Charles Krauthammer

Charles Krauthammer, praticou psiquiatria antes de uma curiosa inquietação o levar a mudar de caminho; iintelectual, um dos comentaristas de mais alto perfil de sua geração. Além de sua coluna semanal, no The Washington Post, que lhe rendeu um Pulitzer em 1987, ele era um ensaísta para revistas em todo o espectro político, incluindo a revista Time; ele também era uma presença quase onipresente na TV a cabo. Morreu no dia 21 de junho, aos 68 anos.

 

Excerto de Adam Bernstein. Leia o artigo completo aqui.

Seu trabalho prolífico se estendeu muito além da política e das relações exteriores, abordando os problemas sociais complexos que ele encontrou pela primeira vez em sua prática médica. Ele escreveu de forma comovente – e às vezes causticamente – sobre o tratamento social dos doentes mentais. Muitos pacientes, soltos de instituições psiquiátricas a pedido dos defensores das liberdades civis, estavam à deriva nas “ruas muito perigosas” por causa de uma fantasia de “uma comunidade Rockwelliana pronta para receber seus excêntricos”, escreveu ele em 1985.

“Em nome de uma liberdade que a doença não lhes permite desfrutar”, concluiu ele, “condenamos os doentes mentais sem-teto a morrer com seus direitos”.

Depois de ataques a tiros, Krauthammer argumentou, os líderes democratas fizeram pedidos “totalmente sinceros, totalmente instintivos e totalmente inúteis”  por leis mais rigorosas de segurança de armas, em vez de abordar o que ele considerava ser a questão mais relevante: o fracasso das famílias e do Estado em garantir uma intervenção psiquiátrica eficaz para os que precisam.

Read more at http://www.jewishworldreview.com/0618/krauthammer_obit.php3#FrwiLTcvDGwbUdql.99

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!