Picture of Dorian Gray

Por Anna-Marieta Moise. Condensado de seu artigo completo no FEE.

Em seu artigo Confrontando a Sombra da Mentalidade da Vítima, Moise opina que não é política a causa de massacres, mas
O problema por trás desses tiroteios em massa não é político – é uma crise existencial profundamente enraizada na glorificação da mentalidade de vitimização.

 

“Por que isso aconteceu? Por que isso aconteceu conosco?” são perguntas frequentes após cada assassinato em massa. Mas, a cada vez, elas ficam, geralmente, sem resposta, ou pior, são erroneamente simplificadas demais ou usadas como uma plataforma política para banir as armas. Raramente mergulhamos na profunda psicologia por trás da natureza desses atos horrendos.

O que poderia levar alguém como Robert Bowers a cometer um ato tão horrendo [o massacre na Sinagoga da Árvore da Vida]? Além disso, o que poderia levar a esse ódio conspiratório contra o povo judeu, especificamente? Ele tem uma doença psiquiátrica como psicopatia ou esquizofrenia? Ele é simplesmente um racista interseccional que odiava um grupo que era diferente do seu? Ou ele, junto com a maioria dos outros atiradores em massa, está preocupado com uma percepção distorcida da realidade que existe em um nível existencial?

Havia alguma pista de que ele iria realizar esse ato? Bowers sem dúvida enfrentou dificuldades significativas na vida: seu pai, Randall, foi condenado por estupro e depois cometeu suicídio. Bowers não se formou no ensino médio e nenhum de seus colegas se lembrava dele depois do tiroteio.

As primeiras experiências da vida de Bowers explicam por que ele cometeu um ato tão maligno? Estudos mostram que as crianças que sofrem abuso são mais propensas a se tornarem abusadoras; especificamente, aproximadamente uma em cada seis crianças maltratadas torna-se violenta perpetradora. No entanto, esses estudos também mostram que a maioria das crianças vítimas de abuso – cinco entre seis – não se transformam agressores. O que determina se alguém se tornará um perpetrador violento ou, em vez disso, alguém que confrontará com sucesso o futuro e corrigirá os pecados de seus antepassados?

A resposta está em como uma pessoa reage às injustiças que enfrentou. Somos todos – alguns de nós mais que os outros – constrangidos pelas limitações de nossas infâncias, nossas experiências e nossa genética. Cada um de nós experimentará dificuldades significativas em algum momento da vida. Ser humano nos deixa profundamente vulneráveis ​​a condições arbitrárias sobre as quais não temos controle. Perguntaremos: “Por que coisas ruins acontecem comigo, por que pessoas inocentes devem sofrer?” E seremos tentados a nos sentir impotentes e vitimados por nossas vulnerabilidades.

O renomado psicólogo clínico, Dr Jordan Peterson, adverte que é muito fácil alegar ser vitimiza de dificuldades – reais ou irreais -, mas isso é bastante perigoso. Alegar a vitimização acabará, em última instância, por levar ao ressentimento, que é uma “emoção tóxica e violenta”. Muitas vezes, uma pessoa que reivindica o status de vítima culpará outras pessoas por seu infortúnio. Às vezes, a culpa é direcionada contra um grupo específico que é percebido como mais alto na hierarquia de dominância social.

Poderia isso ser o que aconteceu no cenário de Bowers? É possível que ele acreditasse que o povo judeu fosse a causa de sua infelicidade pessoal? Não é improvável que ele tenha desenvolvido ressentimento e justificado o uso de violência contra um grupo de pessoas que ele percebeu serem a causa de suas dificuldades. Mas esta história não é nova na história humana; é mais uma reiteração da história bíblica de Caim e Abel.

A mentalidade de Bowers – sua racionalização para vitimizar os outros por causa da suposta vitimização – não é diferente da filosofia do marxismo, uma ideologia cada vez mais romantizada no mundo ocidental. A ideologia marxista sustenta que a luta de classes surge em sociedades capitalistas que se organizam em hierarquias de domínio socioeconômico. Essa estrutura hierárquica acaba por levar à alienação dos grupos socioeconômicos mais baixos, dando origem, inevitavelmente, a revoluções violentas do proletariado.

De acordo com os marxistas, isso acaba levando a uma utopia sem uma classe ideal (também conhecida como comunismo). Os marxistas  justificaram, historicamente, o ódio e a violência alegando vitimização, assim como Bowers justificou suas ações contra o povo judeu. O ato de Bowers não foi de simples racismo ou racismo interseccional. É o exemplo extremo do que pode acontecer quando se alega vitimização contra grupos que se acredita terem mais, o resultado não é nem um pouco utópico. É uma coincidência que a incidência de tiroteios em massa sangrenta no Ocidente tenha aumentado à medida que a mentalidade de vitimização ganhou cada vez mais popularidade?

O problema por trás desses massacres não é político, é uma crise existencial profundamente enraizada na glorificação da mentalidade de vitimização. Embora o massacre na sinagoga se distinga de outros massacres modernos porque foi dirigido contra um grupo étnico específico, ele compartilha uma semelhança fundamental com os outros. Cada atirador em massa, de uma forma ou de outra, se proclamava vítima de um grupo de pessoas ou da injustiça e crueldade da vida. Cada atirador, então, desenvolveu um ressentimento que cresceu insidiosamente, que, então desencadeou uma revolta violenta.

Essa revolta representa uma falha em confrontar as próprias sombras – ou, no simbolismo bíblico, a cobra dentro do próprio coração. O Dr Jordan Peterson explicou isso em uma entrevista recente na qual ele argumenta que a necessidade de o indivíduo assumir responsabilidade pessoal e confrontar suas cobras é fundamental. Dr Peterson argumenta que na vida:

sempre há uma cobra. Qual a pior cobra possível? Não é uma cobra real. É uma cobra metafórica. É a cobra no coração do seu inimigo quando ele vem para incendiar sua cidade. Bem, e se você se livrar de seus inimigos? Bem, a cobra ainda está lá … Está no seu coração … A batalha final é com a cobra em seu coração.

O confronto da serpente interna é uma luta universal compartilhada por todos os seres humanos, não apenas pelos vilões que participam de atos públicos de violência. Talvez a solução para o problema existencial que se expôs com esses tiroteios persistentes seja a necessidade urgente, mais do que nunca, de não glorificar a vitimização ou mudar as estruturas sociopolíticas – mas olhar dentro do coração, lutar contra as cobras e assumir responsabilidade pessoal. . Como o Dr Peterson afirma, esta é a única maneira de enfrentar, com sucesso, o futuro.

Anna-Marieta Moise é  neurologista e escritora.

 

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!