andreajlee.com


Por Andrea J. Lee, no Jewish World Review.

 

Eu tinha 18 anos e estava de férias com minha família. Bem, isso deveria ser um período de férias, mas meu pai estava realmente lá a trabalho. Saí do banheiro e vi meu pai e meu irmão mais novo, Edward.

– Ei, essa é a minha mala – disse meu irmão.

– O que você quer dizer com a sua mala? – papai perguntou.

Até então, papai estava falando de maneira equilibrada. Ele tirou as coisas de Eddy da mala e substituiu-as por documentos de negócios.

– Essas são as minhas coisas. Não coloque suas coisas de negócios na minha mala! – A rebeldia de Eddy fez a atenção de papai se aguçar nele.

Legalmente cego, Eddy se sentou em sua cama, óculos no rosto com uma grossa alça preta, impressões digitais por toda a lente. Meu pai, o viciado em trabalho, viciado em fúria, chefe de família abusivo, olhava incrédulo. O olhar em seu rosto dizia tudo: Como este filho defeituoso e inútil se atreve a ir contra meus desejos?

A voz de papai era fria e quente ao mesmo tempo. “‘Sua mala? Suas coisas?’ Esse ‘negócio’ é o que alimenta você e coloca você na escola. Você vai carregar!”

Por fim, Eddy percebeu o perigo que corria. Quando o último lote de papéis caiu de suas mãos. Meu pai se inclinou, levantou alto as costas do braço e foi aí que descongelei

Meu cérebro me deu as orientações em um código Morse primitivo:

Não acertar no Eddy. Eddy não deveria ser atingido. Não acertar no Eddy. Bata em qualquer outra pessoa, não em Eddy. PAI – você não vai bater Eddy.

E eu bati no meu pai em vez disso. Bem, eu o empurrei, com força, no peito.

E então, com um olhar confuso no rosto, ele se virou e saiu. Foi assim que aconteceu. Como tive o meu primeiro gosto de poder na forma de agressão.

Eu não percebi, naquele dia, que aquele único empurrão em meu pai me levaria ao limite. Pela primeira vez em 18 anos, me senti invencível – e gostei. Peguei aquele empurrão e corri com ele. Eu me tornei uma especialista em como empurrar com palavras no meu casamento. Eu empurrava, com força e com frequência, dizendo ao meu marido que ele era um fracasso e quão terrível ele era em cuidar de mim, não importando o quanto eu estivesse me comportando mal. Se ele não quisesse estar em nosso casamento, eu gritava, ele deveria dar o fora.

Oito anos depois daquele empurrão crucial, a polícia chegou à porta do nosso apartamento, pronta para acusar meu marido de me espancar. Não era ele, a propósito. Fui eu quem causou o distúrbio: batendo as portas, jogando coisas, batendo com os punhos contra a parede, completamente perdida em minha raiva.

O pior não era nem mesmo as muitas brigas horríveis que eu provocava ou os anos de abuso emocional que despejei sobre meu marido. O pior não era nem o seu desespero, a profundidade de seu isolamento, ou o medo com que ele vivia – embora fossem realmente ruins.

O pior para mim foi a percepção de que eu havia me tornado meu pai. Eu havia me tornado a coisa que eu odiava e temia.

Eu fazia essas coisas porque achava que elas eram normais. Meu comportamento não era incomum para mim; era o que eu conhecia. Essa é a verdade para muitos abusadores. Muitas vezes, pessoas decentes se comportam mal sem perceber. Até que um dia, quando a verdade se tornar clara.

Quando aprendi que meu comportamento não era apenas prejudicial, mas errado – e certamente não era normal –  ele já estava profundamente arraigado. Aquela gritaria e o furor eram como eu me mantinha segura. Parar fazia eu me sentir muito insegura. Então, apesar de eu querer mudar, aprender a fazer isso levou tempo.

Às vezes me perguntam: “Como foi ser uma mulher que era abusiva?” Embora seja verdade que é o que eu era, não penso assim. A violência não é uma questão de gênero, é uma questão humana. Está tudo ao nosso redor e vai além do estereótipo. Quando se trata de abuso emocional, homens e mulheres o sentem m em taxas semelhantes. As estatísticas mostram que 48,4 por cento das mulheres e 48,8 por cento dos homens sofreram agressão psicológica de alguém com quem estiveram em um relacionamento. Eu me senti isolada e desamparada, mas me senti assim por causa do meu comportamento, não porque não me encaixo na imagem que muitos evocam quando pensam em abuso.

Eu tive sorte. Apesar do meu comportamento, fui amada. Meu marido, com seus olhos cor de avelã e teimosia irlandesa, viu recuperável em mim o suficiente para aturar como eu estava me comportando.

De forma dolorosamente lenta, mudei. Nós consultamos muitos terapeutas, separadamente e juntos. Não há um programa de 12 passos para reabilitar hábitos abusivos, mas as ferramentas disponíveis para os filhos adultos de alcoólatras – sobre dizer a verdade e assumir responsabilidade – foram fundamentais. Eu mantive um “diário de raiva”, onde tomava nota dos dias ruins. Durante anos, trabalhei para acrescentar apenas mais um dia bom, para aumentar o número de dias bons entre os dias ruins. Alguns dias, parecia que eu era um drogado tentando adiar uma nova dose. Eu descobri que eu tinha pouca ou nenhuma relação com meu corpo, então eu tentei de tudo – yoga, meditação, Feldenkrais, massagem, exercícios- com o objetivo de sentir algo no nível físico.

Ao mesmo tempo, ouvi algo de um treinador, uma frase específica que sugeria como era importante “sentir as coisas plenamente” em vez de pensar demais ou proteger-me dos sentimentos. Criando este novo hábito de fazer uma pausa e sentir significou que eu comecei a realmente perceber por quanta dor eu estava fazendo meu marido. E, claro, ele estava aprendendo a se defender. Era tudo muito confuso e tortuoso, mas eu sabia que as coisas estavam finalmente chegando a algum lugar quando comecei a sentir tristeza e vergonha, em vez de raiva.

A boa notícia é que hoje sabemos muito sobre o que causa o comportamento abusivo, o que leva à grande e pouca violência na vida cotidiana e, acima de tudo, como mudar de maneira profunda e permanente. Essas são coisas das quais a geração de meus pais – e meu pai especificamente – não sabia.

Ao tentar parar o abuso emocional, a resposta foca, com frequência, na vítima e, principalmente, após o fato. É claro que nossos entes queridos que sofrem abuso ​​precisam da nossa ajuda. Mas tirar as raízes do problema e parar o abuso? Para isso precisamos de mais. Precisamos ver que esperar para ajudar depois que o abuso já aconteceu é tarde demais. E os abusadores são às vezes vítimas também.

Olhando para trás para todos os anos em que usei a pele de um agressor, percebi que estava limitada em entender como viver bem com os outros. Para mudar isso, precisamos reconhecer que existe a possibilidade de um bem dentro até dos piores de nós. E que a possibilidade de vidas ruins, mesmo nos melhores de nós.

Nos dias de hoje, Eddy ainda usa seus óculos grossos, mas ele é mais capaz de falar por si mesmo. Meu pai, agora com mais de 80 anos, pediu desculpas pelo passado; e eu aprecio os doces textos que ele envia, dizendo-me para não trabalhar tanto. Meu marido ainda é a pessoa mais corajosa e determinada que conheço. Quanto a mim, estou convencida de que o dom de poder ser furiosa e produtiva, simultaneamente, que aprendi através da minha recuperação, me foi dado por uma razão. Talvez seja para que os abusadores que sofrem com a vontade de mudar possam ouvir: Suas esperanças não são em vão.

Você pode parar.

 

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!