Barbara Ehrenreich

Em um mundo incerto, parece que encontramos conforto na ideia de que o corpo está sob nosso controle. Não importam as decepções que fervilham além da pele, pelo menos temos agência sobre nossos corpos e seu destino. Leia blogs de bem-estar, faça exercícios, coma suas verdurs e a morte não virá para você, por enquanto. Mas a escritora americana Barbara Ehrenreich busca o controle – das projeções preventivas ao fitness, atenção e indignação com o envelhecimento – e pede uma nova compreensão da vida, da morte e do corpo. Às vezes, parece que ter um amigo que fala alto estraga sua dieta, seu fetiche por fitness e sua visão de mundo, lembrando que um dia você não será nada além de “um bocado no sistema digestivo de um rato”, antes de lhe dar uma abraço e um poema de Brecht para o conforto frio.  Ehrenreich baseia-se na ciência e na sociologia, para celebração a vida em vez de ter que negar a morte.

Sendo uma sobrevivente de câncer, aos 70 anos, Ehrenreich chegou a um ponto onde “a morte não era mais uma perspectiva totalmente teórica”. Adicionalmente, seu PhD em imunologia celular sugeriu que o sistema imunológico pode, na verdade, facilitar os tumores. Isso foi “como dizer que o corpo de bombeiros é, na realidade, composto por incendiários. As células imunes, chamadas macrófagos, em vez de “amigas”, parece que  podem possibilitar a disseminação do câncer.

Longe de ser uma unidade engenhosa de componentes que lutam pelo bem comum, parece que o corpo é “na melhor das hipóteses um conjunto de partes – células, tecidos – interessados apenas em suas próprias agendas”. Adicione a isso a perspectiva de “tomada de decisão por celular”, além de outros casos de dano celular, e grandes questões surgem: o mundo natural poderia realmente se agitar com um tipo de organização? O controle total é uma ilusão? Devemos dedicar mais tempo a viver e menos a viver mais?

Ehrenreich desistiu das “muitas medidas médicas. . . que se esperam de uma pessoa responsável, com seguro de saúde”. Não é que ela tenha um desejo por morte. Em vez disso, tendo percebido que ela tinha “idade suficiente para morrer”, ela decidiu que “também tinha idade suficiente para não suportar mais nenhum sofrimento, aborrecimento ou tédio na busca de uma vida mais longa”. Consciente das motivações de lucro, envoltas em testes desnecessários, desconfiada de rituais santificados como sendo ciência e cansada de polêmicas com profissionais da medicina, Ehrenreich evita não apenas a morte medicalizada, mas a vida medicalizada. A vida é preciosa demais para se sentar em “salas de espera sem janelas”. . . sob o escrutínio frio das máquinas”.

Ehrenreich ressalta que o primeiro “paciente” dos estudantes de medicina é, afinal, um cadáver (silencioso) a ser dissecado.

À medida que a cultura de fitness se elevou contra um cenário de individualismo, desindustrialização e insegurança, a academia tornou-se um dos poucos espaços em que as pessoas “podiam exercer controle de forma confiável”. Para as mulheres, diz Ehrenreich, isso pode ser político; ali era um lugar para tornar-se forte. Mas Ehrenreich também é crítica. Academias, ela sugere, não são locais de “espontaneidade e brincadeira”, mas de regras e trabalho. E a cultura do fitness tornou-se mais “combativa”.

Ela aponta para o lado sinistro da nossa preocupação com a forma física. Nós tendemos a suspeitar, diz ela, que “se você não pode controlar seu corpo, você não está apto, em nenhum sentido, a controlar nenhuma outra pessoa.” Com a ascensão do bem-estar dos empregados e seguro de saúde completo, nos EUA, o fitness tornou-se um “imperativo moral”; saia da linha e arrisque-se a se decepcionar, à sua empresa, e talvez ao seu país também. Além disso, diz ela, oeles que não seguem as regras são vistos como arriscando uma morte prematura: “Toda morte pode agora ser entendida como um suicídio”. Mas, como ela aponta, a ideia de que somos individualmente responsáveis pela nossa saúde omite muitos fatores, entre eles fatores ambientais, socioeconômicos e outros.

Ehrenreich observa:”Agora, temos o conceito de bem-estar. De fato, se o esforço conspícuo se tornou uma forma de consumo conspícuo, também o bem-estar deve ser procurado em estâncias vistosas ou sinalizado por se carregar uma sacola de ioga e uma garrafa de conteúdo verde. De fato, uma curiosa pesquisa no Google revela sacolas à venda brandindo slogans baseados em couve. Entre eles: “Se todos vamos morrer, por que estou comendo couve?”

Para Ehrenreich, o pensamento hegemônico é o de que a saúde é uma virtude e a comida é envenenada pelo julgamento de classe. Nos anos 2000, os programas de TV se encheram de programas como o festival de vergonha You Are What What Eat e Fat Club (Você é o que come e Clube de Gordos) , no qual um homem gritava para pessoas com sobrepeso (o show se tornou Fit Club por sua versão célebre).

Esses shows se foram, mas hoje, o tema do controle sem dúvida aparece em shows de “sobrevivência”, como The Island with Bear Grylls , que transmite a mensagem de que uma mentalidade firme pode triunfar sobre os corpos mais esgotados; juntos, corpo e mente são uma equipe. Mas as coisas não são tão simples, segundo Ehrenreich. A mente, muitas vezes enquadrada como a “opressor moral”, dificilmente é perfeita – “seus poderes cognitivos fundamentais parecem estar diminuindo”, por mais que tentemos domá-la por meio da atenção plena. Enquanto isso, o corpo, ela diz, é um “campo de batalha”. Por mais que você tente controlá-lo, você não consegue fazê-lo inteiramente, nem vai se esquivar da morte.

 

Fonte:

newhumanist.org.uk/articles/5323/more-time-for-living-less-for-living-longer

jezebel.com/barbara-ehrenreich-isnt-afraid-to-die-1825477938

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!