(41) 99821-2381 Whatsapp [email protected]
Depois do maior assassinato em massa da história dos EUA, no dia 1 de outubro, em Las Vegas, matando 59 pessoas e deixando mais de 500 feridas, jornalistas analisam os possíveis sinais que foram desconsiderados.
Artigo condensado.
Depois do tiroteio de Virginia Tech, Lucinda Roy, co-diretora do programa de escrita criativa da universidade, descreveu sua reunião com a polícia,em que ela tentara descrever suas preocupações sobre o atirador:
 “As ameaças pareciam estar sob a superfície. Elas não eram explícitas. ” “E essa foi a dificuldade da polícia. Eu ia até a polícia e aos conselheiros, ao setor de assuntos estudantis e em todos os lugares, e eles diziam: “Não há nada explícito aqui. Ele não está dizendo que ele vai matar alguém.’ E meu argumento era que ele parecia tão perturbada de qualquer maneira que precisávamos fazer algo a respeito.’
 Em Aurora, no Colorado: “Quando o psiquiatra do atirador de Aurora advertiu a polícia da Universidade do Colorado quão perigoso ele era, eles desativado o seu RG da faculdade para impedi-lo de passar por qualquer portas trancada.”
Em Tucson, Arizona:
O xerife de Pima County, Clarence Dupnik, disse à ABC News que a polícia do campus teve que se envolver na faculdade onde [o atirador] estudava, depois de uma série de queixas.”
Tudo o que posso dizer é que os professores e colegas estavam preocupados com seu comportamento bizarro em sala de aula, a ponto de alguns deles terem medo dele fisicamente.”  “Ele estava agindo de forma muito estranha a ponto de terem vários incidentes com ele a ponto de os agentes da lei no Pima College se envolverem  e decidirem expulsá-lo. E assim o fizeram.
Em Isla Vista, Califórnia:
No mês anterior, sua mãe estava tão preocupada com o seu bem-estar depois de ver alguns de seu vídeos no YouTube, que ela entrou em contato com os profissionais de saúde mental, que despacharam os funcionários do xerife para ver como ele estava.
O atirador de Sandy Hook fizera desenhos incrivelmente sangrentos e perturbadores. Caso após caso, vemos sinais bastante claros de que o atirador está profundamente perturbado e em muitos casos está ficando obcecado com a violência.
 Um número impressionante de atiradores em escolas, desde Columbine indicou um interesse obsessivo por esse tiroteio. Uma pesquisa fascinante e perturbadora der Mother Jones descobriu que o tiroteio inspirara “pelo menos 74 ataques ou tramas em 30 estados” e “em pelo menos 14 casos, os imitadores de Columbine tiveram como objetivo atacar no aniversário do massacre original. Indivíduos, em 13 casos, indicaram que seu objetivo era superar a contagem de corpos. Em pelo menos 10 casos, os suspeitos e atacantes fizeram referencia ao evento.”
Todos nós ouvimos o slogan: “Se você vê algo, diga algo.” Muitas pessoas dizem algo; vários dos infames atiradores em massa nos últimos anos já haviam sido reportados à polícia por um comportamento estranho, ameaçador ou perturbador. Infelizmente, a polícia não viu motivos suficientes para acusar ou colocar a pessoa em uma instituição mental.
 O que vai parar o próximo tiroteio de massa? A família, os entes queridos, os colegas e os psicólogos do próximo atirador levar a sério o seu comportamento seriamente perturbador ou ameaçador, informando a polícia e a polícia levando isso a sério. Havia sinais de alerta ou comportamento estranho no caso do atirador de Las Vegas? Talvez.
De acordo com partes de seu testemunho vazado para a imprensa, Marilou Danley, a namorada do atirador de Las Vegas, Stephen Paddock, forneceu alguns detalhes perturbadores sobre o homem responsável por cometer o mais mortífero tiroteio maciço na história do país.
 
Dois ex-funcionários do FBI “informados sobre o assunto” teriam dito que Danley dissera a eles que Paddock às vezes ficava deitado na cama “gemendo e gritando: ‘Oh, meu Deus'”.
De acordo com a NBC, os investigadores acreditam que Paddock “pode ​​ter estado angustiado física ou mentalmente.” No entanto, dois funcionários do FBI disseram que não acreditam que seus problemas de saúde mental “tenham se deteriorado a ponto de levá-lo cometer tal ato”.
Outro jornal informou  que fora receitado a Paddock medicamento ansiolítico diazepam em junho; o mesmo médico prescrevera a droga para Paddock no ano anterior. O diazepam pode ter efeitos colaterais potencialmente perigosos, incluindo comportamento agressivo, diminuição da inibição, comportamentos de risco invulgares e pensamentos suicidas.
Outros relatórios indicaram que o Paddock às vezes exibira um comportamento “estranho” em público, incluindo uma extrema aversão a pó e a alérgenos.
“Eu conheci Stephen Paddock como um homem gentil, atencioso e silencioso”, disse Danley. “Eu o amava e esperava um futuro tranquilo junto com ele”.
Afirmações semelhantes foram feitas por suas irmãs.

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!