iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

game-of-thrones

Por Paul Bois, no Daily Wire.

Peter Hitchens, o irmão cristão de Christopher Hitchens, escreveu um artigo  perspicaz para First Things, no qual ele critica a série “Game of Thrones” por criar uma falsa mitologia medieval que se agarra ao vício e à crueldade à custa da virtude e do cavalheirismo.

Hitchens começa recordando as duas grandes obras literárias de Sir Arthur Conan Doyle – “A Companhia Branca” e “Sir Nigel” – ambas entendiam a Idade Média pelo que eram: uma época de intensa virtude atravessando um mundo de escuridão impenetrável , o ponto crucial sobre o qual se baseia todo o romantismo medieval. Conan Doyle explicou assim aos seus leitores:

Naqueles tempos simples, havia uma grande maravilha e mistério na vida. O homem andava com medo e solenidade, com o céu bem acima de sua cabeça e o inferno abaixo de seus pés. A mão visível de Deus estava em toda parte, no arco-íris e no cometa, no trovão e no vento. O Diabo também se enfureceu abertamente sobre a terra; Ele se escondeu atrás das sebes no crepúsculo; ele riu alto na noite; Ele arranhou o pecador moribundo, atacou o bebê não batizado e torceu os membros do epilético.

Sir Arthur Conan Doyle.

Na visão de Hitchens, os livros de George R. R. Martin não só não conseguem captar esse ethos filosófico, como simplesmente o pervertem. Hitchens chega ao cerne da questão, descobrindo as camadas para revelar por que a série sucumbe, freqüentemente, a essa indignidade humana. A resposta não está tanto nos showrunners, mas na mente de seu criador: o próprio George R. R. Martin.

Nunca tendo visto os shows, Hitchens julga “GOT” apenas pelo que ele leu nos livros, o que ele descobriu ser frequentemente preenchido com “profundo cinismo sobre a bondade humana”.

“Ele dá opiniões religiosas do século XXI para pessoas que têm vidas no século XV”, observa Hitchens.

 

J R R Tolkien.

Em suma, se Sir Arthur Conan Doyle e JRR Tolkien e CS Lewis construíram suas obras sobre a rica herança cultural da civilização ocidental com reverente admiração, então George RR Martin zomba disso como sendo uma mentira barata, um “ópio para as massas” como Marx. diria. No mundo de Martin, não há santos, cavaleiros cavalheirescos ou donzelas formosas, nem camponeses alegres, nem bons ou maus. É um mundo onde “virtude e confiança são sempre punidas”. Hitchens cita apenas alguns exemplos de “GOT” interpretando este engano:

O personagem principal mais atraente, Eddard Stark, morre rapida, injusta e horrivelmente. Ele morre, em grande parte, porque é muito honrado e obediente. Sua família horrorizada é espalhada pelos ventos para sofrer ou perecer. A partir desse momento na história, quase todos associados à honestidade, à coragem altruísta e à justiça estão condenados. Quase a única figura simpática, que sobrevive durante todos os livros, é o anão, Tyrion, que ocasionalmente é gentil, mas também é consumido com cinismo e desespero.

A bravura e a caridade para com os outros são recompensadas com a morte ou a traição. Os pobres simples são estuprados, roubados, escravizados e têm suas casas queimadas. O cavalheirismo, uma coisa real no mundo de Conan Doyle, é para Martin uma fraude. Todos os tipos de crueldade e ganância, tipificados pela Casa de Lannister, florescem como a árvore verde da baía. A traição e o cinismo mais debochado são a única salvação, o único caminho para a segurança ou a vantagem.

Hitchens continua:

A criação de Martin é uma sociedade na qual o homem sabe como construir e viajar, para se sentir confortável, talvez para curar e tratar algumas doenças, e para guerrear cientificamente – mas no qual não há traços de Cristo. O Bom Samaritano não é conhecido aqui. Ninguém ouviu falar do Filho Pródigo, e o Sermão da Montanha nunca foi feito. Não há nem mesmo rumores dessas coisas.

Hitchens observa que um mundo em que a “Regra de Ouro” é o rei acima de tudo é um mundo de exploração:

O único apelo é para uma decência comum muito básica, a Regra de Ouro absurdamente superestimada, que, em um mundo sem Jesus, tem duas grandes falhas inevitáveis. A primeira é que quanto mais fraco e pobre você for, menos outras pessoas estarão inclinadas a esperar favores de você ou a temer sua vingança. E o interesse próprio tão esclarecido, alegremente deixará você ferido, destituído ou sozinho, ou tolerará o fato de que você é escravizado, reservando a Regra de Ouro, na prática, para os outros que têm maior probabilidade de retribuir. A segunda é que, não tendo como saber o que se assa na mente, ou ver o coração secreto de nossos vizinhos, temos muito pouco conhecimento verdadeiro dos atos secretos e pensamentos interiores dos outros. ‘Faça como você gostaria que lhe fizessem’ rapidamente se torna o muito diferente ‘Pareça fazer como você gostaria que lhe fizessem.’

Em tal reino, poder e virtude são inteiramente separados. O bruto que rosna governa, incontrolado por lembretes de que um Deus justo, por sua vez, irá julgá-lo. Ele é rico, poderoso e inteligente. Ele se senta no auge de uma civilização de impunidade, que proporciona muitas alegrias aos ricos e fortes, e miséria aos fracos e pobres. Imagine isso, estendendo-se em todas as direções e para sempre, e você tem o mundo de George Martin.

 

 

 

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Epidemia de ‘Eco-ansiedade’

Por Thomas D. Williams. Leia o artigo completo no Breitbart. “Protestos de grupos como a Extinction Rebellion, os recentes incêndios na Amazônia e os alertas

Leia Mais »