iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Igreja At Auvers, por Van Gogh

Por Marco Frenette.


Psicologia progressista

Antes dos resultados práticos do progressismo, há o motor das suas transformações: uma visão distorcida do mundo e dos homens.

Na base dessas distorções está o relativismo, cujo pensamento central é a crença na legitimidade de nivelar, e defender como iguais, os contrários.

Por exemplo, Stálin foi um genocida, mas não o tempo todo. Ele tinha seus momentos de bondade e amor, sobretudo com a filha. Beethoven, por sua vez, foi um espírito superior, mas teve seus momentos de fúria. Então, porque Stálin teve seus momentos de bondade e Beethoven teve seus momentos de maldade, ambos são dignos de respeito?

Essa pergunta tem duas respostas: a do progressista e a da pessoa mentalmente sã.

A pessoa sã vê a realidade de modo mais direto: Stálin foi um assassino e uma vergonha para a espécie humana, enquanto Beethoven foi um gênio do bem e um orgulho para todos nós. Não há comparação possível entre os dois.

Já o progressista vê a realidade pelas lentes grossas e sujas do relativismo: Beethoven não faria falta, mas Stálin, sim; pois foi um grande homem que conduziu a revolução socialista; e se no meio desse feito heróico ele assassinou milhões de pessoas desarmadas e de seu próprio povo, paciência.

Oscar Niemeyer pensava assim. Ele adorava Stálin. Haddad pensa assim, pois defendeu Stálin em seus livros; e também pensa assim todo brasileiro que quer Lula Livre, votou em Ciro e Haddad, e agora luta para derrubar o governo Bolsonaro e recolocar a esquerda no poder, e, enquanto isso não acontece, vai assistir ao filme-propaganda “Marighella”, o psicopata brasileiro.

Essa crença de ser justo o nivelamento dos contrários vem desde o filósofo grego Protágoras, e continua viva na mulher peluda que grita “Ele não”, e também em pessoas como Fernando Gabeira, que tem a coragem de chamar de “erros” os gigantescos crimes da máfia petista.

Também é essa mesmíssima crença que leva a sociedade a tolerar que criança vá a museu de arte para tocar em homem nu; que homem travestido de mulher entre em esportes femininos; e que jornalistas santifiquem a bandidagem e demonizem polícia.

A mentalidade progressista não é uma “forma diferente e democrática de pensar o mundo”, mas a própria criminalidade em ação.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.