Os ‘mortos vivos’ estão ao nosso redor

Por Rabino A. Henach Leibowitz, no Jewish World Review.

“Os dias se aproximam de que você [Moisés] deve morrer.”
– Deut. 31:14

A definição de vida e morte da Torá vai muito além de ter um pulso e respiração regulares.

Ao explicar o versículo acima, o Midrash ( Tanchuma, Vayeilech, par. 4) nos diz que um rasha – uma pessoa má – é considerada morta, mesmo que pareça estar saudável e viva. Por quê?

Porque seu corpo físico pode estar vivo e bem, mas em espírito ela está morta e enterrada.

O homem é dotado, pelo Divino, de habilidades de percepção e entendimento. Podemos ver e reconhecer a beleza e a complexidade do universo e, assim, podemos perceber a grandeza do Criador e Construtor de toda a criação. Essa percepção desencadeia um derramamento automático de gratidão e louvor a Ele por essas encantadoras maravilhas. Ao olharmos para o mundo ao nosso redor, somos constantemente bombardeados por “milagres diários” e pela interação surpreendentemente harmoniosa de todas as forças da natureza. As sementes transformam-se em plantas. Bebês nascem. Nossos corações batiam incessantemente a cada minuto do dia. Nossos olhos vêem, nossos ouvidos ouvem.

 

Qualquer um que não responda a esses estímulos louvando o Criador é considerado estar em um estado espiritualmente comatoso semelhante à morte. Porque a pessoa má não aprecia as bênçãos da vida concedidas a ele, não apenas não vive a vida ao máximo, como também não vive. Se nós, por outro lado, entendermos que o Divino renova a criação todos os dias e nós apreciamos cada novo nascer do sol e cada batida do coração como outro presente do Todo Poderoso, nós verdadeiramente sentiremos a vida e seus prazeres.

O rabino Nosson Zvi Finkel, conhecido pela denominação iídiche “O Alter de Slabodka” (1849-1927), sugeriu que observássemos uma criança ao começar sua vida neste mundo. No começo, ela olha fixamente para o espaço. No terceiro mês, ela segue visualmente um objeto e até começa a alcançá-lo. Logo este bebê fará sons e se sentará direito, eventualmente, caminhará, falará e terá um repertório completo de habilidades motoras e mentais totalmente desenvolvidas.

Em cada estágio do desenvolvimento do bebê, os pais ficarão muito felizes e maravilhados com os novos avanços que o bebê fez. Chamadas telefônicas de longa distância serão enviadas aos avós para informá-los sobre os últimos truques de seus netos. Cada nuance do desenvolvimento do bebê é apreciado, e seus pais agradecem a Deus pelos maravilhosos milagres que Ele está realizando todos os dias.

Todos esses estágios de desenvolvimento, explicou Alter, ocorrem a cada um de nós todos os dias. Quando estamos adormecidos, nossos metabolismos são retardados e nossas funções conscientes estão completamente incapacitadas. No entanto, a cada dia, o Divino abre nossos olhos e retorna nossas habilidades e talentos para nós. O Alter de Slabodka enfatizou que devemos apreciar nossas habilidades como se elas nos fossem concedidas,  de repente, precisamente hoje, e devemos nos regozijar a cada manhã, assim como uma mãe celebra cada passo do amadurecimento de seu filho.

Quanto mais abrimos nossos olhos e mentes para apreciar as bênçãos da criação que o Todo-Poderoso constantemente nos concede, e as habilidades que são rejuvenescidas em nossos corpos todos os dias, mais podemos nos considerar vibrantes e vivos. .

(COMENTE ABAIXO)

Rabino A. Henach Leibowitz foi o decano do Seminário Rabínico da América, em Queens, Nova York, por mais de 50 anos. A instituição possui filiais e afiliadas em toda a América do Norte e Israel. Este artigo foi preparado por dois dos discípulos do sábio, Rabino Aryeh Striks e Rabino Shimon Zehnwirth, e extraído de “Pináculo da Criação: insights da Torá sobre a natureza humana”.

 

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!