iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O artigo abaixo, – de uma publicação não conservadora – aos olhos dos ativistas trans é uma heresia e desencadeou a sua intolerância.

Apesar de Signal defender as premissas da ideologia trans ele desobedeceu a regra que os ativistas estabeleceram para a mídia: se você não pode dizer só coisas boas, não diga nada. (Jonathon Van Maren)

Por Jesse Signal. Leia o artigo completo no The Atlantic.com

Ela tem 14 anos, cabelos ruivos curtos e um largo sorriso. Seus pais são cientistas. Claire pode parecer introvertida, mas ela rapidamente se abre, e o que parecia ser timidez revela-se ser uma autoconfiança tranquila. Como muitas crianças da idade dela, ela está um pouco sobrecarregada com teatro, guitarra e provas. Até recentemente, ela não estava certa de que fosse uma garota.

A sexta série fora difícil para ela. Ela se esforçara para fazer amigos e tivera ansiedade e depressão. “Eu não tinha nenhuma autoconfiança. Eu pensava que havia algo errado comigo.” Com 12 anos na época, também se sentiu desconfortável em seu corpo de uma maneira que não conseguia descrever. Ela reconheceu que parte disso tinha a ver com a puberdade, mas ela sentiu que era mais do que os sofrimentos pré-adolescentes habituais. “No começo, comecei a comer menos, mas isso não ajudou muito”.

Por volta dessa época, Claire começou a assistir vídeos do YouTube feitos por jovens transexuais. Ela ficou particularmente fascinada com o canal de Miles McKenna, um jovem carismático de 22 anos de idade. Seu 1 milhão de assinantes seguiram enquanto ele apareceu como trans, usou testosterona, fez uma mastectomia dupla e se transformou em um jovem feliz e saudável. Claire descobriu os vídeos por acidente, ou melhor, por algoritmo: eles apareceram em seu fluxo “recomendado”. Eles deram um nome ao desconforto de Claire. Ela começou a se perguntar se era transexual, o que significa que sua identidade interna de gênero não correspondia ao sexo que lhe fora atribuído no nascimento. ” Talvez a razão pela qual eu esteja desconfortável com o meu corpo seja por que eu devesse ser um cara “, ela pensou à época.

Claire encontrou nesse, e em vídeos parecidos, uma solução clara para sua infelicidade. “Eu só queria parar de me sentir mal, então eu era assim como: eu só devia fazer a transição“. Seu primeiro passo seria obter acesso a drogas que impediriam a puberdade; daí tomar testosterona para desenvolver características masculinas. “Eu pensei que isso fosse o que fizesse você se sentir melhor”, ela disse.

Na mente de Claire, o plano era concreto, embora nem sua mãe, Heather, nem seu marido, Mike, soubessem disso. Claire escondia seus sentimentos de seus pais, pesquisando os passos para a transição, que não necessitassem nem de intervenções médicas, nem da aprovação de seus pais. Mas um dia, em agosto de 2016, quando o pai perguntou por que ela parecia tão triste ultimamente, ela explicou que achava que era um menino.

Seus pais disseram que a amavam e a apoiavam. Mas pararam de incentivá-la a fazer a transição. “Nós a deixamos explorar isso completamente sozinha”.

Para eles, a angústia de Claire parecia surgir do nada. Eles estavam preocupados que a disforia de sua filha fosse simplesmente o sofrimento da puberdade.

Depois da adolescência, Claire continuou a ter problemas de saúde mental. A terapeuta que trabalhava com a depressão e a ansiedade de Claire acabou encaminhando-a para clínicas que faziam transição.

Heather, doutora em farmacologia, começou a pesquisar disforia de gênero. Ela concluiu que Claire atendia aos critérios clínicos no DSM-5 , o manual de diagnóstico da Associação Americana de Psiquiatria. Entre outras indicações, sua filha claramente não se sentia como uma menina, claramente queria o corpo de um menino, e estava profundamente angustiada com esses sentimentos. Mas Heather questionava esses critérios, e grande parte das informações que eram parciais. “Os psicólogos sabem que a adolescência é repleta de incerteza e busca de identidade, e isso nem é reconhecido“.

Heather disse que a maioria dos recursos que encontrou diziam que, se sua filha dissesse que era trans, ela era trans. Se sua filha dissesse que precisava de hormônios, a responsabilidade de Heather era ajudá-la a tomar hormônios. A coisa mais importante que ela poderia fazer era afirmar sua filha, que Heather e Mike interpretaram como significando que deveriam concordar com suas declarações de que ela era transexual. Mesmo se eles não estivessem tão certos.

À medida que Claire ficava mais decidida pela cirurgia, seus pais tentavam ganhar tempo, pois sabiam que era possível seus sentimentos sobre seu gênero mudarem com o tempo. Jogavam mais jogos de tabuleiro com ela e assistiam mais TV com ela, e faziam passeios e pequenas viagens em família. “Também tiramos sua habilidade de pesquisar on-line, mas demos a ela o Instagram como um consolo.”  Eles pediram a ela para começar a manter um diário,

Claire amava seus pais, mesmo quando sua frustração com eles aumentava. Eventualmente, porém, algo mudou. Em uma entrada em seu diário, em novembro, Claire percebeu que não era um menino em um momento importante. Olhando no espelho no momento em que ela tentava se apresentar de um jeito muito masculino – “com minhas roupas largas e desconfortáveis; meu cabelo curto e danificado; e meu rosto de aparência deprimida ”- ela descobriu que “isso não me fez sentir melhor. Eu ainda estava infeliz e ainda me odiava.” A partir daí, sua angústia começou gradualmente a se dissipar. “Foi meio repentino quando pensei: você sabe, talvez essa não seja a resposta certa – talvez seja outra coisa”. “Mas demorou um pouco para realmente definir em que sim, eu era definitivamente uma menina.”

Claire acredita que seu sentimento de que ela era um menino resultou de visões rígidas de papéis de gênero que ela havia internalizado. “Eu acho que eu realmente tinha gravado na pedra como um cara e uma garota deveriam ser. Eu achava que, se você não seguisse os estereótipos de uma garota, você era um cara, e se você não seguisse os estereótipos de um cara, você era uma garota.” Ela não sei dentificava com as outras garotas em sua turma do ensino médio, que estava entrando em panelinhas e fazendo mais fofocas. Quando ela ficou um pouco mais velha, ela encontrou garotas que compartilhavam seus interesses, e começou a se sentir em casa em seu corpo.

Heather acha que se ela e Mike tivessem dado ouvidos às informações que encontraram online, Claire teria iniciado uma transição física e se arrependido mais tarde. Atualmente, Claire é uma adolescente geralmente feliz, cujos problemas de saúde mental melhoraram acentuadamente. Ela ainda admira pessoas, como Miles McKenna, que se beneficiou da transição. Mas ela percebeu que simplesmente não é para ela.

O número de pessoas trans auto-identificáveis nos Estados Unidos quase duplicou em uma década. Em 2016,  1,4 milhão de adultos nos EUA se identificaram como transgênero.  O número de jovens que procuram clínicas, também. Uma clínica no Reino Unido teve um aumento de mais de 300% nos últimos três anos.

A atual era de conscientização de identidade de gênero, sem dúvida, facilitou a vida de muitos jovens que se sentem constrangidos pela natureza, às vezes opressiva, das expectativas de gênero. Uma nova e rica linguagem criou raízes, concedendo às crianças que se sentiam sozinhas ou excluidas as palavras de que precisam para descrever suas experiências. O advento da internet tem permitido adolescentes, mesmo em partes do país onde a aceitação da não-conformidade de gênero continua a vir muito devagar, encontrar outros como eles.

Mas quando se trata da questão das intervenções físicas, essa época também trouxe novos desafios para muitos pais. Onde está a linha entre não “sentir-se como” uma garota (porque a sociedade torna difícil ser uma menina) e precisar de hormônios para aliviar a disforia que, de outra forma, não desapareceria? Como os pais podem saber a diferença? Como eles podem ajudar seus filhos a ter acesso ao apoio e ajuda médica que possam precisar, lembrando também que a adolescência é, por definição, uma época de exploração febril da identidade?

Não há escassez de informações disponíveis para os pais que tentam navegar neste terreno difícil. Se você ler a bíblia sobre cuidados médicos e psiquiátricos para pessoas trans (os Padrões de Cuidados emitidos pela Associação Profissional Mundial para Saúde Transexual) você encontrará uma seção de 11 páginas chamada “Avaliação e Tratamento de Crianças e Adolescentes com Disforia de Gênero”. Afirma que, enquanto alguns adolescentes deveriam tomar hormônios, essa decisão deveria ser tomada com deliberação: “Antes de ser considerada qualquer intervenção física para os adolescentes, deve-se realizar a exploração extensiva de questões psicológicas, familiares e sociais.” As diretrizes da Associação Americana de Psicologia são semelhantes, explicando os benefícios dos hormônios, mas também observando que “os adolescentes podem se concentrar intensamente em seus desejos imediatos”. E continua: “Esse foco intenso em necessidades imediatas pode criar dificuldades para assegurar que os adolescentes sejam cognitiva e emocionalmente capazes de tomar decisões que alterem a vida.”

As principais organizações profissionais oferecem essa orientação. Mas alguns médicos estão se movendo em direção a um processo mais rápido. E outros recursos, incluindo aqueles produzidos por grandes organizações LGBT, colocam a ênfase na aceitação, e não na investigação. Por exemplo, a página “Crianças e Jovens Transexuais: Entendendo os Fundamentos” da Campanha de Direitos Humanos, por exemplo, incentiva os pais a buscarem a orientação de um especialista em gênero. Também afirma que “ser transexual não é uma fase, e tentar descartá-lo como tal pode ser prejudicial durante um período em que seu filho mais precisa de apoio e validação”. Da mesma forma, os pais que consultam as páginas marcadas com a tag “juventude transexual” no site da GLAAD encontrarão muitos artigos sobre apoiar os jovens que se declaram trans mas muito poucos em relação às complicadas questões diagnósticas e de desenvolvimento enfrentadas pelos pais de uma criança explorando o gênero.

 HRC, GLAAD e outros grupos de idéias semelhantes, que enfatizam a aceitação das crianças trans por razões compreensíveis: por tempo demais, os pais, assim como os médicos, negaram a possibilidade de que crianças e adolescentes trans existissem, e muito menos que eles devessem ter permissão para fazer a transição. Muitas dessas organizações estão preocupadas principalmente em conscientizar e corrigir equívocos ainda comuns.

Um motivo semelhante parece animar grande parte da cobertura da mídia de jovens transexuais. Surgiram dois gêneros de cobertura. Oassassinato de 1993 do Brandon Teena, de 21 anos, que inspirou um documentário e o filme Boys Don’t Cry , um fluxo constante de histórias de horror centradas no bullying, agressão física e suicídio: riscos reais que os jovens transexuais e não-conformes com o gênero (TGNC) ainda enfrentam.

Mais recentemente, uma onda de histórias de sucesso apareceu. Em muitos desses relatos, as crianças ficam perdidas, confusas e frustradas até o momento em que podem deixar seu cabelo crescer e adotar um novo nome, quando finalmente se tornam seu verdadeiro eu. Veja, por exemplo, um artigo no qual uma mãe explica que se debateu com os problemas de identidade de gênero de seu filho, por anos, até que um terapeuta, após uma avaliação de 20 minutos, pronunciou criança como trans. De repente, tudo se encaixou. A mãe escreve: “Eu olhei para a criança sentada entre meu marido e eu, a criança que estava sorrindo, que parecia tão feliz, que parecia que alguém finalmente a via do jeito que ela ou ele se via”. Uma edição especial da National Geographic relata a história de uma mãe que deixou seu filho de 4 anos escolher um nome de menina, começar a usar pronomes femininos e freqüentar a pré-escola como menina. “Quase instantaneamente a escuridão se dissipou”, escreve a revista.

Os relatos de transições bem-sucedidas podem ajudar as famílias a imaginar um resultado feliz para uma criança que sofre. Alguns jovens claramente experimentam algo parecido com o que essas narrativas de lagarta-borboleta descrevem. Eles têm disforia de gênero persistente e intensa desde muito jovem, e a transição a alivia. “Algumas crianças não hesitam” em sua identidade de gênero, diz Nate Sharon, um psiquiatra , ele mesmo trans.” Estou atendendo de um garoto de 11 anos que aos 2 anos foi até sua mãe e disse: ‘Quando vou começar a cultivar meu pênis? Cadê meu pênis? Aos 2. ”

Mas essas histórias tendem a elidir as complexidades de ser um jovem TGNC, ou o pai de um. Algumas famílias encontrarão uma série de caminhos de bifurcação e nem sempre saberão qual direção é a melhor. Como os pais de Claire, eles podem estar convencidos de que seu filho está sofrendo, mas também preocupados que a transição física não seja a solução, pelo menos não para um jovem ainda no auge da adolescência.

Nós ainda estamos nos primeiros estágios de entender como a transição física afeta os jovens disfóricos. Embora as especificidades dependam da idade do seu filho, e possam variar de caso para caso, o processo de transição para uma criança persistentemente disfórica normalmente se parece com o seguinte. Primeiro, permita que seu filho transite socialmente: adote os pronomes e o estilo de vestir de seu gênero autêntico e mude seu nome, se assim o desejarem. À medida que seu filho se aproxima da adolescência, consiga drogas bloqueadoras da puberdade, porque o desenvolvimento das características sexuais secundárias de seu sexo atribuído poderia exacerbar sua disforia de gênero. Quando chegarem à adolescência, ajude-os a ter acesso aos hormônios sexuais que lhes permitirão desenvolver características sexuais secundárias de acordo com sua identidade de gênero. (Até recentemente, os hormônios geralmente não eram prescritos até os 16 anos;

Nos Estados Unidos, evitar a puberdade tornou-se uma opção há pouco mais de uma década, então ainda não há dados abrangentes sobre seus resultados a longo prazo. A maioria dos dados envolvem crianças que fizeram a transição social em idade precoce, mas que ainda não tinham transitado fisicamente. A informação vem da pesquisadora Kristina Olson, fundadora do Projeto TransYouth, que acompanha cerca de 300 crianças, há 20 anos – o mais longo estudo longitudinal nos EUA. As crianças parecem estar indo bem – elas não parecem tão diferentes , em termos de saúde mental e felicidade geral, de um grupo controle de crianças cisgêneras (isto é, crianças que se identificam como o sexo atribuido ao nascerem.

Kristina Olson

No prestigioso Centro de Especialização em Disforia de Gênero, no Vrije Universiteit University Medical Center, em Amsterdã um grupo mais velha de crianças, que passou pelos bloqueios de puberdade e sexo cruzado e protocolo de hormônios também está indo bem: “Disforia de gênero for resolvida”, de acordo com um estudo do grupo publicado em 2014 em Pediatrics. “O funcionamento psicológico havia melhorado constantemente e o bem-estar era comparável aos pares da mesma idade”.

Esses resultados iniciais, embora promissores, podem nos dizer muito. As descobertas de Olson vêm de um grupo de crianças trans cujos pais são relativamente ricos e ativos em comunidades de apoio trans; eles ofereceram seus filhos para o estudo. Há limites para o quanto podemos extrapolar do estudo holandês: esse grupo passou por um processo de diagnóstico abrangente antes da transição, que incluiu acesso contínuo a cuidados de saúde mental em uma clínica de alto nível de gênero – um processo que infelizmente não está disponível para todo jovem que transita.

Entre as questões ainda a serem abordadas pelos estudos de longo prazo estão os efeitos das medicações nos jovens. Como Thomas Steensma, um psicólogo da clínica holandesa explicou, os dados sobre os riscos potenciais de colocar jovens em bloqueadores da puberdade são escassos. Ele gostaria de ver mais pesquisas sobre os possíveis efeitos dos bloqueadores no desenvolvimento ósseo e cerebral. (Os riscos potenciais a longo prazo dos hormônios sexuais cruzados não são bem conhecidos, mas são provavelmente modestos, de acordo com Joshua Safer, um dos autores do “Clinical Practice Guideline” da Sociedade de Endocrinologia para o tratamento da disforia de gênero.)

Thomas D. Steensma

Enquanto isso, questões fundamentais sobre a disforia de gênero permanecem sem resposta. Os pesquisadores ainda não sabem o que o causa – a identidade de gênero é geralmente vista como uma trama complicada de fatores biológicos, psicológicos e socioculturais. Em alguns casos, a disforia de gênero pode interagir com problemas de saúde mental, como depressão e ansiedade, mas há pouco consenso sobre como ou por quê. O trauma, particularmente o trauma sexual, pode contribuir para ou exacerbar a disforia em alguns pacientes, mas, mais uma vez, ninguém sabe exatamente o motivo.

Para reiterar: Para muitos dos jovens nos primeiros estudos, a transição – socialmente para crianças, fisicamente para adolescentes e adultos jovens – parece ter aliviado muito sua disforia. Mas não é a resposta para todos. Algumas crianças são disfóricas desde muito cedo, mas com o tempo se sentem confortáveis ​​com o corpo. Alguns desenvolvem disforia mais ou menos na mesma época em que entram na puberdade, mas seu sofrimento é temporário. Outros acabam se identificando como não-binários – isto é, nem masculino nem feminino.

Ignorar a diversidade dessas experiências e focar apenas naqueles que efetivamente “nasceram no corpo errado” poderia causar danos. Esse é o argumento de um grupo pequeno, mas vocal, de homens e mulheres que fizeram a transição, apenas para retornar ao sexo que lhes foi atribuído. Muitos desses chamados detransitioners argumentam que sua disforia foi causada não por um desencontro profundo entre sua identidade de gênero e seu corpo, mas sim por problemas de saúde mental, trauma, misoginia social ou alguma combinação desses e outros fatores. Eles dizem que foram empurrados, para as intervenções físicas de hormônios ou cirurgia, por pressão dos colegas ou por médicos que ignoraram outras possíveis explicações para o seu sofrimento.

Algumas dessas intervenções são irreversíveis. As pessoas reagem de maneira diferente aos hormônios sexuais cruzados, mas alterações no tom da voz, pêlos do corpo e outras características físicas, como o desenvolvimento do tecido mamário, podem tornar-se permanentes. As crianças que tomam bloqueadores da puberdade, e depois os hormônios sexuais, podem não ter filhos biológicos. Intervenções cirúrgicas podem, às vezes, ser revertidas com outras cirurgias, mas freqüentemente com resultados decepcionantes.

As preocupações dos detransitioners são ecoadas por um número de clínicos que trabalham neste campo, a maioria dos quais são psicólogos e psiquiatras. Eles apoiam muito os chamados cuidados de afirmação, o que implica aceitar e explorar as declarações de uma criança sobre sua identidade de gênero de uma maneira compassiva. Mas eles temem que, em um esforço de outra maneira louvável para fazer com que os jovens do TGNC tenham o cuidado de que precisam, alguns membros de seu campo estão ignorando a complexidade e a fluidez do desenvolvimento da identidade de gênero nos jovens. Esses colegas estão aprovando adolescentes para terapia hormonal, ou até mesmo cirurgias de topo, sem examinar completamente sua saúde mental ou as influências sociais e familiares que poderiam estar moldando seu senso nascente de sua identidade de gênero.

Essa é uma definição muito estreita de afirmar o cuidado, na opinião de muitos médicos líderes. “Afirmando o cuidado não privilegia qualquer resultado quando se trata de identidade de gênero, mas, em vez disso, visa permitir a exploração do gênero sem julgamento e com uma compreensão clara dos riscos, benefícios e alternativas para qualquer escolha ao longo do caminho”, Aron Janssen, o diretor clínico do Serviço de Gênero e Sexualidade do Hospital Infantil Hassenfeld, em Nova York, me contou. “Muitas pessoas interpretam erroneamente a afirmação de que o cuidado está sendo realizado em todos os casos sem demora, mas a realidade é muito mais complexa”.

Aron Janssen

Para dar sentido a essa realidade complexa – e garantir o melhor resultado para todas as crianças exploradoras de gênero – os pais precisam de informações precisas e sutis sobre o que é a disforia de gênero e sobre os muitos pontos em branco em nosso conhecimento atual. Eles nem sempre as conseguem.

Para pessoas com disforia de gênero, a transição física pode melhorar a vida, até mesmo salvar vidas. Embora os dados representativos a longo prazo sobre o bem-estar dos adultos trans ainda não tenham emergido, a evidência que existe – bem como o peso absoluto das contas pessoais das pessoas trans e dos clínicos que os ajudam na transição – é esmagadora. Para muitas pessoas, se não para a maioria das pessoas com disforia de gênero, os hormônios funcionamCirurgia funciona. Isso se reflete em estudos que mostram consistentemente baixas taxas de arrependimento nos procedimentos físicos menos reversíveis para lidar com a disforia de gênero.

Nós que nunca sofremos de disforia de gênero podemos ter dificuldade em avaliar o que está em jogo. Rebecca Kling, educadora do Centro Nacional para a Igualdade Transexual, em Washington, DC, disse que antes de fazer a transição, sentia como se carregasse constantemente uma mochila cheia de pedras. “Isso tornará tudo na minha vida mais difícil e, em muitos casos, tornará as coisas impossíveis”, disse ela. “É claro que ser capaz de remover esse fardo pesado acrescentou conforto e estabilidade ao meu senso de mim e do meu corpo.” Outras pessoas trans ofereceram descrições semelhantes de disforia de gênero – um peso, um zumbido, uma fonte inevitável de ruminação e preocupação. Hormônios e cirurgia concedem alívio profundo às pessoas transexuais.

Rebecca Kling

Historicamente, lhes foi negado o acesso a esse alívio. Christine Jorgensen, a primeira americana a se tornar amplamente conhecida pela transição de hormônios e cirurgia, na década de 1950, teve que ir à Dinamarca para isso. O historiador trans Genny Beemyn conta que, depois disso, o médico de Jorgensen “recebeu mais de 1.100 cartas de transexuais, muitos dos quais procuravam ser seus pacientes”. Como resultado dos pedidos, “o governo dinamarquês proibiu esses procedimentos para não cidadãos. Nos Estados Unidos, muitos médicos simplesmente descartaram o número cada vez maior de indivíduos que buscam cirurgias de afirmação de gênero como doentes mentais”.

Christine Jorgensen

Hoje, a situação nos EUA melhorou, mas a falta de acesso a serviços de transição continua sendo um problema. O acesso a tratamentos como hormônios e cirurgias depende de uma variedade de fatores, desde onde os interessados moram até o que seu seguro de saúde cobrirá (se tiverem algum) até sua capacidade de navegar por pilhas de papelada. Erica Anderson, uma mulher trans e psicóloga clínica que trabalha no Centro de Gênero da Criança e do Adolescente, no Hospital Infantil Benioff da Universidade da Califórnia em San Francisco, não teve sorte quando tentou obter hormônios de um endocrinologista na Filadélfia 10 anos atrás. “Mesmo eu, com minha formação e recursos, tive negado o atendimento e acesso. O endocrinologista simplesmente disse: ‘Eu não faço isso’. Eu me ofereci para lhe fornecer as diretrizes de sua própria Sociedade Endócrina. Ela recusou e nem sequer me olhou nos olhos. Nenhuma referência ou oferta para ajudar. Ela me mandou embora sem nada, com se eu fosse indesejável.”

Erica Anderson

Erica Anderson

Muitas pessoas trans têm histórias como as de Anderson. Por essa razão, entre outras, as comunidades trans podem ser céticas em relação àqueles que se concentram em resultados de transição negativos. Eles há muito tempo lidam com “profissionais que parecem desconfortáveis ​​em dar às pessoas trans o sinal verde para a transição”, disse Zinnia Jones, uma mulher trans que dirige o site GenderAnalysis, em um e-mail. Eles também enfrentaram “cronogramas desnecessariamente prolongados para o acesso ao atendimento, uma falta de compreensão ou excesso de ceticismo de nossas identidades por parte dos médicos e assim por diante”.

Zinnia Jones, aos 18 e aos 28 anos.

Grupos como o Wpath , a principal organização para psicólogos, psiquiatras, endocrinologistas, cirurgiões e outros que trabalham com clientes do TGNC, tentaram reverter essa negligência nos últimos anos. Um número crescente de clínicas de gênero adulto seguem protocolos de “consentimento informado”, baseados na filosofia de que adultos trans, uma vez informados sobre os potenciais benefícios e riscos de procedimentos médicos, têm o direito de tomar suas próprias decisões sobre seu corpo e não deveriam sua necessidade de serviços questionados por profissionais de saúde mental e médicos.

Essa mudança é vista, por muitas pessoas e defensores trans, como uma correção importante após décadas de vigilância – profissionais indiferentes dizendo a pessoas trans que não poderiam receber hormônios ou cirurgia, porque eles não eram realmente trans, ou não estavam vivendo como uma pessoa trans por tempo suficiente, ou eram mentalmente doentes demais.

Para crianças e adolescentes que questionam o gênero, o cenário é diferente. O responsável legal de um menor quase sempre deve fornecer consentimento antes de um procedimento médico, seja uma tonsilectomia ou uma cirurgia de topo. Organizações que fornecem orientação para a transição de jovens exigem avaliações completas dos pacientes antes de começarem a tomar bloqueadores ou hormônios.

Essa cautela vem das preocupações inerentes ao trabalho com jovens. Adolescentes mudam significativa e rapidamente; eles podem ver a si mesmos e a seu lugar no mundo de maneira diferente aos 15 anos, aos 12 anos. “Você tem o início da puberdade por volta da idade em que eles desenvolvem o conceito de pensamento abstrato”, disse Nate Sharon, psiquiatra. “Assim, eles podem começar a conceituar conceitos de gênero de uma maneira muito mais rica e mais ampla do que antes – e talvez os bloqueadores da puberdade ou os hormônios sexuais não sejam para eles.” Isso foi verdade para Claire: uma mudança em sua compreensão da natureza de gênero levou-a a perceber que a transição não era a resposta para ela.

Para crianças mais novas, a identidade de gênero é um conceito ainda mais complicado. Em um experimento, por exemplo, muitas crianças de 3 a 5 anos pensavam que, se um menino vestisse um vestido, ele se tornaria uma menina. Médicos de gênero às vezes se deparam com crianças pequenas que acreditam que são, ou querem ser, outro gênero por causa de suas vestimentas ou preferências de brincadeira – eu gosto de brincadeiras rudes, então eu devo ser um menino – mas que não atendem aos critérios para disforia de gênero.

No passado, terapeutas e médicos interpretaram a fluidez da identidade de gênero entre as crianças como uma licença para colocar as crianças com problemas de gênero na caixa “certa”, incentivando – ou forçando – que elas brincassem com os brinquedos “certos” e se vestissem roupas “certas”.  Até cerca de cinco anos atrás, a transição social era muitas vezes desaprovada. Durante décadas, a transição foi tolerada em adultos como um último recurso, mas nos jovens era mais frequentemente vista como algo a ser expulso do que explorado ou aceito. A chamada terapia reparativa prejudicou e humilhou as crianças trans e sem gênero. Em seu livro Gender Born, Gender Made, Diane Ehrensaft, diretora de saúde mental do Centro de Gênero da Criança e do Adolescente, escreve que as vítimas dessas práticas “ficam apáticas ou agitadas, anseiam por seus brinquedos e roupas favoritos, e até mesmo se escondem em armários” para continuar brincando com os brinquedos excluidos ou vestindo as roupas proibidas”. Essa terapia agora é vista como antiética.

Diane Ehrensaft

Nos dias de hoje, os clínicos gerais de gênero de jovens praticam a afirmação do cuidado. Eles escutam seus jovens pacientes, levam a sério suas declarações sobre gênero e, muitas vezes, ajudam a facilitar a transição física e social. Afirmar os cuidados tornou-se rapidamente um imperativo profissional: não questione quem são seus clientes – deixe que eles lhe digam quem são e aceite sua identidade de maneira estimulante e incentivadora.

A abordagem afirmativa é muito mais humana do que as mais antigas, mas conflita, pelo menos um pouco, com o que sabemos sobre a fluidez da identidade de gênero nos jovens. O que significa afirmar ao mesmo tempo em quese reconhece que crianças e adolescentes podem ter uma compreensão de gênero que muda em um curto espaço de tempo? O que significa estar afirmando, embora reconhecendo que os sentimentos de disforia de gênero podem ser exacerbados por dificuldades de saúde mental, trauma ou uma combinação dos dois?

Os médicos ainda têm dificuldades para definir como afirmar o cuidado e como equilibrar afirmação e cautela ao tratar adolescentes. “Eu não quero ser um porteiro”, disse-me Dianne Berg, co-diretora do Centro Nacional para a Saúde do Espectro de Gênero. “Mas também me preocupo que, ao abrir os portões, teremos mais adolescentes que não se envolvam no trabalho reflexivo necessário para tomar decisões acertadas, e pode haver mais pessoas quando elas forem mais velhas. como: Ah, hmm, agora eu não tenho certeza disso.

Quando Max Robinson tinha 17 anos, fazer uma mastectomia dupla fazia todo o sentido para ela. Na verdade, parecia sua única opção – como um procedimento milagroso que salva vidas. Embora ela tivesse o corpo de uma mulher, ela era realmente um homem. A cirurgia finalmente ofereceria a ela uma chance de ser ela mesma.

Agora com 22 anos, em um café arejado na pacata cidade onde ela mora, vestindo uma camiseta com uma camisa de flanela por cima; na cabeça, um boné de inverno cinza; a seus pés, um cão de serviço branco desgrenhado. Sua história sugere a complexidade do desenvolvimento da identidade de gênero.

Max lembrou que, desde os 5 anos, ela não gostava de ser tratada como uma menina. “Eu questionava meus professores sobre porque eu tinha que fazer um anjo em vez de um Papai Noel para uma embarcação de Natal, ou porque o banheiro das meninas tinha fitas em vez de bolas de futebol, quando eu jogava futebol e conhecia muitas outras garotas da nossa classe que adoravam futebol ”, disse ela.

Ela cresceu uma tomboy feliz – até a puberdade. “As pessoas esperam que você cresça”, explicou, “e as pessoas começam a ficar desconfortáveis ​​quando você não faz isso”. Pior: “a maneira como as pessoas me tratavam começou a ficar sexualizada”. Aos 12, havia um menino que ficava pedindo para ela pegar o lápis para poder olhar para baixo da blusa dela.

“Eu comecei a me dissociar muito mais do meu corpo quando comecei a passar pela puberdade”. Seu desconforto tornou-se mais internalizado – menos uma frustração com a forma como o mundo tratava as mulheres e mais uma sensação de que o problema residia em seu próprio corpo. Ela passou a acreditar que ser mulher era “algo que eu tinha que controlar e consertar”. Ela havia tentado várias maneiras de diminuir seu desconforto – na sétima série, ela vacilou entre “vestir-se como um menino de 12 anos” e usar trajes reveladores, de corte baixo, tenta desafiar e atender às demandas que o mundo estava fazendo de seu corpo. Mas nada poderia banir a sensação de que a feminilidade não era para ela. Ela teve mais experiências ruins com os homens também: quando tinha 13 anos, ela fez sexo com um homem mais velho que estava vendo; na época, parecia consensual, mas ela já percebeu que uma criança de 13 anos não pode consentir em fazer sexo com alguém de 18 anos. Aos 14 anos, ela testemunhou uma amiga ser molestada por um homem adulto em uma festa do pijama, da igreja. Nessa época, Max foi diagnosticado com depressão e transtorno de ansiedade generalizada.

Na nona série, Max encontrou pela primeira vez o conceito de ser transexual quando assistiu a um episódio do The Tyra Banks Show no qual uma estrela pornô trans, falava sobre sua transição. Abriu um novo mundo de exploração on-line de identidade de gênero. Ela gradualmente decidiu que precisava fazer a transição.

Uma terapeuta especializada em questões de identidade de gênero foi muito aberta para colocá-la em um caminho para a transição, embora sugerisse que o seu desconforto também pudesse ter outras fontes. Max, no entanto, estava certo de que a transição era a resposta e se recusou “a falar sobre qualquer outra coisa além de transição”.

Aos 16 anos, Max procurou um endocrinologista, e interpretou seu ceticismo e relutância como sendo “ignorância, como ela tentando me machucar”. “Eu acho que o que ela estava vendo era uma adolescente lésbica”, não uma trans.

Apesar disso, Max começou a tomar testosterona. Sentiu efeitos colaterais – ondas de calor, problemas de memória -, mas também um alívio real. Aos 17 anos, Max, que ainda estava lidando com grandes problemas de saúde mental, estava programada para a cirurgia peitoral.

É mais comum os cirurgiões realizarem cirurgias peitorais em pacientes a partir dos 16 anos se tiverem aprovação dos pais. As normas médicas são mais conservadoras quando se trata de cirurgias da parte inferior; o Wpath diz que elas devem ser realizadas apenas em adultos que vivem em seu papel de gênero por pelo menos um ano.) Max entrou na cirurgia otimista. “Eu estava convencido de que isso resolveria muitos dos meus problemas, e eu ainda não tinha dado muitos nomes para esses problemas”.

Max ficou, inicialmente, feliz com os resultados de sua transformação física. Antes da cirurgia, ela não era capaz de passar totalmente como macho. Após a cirurgia, entre o tórax recém-masculinizado e os pêlos faciais, sentiu como se tivesse deixado para trás o sexo que lhe fora atribuído no nascimento. “Parecia uma realização para ser visto do jeito que eu queria ser visto”.

Mas esse sentimento não durou. Após sua cirurgia, Max mudou de estado. Não foi um lar feliz. A clareza de identidade que procurava – e que sentira, temporariamente, depois de iniciar os hormônios e passar por uma cirurgia – nunca se instalou totalmente. Seu desconforto não desapareceu.

Max Robinson

Hoje, Max se identifica como mulher. Ela acredita que interpretou erroneamente sua orientação sexual, assim como os efeitos da misoginia e do trauma por que passou quando jovem, como sendo sobre a identidade de gênero. Por causa da terapia hormonal, ela ainda tem pêlos faciais e, consequentemente, é freqüentemente confundida com o homem, mas ela aprendeu a viver com isso: “Meu senso de personalidade não depende inteiramente de como as outras pessoas me veem.”

Max é um dos que parece ser um número crescente de pessoas que acreditam que os terapeutas e médicos que procuraram falharam com elas. A maioria delas começou a transição durante a adolescência ou início da idade adulta. Muitos ficaram sob hormônios por longos períodos de tempo, causando mudanças permanentes em sua voz, aparência ou ambos. Alguns, como Max, também foram operados.

Muitos detransitioners sentem que, durante o processo, os clínicos deixaram inexploradas as suas dificuldades de saúde mental ou traumas passados. Embora o terapeuta de Max tenha tentado trabalhar em outros assuntos com ela, Max acredita, agora, que ela foi incentivada a se apressar na transição física por médicos que que viam a operação como a única maneira de ela poder sentir alívio. Apesar de ela ser menor de idade durante a maior parte do processo, seus médicos mais ou menos fizeram o que ela disse.

Nos últimos dois anos, o movimento de detransição tornou-se mais visível. Detransicionistas que anteriormente escreviam sob pseudônimo, começaram a escrever sob seus nomes reais, além de falar nos vídeos do YouTube.

Cari Stella é autora de um blog chamado Guide on Raging Stars . Stella, agora com 24 anos, fez a transição socialmente aos 15 anos, começou os hormônios aos 17 anos, mastectomia dupla aos 20 anos, e a detransição aos 22 anos. “Sou uma mulher de 22 anos com um peito cheio de cicatrizes e uma voz distorcida. uma sombra de barba porque eu não conseguia encarar a ideia de crescer para ser mulher”, disse ela em um vídeo postado em agosto de 2016.“ Eu não era uma adolescente emocionalmente estável”. A transição ofereceu um “nível de controle sobre como eu estava sendo percebida”.

Carey Callahan é uma mulher de 36 anos que fez a detransição depois de se identificar como trans por quatro anos e passar nove meses com hormônios masculinos. Agora, ela serve como uma irmã mais velha de uma rede de detransitioners femininos, a maioria mais jovens, cerca de 70 dos quais ela conheceu pessoalmente. (Os detransitioners que se pronunciaram até agora são principalmente pessoas que foram designadas como mulheres ao nascer.)

~Vídeo Detransição, de Carey Callahan

Carey disse que sua decisão de fazer a detransição surgiu da sua experiência de trabalhar em uma clínica trans. “As pessoas me diziam que, quando você faz a transição, sua disforia de gênero piora antes de melhorar”. “Mas eu vi e conheci muitas pessoas que estavam se cortando, morrendo de fome, sem nunca sair de seus apartamentos. Isso me fez duvidar da narrativa de que, se você fizer a transição médica, provavelmente vai funcionar bem para você.”

Carey disse que conheceu pessoas que pareciam estar lidando com traumas graves e doenças mentais, mas estavam obcecadas com seu próximo marco de transição, convencidas de que esse seria o momento em que elas melhorariam. “Eu conhecia muitas pessoas comprometidas com essa narrativa, que não pareciam estar indo bem”. O tempo de Carey na clínica a fez perceber que a testosterona também não tinha feito ela se sentir melhor de forma sustentada. Ela fez a detransição, mudou de estado, e agora está pedindo uma abordagem mais cuidadosa para tratar a disforia de gênero do que muitos detransitioners dizem que sentiram.

Em parte, isso significaria que os médicos aderissem a diretrizes como os Padrões de Cuidados do Wpath, que não são vinculantes. “Quando vejo o que o SOC descreve, e então observo a minha própria experiência e as experiências dos meus amigos na busca de hormônios e cirurgia, quase não há sobreposição entre as diretrizes do SOC e a realidade dos pacientes”, conta Carey. “Não discutimos todas as implicações da intervenção médica – psicológica, social, física, sexual, ocupacional, financeira e legal – que o SOC instrui o profissional de saúde mental a discutir. O que o SOC descreve e os cuidados que as pessoas recebem antes de serem liberadas para hormônios e cirurgia estão a quilômetros de distância.”

Detransitioners, compreensivelmente, provocam suspeitas da comunidade trans. Imagine ser uma pessoa trans que passou por um embate contundente para provar ao seu psiquiatra e endocrinologista que você é trans, a fim de obter acesso a hormônios que melhoram muito sua qualidade de vida, que aliviam o sofrimento. Você pode ver com ceticismo – no mínimo – um grupo pedindo mais contenção. Os meios de comunicação conservadores, por sua vez, freqüentemente se apegam a narrativas de detransitioners para empurrar a ideia de que ser trans é algum tipo de invenção liberal. “Como o Carey se libertou do transexualismo” foi a falsa opinião do site conservador LifeSiteNews sobre a história de Carey.

Ninguém sabe quão comum é a detransição. Uma estatística frequentemente citada – que apenas 2,2% das pessoas que transicionam mais tarde se arrependem – não apresenta um quadro completo. Provém de um estudo realizado na Suécia que examinou apenas as pessoas que se submeteram à cirurgia de redesignação sexual e mudaram legalmente seu gênero, depois requereram para mudar de novo de gênero – um padrão que, segundo Carey, a teria excluído e a maioria dos detransitioners que ela conhece.

É lógico que, quando qualquer procedimento médico se torna mais prontamente disponível, um número maior de pessoas se arrependerá de tê-lo feito. Por que se concentrar em detransitioners, quando ninguém sabe se suas experiências são tão comuns? Uma resposta é que os médicos que registraram milhares de horas de trabalho com jovens transexuais e não-conformes ao gênero estão levantando as mesmas preocupações.

Quando se trata de ajudar os jovens TGNC a ter acesso a intervenções físicas, poucos médicos americanos possuem a boa-fé da psicóloga Laura Edwards-Leeper. Uma década atrás, quando ela trabalhava no Hospital Infantil de Boston, ela visitou a clínica holandesa para aprender o protocolo de bloqueio da puberdade. Ela ajudou a trazer esse protocolo a Boston, onde ela trabalhava com o primeiro grupo de crianças americanas a passar por esse processo.

Hoje, Edwards-Leeper está treinando alunos de doutorado em psicologia clínica para conduzir “avaliações de prontidão” para jovens que procuram serviços de transição física.

Laura Edwards-Leeper

Quanto aos detransitioners, Edwards-Leeper diz: “Venho prevendo isso há pelo menos cinco ou mais anos. Acredito que haja mais e mais e mais, porque há muitos jovens que agora estão recebendo serviços com avaliações de saúde mental muito limitadas e, às vezes, sem avaliação de saúde mental. É inevitável, eu acho.

Edwards-Leeper acredita que avaliações abrangentes são cruciais para alcançar bons resultados com os jovens do TGNC, especialmente os que buscam intervenções físicas, em parte porque algumas crianças que pensam que são trans em um determinado momento não se sentirão assim mais tarde. Este é um assunto controverso em alguns cantos da comunidade trans. Um pequeno grupo de estudos tem mostrado que a maioria das crianças que sofrem de disforia de gênero deixam, por fim, de senti-la e passam a se identificar como adultos cisgêneros. (Nestes estudos, as crianças que sofrem de disforia intensa durante um longo período de tempo, especialmente na adolescência, são mais propensas a se identificar como trans no longo prazo.)

Essa assim chamada pesquisa de desistência foi atacada por vários fundamentos metodológicos. As críticas mais confiáveis ​​se baseiam na alegação de que algumas crianças que eram meramente não-conformes ao gênero – isto é, preferiam atividades estereotipadas de sexo cruzado ou estilos de vestuário – mas não disfóricas podem ter sido contadas como desistentes porque os estudos se baseavam em critérios diagnósticos ultrapassados, empurrando, artificialmente, a porcentagem para cima. (Os termos detransição e desistentes são usados ​​de maneiras diferentes por pessoas diferentes. Neste artigo, estou desenhando essa distinção: Detransitioners são pessoas que passam por transições sociais ou físicas e depois as invertem; desistentes são pessoas que param de sentir a disforia de gênero sem ter transitado totalmente social ou fisicamente.

A taxa de desistência para crianças disfóricas com diagnóstico preciso é provavelmente menor do que alguns dos estudos contestados sugerem; um pequeno número de crianças que não se conformam a gênero pode, de fato, ter sido erroneamente colocado em alguns dos estudos mais recentes, que não usaram os critérios mais atualizados, do DSM-5 . Além disso, há uma escassez de estudos grandes e rigorosos que podem fornecer números mais confiáveis.

Dentro de um subconjunto de defesa trans, no entanto, a desistência não é vista como um fenômeno que ainda precisamos entender e quantificar completamente, mas sim como um mito a ser dissipado. Acredita-se que os que levantam a questão da desistência têm motivos nefastos – a rede liberal ThinkProgress, por exemplo, referiu-se à pesquisa de desistência como “a ciência perniciosa do lixo perseguindo crianças trans”, e um subgênero de artigos e posts tentativas de desmascarar “ o mito da desistência. ”Mas a evidência de que a desistência ocorre é esmagadora. A Associação Psicológica Americana, a Administração de Serviços de Abuso de Substâncias e Saúde Menta , a Sociedade Endócrina e  Wpath reconhecem que a desistência ocorre. Eu não falei com um único clínico que acredite o contrário. “Eu vi isso clinicamente acontecer”, disse Nate Sharon. “Não é um mito.”

Apesar desse acordo geral, Edwards-Leeper se preocupa com o fato de as práticas de tratamento tenderem a uma interpretação de afirmar os cuidados que envolvam concordar com crianças e adolescentes que dizem querer intervenções físicas, em vez de avaliar se provavelmente se beneficiarão delas.

Uma década atrás, era o contrário. “Eu estava constantemente tendo que justificar por que deveríamos oferecer medicamentos bloqueadores da puberdade, por que deveríamos apoiar esses jovens trans para que conseguissem os serviços de que precisavam”, lembrou Edwards-Leeper. “As pessoas achavam que isso era uma loucura, e achavam que as avaliações de quatro horas que eu estava fazendo também eram – como isso poderia ser suficiente para decidir se avançamos com a intervenção médica? Isso foi em 2007, e agora as perguntas que recebo são: “Por que você faz as pessoas passarem por algum tipo de avaliação?” E por que a saúde mental precisa estar envolvida nisso? E ‘devemos apenas ouvir o que as crianças dizem e ouvir o que os adolescentes dizem e basicamente tratá-los como adultos’.”

Os seis estagiários da Equipe de Avaliação de Jovens Transexual de Edwards-Leeper falaram sobre a miríade de maneiras pelas quais as questões de saúde mental e influências sociais e culturais podem complicar a concepção de gênero de uma criança. “Eu diria que ‘afirmar’ nem sempre é exatamente o que a criança diz que quer no momento”, disse um deles. Outro acrescentou: “Nosso papel como clínicos não é confirmar ou negar a identidade de gênero de alguém – é ajudá-los a explorá-la com um pouco mais de nuances”. Perguntei aos alunos se eles haviam se deparado com a ideia de que realizar avaliações detalhadas é insultar ou estigmatizar. Todos eles concordaram. “Bom, eles sabem que reputação eu tenho”, Edwards-Leeper disse com uma risada. “Eu disse a eles sobre as coisas quase sendo jogadas em mim em conferências.”

Aqueles problemas de conferência sinalizaram para Edwards-Leeper que seu campo havia mudado de maneiras que ela achava desconcertantes. Em uma conferência há alguns anos, um co-painelista, que era um clínico respeitado em seu campo, disse que as avaliações abrangentes de Edwards-Leeper exigiam que as crianças “fizessem truques” e estavam “retraumatizando”. Isso causou uma ovação de pé do público, principalmente famílias de jovens TGNC. Durante outro painel de discussão, na mesma conferência, com o mesmo clínico, mas desta vez voltado para os colegas clínicos, a mesma coisa aconteceu: mais alegações de que as avaliações eram traumatizantes e mais aplausos estridentes.

Edwards-Leeper não está sozinha em sua preocupação que o campo esteja se desviando de suas próprias melhores práticas estabelecidas. “Sob a motivação de ser solidário e de ser afirmativo e de ser não-estigmatizante, acho que o pêndulo oscilou tanto que agora talvez não possamos olhar tão criticamente para as questões como deveríamos olhar”, disse Dianne Berg, do Centro Nacional de Saúde do Espectro de Gênero.

Dianne Berg

Até mesmo alguns médicos que enfatizaram a necessidade de ser respeitosos com os jovens reconhecem as complexidades em jogo aqui. Psicóloga com décadas de experiência trabalhando com jovens TGNC, Diane Ehrensaft é talvez a mais citada clínica de gênero de jovens no país. Ela é incansável em sua defesa de crianças trans. “São as crianças que agora nos lideram” , disse ela recentemente. Ela vê isso como um desenvolvimento positivo: “Se você ouvir as crianças, descobrirá o gênero delas”. “Não é para nós contarmos, mas para elas dizerem.”

Diane Ehrensaft

Ehrensaft descreveu muitas situações envolvendo intervenções físicas em que seu trabalho era muito mais complicado do que simplesmente afirmar o autodiagnóstico de um cliente. “Muitas vezes as crianças pressionam por rapidez. Às vezes ela suspeita que uma criança que quer hormônios agora está simplesmente recitando algo que viu na internet. “Apenas sentem-se desajeitados, é a única coisa que posso dizer”.

Ehrensaft mostrou um slide de uma palestra que estava preparando sobre o que significa ser um clínico afirmativo: “REALIDADE: NÓS NÃO SOMOS CARIMBADORES NEM TRAFICANTES; NÓS SOMOS FACILITADORES”. Não é muito diferente da definição do papel do clínico expresso pelos alunos de Edwards-Leeper.

Profissionais competentes ocasionalmente desafiam a concepção de identidade de gênero de seus clientes, a fim de garantir que eles estejam abordando o assunto de maneira suficientemente sofisticada. Eles querem ter certeza de que um determinado paciente tenha disforia de gênero, conforme definido no DSM-5 , e que sua identidade de gênero atual seja uma parte consistente de quem ele é. Se um adolescente descobre que sua disforia diminui significativamente quando ele se apresenta de uma maneira mais feminina ou uma vez que seus problemas de saúde mental sobrepostos tenham sido tratados, ele pode desenvolver uma visão diferente sobre a necessidade de hormônios ou de cirurgia.

Isso não quer dizer que a terapia da fala possa curar a disforia grave de gênero. Edwards-Leeper trabalhou para introduzir o protocolo holandês de bloqueadores e hormônios nos Estados Unidos precisamente porque ela acredita que alivia a disforia nos casos em que, de outra forma, haveria sofrimento prolongado. Mas médicos como ela também são cuidadosos – dado as turbulências da adolescência e a concepção fluida da identidade de gênero entre os jovens – para não presumir que, quando um jovem sofre de disforia de gênero, ele deveria, automaticamente, usar hormônios.

Edwards-Leeper espera promover um conceito de afirmação do cuidado que leve em conta as nuances de desenvolvimento que tantas vezes surgem em seu trabalho clínico. Neste esforço, ela é acompanhada por Scott Leibowitz, um psiquiatra que trata crianças e adolescentes. Ele é o diretor médico de saúde comportamental para o programa Thrive no Nationwide Children’s Hospital. Leibowitz tem uma longa história de trabalho e apoio aos jovens da TGNC – ele serviu como testemunha especialista do Departamento de Justiça em 2016, quando o governo do presidente Obama desafiou as “leis de banheiro” que procuravam impedir que pessoas trans usassem os banheiros públicos associados à sua identidade de gênero. Edwards-Leeper e Leibowitz se conheceram no Boston Children’s, e os dois têm sido amigos e colaboradores desde então.

Scott Leibowitz

Embora seja compreensível, por razões históricas, por que algumas pessoas associam avaliações psicológicas abrangentes com a negação do acesso a cuidados, não é assim que Leibowitz e Edwards-Leeper vêem sua abordagem. Sim, eles querem discernir se um paciente realmente tem disforia de gênero. Mas avaliações abrangentes e trabalho contínuo de saúde mental também são meios de garantir que a transição – que pode ser um processo fisica e emocionalmente desgastante para os adolescentes, mesmo sob as melhores circunstâncias – corra bem.

Scott Padberg, um dos pacientes de Edwards-Leeper, é um bom exemplo de como seu processo de avaliação abrangente procura adolescentes com uma história relativamente clara de disforia de gênero persistente e ausência de outros fatores que possam complicar seu diagnóstico e trajetória de transição. 

Scott, um jovem de 16 anos que irradia calma, explicou que, apesar de ter sido designado como mulher ao nascer, simplesmente nunca se sentiu como uma menina. “Eu acho que me senti diferente desde que me senti consciente do fato de que eu estava vivo”, disse ele. Durante parte de sua infância, tudo ótimo com todos ao seu redor. Foi-lhe concedida toda a liberdade de que precisava para se expressar de uma maneira que não condissesse com o gênero, desde cortar o cabelo até brincar com brinquedos estereotipicamente masculinos, como dinossauros e Transformers. Mas a liberdade não durou. Quando tinha 7 anos, sua mãe se casou com um “super cristão” que tentou impor a feminilidade a ele. “É realmente degradante”, disse Scott, ser forçado a usar um vestido quando você é um garoto trans. (A mãe de Scott se divorciou de seu devoto marido dois anos depois, e Nancy finalmente assumiu a custódia de Scott.)

A puberdade trouxe problemas maiores: seios e menstruação. “Basicamente, nada prestava. Eu estava muito infeliz com isso.” Aos 13 anos, fez avaliação com Edwards-Leeper. “Ela me perguntou como eu me sentia quando era mais nova: eu estava confortável com o meu corpo? O que eu costumava gostar ou no que tinha interesse?” Como ele se sentiria por, possivelmente, não poder ter filhos biológicos, e com uma voz mais profunda?

Scott disse que, no geral, a testosterona o fez sentir-se melhor, embora também um pouco mais em “coisas cheias de adrenalina” do que antes. (Scott saiu com o carro de Nancy, apesar de ainda não ter a permissão.) Sobre a cirurgia que faria, disse animado: “Ah, vai ser tão libertador. Poderei trocar de roupa no vestiário!” Após a cirurgia, Nancy disse: “Ele está TÃO feliz de não ter que usar faixas no peito!”

O processo de avaliação de Scott centrou-se principalmente nas perguntas básicas de preparação que Edwards-Leeper e Leibowitz estão convencidos de que deveriam ser feitas a qualquer jovem que quer hormônios. Mas o caso dele era relativamente claro: ele tinha uma disforia de gênero inabalável desde a infância, ausência de sérios problemas de saúde mental e uma família geralmente solidária. Para outros jovens com disforia de gênero, problemas de saúde mental e dinâmicas familiares podem complicar o processo de transição, embora não sejam, por si só, uma indicação de que alguém não deva fazer a transição.

Orion Foss frequenta um café vegetariano. Ele é um expressivo garoto de 18 anos com olhos grandes. Quando adolescente, ele se identificava como lésbica. Aos 14 anos, quando as narrativas trans começaram a aparecer com mais frequência nas mídias, ele percebeu que era trans. Ele sofria de depressão severa e ansiedade, o que levou a problemas de auto-mutilação, bem como o que pode ter sido um transtorno alimentar não diagnosticado.

Dois médicos fizeram uma avaliação de oito horas. Ele se sentia “definitivamente intimidado”, mas se “você quer fazer algo permanente para o seu corpo, você tem que ter absoluta certeza de que não há outra maneira de fazê-lo”.

Na época, Orion ficou inicialmente perturbado porque, como menor de idade, não podia fazer reposição hormonal. Mas a equipe deixou claro que isso iria ajudá-lo. Enquanto isso, uma terapeuta trabalharia com ele para tratar de sua ansiedade e depressão.

Olhando para trás, Orion vê o valor desse processo. “Se eu tivesse sido submetido a terapia hormonal quando não tivesse minha identidade resolvida, e quem eu era definido e minhas emoções resolvidas, teria sido uma loucura. Porque, quando eu comecei a terapia hormonal, os hormônios disparam seu humor por toda parte, e não é exatamente seguro injetar hormônios em alguém que não é estável.”

Quando finalmente pode iniciar os tratamentos hormonais, Orion disse: “imediatamente tirei esse peso em meus ombros”. A transição se completou com uma masectomia e teve, claramente, um efeito profundamente benéfico. Mudou a maneira como ele se comporta no mundo. Antes, “Eu me sentava assim” – ele se debruçou – “e escondia todas as minhas coisas femininas possíveis.” Agora, posso me sentar direito.” Ele se sente como ele mesmo.

Orion Foss

Alguns pais lutam com os desafios de criar uma criança TGNC e podem tornar os trabalhos dos médicos de gênero, já complicados, muito mais complicados. Muitos, têm dificuldade em aceitar a ideia da transição de seus filhos. Em outros casos, os pais não apenas se recusam a ajudar seus filhos a receber tratamento, mas os abusam fisicamente ou os expulsam de casa. (Números confiáveis ​​para jovens trans especificamente são difíceis de encontrar, mas os jovens LGBTQ têm 120% mais probabilidade do que seus pares heterossexuais ou cisgêneros de passar por um período de falta de moradia.

Mas os pais progressista também podem ser um problema para os filhos. Vários médicos contam que os novos pacientes chegam às suas clínicas com os pais já tendo desenvolvido planos detalhados para a transição, e pressionando para seus filhos iniciarem a reposição hormonal.

Nesses casos, a criança pode estar navegando habilmente em um período liminar de exploração de gênero; são os pais que estão tendo problemas em não saber se seu filho é um menino ou uma menina. Tudo está indo bem, mas a mãe reage assim: ‘Meu filho transexual vai cometer suicídio assim que entrar na puberdade, e precisamos começar os hormônios agora’.

O suicídio é a tendência sinistra de muitas discussões entre os pais dos jovens TGNC. Suicídio e ideação suicida são tragicamente comuns na comunidade transexual. Uma análise conduzida pela Fundação Americana para Prevenção do Suicídio e pelo Instituto Williams , publicada em 2014, descobriu que 41% dos entrevistados trans tentaram o suicídio; 4,6% da população total dos EUA relatam ter tentado suicídio pelo menos uma vez. Embora os autores observem que, por razões metodológicas, 41 por cento é provavelmente uma superestimativa, ainda assim aponta para um número assustadoramente alto, e outras pesquisas mostraram consistentemente que as pessoas trans têm índices elevados de ideação suicida e suicídio em relação às pessoas cisgêneras.

Mas a existência de uma alta taxa de suicídio entre as pessoas trans – uma população que enfrenta altos índices de falta de moradia, agressão sexual e discriminação – não implica que seja comum os jovens se tornarem suicidas se não tiverem acesso imediato aos bloqueadores da puberdade. ou hormônios. Os pais e os médicos precisam tomar decisões críticas rapidamente em certas situações. Quando crianças severamente disfóricas estão se aproximando da puberdade, por exemplo, os bloqueadores podem ser uma ferramenta crucial para ganhar tempo, e às vezes há uma corrida genuína para ter acesso a eles, particularmente à luz das listas de espera em muitas clínicas de gênero. Mas os médicos disseram que, raramente, encontram situações em que o acesso imediato aos hormônios é a diferença entre o suicídio e a sobrevivência.

As conversações que os pais estão tendo on-line sobre crianças com disforia de gênero nem sempre são tão sutis, no entanto. Em muitas delas, os pais que dizem ter dúvidas sobre o ritmo da transição de seus filhos, ou se a disforia de gênero é permanente, são informados de que estão brincando com a vida de seus filhos. “Você preferiria ter uma filha viva ou um filho morto?” é uma resposta comum a essas perguntas. Esse tipo de narrativa deixa ainda mais assustado um pai que já tem medo. Essa não é a mentalidade que se quer de um pai que vai tomar uma decisão complexa e definitiva para seu filho adolescente.

Quando os pais discutem as razões pelas quais questionam o desejo de transição de seus filhos, muitos mencionam “contágio social”. Esses pais estão preocupados que seus filhos apenas estejam sendo influenciados pela exploração de identidade de gênero que estão vendo online e talvez na escola ou em outros ambientes sociais.

Muitos defensores da transexualidade consideram a ideia de contágio social tola ou até mesmo ofensiva, devido ao bullying, à violência e a outros tipos de abuso que essa população enfrenta. Eles também apontam que alguns pais simplesmente podem não querer um garoto trans – novamente, o ceticismo ou rejeição dos pais é uma experiência dolorosamente comum para jovens trans. Michelle Forcier, uma pediatra especializada em questões de gênero juvenil, disse que os adolescentes trans freqüentemente dizem coisas como: Ninguém está me levando a sério – meus pais acham que isso é uma fase ou uma moda passageira.

Mas algumas evidências sugerem que as forças sociais podem desempenhar um papel no questionamento de gênero de um jovem. “Eu tenho visto isso com mais freqüência”, disse Laura Edwards-Leeper. Seus jovens clientes falam abertamente sobre a influência dos colegas, dizendo coisas como: Ah, Steve é ​​realmente trans, mas Rachel está apenas fazendo isso para chamar a atenção. Scott Padberg disse que há crianças em sua escola que afirmam ser trans, mas quem ele acredita que não são. “Todos ostentam, como: ‘Sou trans, sou trans, sou trans'”, disse ele. “Eles postam nas mídias sociais.”

Foi o que aconteceu com Delta, um aluno de teatro de 16 anos: u ma onda de experimentação de identidade de gênero atingiu seu círculo social em 2013. De repente, parecia que ninguém mais era cisgênero. Delta, que tinha 13 anos e estudsbs em casa, logo anunciou a seus pais que ela era “genderqueer”, depois “não binário” e, finalmente, “trans”. E que queria testosterona. Seus pais foram céticos, tanto por causa da influência social que viram, quanto porque a Delta tinha ansiedade e depressão, o que eles achavam que poderia estar contribuindo para o sofrimento dela. Mas quando sua mãe, Jenny, procurou informações, ela se viu em grupos de pais on-line, onde lhe disseram que, se ela adiasse a transição da Delta, ela estaria potencialmente colocando em perigo sua filha. “Você é criticado por qualquer questionamento”, disse ela.

Os pais de Delta a levaram para ver Edwards-Leeper. O psicólogo não a questionou sobre ser trans nem descartou eventualmente, usar hormônios. Em vez disso, fez uma série de perguntas detalhadas sobre sua vida, saúde mental e família. Aconselhou-a a esperar até que ela estivesse um pouco mais velha e disse algo como “Eu reconheço que você se sente de uma certa maneira, mas acho que devemos trabalhar em outras coisas primeiro, e então, se você ainda se sentir assim mais tarde, então eu vou te ajudar com isso. ”

“Outras coisas” significava principalmente seus problemas com ansiedade e depressão. Edwards-Leeper disse a Jenny e à Delta que, embora a Delta tenha atingido o limiar clínico para disforia de gênero, uma abordagem criteriosa fazia mais sentido à luz de seus problemas de saúde mental.

“Na época, não fiquei feliz por ela ter me dito que eu deveria lidar com as coisas mentais primeiro”, disse Delta, “mas estou feliz por ela ter dito isso, porque muitas pessoas são tão entusiasmadas e, tipo, “Você é trans, vá em frente”, mesmo que não sejam – e então acabam cometendo erros que não podem desfazer. A disforia de gênero de Delta se dissipou, embora não esteja claro por quê. Ela começou a tomar antidepressivos, o que parece estar funcionando. Perguntada se achava que seus problemas de saúde mental e questionamento de identidade estavam ligados Delta responde: “Eles definitivamente eram”. Porque uma vez que comecei a trabalhar nas coisas, melhorei e não queria nada com rótulos de gênero – estava bem em ser apenas eu e não ser uma coisa específica”.

Delta

É imperioso lembrar que esse tipo de história só acontece quando as pessoas trans são aceitas, e quando os pais, mesmo os céticos, têm a mente aberta o suficiente para levar seus filhos a um clínico. Em vastas áreas dos Estados Unidos, as crianças que se revelam como trans são muito mais propensas a serem hostilizadas do que com status social reforçado ou reconhecimento, e seus pais são mais propensos a não ter disposição – ou recursos – para encontrar tratamento. Mas negar a possibilidade de uma conexão entre influências sociais e exploração de identidade de gênero entre adolescentes exigiria ignorar muito do que sabemos sobre o desenvolvimento do cérebro adolescente – que é mais suscetível à influência dos pares, mais impulsivo, e menos adepto a pesar efeitos e consequências de longo prazo.

Nem todos concordam com a importância de avaliações abrangentes para jovens transexuais e não-conformes a gênero. Dentro da pequena comunidade de médicos que trabalham com jovens TGNC, alguns têm a reputação de serem céticos quanto ao valor das avaliações. Johanna Olson-Kennedy, médica especializada em medicina pediátrica e juvenil, é uma das vozes mais procuradas sobre essas questões e tem diferenças significativas com Edwards-Leeper e Leibowitz. Ela escreveu que “estabelecer um relacionamento terapêutico implica honestidade e um senso de segurança que pode ser comprometido se os jovens acreditarem que o que eles precisam e merecem (potencialmente bloqueadores, hormônios ou cirurgia) pode ser negado de acordo com as informações que eles fornecem para o terapeuta.”

Johanna Olson-Kennedy

Essa visão é informada pelo fato de que Olson-Kennedy não está convencida de que as avaliações de saúde mental levam a melhores resultados. “Na verdade, não temos dados sobre se as avaliações psicológicas reduzem as taxas de arrependimento”, ela me disse. Ela acredita que a terapia pode ser útil para muitos jovens do TGNC, mas ela se opõe à exigência de avaliações de saúde mental para todas as crianças que buscam a transição: “Eu não envio alguém para um terapeuta quando vou começar a aplicar insulina”. É claro que a disforia de gênero está listada no DSM-5 ; diabetes juvenil não.

Sua clínica administra hormônios de sexo cruzado para crianças de até 12 anos. Isso faz pressão contraas fronteiras das diretrizes da Endocrine Society, que afirmam que apesar de “poder haver razões convincentes para iniciar o tratamento com hormônios sexuais antes dos 16 anos de idade… existe uma experiência mínima publicada antes dos 13,5 a 14 anos de idade”.

Se você vir pessoas de 13 e 14 anos com diferenças de gênero não como pessoas jovens com uma condição que pode ou não indicar uma identidade permanente, mas como crianças trans e ponto final, faz sentido querer conceder-lhes acesso a transição o mais rápido possível. Olson-Kennedy disse que a maioria dos seus pacientes precisam desse acesso. Ela disse que vê um pequeno número de pacientes que desistem ou depois se arrependem da transição; esses pacientes, em sua opinião, não deveriam ditar o cuidado dos outros. Ela gostaria de ver uma reformulação radical dos cuidados para os jovens TGNC. “O modo como o cuidado foi organizado é em torno de garantir a certeza e diminuir o desconforto dos profissionais (geralmente cisgêneros) que determinam se os jovens estão prontos ou não”, ela me disse. “E isso é um modelo defeituoso.”

Entender essas histórias que envolvem crianças brancas relativamente privilegiadas com famílias afetuosas e envolvidas, nenhuma das quais é necessariamente o caso para todos os jovens TGNC nos Estados Unidos – exige manter várias alegações, aparentemente conflitantes, em mente. Alguns adolescentes, nos próximos anos, vão se apressar em fazer transição fisicamente e podem se arrepender. Outros adolescentes não terão acesso a hormônios e, consequentemente, sofrerão grande angústia. Ao longo do caminho, um número devastador de adolescentes trans e sem gênero será intimidado, banido e terminará com suas próprias vidas.

Alguns defensores do LGBTQ pediram que a disforia de gênero seja removida do DSM-5 , argumentando que sua inclusão patologiza ser trans. Mas a disforia de gênero, como a ciência atualmente entende, é uma condição dolorosa que requer tratamento a ser aliviado. Dada a diversidade de resultados entre as crianças que sofrem de disforia de vez em quando, é difícil imaginar um sistema sem um protocolo diagnóstico abrangente e padronizado, destinado a maximizar os bons resultados.

Sentir a disforia de gênero não é o mesmo que sentir ansiedade ou depressão ou problemas psicológicos, é claro. Mas, de certa forma, é semelhante: assim como ocorre com outras condições psiquiátricas, algumas pessoas sentem disforia mais agudamente do que outras; sua gravidade pode aumentar e diminuir dentro de um indivíduo com base em vários fatores; está, em muitos casos, intimamente ligada à vida social e familiar de um indivíduo. Para algumas pessoas, isso passará; para outros, pode ser resolvido sem intervenções médicas; para outros ainda, apenas o tratamento mais completo disponível aliviará o sofrimento imenso. Reconhecemos que não existe uma abordagem única para o tratamento da ansiedade ou depressão, e pode-se argumentar que a mesma lógica deve prevalecer com a disforia de gênero.

Talvez o primeiro passo seja reconhecer os detransitioners e os desistentes como estando no mesmo “lado” de pessoas trans transicionadas de forma feliz. Os membros de cada um desses grupos passaram por disforia de gênero em algum momento, e todos têm o direito de receber cuidado compassivo e abrangente, incluindo ou não hormônios ou cirurgia. “O detransitioner é provavelmente tão marcado pelo sistema quanto o transitioner que não teve acesso à transição”, disse Leibowitz. A melhor maneira de construir um sistema que decepcione menos pessoas é reconhecer a incrível complexidade da disforia de gênero – e reconhecer como estamos nos conhecendo desde o início.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Educação

A INQUISIÇÃO SECULAR

Por Melanie Phillips. Leia o artigo original em Melaniephilips. Alguns dias atrás, o filósofo John Gray escreveu no site Unherd uma análise sombria, mas precisamente direcionada , de por que as ciências

Leia Mais »