Por Calvin Freiburger. Leia o artigo completo no Life Site News.

A Califórnia promulgou a Lei de Juventude Saudável da Califórnia em 2015, mas só agora suas disposições controversas começam a entrar em vigor nas salas de aula. Sob os auspícios da saúde, a lei diz que irá equipar os alunos para desenvolver “atitudes saudáveis” sobre “gênero [e] orientação sexual”, entre outras coisas. Também diz que informará os alunos sobre a “eficácia e segurança de todos os métodos contraceptivos aprovados pela FDA” e facilitará “discussões objetivas” sobre “pais, adoção e aborto”.

Kira Davis diz,que faz parte do material um guia de estudo para o livro infantil transexual I Am Jazz, bem como um ” kit de ferramentas de saúde sexual”.

Menino e homem drag queens.

Esse “kit de ferramentas”, financiado em parte por um centro ligado a George Soros , oferece dicas para crianças sobre o uso de brinquedos sexuais e lubrificantes anais. Ele define “sexo anal”, “sexo por telefone” e outros como “comportamentos sexuais comuns”. Ele ensina que “abstinência” e “virgindade” podem significar engajar-se em uma variedade de atividades sexuais, mas parar antes do intercurso sexual.

“E se você não tiver tempo ou dinheiro para comprar brinquedos sexuais?”, o guia pergunta. “Pepinos, cenouras e bananas (com a casca) são ótimas alternativas. Apenas lembre-se de usar camisinha!”

O manual ensina ainda que um dos “contras” de se abster de toda atividade sexual é que “requer motivação, autocontrole e comunicação de ambos os parceiros”.

O “kit de ferramentas” lista como recursos a Planned Parenthood e o grupo radicalmente pró-homossexual e pró-aborto, Advocates for Youth.

A lei também determina que as lições e os materiais “reconheçam afirmativamente” orientações sexuais variadas e “incluam relações entre pessoas do mesmo sexo”. A instrução deve ter uma visão positiva da confusão de gênero e explorar “os danos dos estereótipos negativos de gênero”.

A Lei protege, expressamente, os direitos dos pais de “dispensar seus filhos da participação” em cursos de educação sexual sem penalidade de qualquer tipo, porque “pais e responsáveis ​​têm a responsabilidade final de transmitir valores relativos à sexualidade humana para seus filhos.”

Um distrito escolar interpreta diferentemente a lei. Em um memorando, o conselheiro Ronald Wenkart diz que a provisão da lei “não se aplica a instrução, materiais ou programação que discuta gênero, identidade de gênero, expressão de gênero, orientação sexual, discriminação, assédio, bullying, intimidação, relacionamentos ou família e não discute os órgãos reprodutivos humanos”.

Os pais que não concordam com as posições LGBT do estado “não podem dispensar seus filhos desta instrução”, continua Wenkart. Ele então sugere que o direito que os pais ainda têm de “aconselhar seus filhos de que eles não concordam” com essas lições compensam a restrição.

Ele também cita precedentes judiciais para afirmar que “os pais não têm o direito constitucional de dispensar seus filhos de partes do currículo escolar que considerem questionável”.

Heidi St. John, autora e palestrante que comenta fé, maternidade e educação escolar em casa discordou com veemência:

“O Departamento de Educação de Orange County acha que é direito deles DAR A VOCÊ PERMISSÃO PARA DISCORDAR DELES. Estes são nossos filhos! Eles não pertencem às escolas.

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!