iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Momento em que as pessoas ouvem os tiros em El Paso.

Por Matt Walsh. Leia o artigo original no Daily Wire.

As pessoas, atônitas, correm em direções opostas.

Em reação aos terríveis tiroteios em massa em Dayton, Ohio, e em El Paso, Texas, neste fim de semana, muitas pessoas de ambos os lados se engajaram no mesmo jogo de slogans e clichês que sempre seguem esse tipo de coisa. Um lado diz que as armas são o problema. O outro responde que a doença mental é o verdadeiro culpado. Ambos concordam que as ideologias extremistas são parcialmente culpadas, mas discordam sobre a qual a ideologia extremista é a mais culpada. Andamos às voltas. Não se consegue nada. Nada muda. E perdidos no nevoeiro dos ponto-chaves de discussão está a dura realidade dessas tragédias – o fato de que pessoas reais, de verdade, estão morrendo.

É realmente uma epidemia. Os disparos em massa ainda são extremamente raros, mas o fato é que 20 dos 27 disparos em massa mais mortíferos da história americana aconteceram nos últimos 15 anos. Desde o massacre de Virginia Tech em 2007, este país já viu 9 dos 13 tiroteios mais mortíferos de sua história. O pior de todos os tempos foi há dois anos. O segundo pior foi no ano anterior. É verdade que a mídia tenta grosseiramente (em vários sentidos da palavra) inflar estatísticas de tiro em massa, acrescentando a violência de gangues no total, mas os números ainda são extraordinários, mesmo sem serem manipulados para provar um ponto político. Por alguma razão, tiroteios como El Paso e Dayton são muito mais comuns hoje do que há 20 anos ou em qualquer outra época anterior. Isso não é discutível. A única questão discutível é por quê.

Quanto a essa questão, nunca chegamos perto de responder, porque estamos determinados a concentrar a conversa em torno de armas, doenças mentais e extremismo. Sim, armas obviamente fazem parte do quadro geral. Mas nossas leis existentes, se aplicadas, já teriam impedido muitos desses massacres. Nós não precisamos de mais leis. Precisamos, pelo contrário, utilizar as que já estão nos livros. O atirador de Dayton, aparentemente, foi pego com uma lista de colegas do ensino médio que ele queria matar. Acho que todos podemos concordar que as pessoas com listas de alvos não podem ter armas de fogo. Mas isso, novamente, é uma questão de uma melhor aplicação, não de leis adicionais. Além disso, sempre houve armas neste país. Nem sempre houve muitos tiroteios em massa.

O mesmo poderia ser dito sobre doenças mentais, racismo e extremismo ideológico. Todas essas coisas existiram na América – em maior grau, no caso do racismo – desde a fundação da nossa nação. Se isso fosse simplesmente um problema de pessoas loucas com armas, ou racistas com armas, ou extremistas ideológicos com armas de fogo, deveríamos observar uma taxa relativamente consistente de tiroteios em massa. Nós não observamos isso. O que observamos é um conhecimento superficial durante os primeiros 220 anos da existência de nosso país, um notável aumento no final dos anos 90, e depois uma explosão de alguns dos mais mortíferos tiroteios em massa na história, há cerca de 12 anos. Claramente, as explicações padrão não explicam isso. O que, então, explica isso?

No fundo, a resposta é que nos tornamos um país cheio de pessoas entorpecidas, desapegadas e insensíveis. Os disparos em massa são a manifestação suprema desse desapego. Nossa reação a eles – arremessar retoricamente cadáveres uns nos outros para marcar pontos em um argumento político – é uma manifestação um pouco menos severa, mas muito relacionada. Um sobrevivente do tiroteio de El Paso informa que o atirador sorriu casualmente antes de descarregar em uma multidão de pessoas inocentes. Isso ecoa muitos outros relatos de muitos tiroteios semelhantes. O assassino está sempre sorrindo como se estivesse um pouco divertido, ou então ele está sem expressão e sem emoção. Raramente você tem uma foto de alguém correndo furioso e gritando. Chamamos esses atos de “ódio”, mas são muito mais atos de indiferença brutal e assassina. São pessoas vazias, entorpecidas e distanciadas abatendo seus companheiros humanos porque estão entediadas e frustradas com suas vidas sem sentido.

Mas isso só empurra o problema. Se é o distanciamento e a dessensibilização que estão causando esses ataques, a próxima pergunta é, o que causa o distanciamento e a dessensibilização? Os culpados aqui são múltiplos, mas a internet tem que ser um dos primeiros lugares onde procuramos. Embora exista há várias décadas, a internet só se tornou onipresente nos últimos dois anos. A ascensão das mídias sociais é ainda mais recente do que isso. Como acontece com qualquer mudança societária maciça, não entenderemos completamente seus efeitos enquanto não estivermos bem distantes dela. Mas já está bastante claro que nossa obsessão pelo espaço cibernético nos faz estar cada vez mais distantes do mundo físico e do outro. É um clichê apontar que nossa conectividade nos tornou desconectados, mas há verdade na maioria dos clichês, e esse não é diferente.

Um artigo fascinante e perturbador, de Robert Evans detalha como os usuários no fórum, onde o atirador de El Paso gostava de passar o tempo, não apenas aplaudiam essas matanças, mas as discutiam como se as pessoas inocentes sendo massacradas fossem apenas personagens de um videogame. Evans chama isso de “gamificação” do terror. Você poderia também chamar isso de “internetificação” do terror. Os atiradores em massa estão simplesmente traduzindo suas personas da internet para o mundo real. Pessoas em fóruns da internet, mídias sociais, YouTube e outros sites, rotineiramente, desejam a morte e o pior uns dos outros. “Mate-se” e “Eu espero que você tenha câncer” são saudações quase normais neste momento. Mas o que, muitas vezes, se perde em todo esse tormento mundano é que os seres humanos reais estão dizendo essas coisas para outros seres humanos reais. Depois de algum tempo, você se acostuma tanto a ser tratado dessa maneira e, talvez, se acostuma tanto a tratar os outros dessa maneira, que não aprecia mais a dignidade e a beleza da vida humana. Não é difícil ver como alguém, que passa horas e horas, e ano após ano, chafurdando nos cantos mais escuros e vis do ciberespaço, tratando outros seres humanos como imundície, desejando violência e morte a quem cruza com eles, pode acabar se tornando os monstros que ele já parece ser online.

Um homem que pensa que pode ser um sociopata desprezível e estúpido no ciberespaço, mas que permanece um sujeito basicamente decente no “mundo real”, perde de vista o fato de que a internet é o mundo real. É a tecnologia usada por pessoas no mundo real para se comunicar com outras pessoas no mundo real. Quem você é ao usar a internet é simplesmente quem você é. A forma como você age na internet é simplesmente como você age. Se você é desprezível no Twitter, você é simplesmente desprezível. A ideia de que a internet é uma zona livre de moralidade, onde o comportamento grotesco de alguma forma “não conta”, não apenas incentiva as pessoas a serem desprezíveis, mas as entorpece quanto ao impacto que seu comportamento tem sobre os outros.

A internet não é a única fonte do nosso vazio cultural. Notícias a cabo 24 horas nos deixam acostumados a assistir tragédias humanas como entretenimento. Lares desfeitos promovem confusão emocional e sentimentos de desesperança em crianças. Drogas psiquiátricas, embora necessárias em alguns casos, também podem criar uma dormência e distúrbios químicos, como fica evidenciado por efeitos colaterais como “pensamentos suicidas” listados na embalagem. Subjacente a tudo isso está o nosso sentido cada vez menor do transcendente – nossa rejeição de um propósito maior para a vida humana. Todos esses fatores se acumulam quando a bola de neve desce a montanha. Eventualmente, a bola de neve é ​​uma avalanche, e mais pessoas inocentes são enterradas embaixo dela, e tudo o que fazemos é ficar na pilha arremessando pequenos montes de neve uns nos outros.

Aqui, você pode assistir a gravação de uma câmera de segurança:

https://edition.cnn.com/videos/us/2019/08/04/surveillance-video-dayton-mass-shooting-moment-vpx.cnn

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.