iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Melanie Phillips. Leia o artigo original em Melaniephilips.

Alguns dias atrás, o filósofo John Gray escreveu no site Unherd uma análise sombria, mas precisamente direcionada , de por que as ciências humanas não tem salvação. Costumava-se dizer, ele escreveu, que as ciências humanas ensinavam as pessoas a pensar. Não mais.

“Os alunos aprendem um jargão intra-acadêmico – interseccionalidade, heteronormatividade e similares – que não tem utilidade no mundo em que continuarão a viver. Eles também aprendem que discordâncias em ética e política são ilegítimas. Qualquer um que se afaste do consenso progressista predominante não está apenas enganado, mas é malévolo. Quando aplicada nas universidades, esta é uma receita para censura e conformismo. O que está sendo inculcado não é a liberdade de pensamento, mas ficar livre do pensamento”.

Gray estava ecoando o desespero de Sir Roger Scruton, ele próprio vítima de bullying cruel por parte de mentes fechadas. Sir Roger observou recentemente que a corrupção intelectual das ciências humanas o levou a concluir que esses departamentos deveriam ser fechados por completo e as universidades reduzidas apenas a instituições de pesquisa científica.

Por muitos anos, tenho escrito sobre essas tendências e tentado explicar por que a sociedade ocidental parece estar se arrancando pelas raízes. Grande parte da discussão atual sobre o desenvolvimento maligno de divisões alimentadas pelo ódio, políticas de identidade e outros aspectos de nossas guerras culturais ecoa a análise em meus próprios livros: Todos devem ter prêmios (1996), The Sex-Change Society: Feminised Britain and the Homem Castrado (1999) e O Mundo Virado de Cabeça para Baixo: a Batalha Global sobre Deus, Verdade e Poder (2010).

Na esperança de que possam ajudar a iluminar ainda mais o grande campo de batalha cultural de hoje, publico um trecho de um capítulo do meu livro intitulado “A Inquisição Secular” de O mundo virou de cabeça para baixo.

O que têm em comum as questões do aquecimento global antropogênico, a guerra no Iraque, Israel e o cientismo? Não muito, você pode pensar. Mas, na verdade, vários tópicos vinculam todos eles. Mais fundamentalmente, todas envolvem a promoção de crenças que pretendem ser verdades incontestáveis, mas são, na verdade, ideologias nas quais as evidências são manipuladas, deturpadas e distorcidas para apoiar e “provar” sua ideia de governo. Todas, portanto, baseiam-se em crenças falsas ou infundadas, que são apresentadas como axiomaticamente verdadeiras. Além disso, como cada uma afirma proclamar a única e exclusiva verdade, não pode permitir nenhuma contestação a si. Ela deve manter a todo custo a integridade da falsidade. Portanto, dve-se resistir a todos os desafios devem ser resistidos por meios coercitivos. O conhecimento é, portanto, forçado a dar lugar ao poder. A razão é substituída pelo bullying,

Isso os torna todos movimentos de pensamento profundamente regressivos, que corroem o conceito mais fundamental do mundo ocidental. A principal característica da modernidade ocidental é a liberdade de pensamento e expressão e a capacidade de expressar discordâncias. O Iluminismo do século XVIII inaugurou a era moderna, quebrando o poder da igreja de controlar os termos do debate e punir a heresia. Igreja e estado foram separados, e foi criado um espaço para a liberdade individual e a tolerância das diferenças – a essência de uma sociedade liberal.

Totalitarismo Cultural

Embora fosse um erro idealizar os séculos XVIII e XIX, essa era na Grã-Bretanha e na América proporcionou um espaço para respirar entre a tirania religiosa da época que a precedeu e os horrores que se seguiriam. No entanto, a Revolução Francesa e o Terror desencadeados por ela apresentaram a evidência inevitável de que o Iluminismo, longe de remeter obscurantismo assassino para o caixote do lixo da história, continha desde o início elementos poderosos que apenas secularizariam a tirania. No século XX, o totalitarismo político do comunismo e do fascismo, embora abertamente antirreligioso, ecoou o despotismo pré-moderno da igreja, declarando-se os árbitros de uma visão de mundo totalizante na qual todo dissenso seria esmagado. Agora, com o comunismo e o fascismo derrotados, o Ocidente foi vítima de uma terceira variação do tema do totalitarismo: desta vez não religiosa ou política, mas cultural. Foi o que J. L. Talmon identificou em 1952 como “democracia totalitária”, que ele caracterizou como “uma ditadura baseada na ideologia e no entusiasmo das massas”.

Se o totalitarismo religioso foi governado pela igreja e o totalitarismo político foi governado pela “vontade geral”, o totalitarismo cultural é governado pelo indivíduo subjetivo, livre de todas as autoridades e restrições externas. A moralidade é privatizada para que todos se tornem sua própria autoridade moral, enquanto as leis e tradições enraizadas no cristianismo e na Bíblia Hebraica estão sob ataque explícito. A velha ordem da civilização ocidental, apoiada nas autoridades externas de religião e cultura, deve ser destruída. Sem ordem ou propósito no mundo, o relativismo moral e cultural é a regra; qualquer tentativa de priorizar qualquer cultura ou estilo de vida sobre qualquer outro é ilegítima.

O paradoxo – e é agudo – é que essa doutrina relativista em si assume a forma de uma agenda moralizante dogmática que assume uma posição absolutista contra todos os que a desafiam e procura eliminar todos os desvios. O cristianismo medieval – como o islamismo contemporâneo – eliminou a dissidência por assassinato ou conversão; Os liberais ocidentais fazem isso por ostracismo social e profissional e discriminação legal. É um tipo de Inquisição secular. E os grandes inquisidores podem ser encontrados na intelligentsia – nas universidades, na mídia, na lei, nas classes políticas e profissionais – que não apenas minaram sistematicamente as fundações da sociedade ocidental, mas estão fortemente empenhados em tentar suprimir qualquer desafio ou protesto.

É paradoxal, mas não surpreendente, que o ataque à liberdade intelectual esteja ocorrendo nas instituições da razão. Durante décadas, estas foram dominadas por uma variedade de ideologias destruidoras, como anticapitalismo, antiimperialismo, utilitarismo, feminismo, multiculturalismo e ambientalismo. O que todos eles têm em comum é o objetivo de derrubar a ordem estabelecida no Ocidente. O que antes era marginalizado ou proibido tornou-se permitido e até obrigatório; o que era anteriormente a norma tornou-se proibido e marginalizado. Como escreveu o filósofo Roger Scruton, o currículo nas ciências humanas é “relativista a favor da transgressão e absolutista contra a autoridade”. Por serem ideologias, eles arrancam fatos e evidências para se adequar à sua idéia de governo.

Como observou Karl Popper, a razão cresce por meio de críticas mútuas e pelo desenvolvimento de instituições que salvaguardam a liberdade de criticar e, assim, preservam a liberdade de pensamento. Por tratar as pessoas de maneira imparcial, a razão está, portanto, intimamente ligada à igualdade. O pseudo-racionalismo, por outro lado, é “a crença imodesta nos dons intelectuais superiores – a reivindicação de ser iniciada, de saber com certeza, de possuir um instrumento infalível de descoberta”. Esse pseudo-racionalismo, inimigo da razão, é precisamente o que tem a intelligentsia ocidental em suas garras.

É difícil exagerar a influência em nossa cultura, exercida pelas doutrinas do anti-imperialismo, multiculturalismo, feminismo, ambientalismo e afins. Eles formam a ortodoxia incontestável dentro da academia, o campo base para sua “longa marcha pelas instituições”, que eles colonizaram com impressionante sucesso. O centro de gravidade política foi mudado para que qualquer um que não compartilhe esses valores seja definido como extremo.

Os “progressistas” à esquerda acreditam que seus valores seculares, materialistas, individualistas e utilitários representam não um ponto de vista, mas a própria virtude. Portanto, nenhuma pessoa decente pode se opor a eles. À moda maniqueísta, a esquerda divide o mundo em dois campos rivais do bem e do mal, criando como única alternativa a si próprio um campo político demoníaco chamado “o direito”, ao qual todos que o desafiam são automaticamente enviados. Como “a direita” é, por definição, má, contestar qualquer besteira de esquerda é colocar-se além do pálido moral. Não pode haver dissidência ou argumento. Somente uma visão de mundo deve ser permitida. Qualquer pessoa que apóie Israel ou os americanos no Iraque, ou seja cético quanto ao aquecimento global antropogênico ou se oponha ao multiculturalismo ou ao utilitarismo,

Uma doutrina central na ortodoxia progressista é que “discriminação” é o crime supremo. A própria idéia de uma hierarquia de culturas, crenças ou estilos de vida é considerada discriminatória. De acordo com a ideologia da não discriminação, todos os grupos auto-designados de “vítimas” não podem fazer nada errado, enquanto a cultura majoritária não pode fazer o que é certo. A moralidade é redefinida em torno de sentimentos subjetivos. Qualquer evidência objetiva de dano que possa ser causado por grupos de “vítimas” é removida; o que importa é que eles não devem se sentir mal consigo mesmos, nem ser postos em desvantagem, mesmo que resulte de suas próprias ações.

As atividades anteriormente marginalizadas ou consideradas transgressivas agora são privilegiadas, enquanto as que consideram incorporar valores normativos são ativamente discriminadas. Na causa do não-julgamento, apenas aqueles que são a favor de julgamentos morais baseados nos códigos éticos da Bíblia devem ser julgados e condenados. Na causa da antidiscriminação, somente aqueles que acreditam em condições equitativas devem ser discriminados. Na causa da liberdade, aqueles que procuram limitar o comportamento anárquico a fim de evitar danos devem ter a liberdade de fazê-lo.

O iliberalismo dos “direitos” das minorias

Na Grã-Bretanha, a ortodoxia antidiscriminação levou a uma campanha sistemática contra os cristãos – particularmente sobre a questão da homossexualidade, a principal área em que os cristãos enfrentam o libertarianismo social na praça pública. A liberdade de consciência, princípio fundamental de uma sociedade liberal, foi varrida pela causa dos direitos dos gays. Embora o verdadeiro preconceito contra homossexuais ou qualquer outra pessoa seja repreensível, “preconceito” foi redefinido para incluir a expressão de valores normativos.

O assalto aos códigos morais ocidentais fundamentais castigou aqueles que incorporam uma ordem moral que agora é considerada opressiva. Na Grã-Bretanha, o governo Blair / Brown Labour legislou sistematicamente a favor do vício enquanto demonizava a virtude. Ele sancionou e incentivou relações sexuais irregulares e nascimentos fora do casamento, enquanto carregava os dados financeiros contra casais. Liberalizou leis e práticas que regulam o consumo de bebidas alcoólicas, jogos e drogas.

Ao mesmo tempo, carregava a balança da justiça contra os homens, a quem implicitamente caracterizava como intrinsecamente violento, revertendo a antiga presunção de inocência. Assim, médicos e parteiras foram instruídos a perguntar a todas as mulheres grávidas se estavam sendo abusadas por seus maridos ou namorados. A lei sobre estupro foi alterada para tornar as condenações mais prováveis, com base no fato de que as mulheres que alegam ter sido estupradas sempre dizem a verdade, embora haja evidências claras em contrário. O governo despejou milhões de libras nos abrigos femininos, alegando que a violência doméstica contra as mulheres era galopante, apesar das evidências de pesquisas avassaladoras de que as mulheres instigam a violência contra os homens pelo menos com a mesma frequência que os homens contra as mulheres.

A questão do preconceito racial resulta rotineiramente na demonização da cultura majoritária. Em 1997, a investigação britânica Macpherson sobre o manuseio policial do assassinato racialmente motivado de Stephen Lawrence, um adolescente negro, no sul de Londres em 1993, transformou-se em algo fora de Salem, com a polícia pressionada a confessar seu próprio racismo – embora, como o relatório acabou deixando bem claro, não havia evidências de nenhuma declaração racista ou ato de nenhum policial. Um dos consultores de inquérito, o Dr. Richard Stone, exigiu uma confissão ritual dos pecados da polícia. Ele pediu ao Comissário Metropolitano de Polícia: “Eu digo a você agora, apenas diga: ‘Sim, eu reconheço o racismo institucional na polícia’. . . . Você poderia fazer isso hoje? ”O fracasso da polícia em declarar sua culpa só poderia refletir sua falta de“ entendimento ”do“ problema essencial e sua profundidade ”: o“ racismo institucional ”no qual Stone já havia alcançado seu veredicto inalterável. Friamente, a recusa em confessar sua culpa serviu para provar sua culpa – assim como nas provas stalinistas dos anos 30.

A caça às bruxas contra o anti-racismo é ainda mais selvagem na América. A professora de clássicos Mary Lefkowitz descreve em seu livro History Lesson o que aconteceu quando ela se manifestou contra um de seus colegas do Wellesley College, o professor Anthony Martin, que estava ensinando a seus alunos que a cultura grega foi roubada da África e que os judeus eram responsáveis. para o comércio de escravos. Embora estivesse ensinando mitos claramente absurdos – como o próprio Aristóteles roubou manuscritos da grande biblioteca de Alexandria, no Egito, construída após sua morte – Lefkowitz descobriu que a verdade era irrelevante. Tudo o que importava era “racismo branco”.

Ela descobriu ainda que um dos textos que estavam sendo ensinados, O relacionamento secreto entre negros e judeus, publicado em 1991 pela Nação do Islã, era uma polêmica antijudaica que acusava os judeus de instigar um “holocausto africano negro” e era desenhada em grande escala. medida de O judeu internacional de Henry Ford: o principal problema do mundo. Como resultado de seus protestos, a professora Lefkowitz, por sua vez, foi submetida a manifestações de fanatismo antijudaico. Colegas que disseram não se importar “quem roubou o quê de quem” a acusaram de colocar Martin em julgamento e interromper a harmonia do campus. Quando ela escreveu um livro, Not Out of Africa, documentando as mentiras flagrantes que estavam sendo ensinadas, ela foi acusada de atacar eruditos negros africocentristos por serem negros. “Durante esses dias estranhos na academia”, escreveu ela, “parecia que a raça se tornara conhecimento. Descartes havia dito “eu penso, logo existo”. . . . Agora o lema havia se tornado ‘eu sou, portanto eu sei’. ”

A “estupidez da dignidade humana”

Qualquer pessoa que defenda o respeito intrínseco devido à vida humana contra a marcha amoral da bioética é demonizada por ofender a casta sacerdotal dos relativistas dogmáticos que habitam um plano de existência mais elevado. Em um artigo da New Republic intitulado “The Stupidity of Dignity”, o renomado psicólogo americano Steven Pinker falou sombriamente de “um movimento para impor uma agenda política radical, alimentada por impulsos religiosos fervorosos” que se baseavam na ética judaico-cristã “bastante extraordinária” em para restringir a capacidade dos cientistas de realizar certas formas de pesquisa, como a pesquisa com células-tronco embrionárias ou a clonagem humana. Indignado com tal desafio à “biomedicina do século XXI” de “histórias da Bíblia, doutrina católica e alegoria rabínica”, ele destacou por abusar o líder desse movimento,

Uma das características notáveis ​​desse ataque foi que a ética “theocon” que Pinker estava demonizando como ofensa à virtude incontestável da biomedicina era considerada predominantemente católica. Kass foi acusado de apresentar falanges católicos para promover sua agenda maligna. Pinker não mencionou o fato de Leon Kass ser judeu.

É difícil não concluir de observações como Pinker que, assim como os esquerdistas assumem que todas as pessoas más são direitas e todas as pessoas direitas são más, também todas essas pessoas más e direitas são cristãs e todos os cristãos são maus e de direita. Esses rótulos tornaram-se armas auto-reforçadoras para manchar os oponentes, mesmo que não sejam cristãos ou de direita.

Extraído de O mundo virou de cabeça para baixo: a batalha global sobre Deus, verdade e poder , por Encounter, Nova York, 2010

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.