iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Em um artigo intitulado “Pare de estigmatizar o sexo HIV-positivo”, o escritor John Walker defende Charlie Tredway, um gay HIV-positivo, recentemente foi atacado por supostamente promover sexo sem preservativo.
 
Tredway ganhou recentemente o título de Sr. Gay Nova Zelândia. Sua celebração foi de curta duração, no entanto, quando os internautas ligados a uma conta em um “barebacking” website.
 
O New Zealand Herald publicou subsequentemente um editorial declarando que “é decepcionante que o novo Mr Gay Nova Zelândia, Charlie Tredway, tenha enviado uma mensagem que ameaça minar o conselho claro e consistente que os melhores especialistas em saúde da Nova Zelândia e no exterior vêm deixando claro ao longo de alguns anos. “
 
O Herald continua a implodir Tredway e a Fundação para Aids NZ,  seu empregador, por argumentar que os avanços no tratamento da AIDS tornaram a doença “virtualmente não infecciosa”.
 
“Isso não está de acordo com o conselho constante do Ministério da Saúde, ou de médicos especialistas na área, do exterior, que é praticar sexo seguro”, contesta The Herald.
 
Na verdade, de acordo com o site do Ministério da Saúde da Nova Zelândia, “usar corretamente preservativos e lubrificantes à base de água toda vez que você fizer sexo vaginal ou anal reduz o risco de contrair o HIV em cerca de 95%”.
Vice logo apressou-se em ajudar Charlie Tredway, argumentando que a reação que ele está enfrentando “é um lembrete de que a nossa bagagem cultural em torno do HIV é tão pesada como sempre.”
 
O artigo continua citando a co-diretora do Projeto Anti-Violência, Darlene Torres, que diz que “o estigma pode facilmente tornar-se violência”.
 
“O ponto é desumanizar uma pessoa”, ela continua. “A humilhação é intencional, e a mensagem é que eles [pessoas com HIV] estão sujos, não devem existir ou ter uma vida de felicidade, segurança ou respeito”.

 

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Opinião

Seja seu Próprio Herói.

Por Andrew Klavan. Leia o artigo completo no Daily Wire. [George] Lucas, você sabe, incorporou outras influências. O grande cineasta japonês Akira Kurosawa fazia parte de

Leia Mais »