Ilustração de Ste´hen Schmitz.

Por Ben Shapiro, na Newsweek.

Em nossa nova era da mídia social, o problema da trapaça tornou-se mais complexo. Antes das mídias sociais, geralmente considerávamos a traição como sendo uma atividade sexual; flertar não era moral, mas não era exatamente traição – e isso vinha com uma boa dose de risco. Paquerar exigia ligações telefônicas secretas, encontros furtivos, cartas secretas. Agora, flertar está a  apenas um clique de um botão de distância. Mesmo a pornografia – imoral de novo, mas não muito enganadora – exigia esforço.

Agora, como a maioria das coisas modernas, o esforço não é mais necessário. E isso significa abundante flerte – ou, como Ty Tashiro (autor de A Ciência da Felicidade para Sempre: O que Realmente Importa na Busca por Amor Duradouro ) nomeia, “micro-traição”. Tashiro define micro-traição como  “um ato de infidelidade emocional relativamente pequeno com alguém fora do relacionamento comprometido da pessoa”, freqüentemente via mídia social. Tashiro diz que tais atos podem ser altamente prejudiciais para os relacionamentos, uma vez que eles representam uma traição da confiança. “Quando alguém trai a confiança de um parceiro, sempre há consequências emocionais para o bem-estar do parceiro e a integridade do relacionamento”.

Os seres humanos são, por natureza, avessos ao risco. Assumir muitos riscos significa ser morto na natureza. Assumir muitos riscos dentro de um relacionamento é semelhante: significa destruir as chances de uma felicidade duradoura. Mas a disponibilidade de conexão social pela internet reduz drasticamente esses riscos. De acordo com a Associação Americana de Casamento e Terapia Familiar, 45% dos homens e 35% das mulheres admitiram ter “um caso emocional”. 60% desses casos começam no trabalho. Um estudo australiano, de 2008, descobriu que 10% dos adultos em um relacionamento formaram um “relacionamento íntimo online ”. Segundo uma pesquisa do US YouGov de 2015, 56% das mulheres dizem que você está traindo se você começar um relacionamento emocional com outra pessoa. Apenas 38% dos homens acreditam que isso seja uma traição.

Além disso, somos uma sociedade pós-casamento. O sexo antes do casamento é onipresente; a idade do casamento aumentou dramaticamente. A coabitação tornou-se um fato da vida – a partir de 2012, dois terços dos casais tinham vivido juntos por pelo menos dois anos antes de se amarrar. O casamento representa um investimento total no jogo: significa um compromisso definitivo. Viver juntos não oferece essa garantia. É, conscientemente ou não, uma tentativa de deixar uma porta aberta. Combine essa porta ligeiramente aberta com a disponibilidade de aplicativos que permitem que você mantenha contato com ex-amantes, e você criou uma chance maior de micro-traição.

Tudo isso significa que, em uma era de maior facilidade de micro-traição, precisaríamos de um melhor autocontrole para evitar as consequências. Mas, em vez disso, adotamos pouco ou nenhum policiamento próprio. De fato, aqueles que se auto-policiam são chamados de puros e puritanos. Quando Mike Pence [vice-presidente dos EUA] diz que não vai sair para jantar com uma mulher sem sua esposa, ele é caracterizado como um personagem de The Handmaid’s Tale . Nossa sociedade despreza tanto os padrões que, de alguma forma, confundimos a autolimitação com o desejo de limitar o comportamento dos outros. Evidência do primeiro de alguma forma se torna evidência do último.

Isso é um absurdo Todos nós precisamos de limitações – e em uma sociedade livre, precisamos ser os que fazem a limitação. Isso significa desfazer amizade com os parceiros do ensino médio no Facebook. Significa bloqueaar pornografia em computadores. Significa recusar-se a corresponder-se com colegas atraentes fora do ambiente de trabalho. Isso significa sermos seres humanos melhores. Talvez até signifique se casar para nos lembrar de que há um custo para a micro-traição frívola.

A mídia social vem com grandes desafios. Mas se enfrentarmos esses desafios, poderemos nos tornar seres humanos melhores, e não piores.

Ben Shapiro é editor-chefe do The Daily Wire e apresentador do The Ben Shapiro Show, disponível no iTunes e distribuído em toda a América.

 

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!