Por Nicole Cunningham, no Jewish World Review.

Sou uma mulher de 40 anos e tenho muitas dificuldades no relacionamento com meus pais. Desde os 19 anos até hoje, nosso relacionamento tem diminuído continuamente. Eu acredito que isso tem a ver com diferentes escolhas de vida, valores e falta de respeito pelas nossas diferentes visões. Às vezes eu gostaria de resolver os problemas, mas na maioria das vezes, estou bem sem ter um relacionamento com eles. Qual seria o seu conselho sobre como isso deve ser tratado? Devo tentar receber aconselhamento com meus pais? Devo simplesmente aceitar que é um relacionamento doentio e seguir em frente? Evite e evite-os? Eu reconheço que sou tão problemática quanto eles  … e que estou me apegando a alguns sentimentos difíceis. Então o que eu poderia, ou deveria, fazer?

Vale a pena tentar salvar e melhorar a maioria dos relacionamentos, especialmente os  com os membros da sua família. É difícil de se evitar os parentes e, se você tiver que se relacionar com eles, vai querer que sentimentos magoados sejam reparados. Então, aqui estão algumas coisas que você poderia tentar:

Esforce-se para perdoar todos os envolvidos (os outros e a si mesma) por todos os erros do passado para tornar isso mais fácil. T trabalhe nessas 5 mudanças de perspectiva.

 Entenda que o mau comportamento deles é motivado pelo medo. Todos temos medo, somos os alunos enfrentando as dificuldades na sala de aula da vida, estamos com medo tanto de fracasso e perda o tempo todo e esses medos são as razões pelas quais às vezes nos sentimos inseguros e nos comportamos mal. Quando você entende que seus pais são apenas pessoas com medo e seu comportamento diz respeito ao medo deles (na verdade, não diz respeito a você), você pode ter mais compaixão e ser menos crítica em relação a eles. Seu sistema de valores pode tê-los ensinado a ter muito medo sobre seu sistema de valores. Eles podem não ser capazes de separar o amor que têm por você do medo que têm de você, e quando eles reagem com esse medo, o comportamento não é muito amoroso ou incentivador. Entenda que isso não é pessoal, é difícil para eles acessarem o amor quando estão com tanto medo.

• Todos nós temos o mesmo valor, não importa o que façamos. Ninguém é melhor ou menos do que ninguém, apesar de seus valores e escolhas. Esta é uma escolha que você faz de ver todos os seres humanos como tendo o mesmo valor. Essa perspectiva ajuda a torná-lo à prova de balas, então nada que alguém disser pode diminuir você.

• Não perdoá-los pelos erros do passado não está fazendo bem a ninguém. Não os está machucando e não está ajudando você. Não vai criar justiça e não irá protegê-lo de mais dor. O que fará com que você se sinta melhor, mais leve e mais feliz, e se puder perdoar.

• Perdoar fica muito mais fácil quando você confia que o universo sabe o que está fazendo, e isso é uma lição de sala de aula perfeita sobre o amor para todos vocês.

Depois de ter trabalhado em perdoar e mudar sua mentalidade, você pode decidir ter uma conversa amorosa e mutuamente valorizadora com eles. Essas conversas significam, de antemão, que você escuta muito (não fala) e valoriza o direito deles a seus pensamentos, sentimentos, idéias e opiniões (mesmo que não concorde com elas). Isso exigirá que você se lembre que nada do que eles digam. diminui você, a menos que você assim o permita. Se você mantiver essa conversa exatamente como aconselhamos e não permitir que eles o provoquem e lhe metam medo, isso pode consertar a coisa toda.

• Arrume um profissional para ajudá-la a conversar com eles. Fazemos esse tipo de reuniões com as famílias o tempo todo, e descobrimos que funciona melhor se nos encontrarmos com cada pessoa separadamente primeiro, para prepará-las para o encontro em conjunto. Encontre algum profissional que faça esse trabalho de preparação para que uma sessão de reunião familiar renda o máximo possível. Isso também torna as pessoas mais dispostas a participar desse tipo de reunião porque tiveram a chance de contar o seu lado, antecipadamente, para o profissional.

 

Se os membros da família não quiserem ou não puderem mudar

Se eles se sentirem ameaçados ou inseguros sobre qualquer tipo de conversa ou reunião, ou se eles não conseguirem aceitar nenhuma falha do lado deles, ou não demostrarem nenhuma vontade de mudar ou trabalhar com você, então você terá duas opções:

• Seja na vida deles, mas não deixe que eles machuquem você. Isso significa vê-los, com precisão, como pessoas que não são capazes de se comportar melhor e, depois, não leve para o lado pessoal o que eles fazem ou dizem, nem deixe que isso a machuque. Isso requer muita força e sabedoria. Então, você pode precisar de ajuda profissional para chegar até aqui. Você terá que se tornar à prova de balas e rejeitar todas as ofensas.

• Evite e fique longe deles. Se você não puder estar perto deles sem se sentir abatida, magoada ou ofendida, evitá-los pode ser a escolha amorosa. É amoroso para consigo mesma. Lembre-se de que você é tão importante quanto todo mundo é, então, fazer uma escolha amorosa para cuidar de você não é egoísta, é sábio.

Você consegue fazer isso.

Perfil mantido pela equipe editorial do CONIPSI.
“Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados.”
Millôr Fernandes

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!