iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
As melhores acadêmicas feministas, que têm respeitáveis doutorados diversificados que vão desde arte medieval, inglês do século 6 a Estudos Femininos, reuniram-se, no centro de discussões da Universidade de Toronto, para discutir se a flatulência humana poderia ser sexista.
Ashleigh Ingle, uma feminista orgulhosa e anarquista, argumentou que, devido às normas de gênero patriarcais, as mulheres não podiam liberar gases em público por causa das expectativas irreais dos homens de as mulheres serem limpas e femininas. Além disso, ela deixou claro que, se uma mulher expelisse gases na presença de um homem e o homem respondesse com mais força que a mulher, isso seria um estupro.
“Ao ter uma flatulência mais alta, o homem está usando de uma violência agressiva passiva para se posicionar como dominante, isso intimida a mulher a inconscientemente não liberar tanta flatulência e, assim, a mulher, temendo por sua segurança, não expele gases tão barulentos como um sinal de submissão, isto, por sua vez, contribui para a cultura de estupro e para a opressão das mulheres.” A discussão se limitou, novamente, aos corpos das mulheres, sendo controlados pela sociedade e as mulheres recebendo ordens. A ativista local Steph Guthrie, defensora feminista e organizadora comunitária especializada em mídias sociais e eventos interativos, propôs uma campanha on-line para enfrentar essa misoginia que “mantém as mulheres inferiorizadas e presas em seus próprios corpos. Eu simplesmente acho horrível que o patriarcado venha controlando as flatulências das mulheres durante todo este tempo e só tenhamos percebido isso agora, é hora de as feministas em todo o mundo reeducarem as mulheres sobre como estão sendo discriminadas.” A hashtag do Twitter de Guthrie #FartRape começou a subir, já que as mulheres estão assumindo o controle de seus próprios corpos ao nomear e envergonhar os homens culpados de estupro. Guthrie espera que os homens culpados sejam identificados e, então, seus locais de trabalho sejam mobilizados e seus empregadores sejam notificados sobre o tipo de pessoa que estão abrigando no trabalho.

 

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.