Por Magic Ears Dudebro, codensado do Medium. Leia o artigo completo aqui.

Os estúdios da Disney, desde sempre produzem princesas em série.

No entanto, com a maioria de suas princesas mais recentes refletem modelos mais feministas, as princesas mais antigas, em contraste, parecem menos capacitadas.

Algumas feministas acusam essas princesas de serem modelos “medíocres” para as meninas;  outras, mais radicais, as acusam de ser uma trama sexista do “patriarcado” para aliciar as meninas para uma “misoginia internalizada” e “papéis de gênero.

Aqui estão quatro falácias feministas comuns sobre as princesas da Disney e por que elas são tão fictícias quanto os contos de fadas que atacam.

(E antes que alguém acuse essa peça de pensamento de ser mais um discurso anti-feminista / anti-SJW, esta réplica citará principalmente fontes feministas como The Mary Sue e Lindsay Ellis – em outras palavras, isso será feministas desbancando as feministas!)


# 1: A Bela Adormecida Ser Beijada Sem Seu Consentimento É “Cultura De Estupro.”

Muitas feministas acreditam que esta história contribui para a “cultura do estupro”; algumas chegam a exigir que ela seja retirada das escolas públicas. Na história original italiana , entretanto, a princesa engravida durante o seu sono mágico. Ela é despertada quando o recém-nascido arranca a lasca de madeira do seu dedo.

Se você acha isso é ruim, você deve ouvir a moral dessa história: “Aqueles a quem a sorte favorece, encontram boa sorte mesmo durante o sono.”

Mas Felipe, princípe da Bela Adormecida não se encaixa nesse caso. Ele e Aurora se conheceram muito antes de ela cair em seu sono mágico, os dois se apaixonaram no primeiro encontro e os dois concordaram em se casar.

Pedir em casamento alguém que você acabou de conhecer não é prudente, como Frozen nos ensinou , mas pelo menos não é igual a beijar um estranho aleatório.

Além disso, Felipe descobre que a única maneira de acordá-la é beijando-a.

Como Princess Weekes de The Mary Sue explica: “Phillip não beija Aurora apenas que ele está excitado… Isso não é um engano acidental de bêbado, ou uma figura de autoridade masculina mais velha aproveitando-se de um colega de trabalho mais jovem. Ele está literalmente salvando-a de uma eternidade de sono

Quando Aurora é despertada, ela mostra, por meio de seu sorriso que o beijo era algo que ela queria dele.

Weekes explica : “O consentimento não-verbal é uma coisa, e Aurora dá a Phillip muito disso em sua linguagem corporal… Ela não está chateada por ter sido beijada, ela foi beijada por alguém de quem ela gostava, [e] ela o teria beijado. se ela estivesse acordada.

Mas mesmo que os dois não se conhecessem de antemão, não estivessem apaixonados um pelo outro, e não quisessem se beijar, Phillip ainda estaria certo pelo simples fato de ser o beijo dele do verdadeiro amor. isso era necessário para acordá-la.

Afinal de contas, se reviver uma vítima de afogamento por meio de respiração boca-a-boca não é considerado “agressão sexual”, então por que não reviver uma princesa adormecida através do beijo de amor verdadeiro?


# 2: Cinderela é uma donzela indefesa em perigo

Cinderela é uma donzela desamparada e aflita que sofre sob os caprichos abusivos de sua família até que um príncipe encantado vem para resgatá-la.

Até a Disney parece ter aceitado essa suposição. Não só refez seu filme em uma tentativa (fracassada) de torná-la mais “empoderada”, mas também lançou uma música  sobre o mesmo assunto.

Argumentar que alguém não está se esforçando o suficiente para sair da sua própria situação é algo que a maioria chama de “culpabilização da vítima”. É uma atitude muito predominante, especialmente para as vítimas de relacionamentos abusivos.

Muitas vezes nós, como sociedade, perguntamos por que as mulheres se recusam a deixar seus parceiros abusivos, ou por que as crianças se recusam a falar sobre seus pais abusivos, quando realmente deveríamos estar perguntando por que seus abusadores podem se safar com o abuso por tanto tempo.

Perguntar por que uma esposa espancada ou uma criança abusada se recusa a fazer algo sobre seu abuso é tão cruel quanto perguntar por que uma jovem copeira se recusa a fazer qualquer coisa sobre o abuso que ela recebe de sua madrasta malvada e irmãs adotivas.

Um ensaio em vídeo do ScreenPrism diz isso, explicando como tais atitudes não apenas prejudicam seu caráter, mas também vítimas reais de abuso doméstico:

“Cinderela não enfrenta seus agressores de uma maneira tradicionalmente masculina. Ela não luta fisicamente, faz planos audazes de fuga ou retém suas lágrimas. Então, anular a Cinderela é, de alguma forma, engolir os padrões masculinos de força e fraqueza. Dizer que seus traços de gentileza e perseverança não são bons o bastante desvaloriza a feminilidade e também presume, injustamente, que uma vítima de abuso deve reagir … Cinderela não tem poder nessa dinâmica, e ela não tem escolha a não ser obedecer.”

Cinderela não está presa em sua situação porque se recusa a fazer algo a respeito. Ela não está esperando que alguém venha resgatá-la. Pelo contrário, ela está fazendo o melhor que pode, em suas circunstâncias, para sobreviver à situação em que está presa e encontrar seu próprio caminho para escapar dela.

Quando ela, finalmente, vai ao baile, seu objetivo não é encontrar um príncipe para resgatá-la, “diz respeito à liberdade de escolha e agência sobre sua própria vida. Acima de tudo, é uma noite divertida de uma breve fuga, muito necessária, da opressão de sua vida diária ”.

No final, a história não ensina jovens a serem complacentes em seus abusos. Ela os ensina a permanecerem fortes diante da adversidade, usando a bondade e a esperança como defesa. Ou como o vídeo elucida ainda mais:

“Esta é uma história sobre uma mulher que é, ao mesmo tempo, feminina e forte, que não precisa confiar em um homem ou assumir características tradicionalmente masculinas para triunfar sobre o mal … Um olhar mais atento ao personagem revela que esta tem sido uma história sobre uma mulher forte o tempo todo.”


# 3: A Pequena Sereia Troca Suas Pernas Por Um Homem

Ao se apaixonar por um príncipe humano, a sereia, Ariel, troca suas pernas e voz com uma bruxa marinha para poder ficar com ele, apesar de só o conhecer há menos de 24 horas.

Ariel não apenas é considerada tão ruim quanto qualquer outra princesa da Disney que quer se casar com o primeiro homem que conhece, mas pior porque ela sacrifica tudo o que tem, incluindo sua própria agência, para estar com ele.

Por mais que Ariel seja frequentemente descrita como estando no mesmo molde de todas as outras princesas “passivas” da Disney, ela já foi considerada uma personagem “ativa” revolucionária que quebrou esse mesmo molde.

Ariel realmente toma a iniciativa de sair e cumprir seu objetivo, tornando-a indiscutivelmente uma das primeiras princesas pró-ativas da Disney.

O crítico de cinema Roger Ebert a elogiou como tal em sua resenha do filme: “Ariel é uma personagem feminina plenamente realizada que pensa e age independentemente, até mesmo rebelde, em vez de ficar passiva enquanto o destino decide sua sina. Porque ela é inteligente e pensa por si mesma, nós temos simpatia por suas maquinações.

Mas quão “empoderada” consegue ser Ariel quando seu objetivo final é se apaixonar por um príncipe? Muito, porque esse não é seu objetivo original.

Desde o início do filme, vemos que Ariel é fascinada pelo mundo humano, a ponto de arriscar sua vida apenas para descobrir artefatos humanos de um naufrágio infestado de tubarões, artefatos que ela acumula junto com muitos outros em sua gruta, e sobre os quais ela canta.

Mesmo depois de se encontrar e se apaixonar pelo Príncipe Erik, sua paixão por ele só alimenta sua própria paixão pelo mundo humano, tanto que, após seu confronto exasperado com o pai, ela decide negociar tudo o que tem apenas para ser, bem, parte do seu mundo.

Para mulheres como Gwynne Watkins, do Yahoo News , tal impulso é bastante estimulante: “Seu sacrifício, então, não precisa ser visto como jogando tudo fora por um homem: é uma medida extrema para conseguir o que ela sempre quis, um vida na terra.”

Pode-se questionar a sabedoria em negociar a voz e pernas, mas não há dúvida de que essa ambição é impulsionada, não apenas pela “luxúria”, mas pelo desejo de realizar o seu sonho.

Como tal, muitas mulheres jovens consideram Ariel um forte modelo feminino, mesmo quando apresentadas com argumentos em contrário, algo que foi confirmado por um artigo de 2004 por dois professores de estudos de mídia da Universidade de Nova York.

“Você poderia dizer: ela desistiu de sua voz para estar com o príncipe. Ou você poderia dizer, ela desistiu de sua voz como uma expressão de agência, de independência de sua vida subaquática ”, explicou a Dra. Erica Scharrer, uma das duas professoras por trás do estudo. “Eu acho que é uma leitura que está absolutamente disponível para os membros da audiência.”


# 4: A Bela E A Fera É Sobre A “Síndrome De Estocolmo”

Belle é uma donzela em apuros que é mantida em cativeiro dentro do castelo da Besta tempo suficiente para se apaixonar por seu sequestrador e ver através de seus defeitos mais evidentes, o mais evidente deles é mantê-la cativa, para começar.

Essa história é frequentemente considerada um exemplo clássico da Síndrome de Estocolmo, que é uma condição que faz com que os reféns desenvolvam uma aliança psicológica com seus captores como uma estratégia de sobrevivência durante o cativeiro. Esse distúrbio possui quatro estágios. Isso tudo faz muito sentido, até você perceber…

Em primeiro lugar, não há consenso entre os profissionais
da área de aplicação da lei e da saúde mental em considerar
a Síndrome de Estocolmo um distúrbio real, no mínimo, é uma “doença contestada”.

Como tal, chamar a Bela e a Fera de exemplo de Síndrome de Estocolmo é ridículo porque está se atribuindo uma doença ficcional a uma história fictícia.

Mas mesmo supondo que a Síndrome de Estocolmo seja uma coisa real, mesmo pelos seus próprios padrões, Belle não exibe os sintomas.

No conto de fadas original , Belle é forçada a viver com a Besta depois de ser negociada por seu pai em troca da vida dele- e tudo porque ele foi pego pegando uma rosa, imagine! Então ela poderia muito bem estar sofrendo da Síndrome de Estocolmo porque ela é realmente alguém sendo forçada a viver com seu sequestrador até que ela se apaixona por ele.

Esse não é o caso com Belle. No filme, ela escolhe ir procurar por seu pai. Ela escolhe tomar o lugar dele como prisioneira da Fera, apesar das objeções do pai. Ela escolhe ficar com a Besta, mas se recusa a aceitar seu convite para jantar com ele. Ela escolhe desafiar sua ordem para não ser alimentada e morrer de fome. Ela escolhe desafiar os limites estabelecidos por ele, visitando a proibida ala oeste. Ela decide deixar o castelo depois que a Besta a ameaça com violência. Ela escolhe retornar e cuidar das feridas dele depois que ele a resgata dos lobos. E ela escolhe ficar com ele enquanto ele for bom para ela.

Em outras palavras, esta não é a história de uma donzela indefesa forçada a permanecer com o seu sequestrador e se apaixonar por ele. Esta é a história de uma heroína que exerce sua autonomia e mantém o controle sobre sua situação pelo tempo que ela permite de acordo com seus próprios termos.

Por causa disso, ao invés de se apaixonar por seu “captor”, ela só começa a desenvolver sentimentos pela Fera depois que ele a salva e depois ele começa a melhorar seu próprio comportamento em relação a ela.

Como Veronica Poirier, do Federalista, explica: “Ela não se compadece dele quando ele grita insultos e age com violência contra ela. Só quando ele começa a tratá-la melhor … ela começa a mudar seus sentimentos em relação a ele.”

Para contrapor esse site libertário de direita, aqui está uma perspectiva de justiça social feminista progressista de esquerda real de uma revisora ​​de justiça social feminista progressista de esquerda, Lindsay Ellis :

“O objetivo dela nunca é, em nenhum momento, declarado ou não, transformar a Besta em outra pessoa. Se ele é um idiota, ela responde com bondade. Se ele é legal, ela responde do mesmo jeito. Ela o trata de forma justa, e ele decide se aperfeiçoar por vontade própria por respeito e carinho por ela.

… Mesmo ignorando o fato de que a maioria dos profissionais da lei e da saúde mental não acredita que a Síndrome de Estocolmo seja realmente uma coisa, esse filme não é um bom exemplo dessa coisa. Isso não significa que este termo (“problemático”) não se aplique necessariamente, apenas significa que este termo (“Síndrome de Estocolmo”) não é bom, então pare de usá-lo”.


Conclusão

Talvez o aspecto mais desconcertante sobre essas falácias feministas é que, embora elas não se apliquem aos próprios filmes da Disney, elas se aplicam aos contos de fadas nos quais elas se baseiam.

Como a maioria desses contos de fadas clássicos foi escrita em um tempo antes do conceito de “igualdade de gênero”, muitos deles contêm tropas antiquadas sobre gênero que desde então perderam relevância, de príncipes sendo autorizados a estuprar princesas adormecidas para mulheres sendo forçadas a arranjar casamentos com maridos bestiais.

No entanto, o erro que muitas feministas cometem é confundir os filmes da Disney com seus contos de fadas originais, e ao fazê-lo, negligenciam como esses filmes são adaptações modernas que consertaram muitos dos elementos mais “problemáticos”, atualizando assim as histórias para um público moderno.

Isso não é apenas um problema com críticas feministas aos filmes da Disney. A maioria das críticas feministas tende a ter uma abordagem muito superficial em relação à mídia, que muitas vezes olha sobre detalhes importantes e, assim, perde a floresta para as árvores.

Por exemplo, a analista feminista Anita Sarkessian uma vez alegou que videogame Hitman promovia a “objetificação sexual”, recompensando jogadores por matarem strippers durante uma missão de jogo, quando na realidade, como muitos críticos apontaram, o jogo realmente penaliza os jogadores que fazem isso.

Outro revisor feminista, Jonathan McIntosh , acusou a Teoria do Big Bang de promover a “misoginia admissível” devido ao comportamento frequentemente sexista de seus personagens, ignorando o fato de que os personagens geralmente são punidos por tais ações por meio de curiosidades humorísticas. Como a analista da internet, Lily Peet, colocou, essa análise parece “infernalmente preguiçosa”.

Essa é provavelmente a melhor maneira de descrever essas falácias feministas sobre a Disney: críticas infernalmente preguiçosas, que não aplicam o pensamento crítico à teoria crítica. Quando você baseia sua análise em pressuposições sobre mídia, você tende a ver apenas o que deseja ver.

Então, se você está assistindo a um filme da Disney tentando encontrar maneiras pelas quais o filme é “sexista”, é provável que você acabe encontrando o que está procurando, ou seja, presumindo que encontrou o que está procurando.

Mas se você realmente prestar atenção ao que está sendo apresentado, ao invés do que você acha que está sendo apresentado, é provável que você encontre algo completamente diferente.

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!