iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Porque expressar os sentimentos causa ansiedade.

Só olhos. Nenhuma boca.

Quanto mais demonizamos certas opiniões, menos provável é que as pessoas as expressem.

Por Frank Furedi. Leia o artigo completo no Spiked.

Um dos desenvolvimentos mais perturbadores nas sociedades ocidentais nos últimos anos foi o aumento da autocensura. Em um mundo onde a linguagem é sistematicamente policiada, onde as pessoas são continuamente advertidas “Você não pode dizer isso!”, É inevitável que muitas pessoas escolham manter suas opiniões para si mesmas. Uma pesquisa do Centro de Pesquisas Pew em 2014 relatou que, se os usuários de mídias sociais acham que seus seguidores não compartilham suas opiniões sobre questões noticiosas, então eles ficam menos propensos a postar suas crenças verdadeiras. Em 2017, um relatório da Fundação para os Direitos Individuais na Educação, com sede nos EUA, descobriu que a maioria dos estudantes nos campi universitários americanos se auto-censura nas salas de aula. Minha própria pesquisa indica que um padrão semelhante está em ação nos campi do Reino Unido.

A relutância em expressar as crenças verdadeiras é particularmente difundida entre pessoas que acham que seus pontos de vista são estigmatizados e desprezados na sociedade em geral. As pessoas de fé às vezes relutam em expressar suas preocupações morais em público. Em uma época em que os conservadores são rotulados, automaticamente, como “de direita”, e às vezes descartados, ocasionalmente, como “extrema direita”, muitos eleitores se sentem inseguros em expressar visões conservadoras aos pesquisadores.

A pressão para se con-formar e o medo do isolamento social podem levar ao que a cientista social alemã Elisabeth Noelle-Neumann identificou, em 1974, como uma “espiral de silêncio”. De acordo com sua teoria, a visão das pessoas sobre o que é a opinião “aceitável” ou majoritária leva-as a modificar como expressam suas próprias opiniões. Alguns indivíduos sentem-se ansiosos em expressar sentimentos que diferem da perspectiva de consenso. O medo de sanções sociais negativas pode influenciar a forma como as pessoas expressam seus pontos de vista sobre vários assuntos altamente carregados, como Brexit, imigração ou questões morais mais amplas.

É claro que, em praticamente todos os ambientes sociais, há uma tendência à autocensura. Mas há várias razões pelas quais a “espiral do silêncio” é particularmente difundida hoje em dia. Em função da cultura e dos valores, a política polarizou-se fortemente. Como resultado, os oponentes políticos não são simplesmente criticados por estarem errados – eles também são moralmente condenados por serem maus. Na Austrália, a coalizão liderada pelos liberais foi frequentemente acusada do “crime” de não proteger o meio ambiente. O Guardian pediu um voto contra os liberais com base no fato de que eles estavam deixando de levar a sério a “catástrofe climática”. Em suma, apoiar os liberais significa não se importar nem um pouco com o futuro do planeta. Não é de surpreender que muitos partidários do Partido Liberal não estivessem preparados para serem julgados como cúmplices da extinção da humanidade e, por isso, não foram favoráveis ​​aos seus pontos de vista quando questionados pelos pesquisadores. Da mesma forma, os defensores do Brexit dificilmente irão declarar seus verdadeiros sentimentos aos membros da classe política que acreditam que o apoio ao Brexit é inerentemente racista.

Pode-se argumentar que as pesquisas são distorcidas por “Tímidos Conservadores” ou cidadãos covardes que estão envergonhados de suas próprias crenças. Mas, na verdade, a culpa não está nas pessoas que relutam em declarar suas verdadeiras opiniões – ela está na cultura dominante da intolerância em relação à opinião dissidente. Em um mundo onde o que as pessoas dizem on-line e off-line é constantemente policiado, é inevitável que os indivíduos vigiem a sua língua. Desafiar a cultura de “Você não pode dizer isso!” é a pré-condição para diminuir a pressão para se conformar e autocensurar. Para que o espírito de democracia e tolerância floresça, precisamos incentivar as pessoas a dizerem as coisas em que acreditam sem medo de punição ou isolamento.

Leia o livro de Frank FurediComo o Medo Funciona: a cultura do medo no século 21 .

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Opinião

Seja seu Próprio Herói.

Por Andrew Klavan. Leia o artigo completo no Daily Wire. [George] Lucas, você sabe, incorporou outras influências. O grande cineasta japonês Akira Kurosawa fazia parte de

Leia Mais »