Por Dena Johnson Martin. Leia  o artigo completo aqui.

2015-11-01-1446352049-8194826-emotionalabusescars.jpg
Minhas feridas são reais, você só não consegue vê-las.
https://www.crosswalk.com/blogs/dena-johnson/the-truth-about-emotional-abuse.html?utm_source=New%20&%20Noteworthy&utm_campaign=Crosswalk%20New%20&%20Noteworthy&utm_medium=email&utm_content=2656247&bcid=a45419aacfc48e7862945a7e9802550d&recip=521057894

Estávamos casados ​​há menos de um ano na primeira vez em que me vi curvada em posição fetal, berrando meus olhos para fora.

— Por que, Deus? – gritei – Por que sou um sucesso em tudo na minha vida, exceto no que mais quero?

As lágrimas corriam pelo meu rosto enquanto eu tentava me recuperar da enorme briga que meu marido e eu estávamos tendo. Eu não me lembro sobre o que tinha sido a briga, mas lembro que, obviamente, a culpa era minha.

Pelo menos foi o que ele me disse.

Enquanto eu derramava meu coração para Deus, na segurança do meu quarto, ouvi o suave sussurro: “Não é você.” Naquele momento, eu sabia que Deus estava me dizendo que essa briga, e tantas depois, não era minha culpa. Não é que eu fosse um fracasso; em vez disso,  era meu marido que estava me usando como bode expiatório, para transformar cada discussão em algo que eu fizera de errado.

Alguns anos depois, estávamos do lado de fora, com nosso filho de dois anos. Ele andou de um lado para o outro em seu pequeno triciclo enquanto conversávamos. Então, Blake caiu.

— O que você fez? –  o meu marido explodiu em raiva. Afinal de contas, o acidente do nosso filho (que não tinha sido nada mais do que algumas lágrimas) tinha sido, claramente, culpa minha.

Assim como tudo no nosso casamento.

Anos depois, muito mais estava em jogos. Ele teve um caso. Finalmente, quando ficou claro que ele não iria  por fim ao caso, foi o meu limite, pedi o divórcio. Durante uma conversa, enquanto tentávamos analisar a divisão de bens, as acusações ressurgiram.

— A culpa é sua em estarmos nesta situação – disse ele – Foi você  que me expulsou.

Esqueça que o caso era de conhecimento público. Ignore o perfil de namoro online que ele havia feito e as inúmeras mulheres com quem ele estava namorando. Esqueça as muitas mentiras que ele me contou e que ele perdeu o emprego.

Era minha culpa porque finalmente tive a coragem de enfrentá-lo, de me recusar a sofrer mais abuso.

Abuso emocional.

É real. É prejudicial. É doloroso. Ele corrói sua auto-estima, seu desejo de viver. Isso rouba sua vida, seu auto-respeito. Isso rouba de você a oportunidade de cumprir o propósito dado por Deus.

Você pode pensar que estou sendo dramática, exagerando as consequências.

Eu não estou. Nunca tive permissão de escrever, falar, fazer as coisas que Deus me chamou para fazer. Meu marido me proibia de sair das sombras e fazer qualquer coisa além de ser a fiel ajudante, a primeira dama da igreja.

Repetidamente ouvia que “as esposas devem se submeter” sob todas as circunstâncias. As escrituras eram distorcidas para me manter no meu lugar, para apoiar sua agenda.

Meu trabalho era cozinhar e limpar, cuidar das crianças, servi-lo fielmente do jeito que ele quisesse. Eu era responsável pelo trabalho no quintal e os reparos domésticos e as compras de supermercado e tudo mais em nossa casa. Não havia parceria; meus filhos e eu fomos transformados em pouco mais que seus servos.

O trabalho dele? Levar para casa um salário e governar seu castelo.

E se não fizéssemos o que ele queria quando ele queria? As conseqüências eram geralmente um ataque de raiva, gritos, berros, xingamentos, que nos deixava correndo em busca de segurança. Geralmente era muito mais fácil – e mais seguro – simplesmente concordar com ele.

Eu ouço de homens e mulheres, todos os dias, que estão vivendo em um inferno semelhante.

Há a querida amiga que tirou todas as armas de casa e dormiu no carro com medo do que seu marido bêbado faria.

Ou a doce senhora que se viu desprezada pela igreja porque seu marido foi chorar para os presbíteros sobre como ela simplesmente não estava disposta a investir no casamento – depois de anos de abuso emocional.

Ou a preciosa esposa do pastor, que suportava os casos em curso do marido, achando que estava fazendo o que era melhor para seus filhos, apenas para perceber que eles queriam que ela tivesse partido anos antes.

Ou o marido cuja esposa narcisista controla todos os aspectos de suas vidas e menospreza suas tentativas de ser um líder.

Ou a mulher cujo marido é viciado em pornografia e só a usa para satisfazer seus desejos lascivos, repetidamente querendo encenar fantasias pornográficas sem preocupação com sua dignidade.

Ou o homem que gasta todo o dinheiro da família em seus vícios.

O abuso emocional é desenfreado em nossa cultura , em nossa igreja e, infelizmente, a igreja raramente reconhece o dano que causa às vítimas.

Quando você pensa em abuso emocional, aqui estão algumas coisas que espero que você comece a entender:

O abuso emocional é um padrão contínuo de maus-tratos. Todos nós caímos na armadilha do abuso emocional. Talvez tenhamos tentado manipular nosso cônjuge para que ele seguisse nosso caminho. Talvez nós, erroneamente, tenhamos colocado a culpa nele. Talvez tenhamos perdido a paciência e dito coisas das quais mais tarde nos arrependemos.

Mas não é disso que estou falando quando me refiro ao abuso emocional. O abuso emocional é um padrão contínuo, um modo regular de se relacionar com alguém de maneira abusiva. Trata-se de criar uma atmosfera onde o nosso cônjuge deve pisar em ovos, nunca sabendo o que vai desencadear uma explosão. É destruir, intencionalmente, nosso cônjuge para nos construir, para nos fazer nos sentirmos melhor sobre nós mesmos. É um padrão de tentativa de tornar nosso cônjuge o parceiro culpado, enquanto nunca assumimos nenhuma parte da culpa. É um padrão regular de relegar nosso cônjuge a uma posição inferior em vez de à de um parceiro igual. Trata-se de usar nosso cônjuge como um objeto para gratificar nossos desejos, em vez de colocar as necessidades de nosso cônjuge à frente da nossa.

O abuso emocional é pior do que parece para quem está de fora. Se você nunca esteve em um relacionamento emocionalmente abusivo, você pode estar lendo esses exemplos e pensando que eles não são nada demais. Todo mundo passa pora esses tipos de circunstâncias em algum momento. Você pode estar pensando que estou apenas descrevendo a natureza humana. Mas os que viveram relacionamentos emocionalmente abusivos? Provavelmente estamos estremecendo, vendo flashbacks nesses momentos. Estamos nos questionando, perguntando se realmente éramos nós ou se era mesmo abuso. Nós nos pegamos nos recolhendo em nossa concha, vendo a realidade oca de quem nos tornamos no meio da dor. Estamos revivendo os piores dias de nossas vidas.

Se você nunca viveu nossas vidas, peço que não julgue. Não importa como a descrevamos, não faz justiça à realidade. Muitas almas bem-intencionadas se voltarão contra nós e nos farão mais vítimas, ao nos fazerempensar que somos, na verdade, loucos.

O abuso emocional é base para um divórcio bíblico . Eu sei que muitos discordarão de mim neste ponto. Alguns dirão que não há base bíblica para o divórcio. Outros argumentam que apenas o adultério é uma base bíblica para o divórcio. Alguns abrirão exceções por abandono ou até mesmo abuso físico (mesmo que  não esteja declarado explicitamente nas escrituras).

O que aconteceu com os maridos amando suas esposas e esposas respeitando seus maridos? Não são estes os votos que tomamos diante de Deus?

Deus não quer nos ver sofrer, ver-nos trancados em cativeiro num casamento doente e disfuncional, em que um dos cônjuges maltrata e abusa continuamente o outro.

Abuso emocional deixa cicatrizes que levam anos para cicatrizar . Honestamente, eu me recusei a deixar meu casamento enquanto ele não tivesse um caso porque eu iria ficar enquanto eu não tivesse uma razão bíblica. Eu só reconheci os padrões disfuncionais em nosso relacionamento como abuso anos após nosso casamento terminar. Infelizmente, observei o abuso emocional e mental se agravar quando meu marido afundou em um estilo de vida de pecado nos anos após nosso divórcio.

Apesar de anos trabalhando em mim mesma, ainda me vejo me afastando do conflito por medo de uma explosão de raiva. Tenho que prestar atenção em como eu me relaciono com meu doce marido, e ele tem que ser cauteloso para manter sua paixão sob controle. De vez em quando, ele fica animado com algo, como o futebol, e ele pode visualmente ver meus filhos e eu nos encolhendo em nossas conchas por sermos lembrados de nosso passado.

Algumas pessoas dizem que as vítimas de abuso só precisam ir embora; ninguém os mantém na prisão. Eu queria que fosse assim tão fácil. Na realidade, escapar do abuso é um dos momentos mais perigosos para a vítima. O agressor não gosta de ter seu controle desafiado, e ele pode se tornar muito imprevisível e perigoso.

Se você é ou foi vítima de abuso emocional, saiba que não está sozinho. E, ainda mais importante, saber que Deus pode lhe trazer cura. Ele pode trazer a beleza de sua vida despedaçada e colocar você de volta e de pé para o bem ( 1 Pedro 5:10 ).

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!