iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Michael I. Knowles, no Daily Wire.

Ninguém deprecia o presidente Trump melhor do que o presidente Trump – basta perguntar a ele. E, no entanto, apesar de toda a fanfarronice e jactância, o homem que não conseguia ver um prédio sem querer colocar seu nome nele,expôs, recentemente, um traço surpreendente e humilde. No início de outubro, durante o circo da confirmação de Kavanaugh, Trump respondeu à pergunta de um repórter sobre o álcool, explicando : “Posso dizer honestamente que nunca tomei uma cerveja na vida. É uma das minhas únicas boas características. ”Enquanto os repórteres riam, ele perguntou:“ Você imaginar se eu tomasse, que desgraça eu seria? Eu seria o pior do mundo. ”O intercâmbio revelou uma autoavaliação franca do maior auto-promotor de sua era.

Em uma reunião no Salão Oval, após a libertação do pastor americano Andbombardrew Brunson, de uma prisão turca, Brunson disse a Trump:

– Gostaríamos de orar por você. Nós oramos por você muitas vezes como uma família. Minha esposa e eu oramos por você.

Trump respondeu:

– Bom, provavelmente eu preciso disso mais do que qualquer um nesta sala. Então eu iria … isso seria muito bom. Obrigado.

O medo e tremor de Trump diante do Todo-Poderoso contrastava totalmente com a auto-adulação de Barack Obama, que uma vez definiu o pecado como“ fora de alinhamento com meus valores”.

Esses comentários sinceros, e outros, falam da surpreendente humildade do Presidente Trump, que pode se gabar de suas conquistas, mas pelo menos nunca alegou ter o poder de acalmar os mares e curar o planeta. Enquanto Barack Obama descreveu sua campanha em termos messiânicos – “Nós somos aqueles pelos quais esperávamos!”, “Sim, nós podemos!” – o Presidente Trump coloca isso claramente como uma proposta de valor. “Vamos dizer que vamos ter um momento muito ruim daqui a três semanas [nas eleições de meio de mandato]. Seus 401Ks vão cair tremendamente. As pessoas vão perder riqueza. Se eles não saírem e votar, então a culpa é deles.”

Trump não vai acalmar os mares, ele não vai salvar o planeta, e ele não vai absolvê-lo de seus pecados. Ele é Donald Trump, e ele se considera muito realista para esse tipo de conversa oca messiânica. A esse respeito, nossos fundadores aprovariam, como Públio observou em Federalista 51:

Existe um grau de depravação na humanidade que requer certo grau de circunspecção e desconfiança: Portanto, há outras qualidades na natureza humana que justificam uma certa porção de estima e confiança. O governo republicano pressupõe a existência dessas qualidades em um grau mais elevado do que qualquer outra forma.

O presidente Trump possui um alto grau de todas essas qualidades, depravado e meritório. Diferentemente de seu antecessor auto-adorador, ele admite isso. Você pode votar em sua agenda ou rejeitá-la. Qualquer que seja o resultado, é preciso um político humilde para admitir que nosso sistema deixa a governança para os cidadãos. Aconteça o que acontecer, os eleitores não têm ninguém para culpar a não ser eles mesmos.

 

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.