Uma visão psicológica sobre um pensamento religioso.

O Mundo é um Espelho é o título que o rabino Abraham J. Twerski deu ao seu artigo, que você pode ler na íntegra e no original, no Jewish World Review.

Resumo para quem não quer ler o artigo inteiro, em um versículo da Bíblia:  Portanto, você, que julga, os outros é indesculpável; pois está condenando a si mesmo naquilo em que julga, visto que você, que julga, pratica as mesmas coisas. (Rm 2:1)

 
Assim como ele infligiu uma ferida a uma pessoa, assim será infligida a ele“.
  – Levítico 24:20
O Talmud diz que a Lei Oral, transmitida através de gerações, quer dizer que o versículo acima, bem como “um olho por olho”, não se destinam a ser entendido no seu sentido literal.
Em vez disso, é preciso compensar a vítima pela lesão.
Rabi Israel ben Eliezer  ensinou uma importante interpretação psicológica. Na medida em que as pessoas geralmente estão em negação, elas podem não estar cientes de seus defeitos de caráter.
Portanto, Deus mostra-lhes o seu defeito de caráter em outra pessoa. “O mundo é um espelho”, disse ben Eliezer. – As faltas que você vê nos outros são suas.
Alguém poderia reclamar: “Por que isso é uma regra geral? Só aconteceu de eu ver alguém com raiva. Como isso prova que eu não tenho controle sobre a minha raiva?”
Vamos refletir sobre: “ Só aconteceu de eu ver alguém com raiva.” Se você colocar várias pessoas, por vários minutos, em uma esquina movimentada, e depois pediu-lhes para que relatem o que viram, você provavelmente obterá uma resposta diferente de cada pessoa. Todos eram testemunhas da mesma cena, na qual muitas coisas estavam acontecendo.
No entanto, cada pessoa viu algo diferente do que os demais. Isso ocorre porque a mente tem um filtro seletivo.
Se estivéssemos conscientes de todos os estímulos que bombardeiam os nossos sentidos, nossas mentes ficariam sobrecarregadas e não poderíamos funcionar. O sistema de filtragem, portanto, bloqueia a maioria dos estímulos e nos permite focar apenas em alguns.
Não há como escapar do fato de que deve haver alguma razão pela qual, a partir da miríade de estímulos, o sistema de filtragem seleciona aqueles dos quais a pessoa se torna consciente. A posição de Baal Shem Tov é a de que a seletividade é determinada pelo que se quer ou precisa tomar consciência. Um fator que governa essa seletividade é a própria composição do caráter.
Nosso sistema defensivo psicológico opera para minimizar nosso desconforto. É mais fácil aceitar um defeito de caráter dentro de si mesmo se ocorrer em outras pessoas também.
Portanto, o sistema de filtragem da mente é motivado a permitir que esses estímulos particulares cheguem à consciência, e bloqueia aqueles que não servem a nenhum propósito psicológico para o indivíduo.
 
Se tivermos isso em mente, seremos capazes de evitar fofocas. Dizer algo depreciativo sobre outra pessoa é uma indicação de que nós, também, temos esse defeito de caráter. Por que alguém desejaria revelar seus próprios defeitos de caráter ao mundo?
 
Kometz HaMinchah diz que esta é a mensagem do versículoo acima: “Como alguém causou um defeito em outro, assim lhe será dado”.
 
As falhas que você atribui aos outros são provavelmente as suas.
 
Rabino Abraham J. Twerski, M.D. é psiquiatra. Ele é o fundador do Gateway Rehabilitation Center em Pittsburgh, um dos principais centros de tratamento de dependência. Professor Associado de Psiquiatria na Faculdade de Medicina da Universidade de Pittsburgh, ele é um autor prolífico, com cerca de 70 livros.

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!