iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Frank Camp. Leia o artigo completo no Daily Wire.

 

A realidade biológica está sendo deliberadamente desconstruída na sociedade ocidental por um pequeno mas incrivelmente vocal e influente contingente de pessoas. Apesar dessa desconstrução social, os homens que se identificam como mulheres ainda são biologicamente masculinos; indivíduos transexuais e não-binários que menstruam ainda são biologicamente femininos; e independentemente do pensamento ou da percepção, nada mudará as características biológicas imutáveis ​​daqueles nascidos com cromossomos XX ou XY.

Menstruações não são só para mulheres.

Embora a corrente principal dessas idéias flagrantemente anti-científicas possa parecer bastante extrema, devemos aceitar a possibilidade de que este seja apenas o começo de uma campanha de longo prazo para desmantelar a realidade como a conhecemos, cujas conseqüências podem ser terríveis.

À medida que nos afastamos daquilo que sabemos ser verdade, será cada vez mais difícil para nós definirmos comumente o que e quem somos. Na ausência de definições sociais ancoradas nos fatos, nos afastaremos do consenso e chegaremos a direções múltiplas, diferentes e infinitas.

Sozinhos e sem âncora, ficamos mais propensos a nos prejudicar física, mental e socialmente em busca de consolo e estabilidade, que não encontramos porque não existem nos lugares em que os buscamos. Podemos sentir um alívio temporário, mas quase sempre é de curta duração.

A desconstrução da biologia está criando um caos social e cultural, porque está nos afastando ainda mais da realidade compartilhada do que constitui o homem e a mulher.

Distanciando-se de uma realidade central compartilhada, baseada em fatos e razão, perdemos a visão uns dos outros como se um navio perdesse a vista da terra de onde partiu. À medida que o tempo passa, e nos comunicamos com menos frequência com indivíduos que não compartilham nossa perspectiva, e apenas com indivíduos que reforçam nosso próprio sistema de crenças, começamos a dissociar a ideologia da intenção. Como resultado dessa dissociação, as pessoas que defendem os pontos de vista com os quais discordamos e com as quais interagimos anteriormente de forma regular e civil tornam-se cada vez menos humanas e se transformam em caricaturas escassamente desenhadas sobre as quais podemos projetar nosso medo e raiva.

Essa dissipação e desumanização leva à formação de subculturas auto-segregadas, cujos membros não têm desejo nem mesmo capacidade de lidar com pessoas de fora. Sem acesso a alguém que possa articular adequadamente uma perspectiva oposta, essas subculturas começam a desenvolver uma animosidade compartilhada em relação a qualquer pessoa de quem elas discordam. Infelizmente, a troca de idéias e o abrandamento da agressão, que vem do acesso a outras perspectivas, só é possível se uma cultura tiver uma compreensão compartilhada da realidade básica.

O colapso de uma realidade compartilhada em relação ao fato biológico relacionado ao sexo pode ser apenas o começo de uma fratura sociopolítica maior e irreparável no mundo ocidental.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Educação

A INQUISIÇÃO SECULAR

Por Melanie Phillips. Leia o artigo original em Melaniephilips. Alguns dias atrás, o filósofo John Gray escreveu no site Unherd uma análise sombria, mas precisamente direcionada , de por que as ciências

Leia Mais »