Resultado de imagem para children often lose things

 

por Matt Walsh, no Daily Wire.

De acordo com um relatório, tem havido um aumento dramático no uso e na sobredosagm indevidos de medicamentos para TDAH para crianças. Estudos revelam um aumento do risco de obesidade e diabetes em crianças que tomam remédios para TDAH. Não confundir com pesquisas recentes que mostram que os remédios para TDAH podem estar ligados a ossos frágeis. Efeitos colaterais já conhecidos incluem insônia, irritabilidade, diminuição do apetite, depressão e pensamentos suicidas.

Resultado de imagem para child easily distracted

A indústria psiquiátrica decidiu catalogar e medicalizar virtualmente cada comportamento humano, emoção, inclinação, tentação e traço de personalidade. Parece, como muitos especialistas em saúde mental alertaram , que em breve ninguém nos Estados Unidos será considerado normal. Na verdade, você se pergunta de onde as empresas farmacêuticas e os psiquiatras tiram a ideia de comportamento “normal”, de cérebro “normal” e de emoções “normais”, considerando que raramente se deparam com um comportamento, cérebro ou emoção que considerem normal.

Resultado de imagem para children squirm and fidget

Mas em nenhum lugar essa tendência de medicalizar a condição humana é mais aparente, ou mais perigosa, do que com as crianças. Como a maioria das pessoas sabe, tem havido um aumento impressionante de diagnósticos de TDAH nos últimos anos. Cerca de dez por cento de todas as crianças do país foram rotuladas com esse suposto distúrbio, e o rótulo está sendo colocado em crianças cada vez mais cedo. Agora, crianças com menos de três anos podem ser diagnosticadas com TDAH. Novas diretrizes médicas recomendam drogas psiquiátricas para crianças a partir dos quatro anos, se seus “sintomas” forem “debilitantes”. Um terço das crianças com TDAH é diagnosticado antes dos seis anos de idade. Os médicos garantirão aos pais que as drogas são seguras e não causarão danos a longo prazo aos seus filhos, mas, na melhor das hipóteses, não sabemos se isso é realmente verdade ou não. Há muitas razões para acreditar que as drogas vão alterar o cérebro do seu filho nos próximos anos.

-Em constante movimento 
-Contorções e irriquietações 
-Comete erros por falta de cuidado 
-Perde as coisas com frequência

-Parece não ouvir 
-Facilmente distraído 
-Não termina tarefas

Francamente, eu ficaria mais preocupado com uma criança que não exibe esses “sintomas”. Então, como podemos saber quando os comportamentos normais da infância podem ser uma manifestação de doença mental? É muito fácil saber quando o fígado, o rim ou o coração está com defeito. Mas, com o TDAH (e tantas outras doenças mentais), pediatras e psiquiatras afirmam ter identificado um mau funcionamento de toda a pessoa humana. Não é controverso olhar para um fígado doente e dizer: “Um fígado não deve fazer isto”. Mas os médicos agora estão olhando para crianças fisicamente saudáveis e dizendo: “Essa pessoa inteira não deveria fazer isso”.

Como? Com que base?

Resultado de imagem para child squirms

Bom, o National Institute of Mental Health (Instituto Nacional de Saúde Mental) oferece uma pista (ênfase minha):

As pessoas que têm TDAH têm combinações desses sintomas:

-Ignora ou perde detalhes, comete erros por descuido na escola, no trabalho ou durante outras atividades 
– Não segue instruções, não termina tarefas escolares , tarefas ou deveres do trabalho nem iniciartarefas, mas perde o foco rapidamente e se distrái facilmente. 

– Evita ou não gosta de tarefas que exijam esforço mental contínuo, como trabalho escolar ou lição de casa, ou – (se adolescentes e adultos mais velhos ) preparar relatórios, preencher formulários ou revisar documentos longos

– Perde coisas necessárias para tarefas ou atividades, como material escolar, lápis, livros, ferramentas, carteiras, chaves, papelada, óculos e telefones celulares

A Clínica Mayo coloca desta forma:

Em geral, uma criança não deve receber um diagnóstico de transtorno de déficit de atenção / hiperatividade, a menos que os principais sintomas do TDAH iniciem cedo – antes dos 12 anos – e criem problemas significativos, continuamente,  em casa e na escola.

Resultado de imagem para children often lose things

Segundo a comunidade médica, a personalidade de uma criança torna-se doente no exato momento em que sua personalidade interfere em seus estudos. Isso é estranho, não é? Doenças físicas não são julgadas dessa maneira. Se você for ao médico porque acha que tem diabetes, ele não perguntará: “Bom, o diabetes está causando problemas em casa ou na escola?” Diabetes é diabetes, não importa quão conveniente ou inconveniente possa ser para você ou para as pessoas ao seu redor. Diabetes é diabetes na escola. Diabetes é diabetes em casa. Diabetes é diabetes mesmo quando você está sozinho na floresta. Mas o TDAH pode não ser o TDAH na floresta. TDAH é apenas TDAH quando é um incômodo.

Imagem relacionada

Este critério diagnóstico é bastante peculiar, especialmente porque os defensores dos medicamentos para TDAH afirmam que o transtorno pode estar localizado no cérebro. Se ele pode ser localizado no cérebro, por que ele é diagnosticado com uma pesquisa de personalidade? Alguém já parou para fazer essa pergunta?

Agora, pode ser verdade que você pode encontrar certas semelhanças neurológicas entre certas pessoas que foram diagnosticadas com TDAH. Você também pode encontrar semelhanças neurológicas entre pessoas com disposições semelhantes como entusiasmo e altruísmo. Você pode encontrar semelhanças neurológicas entre os otimistas e entre os pessimistas. Mas isso não prova que essas semelhanças causam otimismo, ou entusiasmo, ou “hiperatividade” em crianças. Você pode olhar para o exame cerebral de um homem que está sofrendo com a morte de sua esposa e ver sua dor refletida em seu cérebro. Você também pode ver sua felicidade no nascimento de uma criança. Você pode até ver a alegria calma e meditativa que ele encontra em oração. Mas isso não prova que as reações químicas em seu cérebro estão causando sua dor, sua alegria, sua proximidade com Deus. Nós sabemos que o oposto é verdadeiro. Seu cérebro é um reflexo da causa real. Não é a causa em si.

Claro, se você adotar uma visão inteiramente materialista da pessoa humana – o que, catastroficamente, muitos psiquiatras fazem – então você deve acreditar que tudo o que sente, tudo o que pensa, todos os seus traços, suas características, suas falhas, seus pecados, seus desejos, seus objetivos, seu amor, sua alegria, seu desespero, e assim por diante, são apenas fenômenos materiais. A mente é uma ilusão nesse caso. Você é apenas seu cérebro e nada mais. Se, por outro lado, você considera a alma, o livre-arbítrio e a singularidade de cada pessoa humana que é criada por uma Força Divina, fica claro que a mente existe e dirige o cérebro muito mais do que o cérebrodirige isso.

Mas mesmo se colocarmos tudo isso de lado – e eu não vejo como você realmente pode colocá-lo de lado, porque esse problema de ovo ou galinha está no coração de toda a indústria psiquiátrica e tudo que pensamos sobre doença mental – mas mesmo se você fizer isso, e mesmo que você aceite, apenas por um momento, que a química do cérebro determina tudo sobre uma pessoa, isso ainda não provaria que alguma personalidade em particular, como a personalidade do TDAH, seja desordenada . Não prova, em outras palavras, que uma pessoa não deva ser assim .

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nós decidimos que as crianças não deveriam ser assim. Decretamos isso do alto, como deuses, e depois partimos para eliminar quimicamente todo tipo de disposição humana que atrapalhe nossos objetivos sociais. Mas isso é subjetivo. E arbitrário. E horrível. Não é científico. É um julgamento filosófico. Um julgamento filosófico muito ruim.

Nós determinamos filosoficamente que uma criança não deve agir sempre como uma criança. Ou pelo menos ela não deveria agir muito como uma criança. (E quem decide o que se qualifica como demasiado? Que ciência pode demonstrar o excesso de um certo traço? Quem desenha essa linha? Com que autoridade?) Adoto a visão oposta. E eu tenho a totalidade da humanidade do meu lado, até o último século ou mais. Até que todos, inclusive os cristãos, decidiram adotar a visão radicalmente materialista de Freud sobre a pessoa humana. Até que escolhemos aceitar como evangelho literalmente tudo que as companhias farmacêuticas e psiquiatras nos dizem sobre nós mesmos e nossos filhos.

 

 

 

 

 

Eu apresento esta proposta contrária: uma criança deve ser uma criança e agir como tal. Se as escolas não conseguem lidar com crianças sem drogar milhões delas, então as escolas estão desordenadas. A doença real pode ser encontrada em um sistema educacional que requer que as crianças, desde muito novas, permaneçam quietas durante sete horas por dia, cinco dias por semana, nove meses por ano, e regurgitem informações muitas vezes inúteis em várias formas, folhas e máquinas. Uma criança não está doente se ela se esforça nesse ambiente monótono e claustrofóbico. O ambiente está doente. Nós estmos doentes por esperar que as crianças sejam robôs. O “TDAH” da criança não é culpa da química cerebral mais do que o luto do homem de luto é culpa da química do cérebro. É natural ficar triste quando sua esposa morre. É natural ficar entediado, inquieto e desatento quando você está acorrentado a uma mesa fazendo trabalho pesado.

Estamos drogando nossos filhos porque eles são crianças. Nós transformamos a própria infância em uma doença. Os resultados desta decisão foram desastrosos. E só vai piorar se não mudarmos.

 

 

 

 

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!