por Anita Carey, no ChurchMilitant.

 

Médicos e profissionais de saúde mental estão se manifestando contra a promoção de mudanças sexuais como uma terapia legítima  para crianças confusas sobre sua identidade de gênero; ao mesmo tempo, os estados estão tornando ilegal procurar ajuda com um terapeuta.

A Dra. Michelle Cretella, presidente do American College of Pediatricians (ACP),  viu os efeitos da ideologia transgênero em primeira mão. Ela classifica o protocolo de afirmação da transição como abuso infantil.

Ela diz que é “terrívelr” saber que um número crescente de jovens mulheres já estárevertendo uma mudança de sexo na adolescência, e só agora percebem que cada uma delas “é uma mulher, com um peito cheio de cicatrizes, que provavelmente é estéril”, e enfrentarm uma série de riscos físicos e psicológicos desconhecidos por ter tomado por quase 10 anos, diariamente, testosterona diária”.

A ACP publicou ” Ideologia do Gênero Prejudica Crianças “, pedindo a rejeição de “todas as políticas que condicionam as crianças a aceitar como normal uma vida de personificação química e cirúrgica do sexo oposto”.

“Fatos – não ideologia – determinam a realidade”, afirma Cretella.

Ela continua: “Embora o Hospital Infantil de Boston tenha começado a preparar crianças para o transsexualismo em 2007, sob a direção do Dr. Norman Spack, eu não tomei conhecimento desse protocolo até 2011, quando um casal de lésbicas apareceu nos noticiários ao escolher criar o filho como uma menina “.

Em um comunicado de imprensa intitulado “Castração Química – Não é o Melhor para Crianças”, Cretella explica por que ficou “horrorizada” ao saber que as crianças estavam sendo submetidas a essa experimentação:

Médicos e terapeutas que adotam a terapia hormonal e a cirurgia de redesignação sexual para crianças promovem uma agenda política que não é um avanço científico. Isso é óbvio quando os eufemismos são eliminados: a castração química e a mutilação cirúrgica de crianças não é “terapia”. É o abuso infantil frio, calculado e institucionalizado nas mãos dos responsáveis pela cura.

Em seu comentário publicado no The Daily Signal , Cretella resume os anos de pesquisa que comprovam que “a identidade de gênero é maleável, especialmente em crianças pequenas”. Ela diz que o Manual da Associação Americana de Psicologia (APA) admite que, antes da aceitação e promoção de protocolos de afirmação de transição, 75% a 95% das crianças pré-púberes superaram o sofrimento sexual após passarem naturalmente pela puberdade.

Tragicamente, quando os medicamentos bloqueadores da puberdade são seguidos por hormônios sexuais cruzados em crianças pequenas, elas se tornam estéreis e incapazes de ter um filho biológico. Cretella explica que as crianças menores de 21 anos também não são tão capazes de avaliar riscos como os adultos, portanto, permitir protocolos permanentes de alteração de vida em um menor levanta “sérios problemas éticos”. Isso sem observar que o uso de hormônios sexuais cruzados em crianças aumenta os riscos de condições médicas significativas e potencialmente fatais , incluindo comprometimento mental e câncer.

Além disso, ela observa que a maioria das crianças que tomam bloqueadores também tomam hormônios sexuais cruzados. Ela diz que isso “sugere que o próprio protocolo de transição pode levar as crianças a se identificarem como transsexual”.

Terapia reparativa para crianças angustiadas por suas atrações do mesmo sexo tem sido frequentemente demonizada por gays , que falam contra o processo. Eles alegam que foram envergonhados por terapeutas ou submetidos a terapia eletroconvulsiva (ECT) ou terapia de choque elétrico em um processo que eles chamam de “tortura”. Mas os médicos estão objetando que tais alegações são falsas.

A Dra. Laura Haynes , uma conselheira cristã de casamento e família, explicou que a ECT deve ser administrada por um médico e é “raramente usada” para tratar a depressão severa. “Não conheço nenhum terapeuta em nossa organização nacional (ATCSI) que seja behaviorista ou use choque elétrico ou métodos aversivos”, esclareceu ela.

O lobby gay está trabalhando ativamente para banir a terapia reparativa, que ajuda a livrar as pessoas de desejos indesejáveis com relação ao mesmo sexo, e já o fez em cinco estados e em várias cidades. O ex-homossexual David Kyle Foster, da Pure Passion Media,  diz que as histórias de horror relatadas “são frequentemente inventadas e / ou exageradas por ativistas liberais e pela mídia e quase sempre datam de muitas décadas antes de se saber muito sobre como ajudar o homossexual”.

Cretella argumenta que estudos de gêmeos idênticos provam que existe uma “predisposição biológica mínima” para o transsexualmo. Ela diz “identidade de gênero inata – a idéia de que cérebros feminizados ou masculinizados podem estar presos no corpo errado antes do nascimento – é um mito que não tem base na ciência”.

Cretella conclui: ” Devemos exortar a maioria silenciosa dos pais, avós e profissionais de saúde a falar. Devemos pedir aos nossos líderes que questionem a autoridade dos chamados especialistas e que exijam o fim desse massivo e perigoso experimento social. que já está tendo efeitos devastadores sobre nossos jovens.”

 

 

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!