iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Imagem do filme Brokeback Mountain

Por Marshall Kirk e Erastes Pill . Leia o ensaio original no

A REFORMULAÇÃO DOS EUA HÉTERO

A primeira ordem de trabalho é a dessensibilização do público americano em relação aos gays e aos direitos gays. Dessensibilizar o público é ajudá-lo a ver a homossexualidade com indiferença, em vez de com uma emoção aguda. Idealmente, nós teríamos heterossexuais cadastrando diferenças na preferência sexual da maneira que cadastram diferentes sabores para sorvete ou jogos esportivos: ela gosta de morango e eu gosto de baunilha; ele assiste beisebol e eu, futebol. Nada demais.

Pelo menos no começo, estamos buscando a dessensibilização pública e nada mais. Não precisamos e não podemos esperar uma “apreciação” ou “compreensão” completa da homossexualidade, por parte do americano médio. Você pode esquecer de tentar persuadir as massas de que a homossexualidade é uma coisa boa. Mas se você conseguir que eles pensem que isso é apenas mais uma coisa, com um dar de ombros, então sua batalha por direitos legais e sociais está, virtualmente vencida. E para chegar ao estágio de dar os ombros, os gays, como uma classe, devem deixar de parecer misteriosos, alienígenas, repugnantes e contrários. Uma campanha de mídia em larga escala será necessária para mudar a imagem dos gays nos Estados Unidos. E qualquer campanha para realizar essa reviravolta deve fazer seis coisas. 

[1] FALAR SOBRE GAYS E ‘GAYZICE’ O MÁXIMO DO TEMPO E O MAIS ALTO POSSÍVEL.

O princípio por trás deste conselho é simples: quase qualquer comportamento começa a parecer normal se você estiver exposto a um número suficiente de pessoas próximas e entre seus conhecidos. A aceitabilidade do novo comportamento dependerá, em última análise, do número de participantes que o realizarem ou aceitarem. Pode-se se ofender, a princípio, pelo seu ineditismo – muitos, em tempos passados, ficaram momentaneamente escandalizados por “streaking“*, comer peixinhos dourados e sexo antes do casamento. Mas desde que o Zé da esquina não se sinta pressionado a fazer o mesmo, e desde que o comportamento em questão represente pouca ameaça à sua segurança física e financeira, ele logo se acostuma e a vida continua, o cético ainda pode sacudir a cabeça e pensar “as pessoas estão loucas hoje em dia”, mas com o tempo suas objeções tendem a se tornar mais reflexivas, mais filosóficas, menos emocionais.

A maneira de embotar as sensibilidades naturais sobre a homossexualidade é fazer com que muitas pessoas falem muito sobre o assunto de maneira neutra ou solidária. A conversa aberta e franca faz com que o assunto pareça menos furtivo, estranho e pecaminoso, mais natural. A conversa constante cria a impressão de que a opinião pública está pelo menos dividida sobre o assunto, e que um segmento considerável aceita ou até mesmo pratica a homossexualidade. Mesmo debates rancorosos entre oponentes e defensores servem ao propósito da dessensibilização, desde que os gays “respeitáveis” estejam à frente e no centro para fazer seu próprio discurso. O principal é falar sobre homossexualidade até que a questão se torne completamente cansativa.

E quando dizemos falar sobre homossexualidade, queremos dizer apenas isso. Nos estágios iniciais de qualquer campanha para atingir os heterossexuais dos Estados Unidos, as massas não devem ficar chocadas nem repelir, pela exposição prematura ao próprio comportamento homossexual. Em vez disso, as imagens do sexo devem ser minimizadas e os direitos dos homossexuais devem ser reduzidos a uma questão social abstrata, tanto quanto possível. Primeiro deixe o camelo meter o nariz dentro da tenda – só mais tarde seu traseiro feio!

Onde nós falamos é importante. Os meios visuais, cinema e televisão, são claramente os mais poderosos criadores de imagem da civilização ocidental. O lar americano médio assiste mais de sete horas diárias de TV. Essas horas abrem uma porta de entrada para o mundo privado de heterossexuais, através do qual pode se passar um cavalo de Tróia. No que diz respeito à dessensibilização, o meio é a mensagem – da normalidade. Até agora, a Hollywood gay forneceu nossa melhor arma secreta na batalha para dessensibilizar o corrente dominante. Pouco a pouco nos últimos dez anos, personagens gays e temas gays foram introduzidos em programas de TV e filmes (embora muitas vezes isso tenha sido feito para atingir efeitos cômicos e ridículos). No geral, o impacto foi encorajador. A apresentação em horário nobre do Consenting Adults em uma grande rede em 1985 é apenas um ponto alto na exposição favorável da mídia sobre questões homossexuais. Mas isso deve ser apenas o começo de uma grande campanha publicitária da América gay.

Será que uma campanha dessensibilizadora de conversas abertas e sustentadas sobre questões homossexuais atinge todos os adversários violentos da homossexualidade? Claro que não. Enquanto a opinião pública é uma fonte primária de valores tradicionais, a autoridade religiosa é a outra. Quando as igrejas conservadoras condenam os gays, só há duas coisas que podemos fazer para confundir a homofobia dos verdadeiros crentes. Primeiro, podemos usar conversas para enlamear as águas morais. Isso significa divulgar o apoio aos gays por igrejas mais moderadas, levantando nossas próprias objeções teológicas sobre interpretações conservadoras dos ensinamentos bíblicos, e expondo o ódio e a inconsistência. Em segundo lugar, podemos minar a autoridade moral das igrejas homofóbicas, retratando-as como remansos antiquados, seriamente em desacordo com os tempos e com as descobertas mais recentes da psicologia. Contra o poderoso impulso da Religião institucional, deve-se estabelecer a ainda mais poderosa atração da Ciência & Opinião Pública (o escudo e a espada do maldito “humanismo secular”). Essa aliança profana funcionou bem contra igrejas antes, em tópicos como divórcio e aborto. Com bastante conversa aberta sobre a prevalência e aceitação da homossexualidade, essa aliança pode voltar a funcionar aqui.

[2] RETRATAR GAYS COMO VÍTIMAS, NÃO COMO DESAFIADORES AGRESSIVOS. 

Em qualquer campanha para conquistar o público, os gays devem ser escolhidos como vítimas que precisam de proteção, para que os héteros se inclinem, por reflexo, a assumir o papel de protetores. Se os gays são apresentados, em vez disso, como uma tribo forte e orgulhosa que promove um estilo de vida rigidamente inconformista e desviante, eles ficam mais propensos a serem vistos como uma ameaça pública que justifica a resistência e a opressão. Por essa razão, devemos renunciar à tentação de exibir publicamente nosso “orgulho gay” quando ele entra em conflito com a imagem da Vítima Gay. E temos que caminhar pela linha tênue de impressionar os heteros com nossos grandes números, por um lado, e acender sua paranoia hostil – “Eles estão por todo lado!” – do outro.

Uma campanha de mídia para promover a imagem da Vítima Gay deve fazer uso de símbolos que reduzam o senso de ameaça da corrente principal, que diminui sua guarda e que aumenta a plausibilidade da vitimização. Em termos práticos, isso significa que os jovens musculosos e com bigode manteriam a discrição em comerciais gays e outras apresentações públicas, enquanto seriam apresentadas figuras simpáticas de jovens agradáveis, pessoas idosas e mulheres atraentes. (É quase desnecessário dizer que os grupos na mais extrema margem de aceitabilidade, como NAMBLA, [nota de Ed – Associação Norte-Americana de Amor entre Homens e Meninos] não devem desempenhar nenhum papel nessa campanha: molestadores de crianças suspeitos nunca parecerão vítimas.)

Agora, existem duas mensagens diferentes sobre a vítima gay que vale a pena comunicar. Primeiro, deve-se informar a corrente principal que os gays são vítimas do destino, no sentido de que a maioria nunca teve a opção de aceitar ou rejeitar sua preferência sexual. A mensagem deve dizer: “Pelo que os gays dizem dizer, eles nasceram gays, assim como você nasceu heterossexual ou branco ou negro ou brilhante ou atlético. Ninguém jamais os enganou ou seduziu; eles nunca fizeram uma escolha e não são moralmente culpável. O que eles fazem não é voluntariamente contrário – é apenas natural para eles. Essa reviravolta do destino poderia facilmente ter acontecido com você! “

Os espectadores heterossexuais devem ser capazes de identificar os gays como vítimas. O Sr. e a Sra. Público não devem receber desculpas extras para dizer “eles não são como nós”. Para esse fim, as pessoas que participam da campanha pública devem ser decentes e corretas, atraentes e admiráveis ​​por padrões héteros, completamente inatingíveis na aparência – em uma palavra, elas devem ser indistinguíveis das pessoas heteras que gostaríamos de alcançar. (Para retornar aos termos que usamos em artigos anteriores, os porta-vozes de nossa causa devem ser “gays heterossexuais” do tipo R, em vez de “homossexuais do tipo Q em exibição”). Somente sob tais condições a mensagem será lida corretamente: ” Essas pessoas são vítimas de um destino que poderia ter acontecido comigo “.

A propósito, percebemos que muitos gays irão questionar uma técnica publicitária, que pode ameaçar fazer a homossexualidade parecer uma terrível doença, que atinge “vítimas” condenadas. Mas o fato é que a comunidade gay é fraca e deve manipular os poderes dos fracos, incluindo o jogo pela simpatia. Em qualquer caso, nós compensamos o aspecto negativo desse apelo à vítima gay no Princípio 4. (Abaixo) 

A segunda mensagem retrata os gays como vítimas da sociedade. A maioria simples não reconhece o sofrimento que traz à vida dos gays e deve ser mostrada: imagens gráficas de gays brutalizados; dramatizações da insegurança no emprego e na moradia, perda da custódia dos filhos e humilhação pública: e a lista triste continua.

“… Em qualquer campanha para conquistar o público, os gays devem ser escolhidos como vítimas que precisam de proteção para que os heteros se inclinem, por reflexo, para assumir o papel de protetor.” 

[3] DÊ AOS PROTETORES UMA CAUSA JUSTA.

Uma campanha de mídia, que projeta gays como vítimas da sociedade e que incentiva os heteros a serem seus protetores, deve facilitar para que eles respondam e afirmem sua nova proteção. Poucas mulheres heterossexuais, e menos homens heterossexuais, vão querer defender a homossexualidade corajosamente como tal. A maioria prefere anexar seu impulso protetor desperto a algum princípio de justiça ou lei, a algum desejo geral de tratamento consistente e justo na sociedade. Nossa campanha não deve exigir apoio direto para práticas homossexuais, deve, ao contrário, tomar como tema a anti-discriminação. O direito à liberdade de expressão, a liberdade de crenças, a liberdade de associação, o devido processo e a igual proteção das leis – essas devem ser as preocupações trazidas pela nossa campanha.

É especialmente importante para o movimento gay atrelar sua causa a padrões aceitos de lei e justiça, porque seus apoiadores heteros devem ter em mãos uma resposta convincente aos argumentos morais de seus inimigos. Os homofóbicos vestem sua repulsa emocional nas vestes assustadoras do dogma religioso, então os defensores dos direitos gays devem estar prontos para combater dogmas com princípios. 

[4] FAÇA OS GAYS PARECEREM BONS.

A fim de tornar uma vítima gay simpática a heteros, você tem que retratá-lo como um homem comum. Mas um tema adicional da campanha deve ser mais agressivo e otimista: para compensar a publicidade cada vez mais ruim que esses tempos trouxeram para homens e mulheres homossexuais, a campanha deve pintar os gays como pilares superiores da sociedade. Sim, sim, nós sabemos – este truque é tão antigo que range. Outras minorias usam isso o tempo todo em anúncios que anunciam com orgulho: “Você sabia que esse Grande Homem (ou Mulher) era _________?” Mas a mensagem é vital para todos os heterossexuais que ainda imaginam os gays como pessoas “estranhas” – desajeitados, solitários, fracassados, bêbados, suicidas e desajustados.

A lista de honra de homens e mulheres gays ou bissexuais proeminentes é realmente impressionante. De Sócrates a Shakespeare, de Alexandre, o Grande a Alexandre Hamilton, de Michelangelo a Walt Whitman, de Safo a Gertrude Stein, a lista é antiga para nós, mas é uma notícia chocante para a América heterossexual. Em pouco tempo, uma campanha de mídia habilidosa e inteligente poderia fazer com que a comunidade gay parecesse a verdadeira fada madrinha da Civilização Ocidental. 

Na mesma linha, não devemos ignorar o Endosso das Celebridades. As celebridades podem ser heterossexuais (Deus te abençoe, Ed Asner, onde quer que você esteja) ou gays. 

[5] FAÇA COM QUE OS VITIMIZADORES PAREÇAM MAUS.

Em um estágio posterior da campanha de mídia para os direitos gays – muito depois de outros anúncios gays se tornarem comuns – será hora de enfrentar os adversários restantes. Para ser franco, eles devem ser difamados. (Isso será ainda mais necessário porque, a essa altura, o inimigo entrincheirado terá quadruplicado sua produção de vitríolo e desinformação.) Nosso objetivo aqui é duplo. Primeiro, procuramos substituir o orgulho moralista da corrente principal com sua homofobia pela vergonha e culpa. Em segundo lugar, pretendemos fazer com que os anti-gays pareçam tão desagradáveis ​​que os americanos médios vão querer se dissociar deses tipos.

Deve-se mostrar ao público imagens de homofóbicos irritantes cujos traços e crenças secundários enojam a classe média norte-americana. Essas imagens podem incluir: a Ku Klux Klan exigindo que os gays sejam queimados vivos ou castrados; ministros do sul, fanáticos, babando com ódio histérico em um grau que parece tanto cômico quanto desordenado; punks, bandidos e condenados ameaçadores falando friamente sobre os “bichas” que mataram ou gostariam de matar; uma turnê por campos de concentração nazistas, onde os homossexuais foram torturados e mortos em câmaras de gás. 

Uma campanha para aviltar os vitimizadores vai enfurecer nossos inimigos mais fervorosos, é claro. Mas o que mais podemos dizer? A carapuça serviu, e devemos fazê-lo experimentá-lo para ver o tamanho, com toda a América assistindo. 

[6] SOLICITE FUNDOS: A RESPONSABILIDADE É MINHA

Qualquer campanha maciça desse tipo exigiria gastos sem precedentes por meses ou até anos – uma campanha de captação de recursos sem precedentes. 

Publicidade eficaz é uma proposta cara: vários milhões de dólares dariam o pontapé inicial. Há 10 a 15 milhões de adultos, principalmente homossexuais, neste país: se cada um deles doasse apenas dois dólares para a campanha, seu orçamento de guerra seria, na verdade, rival à de seus inimigos mais vocais. E, porque os gays que não sustentam famílias geralmente têm renda mais discricionária que a média, eles podem se dar ao luxo de contribuir muito mais. 

Mas eles contribuiriam? Ou a comunidade gay é irresponsável, egoísta, descompromissada e míope, como dizem seus críticos? Nós nunca saberemos, a menos que a nova campanha lance, simultaneamente, um apelo nacional para o apoio financeiro de doadores conhecidos e anônimos. O apelo deve ser dirigido tanto aos gays quanto às pessoas que se importam com a justiça social. 

No começo, por razões a serem explicadas em um momento, o apelo por fundos pode ter que ser lançado exclusivamente por meio da imprensa gay – revistas nacionais, jornais locais, panfletos em bares, anúncios em revistas de peles brilhantes. Os fundos também podem vir por meio da sensibilização de organizações gays locais nos campi e nas áreas metropolitanas. Eventualmente, as doações seriam solicitadas diretamente ao lado de anúncios, nas principais mídias em linha reta.

Não haveria paralelo para esse esforço na história da comunidade gay nos EUA. Se não conseguiu gerar o capital necessário para começar; haveria pouca esperança para a campanha e pouca esperança de um grande progresso em direção aos direitos dos gays no futuro próximo. Por enquanto, vamos supor que os gays pudessem ver como as doações serviriam muito para o interesse de longo prazo e que poderiam levantar fundos suficientes. Uma suposição heroica. 

FICANDO NO AR, OU, VOCÊ NÃO PODE CHEGAR LÁ DAQUI.

Sem acesso à TV, ao rádio e à grande imprensa, não haverá campanha. Este é um problema complicado, muitos empresários da mídia simplesmente se recusam a aceitar o que eles chamam de “publicidade-problema” – publicidade persuasiva pode provocar uma tempestade de ressentimento do público e dos patrocinadores, o que é ruim para os negócios. Os tribunais confirmaram o direito do radiodifusor de recusar qualquer “publicidade de problema” de que ele não goste.

O que exatamente constitui “publicidade de problema”? Evidentemente não inclui apelos banais às virtudes da unidade familiar (cortesia dos mórmons); tampouco inclui lembretes de que uma Mente é uma coisa terrível para se desperdiçar (cortesia do United Negro College Fund); tampouco inclui espetáculos religiosos que condenam os “pecadores” gays; tampouco inclui condenações de guerra nuclear ou discriminação racial. 

A questão que a publicidade inclui atualmente é quase qualquer comunicado apresentado abertamente por uma organização homossexual. As palavras “gay” e “homossexual” são consideradas controversas sempre que aparecem.

Como os apelos mais simples são impossíveis, a Força-Tarefa Gay Nacional teve que cultivar contatos tranquilos com as empresas de transmissão e redações para garantir que as questões importantes para a comunidade gay recebessem alguma cobertura; mas tal arranjo dificilmente é ideal, é claro, porque significa que a imagem da comunidade gay é controlada pelo evento de notícias mais recente, em vez de pelo design cuidadoso – e, recentemente, a maioria das notícias sobre os gays tem sido negativa. 

Então, o que pode ser feito para derrubar os portões da grande mídia? Várias coisas, promovidas em vários estágios. 

COMEÇAR COM AS LETRAS MIÚDAS

Jornais e revistas podem muito bem estar mais famintos por dinheiro publicitário gay do que televisão e rádio. E o custo dos anúncios impressos é geralmente menor. Mas lembre-se que a imprensa, na sua maior parte, é lida apenas por americanos com melhor formação, muitos dos quais já aceitam mais a homossexualidade afinal de contas. Então, para conseguir mais impacto para nossos dólares, devemos pular os leitores mais sofisticados e nos encaminhar para os mais simples. (É claro que a comunidade gay pode ter que se estabelecer como uma presença regular de publicidade em fóruns mais sofisticados antes de ser aceita pela imprensa de massa.)

Enquanto estamos atacando as muralhas com salvas de tinta, também devemos aquecer a corrente principal um pouco, com uma campanha nacional sutil em outdoors rodoviários. Em simples negrito em fundos escuros, deve-se introduzir uma série de mensagens inquestionáveis: 

NA RÚSSIA, ELES LHE DIZEM O 
QUE SER. NA AMÉRICA 
TEMOS A LIBERDADE 
DE SER NÓS PRÓPRIOS … 
E SER O MELHOR. 

Ou 

pessoas 
ajudando em vez de odiar – é isso 
de que se trata a América.

E assim por diante. Cada signo servirá de sentimento patriótico, cada mensagem perfurará uma proposta aparentemente agradável às principais correntes: uma “mensagem de serviço público” adequada aos nossos propósitos. E, se os herdeiros permitirem, cada cartaz será assinado, em letras ligeiramente menores, “Cortesia da Força Tarefa Nacional Gay” – para construir associações positivas e fazer com que o público se acostume a ver esse patrocínio. 

ESTÁGIO VISUAL 1: VOCÊ REALMENTE TEM QUE ESTAR EM IMAGENS

Quanto à televisão e rádio, pode ser necessário um plano mais elaborado para quebrar o gelo. Para começar, naturalmente, devemos continuar a incentivar o surgimento de personagens gays favoráveis ​​em filmes e programas de TV. Talk shows diurnos também continuam a ser um caminho útil para a exposição. Mas, para acelerar as coisas, podemos considerar um estratagema arrojado para atrair a atenção da mídia. O esquema que temos em mente exigiria preparações cuidadosas, mas economizaria despesas ao mesmo tempo em que aumentaria a visibilidade e a estatura do movimento gay da noite para o dia.

Bem antes das próximas eleições para cargos nacionais, poderíamos estabelecer planos cuidadosos para a execução de candidatos gays simbólicos para todos os altos cargos políticos deste país. (Esses planos teriam que lidar de alguma forma com o complicado problema de induzir gays e heterossexuais a assinar petições de endosso suficientes para nos colocar nas urnas.) Nossos candidatos 50-250 participariam de debates o quanto pudessem, publicariam propagandas com temas gays coordenadas em nossa sede nacional, e exigiriam tempo igual no ar. Eles poderiam, então, retirar-se das corridas antes das eleições, enquanto formalmente endossassem candidatos mais heteros e viáveis. (Com humor malicioso, talvez, em alguns estados, possamos endossar nossos oponentes mais fanáticos.) É essencial não pedir que as pessoas realmente votem Sim ou Não na questão gay neste estágio inicial:

Por meio dessa campanha política, o mainstream superaria o choque inicial de ver anúncios gays, e a aceitabilidade desses anúncios seria fortalecida pelo contexto mais credível possível; e tudo isso seria realizado antes que a publicidade não eleitoral fosse tentada pela comunidade gay. Durante a campanha todo o mundo viria abaixo, mas se nos comportássemos corajosa e respeitavelmente, nosso impulso ganharia legitimidade e poderia até se tornar uma causa célebre. 
Se tudo corresse como planejado, o público um tanto dessensibilizado e as principais redes seriam preparados para o próximo passo do nosso programa. 

ESTÁGIO VISUAL 2: PUBLICIDADE ESCONDE-ESCONDE

Neste ponto, a comunidade gay tem seu pé na porta, e é hora de pedir às redes que aceitem patrocínio gay de certos anúncios e programas. O tempo é crítico: o pedido deve ser feito imediatamente após os anúncios políticos nacionais desaparecerem. Caso contrário, devemos solicitar patrocínio na próxima vez que uma das redes demonstrar sua visão ampla ao transmitir um filme ou um programa com personagens ou temas gays. Se eles quiserem parecer consistentes em vez de hipócritas, tem que ser nos intervalos comerciais. Mas as redes ainda seriam forçadas a dizer Não, a menos que tornássemos sua resistência aparentemente irracional e possivelmente ilegal. Nós faríamos exatamente isso propondo “anúncios gays” padronizados exatamente depois dos atualmente patrocinados pelos Mórmons e outros. Como sempre, os espectadores seriam tratados para esquivar-se da importância da harmonia e compreensão familiar – desta vez o narrador terminaria dizendo: “Esta mensagem foi trazida a você pela – Força Tarefa Nacional Gay”. Tudo muito quieto e submisso. Lembre-se: a exposição é tudo, e o meio é a mensagem.

A comunidade gay deve unir forças com outros grupos de liberdades civis de elenco respeitável para promover mensagens brandas sobre a o Caldeirão de Misturas da America, sempre terminando com uma referência explícita à Força Tarefa de alguma outra organização gay. Tirando o melhor de uma situação ruim, também podemos propor apelos simpáticos da mídia por ofertas e doações para financiar pesquisas sobre a AIDS – se Jerry Lewis e a March of Dimes podem fazer isso, nós também podemos. Nosso próximo passo indireto será divulgar localmente, em nome de grupos de apoio periféricos, para a comunidade gay: mães e pais heterossexuais anunciando números de telefone e horários de reunião para “Pais de Gays” ou reuniões semelhantes. Você não consegue ver esses anúncios agora, apresentados entre mensagens dos Veterinários com Deficiência e do Sindicato dos Correios? 

ESTÁGIO VISUAL 3: RETIRE AS GRANDES ARMAS

Por este ponto, nossas táticas do salame [ pequenas concessões] terá moldado, fatia por fatia, uma porção grande de acesso à mídia convencional. Então, o que? Finalmente seria hora de trazer anúncios gays para fora do armário. As mensagens desses anúncios devem abordar diretamente os temores do público sobre os homossexuais como alienígenas repugnantes e contrários. Por exemplo, os formatos a seguir são possíveis para comerciais de TV ou rádio concebidos para eliminar percepções errôneas e crônicas. 

Formato A para familiarização: o depoimento.

Para fazer com que os gays pareçam menos misteriosos, apresente uma série de comerciais curtos com os tipos rapaz ou moça vizinhos, doces e atraentes, ou o tipo vovô- vovó acolhedores e amáveis. Sentados em ambientes caseiros, eles respondem a um entrevistador longe da câmera com segurança, boa natureza e charme. Seus comentários revelam três fatos sociais: 

1. Há alguém especial em sua vida, um relacionamento de longo prazo (para enfatizar a estabilidade gay, a monogamia, o comprometimento); 

2. Suas famílias são muito importantes para eles e são favoráveis ​​a elas (para enfatizar que os gays não são “anti-familiares” e que as famílias não precisam ser anti-gays).

3. Tanto quanto podem lembrar, sempre foram gays e provavelmente nasceram gays; eles certamente nunca decidiram sobre uma preferência de um jeito ou de outro (enfatizando que os gays estão fazendo o que é natural para eles, e não estão sendo voluntariamente contrários). Os sujeitos deveriam ser entrevistados sozinhos, não com seus amantes ou filhos, pois incluir outros no quadro levantaria imprudentemente questões perturbadoras sobre as complexidades das relações sociais gays, que esses comerciais não poderiam explicar. É melhor fazer uma coisa de cada vez. 

Formato B para Associações Positivas: O Comercial de Celebridade


Embora possa ser útil apresentar o apoio de celebridades por figuras gays atualmente populares e por simpatizantes heterossexuais, o clima de homofobia da América tornaria improvável o endosso em um futuro próximo. Assim, os primeiros comerciais de celebridades irão identificar personalidades gays ou bissexuais históricas que sejam ilustres e dignas e que estejam … mortas. Os anúncios podem ser sarcásticos e indiretos. Por exemplo, com uma música régia e um retrato ou dois, um narrador pode anunciar simplesmente: Michelangelo (uma aula de arte), Tchaikovsky (uma aula de música), Tennessee Williams (uma aula de teatro), etc. 

Formato C para a simpatia da vítima: nossa campanha para parar o abuso infantil.

Como dissemos anteriormente, há muitas maneiras de retratar os gays como vítimas de discriminação: imagens de brutalidade, histórias de perda de emprego e separação familiar, e assim por diante. Mas achamos que algo como os seguintes comerciais de 30 segundos chegariam ao cerne da questão melhor que qualquer coisa.

A câmera avança lentamente em um adolescente de classe média, sentado sozinho em seu quarto semi-escuro. O menino é agradável e não-excepcional na aparência, exceto pelo fato de que ele foi maltratado e está olhando silenciosamente, pensativo, com evidente angústia. À medida que a câmera se concentra gradualmente em seu rosto, um narrador comenta: acontecerá com um em cada dez filhos. À medida que cresce, ele perceberá que se sente diferente sobre as coisas em relação à maioria de seus amigos. Se ele mostrar, ele será um estranho ridicularizado, humilhado, atacado. Se ele confiar em seus pais, eles podem expulsá-lo da casa, para as ruas. Alguns dirão que ele é “anti-família”. Ninguém vai deixá-lo ser ele mesmo. Então ele terá que se esconder. De seus amigos, de sua família. E isso é difícil. Já é duro o suficiente ser uma criança nos dias de hoje, mas ser o um em dez … Uma mensagem do Força Tarefa Gay Nacional.

O que é bom nesse anúncio é que retrataria economicamente os gays como inocentes e vulneráveis, vitimados e incompreendidos, surpreendentemente numerosos, mas não ameaçadores. Também torna a acusação “anti-família” absurda e hipócrita. 

Formato D para Identificação com Vítimas: A Velha Troca. 

A corrente principal identificar-se-á melhor com a situação dos gays se os heteros puderem, de vez em quando, estar na pele dos gays. Um anúncio humorístico de televisão ou rádio para ajudá-los a fazer isso pode envolver um breve cenário animado ou dramatizado, como segue.

A câmera se aproxima da poderosa porta de carvalho do escritório do chefe, que se abre, e a câmera (que representa o espectador) entra na sala. Atrás da escrivaninha exagerada há um rabugento gordo e carrancudo mastigando um charuto. Ele olha para a câmera (ou seja, para o espectador) e rosna: “Então é você, Smithers. Bom, você está demitido!” A voz de um homem mais jovem é ouvida respondendo com espanto: “Mas … mas… Sr. Thomburg, eu estou com a sua empresa há dez anos. Achei que io senhor gostasse do meu trabalho.” O chefe responde, com um tom de desgosto: “Sim, sim, Smithers seu trabalho é bastante adequado. Mas eu ouvi rumores de que você foi visto pela cidade com algum tipo de namorada. Uma namorada! Francamente estou chocado Nós não estamos prestes a começar a contratar qualquer heterossexual nesta empresa. Agora saia. “O jovem fala mais uma vez:” Mas chefe, isso não é justo! E se fosse você? “O chefe olha para trás enquanto a câmera se afasta rapidamente da sala e a grande porta se fecha. Impresso na porta:” Uma mensagem da Força Tarefa Nacional Gay. “

Pode-se facilmente imaginar episódios semelhantes envolvendo habitação ou outra discriminação. 

Formato E para a Vilificação dos Vitimadores: Malditos Torpedos. 

Já indicamos algumas das imagens que podem ser prejudiciais à vingança homofóbica: extremistas neo-nazistas religiosos fanáticos e odiosos, e homens da Ku ​​Klux Klans fizeram com que parecessem maus e ridículos (dificilmente uma tarefa difícil).

Essas imagens devem ser combinadas com as de suas vítimas gays por um método que os propagandistas chamam de “técnica de colchetes”. Por exemplo, por alguns segundos, um untuoso pregador do sul é visto batendo no púlpito com raiva sobre “aquelas criaturas doentes e abomináveis”. Enquanto seu discurso continua sobre a trilha sonora, a imagem muda para fotos patéticas de gays que parecem decentes, inofensivos e simpáticos; depois recuamos para o rosto venenoso do pregador e assim por diante. O contraste fala por si. O efeito é devastador. 

Formato F para Fundos: SOS

Juntamente com, ou durante outros anúncios persuasivos, teríamos que solicitar doações para que a campanha pudesse continuar. Apelos diretos de celebridades (de preferência vivos, obrigado) podem ser úteis aqui. Todos os recursos devem enfatizar que o dinheiro pode ser dado anonimamente (por exemplo, através de ordens de pagamento) e que todas as doações são confidenciais. “Não podemos ajudar a menos que você ajude” e tudo isso. 

A hora é agora 

Nós esboçamos aqui um modelo para transformar os valores sociais da América hetero. No centro de nosso programa está uma campanha de mídia para mudar a maneira como os cidadãos comuns encaram a homossexualidade. É muito fácil encontrar falhas em uma campanha assim. Tentamos ser práticos e específicos aqui, mas as propostas ainda podem ter um brilho visionário.

Existem cem razões pelas quais a campanha não pode ser feita ou seria arriscada. Mas há pelo menos 20 milhões de boas razões pelas quais alguns desses programas devem ser tentados nos próximos anos: o bem-estar e a felicidade de todo homem e mulher gay neste país exigem isso. Como a última grande minoria legalmente oprimida da sociedade americana, já é tempo de os gays tomarem medidas efetivas para se juntar à corrente principal com orgulho e força. Acreditamos que, gostemos ou não, essa campanha é a única maneira de fazê-lo em breve.

E, vamos repetir, o tempo pode estar se esgotando. A epidemia de AIDS está provocando raiva e medo no coração da América. À medida que o vírus vaza dos círculos homossexuais para o resto da sociedade, não precisamos ter ilusões sobre quem está recebendo a culpa. Os dez anos à frente podem decidir pelos próximos quarenta anos se os gays reivindicam sua liberdade e igualdade ou são repelidos, mais uma vez, como a casta de intocáveis ​​americanos detestados. É mais do que um gracejo: fale agora ou cale-se para sempre.


Em novembro de 1987, o artigo intitulado “The Overhauling of Straight America” ​​apareceu na revista Guide, e alguns anos depois os autores expandiram-no em um livro:

 Marshall Kirk, Hunter Madsen: “Depois do Baile – Como a América vencerá seu sentimento de medo e ódio para com os Gays nos anos 90”. (Plume, 1990), ISBN: 0452264987.

* Streaking é o ato de correr nu por um lugar público como uma brincadeira, por publicidade ou um ato de protesto.

Fonte:

https://www.lifesitenews.com/news/200-ex-lgbt-men-women-rally-to-show-freedom-theyve-found-in-following-jesus?utm_source=LifeSiteNews.com&u&fbclid=IwAR34omkUyq_j8DQ40d7qyb5o7HBzF6XtPOnV7Je7UAdAHBfhIBCbFPCrjc0
star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.