacientes adultos. A portaria penaliza alguém que a viole em até US $ 10.000 em multas por cliente. A Alliance Defending Freedom observa: “A maioria dos clientes do Dr. Schwartz são judeus devotos que desejam seguir sua fé judaica e os ensinamentos da Torá e, como tal, desejam buscar tratamento que lhes permita viver sua fé.”

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!