No Strings Attached Poster.jpg

Cartaz do filme: Sem Compromisso.

No sexo casual, as companhias que não variam são a depressão e a ansiedade.

Por Susan Kraus Whitbourne, no Psychology Today. Leia o artigo completo aqui.

Com a distância entre a puberdade e o casamento ficando cada vez maior, mais “adultos emergentes” estão se voltando para encontros casuais como forma de expressar e satisfazer suas necessidades sexuais. Em uma revisão abrangente do status da pesquisa sobre sexo casual, Justing Garcia, pesquisador do Kinsey Institute, e sua equipe da Binghamton University (2012) concluíram que “ficadas” são parte de uma mudança cultural popular que se infiltrou na vida de adultos emergentes em todo o mundo ocidentalizado” .

No entanto, as conexões representam uma ameaça significativa à saúde física e psicológica desses jovens.

Além dos riscos conhecidos de contrair DSTs, desenvolver uma gravidez indesejada e ser estuprada ou agredida de qualquer outra forma, as pessoas que praticam sexo casual podem sofrer consequências emocionais que persistem por muito tempo após os detalhes de um encontro serem vagos na memória. Nos campi universitários, onde prevalecem breves contatos sexuais, resultados imprevistos podem prejudicar a carreira do aluno. No trabalho, os resultados podem ser tão desastroso quantos, se não mais.

Já é difícil fazer pesquisas sobre comportamento sexual. É ainda mais desafiador quando o tópico é relações sexuais fora do contexto de relacionamentos de longo prazo. O arrependimento, a memória defeituosa, a vergonha ou o constrangimento podem manchar ou limitar os autorrelatos das pessoas – enquanto, ao mesmo tempo, outros exageram seus encontros na direção oposta.  

Apesar de nossa realidade do século XXI, muitas de nossas normas sociais permanecem ligadas às sensibilidades do século XX. O velho duplo padrão ainda despreza as mulheres, mas ou glorifica ou deixa de culpar os homens que têm o hábito de ter sexo frequente e descompromissado. Como Garcia e seus colegas apontam, pode haver uma base biológica para a maior aceitação do sexo casual entre os homens, mas não há como separar a biologia das influências socioculturais dado que os dois estão tão fortemente interligados – e assim permanecerão para sempre.

Deixando de lado a questão das diferenças de gênero no momento, o que sabemos sobre as consequências emocionais não intencionais das ligações sexuais de curto prazo?

Por um lado, há o fator desconforto. Apesar da avalanche de mensagens da mídia de que “ficadas” são boas, se não desejáveis, as pessoas ainda podem sentir que fizeram algo que viola seus próprios padrões internos. Sentindo-se, talvez, pressionados a se envolver porque “todo mundo se envolve”, elas podem desenvolver ansiedade de desempenho, preparando, ironicamente, o cenário para futuras disfunções sexuais. Outras reações comuns incluem arrependimento, desapontamento, confusão, constrangimento, culpa e baixa autoestima, embora outros indivíduos certamente relatem sentir-se orgulhosos, nervosos, excitados e desejáveis ​​ou desejados. (Os sentimentos tendem a ser mais positivos antes e durante uma relação, e mais negativos depois disso.)

(Outro conjunto de fatores de risco envolve sexo não consensual. Em um estudo relatado por Garcia e colaboradores, aproximadamente metade das jovens entrevistadas disseram que tiveram um encontro sexual não consensual, e o álcool e outras substâncias foram os fatores mais prováveis ​​do sexo não consensual.)

Eu também participo desta investigação muito interessante de Garcia, que incluiu dados de mais de 3.900 alunos de graduação em 30 campi nos Estados Unidos. Todos os participantes do estudo de Bersamin et al eram heterossexuais (como é o caso da maioria das pesquisas sobre esse tópico), e vieram de múltiplas origens étnicas e classes sociais. Pedimos aos participantes para indicarem quantas vezes, durante os últimos 30 dias, fizeram sexo com alguém que conheciam há menos de uma semana. Para medir o bem-estar, pedimos aos participantes que avaliassem sua auto-estima, seu grau de satisfação com a vida, senso geral de funcionamento positivo (“bem-estar psicológico”) e sentimentos de autorrealização (bem-estar “eudaimônico”). depressão, ansiedade geral e ansiedade social

Nossos resultados mostraram que um percentual relativamente alto de estudantes praticou sexo casual no último mês (11%), com mais homens (18,6%) do que mulheres (7,4%) tendo afirmado que o fizeram. Essa diferença é típica daquelas relatadas na pesquisa sexual casual e pode refletir uma diferença sexual genuína e baseada na biologia. Alternativamente, a diferença pode refletir diferentes influências de socialização que afetam o grau de conforto ao admitir encontros com conexões.

Como previmos, as pessoas que se engajaram em mais ficadas tiveram maior sofrimento psicológico. Estudantes universitários que recentemente se envolveram em sexo casual relataram níveis mais baixos de auto-estima, satisfação de vida e felicidade em comparação com aqueles que não tiveram sexo casual no último mês. E os estudantes que recentemente se engajaram em ficadas tiveram escores mais altos de estresse, conforme indicado pelos níveis de depressão e ansiedade. Em contraste com a noção de que os homens ficam satisfeitos com o sexo casual, mas as mulheres não são, nós não encontramos diferenças de gênero nas relações entre sexo casual e aflição ou bem-estar. Para homens e mulheres, o verdadeiro sexo de ficada – com um estranho casual em vez de um parceiro romântico ou “amigo com benefícios” – parecia prejudicar muito a saúde mental e a auto-estima. É claro que esse foi um estudo correlacional. Não sabemos se a saúde mental deficiente fazia com que os indivíduos tivessem maior probabilidade de praticar sexo casual ou se, como demonstrado em estudos revisados ​​por Garcia, a saúde precária resultava do sexo casual. O aspecto positivo foi que, devido ao grande tamanho de nossa amostra. fomos mais capazes do que outros pesquisadores de instituir controles estatísticos, particularmente em termos dos erros inevitáveis ​​que ocorrem ao medir esses construtos psicológicos sensíveis.

A única maneira de começar a desvendar a direcionalidade no enigma do sexo casual / saúde mental é através da realização de estudos longitudinais, embora nem esses sejam perfeitos. As pessoas que procuram oportunidades de sexo casual, particularmente aquelas que o fazem sob a influência de álcool ou drogas , podem estar lutando contra sentimentos persistentes de solidão, depressão e ansiedade social que esperam erradicar ou reduzir através de breves encontros que lhes concedem proximidade.

Nossas descobertas sugerem que, embora as normas de gênero, biologia ou alguma combinação dos dois possam levar os homens a buscar mais (ou pelo menos relatar mais) sexo casual, há conexões semelhantes para as mulheres entre as fiadas e a saúde mental. Além disso, o fato de termos definido o sexo casual da maneira como fizemos (com um estranho no último mês) é possível que estivéssemos entrando em uma população de alto risco devido a altos níveis de impulsividade. Nesse nível, os fatores de saúde mental podem superar a socialização ou a biologia para eliminar os efeitos de gênero.

O resultado: precisamos prestar mais atenção às ficada em todos os níveis, desde os rapazes e moças que gravitam em torno desses relacionamentos, pais, administradores de faculdades e profissionais de saúde mental. Se você é alguém que esteve envolvido em sexo casual, nossas descobertas e aquelas relatadas por Garcia e colaboradores sugerem que você pode pensar em como seu comportamento sexual pode afetar e ser afetado por seu bem-estar psicológico. Todos buscamos parcerias íntimas gratificantes e que satisfaçam e, conhecendo os benefícios e riscos de encontros de curto prazo, você aumentará suas próprias chances de concretizar essas metas de relacionamento.

Siga-me no Twitter  @swhitbo para atualizações diárias sobre psicologia, saúde e  envelhecimento. Sinta-se livre para participar do meu  grupo no Facebook , ” Cumprimento em qualquer idade“para discutir esta postagem ou para fazer mais perguntas sobre ela.

 

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!