iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Voting
Cena do Filme 12 Angry Men.

‘Falsas memórias’ são mais comuns do que você pensa
Por Madeleine Kearns, no National Review.

Cientistas cognitivos aprenderam que as pessoas podem ter 100% de certeza de suas memórias. . . e estar 100 por cento erradas.
‘Além de uma dúvida razoável’ não é uma frase encontrada na Constituição. No entanto, essas palavras, que começam a aparecer na jurisdição dos Estados Unidos por volta de 1798, tornaram-se um clichê legal. Em 1970, o Supremo Tribunal Federal citou-as como o padrão ouro de prova (embora em 1990 o Tribunal o distinguisse de “certeza moral”). Agora tendemos a pensar em “dúvida razoável” como uma rede de segurança para os acusados. Mas não começou assim. De fato, estudiosos do direito afirmam que a necessidade de provas além da “dúvida razoável” vem da teologia cristã e foi originalmente consagrada na lei para impedir que os jurados se condenassem ao dar falso testemunho.

. . . para impedir que os jurados se condenem, prestando falso testemunho.

“Falso testemunho” é mentir completamente ou ser leviano com os fatos. O que torna uma frase particularmente chocante esta semana, dado que Christine Blasey Ford está agendada para depor perante o Comitê Judiciário do Senado amanhã [27 de setembro]. Uma possível contra-explicação da história de Ford seria dizer que ela tem uma “falsa memória”, não que ela esteja dando “falso testemunho”.

E se deixássemos este circo político nacional por um momento e entrássemos em um ramo bem estabelecido da neuropsicologia? Uma ciência que, nas últimas décadas, revelou quão facilmente nossas memórias se tornam distorcidas.

A Dra. Elizabeth Loftus, uma cientista cognitiva e professora de direito que estuda a memória há mais de 40 anos, com um foco particular em como ela se desenrola no tribunal, avançou vários estudos esclarecedores ao longo dos anos. Um deles reuniu informações sobre 300 pessoas nos Estados Unidos que foram presas por crimes que não cometeram, como provam posteriores evidências de DNA. Desses 300 (alguns dos quais foram presos por até 30 anos), três quartos das condenações resultaram das falsas memórias do acusador.

Embora as descobertas da Dr. Loftus tenham sido impopulares entre algumas pessoas, o primeiro caso que ela investigou convenceu-a da importância de seu trabalho. Na década de 1980, Steve Titus foi falsamente acusado de estupro. Pura e simplesmente: a acusação foi o resultado de uma identificação incorreta. A vítima o escolheu pela primeira vez, dizendo: “Aquele é o mais próximo”, o que significa que ela achava que ele se parecia mais com o agressor. Mais tarde, no banco das testemunhas, ela declarou: “Tenho certeza absoluta de que é o homem”. Tito foi mandado para a prisão, mas depois libertado, com a ajuda de um repórter investigativo que encontrou o verdadeiro estuprador. O jornalista ganhou o prêmio Pulitzer. Mas Titus perdeu tudo: seu trabalho, sua noiva, suas economias. Ele morreu de um ataque cardíaco relacionado ao estresse pouco depois, aos 35 anos.

É uma história trágica e – fora o verdadeiro estuprador – sem vilões. É por isso que a Dr. Loftus acredita que os jurados devem estar cientes da função da “falsa memória” ao ouvir testemunhos. Ela explica que a memória funciona “como uma página da Wikipedia”, que também pode ser editada, como as outras.

A Dr. Loftus começou a conduzir pesquisas em resposta a certos tipos de psicoterapias que se popularizaram na década de 1970, incluindo hipnose, exposição a informações falsas e interpretação de sonhos. Ela tinha começado a perceber que muitos pacientes que iam para essas terapias com um conjunto de questões (como depressão ou ansiedade) estavam saindo com outro conjunto de questões (falsas memórias “recuperadas” de trauma). A Dr. Loftus projetou experimentos para explorar o que estava ocorrendo nesses processos mentais.

Durante seus estudos – aprovados pelas autoridades de ética responsáveis – sua equipe plantou, com sucesso, nos participantes falsas lembranças de terem sido atacados por um animal agressivo, testemunhado uma possessão demoníaca e tendo quase se afogado na infância. Outro estudo analisou membros das forças armadas dos EUA que foram violentamente interrogados, e alimentados com perguntas sugestivas; depois pediram para identificar seu interrogador. Muitos lembraram de forma completamente errada a aparência física de seu interrogador, o que resultou em erros – algumas vezes drásticos – de identificação.

“O que esses estudos estão mostrando é que quando você alimenta pessoas com informações erradas sobre alguma experiência que elas possam ter tido, você pode distorcer, contaminar ou mudar sua memória. No mundo real, a desinformação está em toda parte.”, disse ela, citando a mídia como um exemplo proeminente.

– Eu disse para você reagendar a data da instalação. – Essa conversa nunca aconteceu. Talvez você planejasse dizer e então o pensamento se transformou em uma memória falsa.

Em uma palestra do TED, a Dr. Loftus concluiu:

Se eu aprendi alguma coisa nas minhas décadas trabalhando nesses problemas, é isto: só porque alguém lhe diz algo e diz isso com muita confiança, detalhe e emoção, não significa que isso realmente tenha acontecido. Não podemos distinguir com segurança memórias verdadeiras de falsas memórias; precisamos de corroboração independente. Tal descoberta me tornou mais tolerante com amigos e familiares que têm lembranças equivocadas. Tal descoberta poderia ter salvado Steve Titus. Todos devemos ter em mente que a memória, como a liberdade, é frágil.

Ela não está sozinha no assunto, é claro. Em 1990, o julgamento da pré-escola McMartin chegou ao fim, sete anos depois de surgirem alegações de abuso sexual satânico e ultrajante de crianças pequenas. Foi o julgamento criminal mais caro da história americana; no final, todas as acusações foram retiradas. A mãe que fez a acusação inicial foi diagnosticada como esquizofrênica paranóica (ela afirmou que tinha visto um dos supostos agressores voar pelo ar) e mais tarde foi encontrada morta devido a complicações do alcoolismo. Na esteira desse julgamento e de outras histerias de abuso satânico que varreram o país na época, “falsas memórias” se tornaram uma frase proeminente na pesquisa neuropsicológica.

Agora, o psicólogo Daniel Schacter de Harvard explica que as falsas memórias se formam, em parte, porque nossos cérebros são construtivos: eles criam narrativas sobre o nosso futuro, o que pode levar a erros de memória relacionados ao nosso passado. Elizabeth Phelps, psicóloga da Universidade de Nova York, relata em Identificando o Réu: Avaliação da Identificação de Testemunhas Oculares que “desconhecidas para o indivíduo, as memórias são esquecidas, reconstruídas, atualizadas e distorcidas”.

Claro, quando se trata de lei, o rigor científico é fundamental. Advogados e juízes, portanto, tendem a buscar uma comprovação independente – especialmente a confirmação no momento do incidente.

O boato e as alegações no caso de Kavanaugh são bem relatados na mídia, e não há necessidade de reiterá-los aqui. Mas é suficiente dizer que provar a culpa “além de uma dúvida razoável” não é apenas uma exigência para os jurados, mas para todos nós que ousamos especular publicamente sobre assuntos que são tão graves tanto para o acusador quanto para o acusado.

Muitos de nós nunca saberão, com algum grau de certeza, se a memória de Ford é verdadeira ou falsa. Então, se nós tivermos que fazer o papel de jurados nesse falso julgamento público, vamos ser como o oitavo jurado em 12 Homens Zangados:

É sempre difícil manter o preconceito pessoal fora de uma coisa como essa. E onde quer que você se depare com isso, o preconceito sempre obscurece a verdade. Eu realmente não sei qual é a verdade. Eu não suponho que alguém realmente saiba. Nove de nós agora parecem sentir que o réu é inocente, mas estamos apenas apostando em probabilidades – podemos estar errados. Nós podemos estar tentando deixar um homem culpado sair livre, eu não sei. Ninguém pode saber realmente. Mas temos uma dúvida razoável, e isso é algo muito valioso em nosso sistema. Nenhum júri pode declarar um homem culpado a menos que tenha certeza.

MADELEINE KEARNS – Madeleine Kearns é bolsista de William F. Buckley em Jornalismo Político no National Review Institute. Ela é de Glasgow, na Escócia, e trabalha esporadicamente como cantora.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Opinião

Seja seu Próprio Herói.

Por Andrew Klavan. Leia o artigo completo no Daily Wire. [George] Lucas, você sabe, incorporou outras influências. O grande cineasta japonês Akira Kurosawa fazia parte de

Leia Mais »