iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Atriz e cantora Miley Cirus, cujo comportamento é referência para a sociedade em geral. Essa mentalidade e escolha de valores causa situações como as descritas no artigo a seguir.

Por Ashe Schow. Leia o artigo completo no Daily Wire.

Um australiano foi acusado de estuprar uma mulher que ele conhecia e com quem teve relações sexuais em outubro de 2017.

O casal se encontrou em um evento da igreja anos antes, e fez sexo ocasionalmente durante esses anos. Em 8 de outubro de 2017, a mulher convidou o homem para sua casa depois de os dois terem brigado naquele dia. O homem foi e os dois fizeram sexo consensual. No dia seguinte, no entanto, ela ligou para a polícia e disse que o homem a estuprara.

As acusações foram finalmente retiradas, porque a mulher simplesmente “esqueceu” que o convidara.

O promotor retirou as acusações e disse ao tribunal que a mulher sofria de distúrbio de estresse pós-traumático e tinha um distúrbio de personalidade. Ele disse que esses distúrbios podiam levar a mulher a se envolver em “incidentes com homens, quando o sexo consensual pode ocorrer, ela pode transplantar memórias anteriores nesses encontros.

Ela tem um problema de alcoolismo, que a faz consumir um bom bocado de álcool todos os dias, e isso desempenha um papel em sua saúde mental e em sua mente, estado e percepção das coisas. Também desempenha um papel no motivo pelo qual ela pode esquecer as coisas às vezes.”

A juíza do caso disse ao tribunal que a acusadora tinha uma “falsa impressão” do incidente.

A mulher também alegou que antes do sexo, o acusado a empurrara “contra o sofá, o que machucara as suas costas”. O homem, aparentemente, não tinha “nenhuma lembrança” de tê-la empurrado, segundo seu advogado, mas se declarou culpado do ataque para “impedir que a mulher tivesse que enfrentar o banco das testemunhas”.

O acusado, apesar de ser inocente, perdeu o emprego como motorista da Uber por causa das alegações da mulher. Ele não tinha antecedentes criminais antes dessa acusação.

Isto é o que acontece quando vivemos na era do #MeToo, onde deve-se acreditar em todas as acusações, não importa o quão escassas ou quais sejam as circunstâncias da mulher, e todo acusado deve ser submetido ao sistema. Este homem foi acusado de estupro porque uma mulher mentalmente doente esqueceu que havia consentido.

Em outro exemplo recente, um homem enfrentou o sistema judicial depois que uma ex-namorada abusiva o perseguiu e então, quando ele não respondeu, inventou uma falsa alegação de estupro contra ele. Ele era a vítima, mas foi tratado como um perpetrador até que as acusações foram finalmente retiradas.

Talvez a mulher que esqueceu que ela consentira precise de ajuda na saúde mental, mas muitas outras mulheres, que mentem por razões vingativas, nunca são punidas pelos danos que causam a homens inocentes. Ou, nos raros casos raros em que elas são punidas criminalmente, elas recebem penas leves, como liberdade condicional ou multa.

Enquanto as falsas acusações não forem levadas a sério, elas continuarão, e quando há um movimento que busca pintar o devido processo como um impedimento à justiça, elas não apenas continuarão, mas aumentarão.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

O Perigo do Narcisismo

Por Wesley J. Smith. Leia o artigo original no National Review. O transumanismo é um movimento social solipsista que, às vezes, beira o narcisismo. Os adeptos

Leia Mais »