iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Viktor Frankl na Disneylandia, sobrevivente de campos de concentração e criador da ciência que estuda o sentido da vida.

 

Microagressões”, “Advertências de Gatilho” e o Novo Significado de “Trauma”, por Chris Hernandez em seu blog chrishernandezauthor.com.

Quando entrei para os fuzileiros navais, conheci um homem que sobrevivera a um acidente de helicóptero durante um exercício de treinamento. A primeira vez que o vi, a cabeça e o rosto dele estavam cobertos de cicatrizes de queimaduras. Um balão cheio de soro fisiológico, que parecia uma crista de dinossauro, fora implantado em seu couro cabeludo para esticar a pele para que o cabelo crescesse. Algo que parecia exatamente como a coronha quadriculada de um M16A2 estava impresso em um lado da cabeça. Ele me cumprimentou quando chequei minha unidade e ignorou totalmente a expressão chocada que eu devia ter quando ele se aproximou. Ele apertou minha mão, fez algumas perguntas, depois foi embora com um amistoso “Até mais, PFC.” Seu comportamento me deixou com um pensamento absurdo:, Talvez ele não saiba o quão estranho ele parece.

Ele havia sido designado para minha unidade de reserva enquanto passava por tratamento em um centro de queimadas militar próximo. Eu acabei tornando-me amigo dele mais tarde, e acabei tendo coragem de perguntar sobre o acidente. Claro, rapidamente, acrescentei à minha pergunta:

–  Mas se você não quer falar sobre isso, deixa pra lá. Desculpa.

Ele afastou minhas preocupações:

– Não, não tem problema. O dia em que não conseguir falar sobre isso é o dia em que isso começou a me assombrar.

Ele me contou sobre ter carregado com seu pelotão no helicóptero naquele dia. Ele descreveu como tinha visto o chão vindo através da janela e perceber que eles estavam prestes a cair. Ele falou sobre pegar o fecho do cinto de segurança, ficar inconsciente no impacto com a ponta do rifle batendo na têmpora e acordar no chão com a cabeça em chamas. Ele me contou como se arrastou para a saída, em chamas, gritando, com marines queimando, presos em seus assentos. Ele narrou sua lembrança de gritar que voltaria para ajudá-los. Ele me contou como conseguiu se arrastar até a beira da rampa do helicóptero e cair num arrozal. Ele me contou sobre outros fuzileiros navais que viram o acidente e correram para salvá-lo e a alguns outros. Ele falou sobre todos os amigos que ele perdera naquele dia, mais de uma dúzia.

O que me impressionou foi a facilidade com que ele conseguira contar a história. Eu nunca tinha ouvido falar de alguém tomando a decisão de não deixar que o trauma afetasse sua vida. Eu tive um tio excelente, ainda vivo naquela época, que havia sido fuzileiro naval na Guerra da Coréia. Ele voltou traumatizado, demorou anos para voltar ao normal, e até o dia da sua morte nunca contou a ninguém da família o que ele passara. Mesmo depois de me tornar um fuzileiro naval, ele me deu apenas os detalhes mais básicos de seu serviço. Tanto quanto sei, ele também nunca contou ao seu filho da Marinha. Ao contrário do meu amigo, meu tio não conseguia falar sobre o seu trauma .

Eu já passei por trauma. Eu não sei em quantas cenas de assassinato eu trabalhei como policial. Lembro-me do choque que senti quando me aproximei de um carro após um acidente aparentemente insignificante e vi uma cabeça de dois anos de idade no chão. Fiquei impotente do lado de fora de uma casa em chamas dentro da qual uma mulher de noventa e dois anos morreu, enquanto seu filho gritava histericamente ao meu lado. Durante anos, depois do meu tempo de serviço como soldado no Iraque, eu tinha uma reação de sobressalto se visse, inesperadamente, um flash, como de uma câmera, na minha visão periférica (isso me lembrava dos flashes das bombas de beira de estrada). Soldados perto de mim foram baleados, queimados ou mortos pelas condições no Afeganistão.

Minha infância também não foi cor-de-rosa; certa manhã, quando eu tinha oito anos, ouvi batidas na porta da nossa cozinha, e fiquei apavorado ao ver um membro da família tropeçar em casa, coberto de sangue após ter sido atacado por um vizinho. Ainda hoje, depois de trinta e cinco anos, às vezes ainda fico tenso quando ouço uma batida na porta. Quando eu tinha dez anos, meu melhor amigo, de onze anos, cometeu suicídio por causa de uma pequena discussão entre irmãos. Ele escreveu um bilhete, deixou um testamento, tirou a pistola de seu pai de uma gaveta e atirou em si mesmo. Fui gravemente afetado por sua morte e, dez anos depois, recebi uma cópia de seu bilhete de suicídio do necrotério da cidade. Depois que li, finalmente senti que poderia me curar daquele evento horrível.

Estou acostumado com trauma, e eu lidei com isso escrevendo e falando sobre isso. Suponho que sempre defini “trauma” da maneira tradicional: uma experiência terrível, geralmente envolvendo perda significativa ou perigo mortal, que deixava uma cicatriz duradoura. No entanto, descobri recentemente que minha definição de trauma está errada. Trauma, agora, parece ser praticamente qualquer coisa que incomoda alguém, de alguma forma, alguma vez. E o pior, “trauma” parece vir não de lutas horríveis contra a morte como descrevi acima; em vez disso, eles são o resultado de racismo e discriminação.

No ano passado, ouvi referências a “Microagressões” e “Avisos de Gatilho”. Advertências de gatilho dizem às vítimas de trauma que determinado material pode “conter temas perturbadores que podem desencadear lembranças traumáticas para os sofredores”; é uma maneira de eles continuarem evitando o que os incomoda, em vez de o enfrentar (e as lembranças que são acionadas, muitas vezes, parecem tratar de discriminação, em vez de perigo mortal). As microagressões são declarações menores e aparentemente inócuas que, na verdade, são um trauma que reforça o estereótipo, mesmo que a pessoa que tenha feito a afirmação não tenha querido dizer nada negativo.

Aqui estão dois exemplos de “trauma” do “Projeto Microagressão” ( http://www.microaggressions.com/ ):

Meu pai brinca com minha irmã mais nova de que ele se lembra de vender biscoitos de escoteira quando ele era uma escoteira. Ela ri, entendendo o fato de que uma vez  que ele é um menino, isso significa que ele não poderia ter sido uma escoteira. Obrigado papai. Eu sou um menino e uma escoteira formal.

A suposição de que escoteiras serão meninas. Isso causa trauma. (N.T.: em inglês escoteiro é boy scout e bandeirante, girl scout).

24 anos, de corpo feminino, em um relacionamento – então o Facebook me mostra anúncios com bebês, vestidos de noiva e anéis de noivado. Mude de gênero no Facebook para masculino – de repente recebo anúncios relacionados a coisas que realmente me interessam.

O Facebook pensar que uma mulher pode estar interessada em casamento e filhos. Isso causa trauma.

Um exemplo horrível de microagressão: perguntar a alguém se já esteve na Europa. Crédito da foto http://purpmagazine.com/lets-discuss-nu-microaggressions/swag
Você já foi para a Europa? (Hmm, não, sou pobre) Crédito da foto http://purpmagazine.com/lets-discuss-nu-microaggressions/swag

 

Como se poderia esperar, “Microagressões” e “Avisos de Gatilho” são mais populares em nossas universidades. No final de 2013, um grupo de estudantes da UCLA encenou um protesto contra um professor – sem brincadeira – corrigir seus trabalhos. Esses “Alunos de Cor Graduandos” começaram uma petição on-line afirmando que “Os estudantes relatam consistentemente ambientes de sala de aula hostis, nos quais os efeitos da supremacia branca, patriarcalismo, heteronormatividade e outras formas de opressão institucionalizada se manifestam no departamento e ridicularizam nossa capacidade intelectual, rigor metodológico e legitimidade ideológica. Evidências empíricas indicam que essas microagressões estruturais e interpessoais causam estragos na saúde psicofisiológica e nas taxas de retenção de Pessoas de Cor. As experiências traumáticas de estudantes e ex-alunos de GSE & IS confirmam essa realidade ”(http://www.thepetitionsite.com/931/772/264/ucla-call2action/ ).

Um professor universitário esperando que os alunos de pós-graduação escrevam textos gramaticalmente corretos. Isso causa trauma.

Além de corrigir a gramática, o professor insultou os “Alunos de Cor Pós-Graduandos”, mudando “Indígenas” para o adequado “indígenas” em seus trabalhos, reforçando assim a opressão colonial branca dos povos indígenas. Ah, e ele balançou o braço de um aluno negro durante uma discussão. “Fazer contato físico com um aluno é inadequado, [o estudante de cor de pós-graduação ofendido] acrescentou, e há implicações adicionais quando um homem branco mais velho o faz com um homem negro mais jovem” ( https://www.insidehighered.com/news / 2013/11/25 / ucla-grad-students-stage-sit-durante-protesto de classe-o-que-ver-racialmente-hostil ).

Um professor branco tocando suavemente o braço de um aluno negro. Isso causa trauma.

Mais microagressão que produz traumas: perguntar a alguém sobre sua etnia. "Tipicamente, microagressões são associadas a formas sutis de racismo, mas elas vão além da raça. Por exemplo, 'você joga como uma menina', é uma microagressão verbal e a ação de um indivíduo branco segurando sua bolsa porque um latino está se aproximando, é uma microagressão comportamental ". De http://lagente.org/2014/01/gentistas-share-experiences-with-microaggressions/
Então, tipo, o que é você?

Mais microagressão que produz traumas: perguntar a alguém sobre sua etnia. “Normalmente, as microagressões estão associadas a formas sutis de racismo, mas vão além da raça. Por exemplo, “você joga como uma menina”, é uma microagressão verbal, e a ação de um indivíduo branco agarrando sua bolsa porque um latino está se aproximando, é uma microagressão comportamental. “De http://lagente.org/2014 / 01 / gentistas-share-experiences-with-microaggressions /

Revisei esses artigos de “trauma” e cheguei a uma conclusão a respeito. Eu vou fazer uma breve declaração resumindo minha conclusão. Embora eu queira dizer isso da maneira mais gentil possível, não quero que as vítimas das Microagressões ou os defensores de Avisos de Gatilhos duvidem da minha sinceridade.

Foda-se seu trauma.

Sim, foda-se seu trauma. Minha solidariedade por seu sofrimento, seja esse sofrimento real ou imaginário, terminou quando você exigiu que eu mudasse minha vida para evitar que trouxesse suas lembranças ruins. Você não parece ter percebido isso, mas não existe uma expectativa de “eu não devo ser lembrado nunca de uma experiência negativa” em nenhuma cultura em nenhum lugar da Terra.

Se a sua psique é tão frágil que você desmorona quando alguém, inadvertidamente, lembra você de “trauma”, especialmente se esse trauma consistiu em você exagerar para uma ofensa racial auto-interpretada, você precisa de terapia. O seu lugar é no divã de um psiquiatra, não na faculdade, ditando o que o resto da sociedade não pode fazer, dizer ou pensar. Arrume a sua própria cabeça antes de tentar gerenciar a vida de outras pessoas. Se você espera que todos ao seu redor cuidem de sua neurose, para sempre, você é o que eu chamaria de um “fracasso na vida”, fadado ao desapontamento perpétuo.

Reason.com
Aviso de gatilho: Não conseguimos encontrar um palestrante que pudéssemos confiar que não diria algo que vocês pudessem achar ofensivo. Tapem os ouvidos. Acabará logo. “A vida é dura.”

Reason.com

Ah, devo acrescentar: foda-se meu trauma também. Eu devo ser antiquado, mas sempre achei que aceitar a dor fosse parte do crescimento. Eu nunca esperei que alguém não batesse na minha porta porque isso me lembra daquela manhã aterrorizante décadas atrás. Eu nunca explodi com ninguém por me assustar com um flash de câmera (eu nunca mencionei isso a ninguém que me assustou assim). Eu nunca esperei que alguém não falasse sobre o Iraque ou o Afeganistão ao meu redor, apesar de algumas lembranças ainda doerem. Eu não preciso de avisos de gatilho porque um livro pode me lembrar de uma vítima de assassinato que eu já tenha visto.

E antes que alguém diga isso, ser hispânico não me torna mais simpático a pessoas que sentem “traumas” inexistentes e discriminatórios. Discriminação não me destruiu (ou a meus pais ou avós). Eu fui discriminado pelos brancos por ser hispânico. Eu fui ameaçado por negros por ser branco. Eu fui insultado por hispânicos por não ser latino-americano o suficiente. Grande negócio. Nada disso me impediu de fazer qualquer coisa que eu quisesse fazer. Não foi “trauma”. Foi a vida.

Gerações de americanos passaram por traumas reais. Nossa maior geração sobreviveu à Depressão, depois lutou a pior guerra da história da humanidade, e depois construiu os Estados Unidos, transformando-o na nação mais bem sucedida que já existiu. Eles não conseguiam nada disso sendo cascas de ovos de cristal que se estilhaçariam com a menor provocação; eles não exigiram mudanças na sociedade para proteger seus sentimentos ternos. Eles simplesmente lidaram com as dificuldades do passado e seguiram em frente. Até meu tio-avô, o fuzileiro naval da Coréia, nunca esperou que ficássemos na ponta dos pés ao redor dele. Ele não falou sobre sua experiência, mas não nos ordenou que não falássemos.

Então, novamente, f*da-se seu trauma. Se o seu passado incomoda muito você, peça ajuda. Eu sinceramente espero que você consiga lidar com isso. Espero que você consiga seguir em frente. Não vou dizer nada para desenterrar memórias ruins e não pense que alguém deva, intencionalmente, tentar prejudicar seus sentimentos.

Mas ninguém, ninguém, deve se censurar para protegê-lo de suas sensibilidades patológicas e patologicamente estúpidas.

4452_1084593231917_5914735_n (2)
Chris Hernandez é policial há 20 anos, ex-fuzileiro naval e atualmente servindo como soldado da Guarda Nacional, com mais de 25 anos de serviço militar. Ele é um veterano de combate no Iraque e no Afeganistão; também serviu 18 meses como oficial da polícia das Nações Unidas em Kosovo. Ele escreve para BreachBangClear.com e Iron Mike e publicou dois romances de ficção militar, Proof of Our Resolve e Line in the Valley, através da Tactical16 Publishing. Ele pode ser encontrado em [email protected] ou em sua página no Facebook ( https://www.facebook.com/ProofofOurResolve ).

 

 

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Educação

A INQUISIÇÃO SECULAR

Por Melanie Phillips. Leia o artigo original em Melaniephilips. Alguns dias atrás, o filósofo John Gray escreveu no site Unherd uma análise sombria, mas precisamente direcionada , de por que as ciências

Leia Mais »