iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Compilação de artigo de Matt Walsh  e de Ben Shapiro, ambos no Daily Wire.

O filho sofreu bullying e a mãe decidu fazer um vídeo a respeito.

https://www.youtube.com/watch?v=kz1xzBYppW8

A mãe de Keaton Jones, Kimberly, já arrecadou mais de 50 mil dólares no GoFundMe. Praticamente todas as celebridades e políticos se manifestaram em defesa de Keaton. Ele recebeu convites para inúmeros eventos e jogos importantes.

Mas com a fama vem a bisbilhotice. Alguém na internet “identificou” racismo no Facebook de Kimberly, fazendo com que a onda de solidariedade se transformasse em condenação.

Lições desse caso:

1. A dinâmica do bullying não é assim tão simples.

A vida não é como um filme. As crianças não se dividem em “Bullies” vs “Vítimas”. Há muita sobreposição. O bullying nunca se justifica, mas nem sempre e o bully é um monstro horrível e a vítima é um anjinho inocente. Não tenho ideia de por que Keaton foi intimidado. Nem vocês. É por isso que esta questão nunca deveria ter sido apresentada ao público. O assunto deveria ser tratado entre os pais, filhos e escola.

2. Você não ajuda as crianças intimidadas, fazendo um a tempestade em copo d’água.

O bullying É um grande problema. Mas quando uma criança chega reclamando de colegas, não é sensato responder gritando: ” MEU DEUS, TEMOS QUE ANUNCIAR PARA TODO MUNDO”. A criança já pensa que é um grande problema. Já imagina ter sofrido uma perseguição impensável. Nosso trabalho, como pais, é colocar as coisas em perspectiva para ele. Para capacitá-lo. Para que ele saiba que não importa o que as outras crianças digam. Seu valor não está vinculado à opinião que os outros têm dele. Infelizmente, essa mensagem fica prejudicada quando os pais fazem do bullying, literalmente, um caso de polícia.

O lema que repetimos para os nossos filhos costumava ser: “Paus e pedras podem quebrar seus ossos, mas as palavras nunca vão machucar você”. É ótima que todos nos preocupemos com o bullying, mas nossa resposta apavorada não ajuda. Eles não estão aprendendo a lidar com os problemas . Eles não estão aprendendo a ver em perspectiva. Eles não estão aprendendo a ter resiliência. Eles não estão aprendendo nada que valha a pena.

3. Nunca vamos “resolver” o bullying.

Este é um a característica da natureza humana. É especialmente evidente nas escolas modernas, porque enchemos estabelecimentos com centenas de crianças por horas por dia , com apenas algumas dúzias de adultos espalhados entre elas. Se você acha que vai “consertar” o problema de bullying entre crianças mal supervisionadas que são espremidas em espaços claustrofóbicos entre si por horas a fio, você está delirando .

Nossos filhos têm que aprender a lidar com essas interações difíceis quando ocorrem. Devemos incutir confiança e coragem moral em nossos filhos. Em termos gerais, essa deve ser a abordagem do problema do bullying.

4. Nós não ajudamos nossos filhos tornando-os famosos na internet.

Falando especificamente sobre a situação de Keaton , sua mãe agiu como programas sensacionalistas que invadem a intimidade das pessoas. Foi o que ela fez ao colocar os momentos mais vulneráveis e angustiantes do seu filho na internet para público. Se o seu filho está angustiado, console-o. Fale com ele. Discuta com ele. Eu simplesmente não vejo como: Faça um vídeo, publique no Facebook e depois crie uma conta no PayPal se encaixa nesse processo. Aparentemente, a mãe de Keaton queria atenção. E conseguiu. Mas era a última coisa que Keaton precisava.

Como todos nós que fomos intimidados, Keaton tem duas escolhas: você pode se identificar como vítima ou pode usar o bullying como combustível. Ser intimidado faz você sentir-se nauseado – você sente a raiva ferver por dentro, e sabe que não pode fazer nada a respeito. Parece um monstro comendo sua coragem. Pode lev ar você a lugares horríveis. Mas se você conseguir conquistar esse monstro e canalizar essa indignação, você será uma pessoa mais forte e melhor.

Isso não significa que os valentões de Keaton deveriam ter sido deixados livres. Eles devem ser derrotados em seu próprio jogo. Keaton não precisa da s condolências do mundo. Ele só precisa arrasar na vida. Nada irá irritar mais os valentões do que saber que a criança que eles costumavam chutar se tornou mais bem sucedido e feliz do que eles jamais serão.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Opinião

Seja seu Próprio Herói.

Por Andrew Klavan. Leia o artigo completo no Daily Wire. [George] Lucas, você sabe, incorporou outras influências. O grande cineasta japonês Akira Kurosawa fazia parte de

Leia Mais »