Por Chris Morris.

Recentemente passei uma semana em um hospital psiquiátrico. Pronto. Falei.

A vida familiar tinha estado um pouco estressante, o trabalho estava indo bem e o meu negócio paralelo estava crescendo. Ah, e eu estava editando um novo livro sobre doenças mentais. Mas durante a maior parte de uma semana, percebi que minha cabeça não estava bem.

Eu tinha pensamentos suicidas e não era seguro ficar sozinho em casa. Uma enfermaria psiquiátrica era o melhor lugar para me recuperar e voltar ao estado de espírito normal.

Enquanto estive lá, aprendi muito sobre mim mesmo e quão frágil minha alma realmente é. Fiquei realmente impressionado com a gentileza das enfermeiras e técnicos da ala. E percebi o quanto minha percepção de liberdade pessoal fora moldada por escolhas cotidianas que tomamos como certas – como escolher minha própria comida e horário.

Eu também aprendi muito sobre a igreja americana.
A maioria das pessoas em minha ala do hospital eram, literalmente,  viúvas e órfãos, ou membros de uma parte da sociedade igualmente ignorada: uma avó esquecida por sua família, um jovem cujos pais morreram tragicamente e o deixaram mal equipado para lidar com os desafios da vida, veteranos militares sem teto, cujos ferimentos de guerra os tornavam desempregados, e viciados em drogas desesperados para ficar limpos, mas com dificuldades para que isso acontecesse.

Cada uma dessas pessoas acreditava que ninguém se importava com elas. Pelo que eu poderia dizer, eles não estavam errados.

Nenhuma visita apareceu para ninguém, além de mim, naquela semana. A maioria dos outros pacientes não recebeu chamadas telefônicas, exceto de assistentes sociais. Chamadas feitas para fora envolviam muito choro e promessas de fazer melhor – e muito poucos “eu amo você”. Isso partiu meu coração.

Nós, nas igrejas locais, precisamos reavaliar onde gastamos nossos recursos em nível global, mas também precisamos fazer o mesmo individualmente. Temos a oportunidade de demonstrar a religião pura e imaculada.

A doença mental ainda é um segredinho sujo na igreja.
Eu fiquei cara a cara com minha própria insalubridade na ala psiquiátrica. Não há como evitar a introspecção profunda quando você está deitado na cama sob vigilância suicida.

Todos os dias, penso cuidadosamente em quanto dizer às pessoas sobre minha semana no hospital. Porque, se eu for sincero, tenho alguma vergonha. Eu sou um bom cristão, então eu não deveria ter acabado onde eu acabei (dizem as mentiras com que fui alimentado). E eu sei que não estou sozinho.

Ninguém quer falar sobre os fatos, mas a doença mental é excessiva na América. Aproximadamente 25% das pessoas no país se identificam com, ou foram diagnosticadas com uma ou mais doenças mentais.

Isso inclui as doenças mentais “fáceis”, como ansiedade ou depressão, mas não se limitam a elas. O TEPT afeta pessoas de todas as esferas da vida, não apenas veteranos militares. O narcisismo é uma epidemia na América corporativa. Às vezes, é até considerada uma estratégia para o sucesso e o avanço. Como país, não somos mentalmente saudáveis.

E, no entanto, continuamos a ouvir sermões como 7 Passos para uma Vida Bem-Sucedida , com a exclusão de ajudar as famílias a trazer seus desafios para a luz.

De fato, a maioria dos pastores nos Estados Unidos diz que não se sente à vontade falando sobre doenças mentais ou fazendo parte de um sistema de apoio. Os que, na igreja, estão tendo dificuldades mentais se sentem mal recebidos, porque ninguém sabe o que fazer conosco.

Então secamos nossas lágrimas, embalsamamos nossos medos e fingimos que está tudo bem. Ou nós deixamos a igreja completamente. Eu sei que as igrejas conseguem ser melhor que isso, e é por isso que estou compartilhando minha história.

Pessoas com câncer ou outras doenças que ameaçam a vida freqüentam a igreja e recebem apoio emocional? Toda semana. É possível tratar a doença mental como normal, porque para muitos ela é. É possível ver a depressão através de uma lente precisa, e não como um pecado, e tratar a ansiedade como algo mais profundo do que a falta de fé .

As igrejas podem se tornar um porto seguro para os doentes mentais.
Meu pastor me visitou enquanto eu estava na ala psiquiátrica, e o que ele me disse me deu esperança – para o meu próprio futuro e para a igreja como um todo.

“Você tem muito para viver. Sim, você está deprimido agora, mas você ainda é linda e maravilhosamente feito. Deus não terminou com você ainda. Você não vai nos deixar. As pessoas da nossa igreja precisam do que você tem.

Meu pastor não me afastou. Ele me visitou e me deu um fragmento de esperança em um lugar escuro. Ele sabia o que fazer, e ele fez isso.

Eu senti a afirmação de ouvir algumas das minhas próprias condições de saúde mental mencionadas nos sermões. Eu vi grupos de crentes se unirem em torno de um homem suicida para afirmar seu valor, mantendo afastada a escuridão com amor. Eu observei como uma mulher ansiosa foi envolvida em cuidado em vez de ser ridicularizada.

Então, escolho a esperança. Acredito que o futuro trará momentos poderosos em que os doentes mentais se sentirão incluidos, aceitos e com esperança.

Há mais uma coisa em que acredito: nenhuma pessoa pode alcançar tudo o que Deus tem em mente quando ela existe fora de um corpo da igreja local. Mentalmente doentes ou não, cada um de nós só se torna a melhor versão de nós mesmos, a representação mais clara de Jesus, vivendo a vida mais santificada e expressando a plenitude do que Deus colocou em nossos corações, juntos.

É hora de parar de esconder essa oportunidade de maturidade dos que têm doenças mentais. Não se deve dizer mais a mentira de que somente o mentalmente são pode servir a Deus e buscá-lO de todo o coração. Com exceção de Jesus, Deus usou apenas humanos avariados para realizar seus propósitos.

Você está bem?
Você já se sentiu “não bem” em sua cabeça? A maioria já sentiu alguma vez. Em vez de fugir da realidade ou se envergonhar, você trará seus pensamentos e sentimentos a Deus?

A igreja não irá conseguir cuidar melhor dos doentes mentais se não falarmos sobre isso. Precisamos nos engajar em conversas honestas sobre como se parece a doença mental – e acolher as pessoas para que elas tragam seus pensamentos e sentimentos para nós.

É aí que a verdadeira mudança começa. A hora é agora.

Chris Morris é marido, pai de quatro filhos, contador e escritor. Ele escreve honestamente sobre dor, doença crônica e esperança. Ele é o autor do novo livro Perfectly Abnormal, e co-autor do novo lançamento, Whispers in the Pews, Vozes sobre a doença mental na Igreja . www.ChrisMorrisWrites.com

 

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!