iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Alex Berenson, no Imprimis.

O texto a seguir foi adaptado de um discurso proferido em 15 de janeiro de 2019, no Allan P. Kirby Jr. de Hillsdale College, Centro de Estudos Constitucionais e Cidadania, em Washington, DC.

A setenta milhas a noroeste da cidade de Nova York fica um hospital que parece uma prisão, com seus prédios de tijolos cobertos por camadas de cercas e arame farpado. Essa instalação sombria é chamada de Instituto Psiquiátrico Forense de Mid-Hudson. É um dos três lugares aos quais o estado de Nova York envia os doentes mentais – réus julgados inocentes por motivo de insanidade.

Até recentemente, minha esposa Jackie – dr. Jacqueline Berenson – era uma psiquiatra sênior lá. Muitos dos 300 pacientes do Mid-Hudson são assassinos e incendiários. Pelo menos um é canibal. A maioria foi diagnosticada com transtornos psicóticos, como a esquizofrenia, que os provocaram a violência contra familiares ou desconhecidos.

Alguns anos atrás, Jackie estava me contando sobre um paciente. De passagem, ela disse algo como: Claro que ele fumou maconha a vida toda.

– Claro? – disse eu.

– Sim, todos fumam.

– Então a maconha causa a esquizofrenia?

Fiquei surpreso, para dizer o mínimo. Eu tendia a ser um libertário sobre drogas. Anos antes, eu cobria a indústria farmacêutica para o The New York Times . Eu estava ciente das alegações sobre a maconha como remédio, e observei a lenta disseminação da maconha legalizada sem muito interesse.

Jackie teria o direito de dizer: eu sei do que estou falando, ao contrário de você . Em vez disso, ela ofereceu algo neutro como: acho que é o que dizem os grandes estudos. Você deveria lê-los.

Então eu li. Os grandes estudos, os pequenos e todo o resto. Eu li tudo o que pude encontrar. Conversei com todos os psiquiatras e neurocientistas que quisessem falar comigo. E logo percebi que, em todos os meus anos como jornalista, nunca havia visto uma história em que a lacuna entre conhecimento interno e externo fosse tão grande, ou as apostas tão altas.

Comecei a me perguntar por que – com os estoques de empresas de maconha crescendo e os políticos promovendo a legalização como uma maneira de baixo risco de aumentar a receita tributária e reduzir o crime – eu nunca tinha ouvido a verdade sobre maconha, doença mental e violência.

***

Nos últimos 30 anos, psiquiatras e epidemiologistas transformaram a especulação sobre os perigos da maconha em ciência. No entanto, no mesmo período, uma campanha de lobby astuta e dispendiosa empurrou para o outro lado a opinião pública sobre a maconha. E os efeitos agora estão se tornando aparentes.

Quase tudo o que você acha que sabe sobre os efeitos da cannabis na saúde, quase tudo que os defensores e a mídia lhe disseram há uma geração, está errado.

Eles disseram que a maconha tem muitos usos médicos diferentes. Na realidade, a maconha e o THC, seu ingrediente ativo, mostraram funcionar apenas em algumas condições restritas. Eles são mais comumente prescritos para alívio da dor. Mas eles raramente são testados contra outras drogas para alívio da dor, como o ibuprofeno – e, em julho, um grande estudo de quatro anos, com pacientes com dor crônica na Austrália, mostrou que o uso de cannabis estava associado a maior dor ao longo do tempo.

Eles disseram que a maconha pode conter o uso de opiáceos – “Dois novos estudos mostram como a maconha pode ajudar a combater a epidemia de opiáceos”, segundo o Wonkblog, um site do Washington Post, em abril de 2018 – e que os efeitos da maconha como analgésico a tornam uma substituto em potencial para os opiáceos. Na realidade, como o álcool, a maconha é muito fraca como analgésico para funcionar para a maioria das pessoas que realmente precisam de opiáceos, como pacientes com câncer terminal. Mesmo os defensores da maconha, como Rob Kampia, co-fundador do Marijuana Policy Project, reconhecem que sempre viram as leis sobre a maconha medicinal essencialmente como uma forma de proteger os usuários recreativos.

Quanto à teoria de que a maconha-reduz-uso-de-opiáceos, ela baseia-se principalmente em um único documento comparando mortes por overdose, por estado, antes de 2010, com a disseminação de leis sobre a maconha medicinal – e a descoberta do artigo é provavelmente resultado de uma simples coincidência geográfica. A epidemia de opiáceos começou em Appalachia (Este), enquanto os primeiros estados a legalizar a maconha medicinal ficavam no Oeste. Desde 2010, quando tanto as leis sobre a epidemia quanto sobre a maconha medicinal se espalharam nacionalmente, a descoberta desapareceu. E os Estados Unidos, o país ocidental com o maior consumo de cannabis, também têm, de longe, o pior problema com os opiáceos.

Pesquisas com usuários individuais – uma maneira melhor de rastrear causa e efeito do que observar dados agregados em nível de estado – mostram, sistematicamente, que o uso de maconha leva ao uso de outras drogas. Por exemplo, um artigo publicado em janeiro de 2018, no American Journal of Psychiatry, mostrou que as pessoas que usavam cannabis em 2001 tinham quase três vezes mais chances de usar opiáceos três anos depois, mesmo após o ajuste para outros riscos potenciais.

Acima de tudo, os defensores disseram a você que a maconha não só é segura para pessoas com problemas psiquiátricos como a depressão, como também é um tratamento potencial para esses pacientes. Em seu site, o serviço de entrega de cannabis Eaze oferece as “Melhores variedades e produtos de maconha para tratar ansiedade”. “Como a cannabis ajuda a depressão?” É o tópico de um artigo sobre o Leafly, o maior site de cannabis. Mas uma montanha de pesquisas revisadas por pares, nas principais revistas médicas, mostra que a maconha pode causar ou piorar doenças mentais graves, especialmente psicose, o termo médico para uma ruptura com a realidade. Os adolescentes que fumam maconha regularmente têm cerca de três vezes mais chances de desenvolver esquizofrenia, o transtorno psicótico mais devastador.

Depois de uma revisão exaustiva, a Academia Nacional de Medicina descobriu, em 2017, que “o uso de cannabis provavelmente aumentaria o risco de desenvolver esquizofrenia e outras psicoses; quanto maior o uso, maior o risco. ”Além disso,“ o uso regular de cannabis provavelmente aumentará o risco de desenvolver transtorno de ansiedade social ”.

***

Na última década, à medida que a legalização se espalhou, os padrões de consumo de maconha – e a própria droga – mudaram de formas perigosas.

A legalização não levou a um aumento enorme de pessoas usando a droga casualmente. Cerca de 15 por cento dos americanos usaram a maconha pelo menos uma vez em 2017, contra dez por cento em 2006, segundo um grande estudo federal chamado Pesquisa Nacional sobre Uso de Drogas e Saúde. (Por outro lado, cerca de 65 por cento dos americanos tinha tomado uma bebida alcóolica no último ano). Mas o número de americanos que usam cannabis altamente está subindo. Em 2006, cerca de três milhões de americanos relataram o uso de cannabis pelo menos 300 vezes por ano, o padrão para uso diário. Em 2017, esse número quase triplicou, chegando a oito milhões, aproximando-se dos doze milhões de americanos que bebiam álcool todos os dias. Em outras palavras, um em cada 15 bebedores consumia álcool diariamente; cerca de um em cada cinco usuários de maconha usava cannabis com frequência.

Os usuários de maconha, hoje, também estão consumindo uma droga que está muito mais potente do que nunca, conforme medido pela quantidade de THC – delta-9-tetrahidrocanabinol, a substância química na cannabis responsável por seus efeitos psicoativos – que ela contém. Na década de 1970, a última vez que muitos americanos usaram maconha, na sua maioria, a maconha continha menos de dois por cento de THC. Atualmente, a maconha contém, habitualmente, de 20 a 25% de THC, graças às técnicas sofisticadas de agricultura e clonagem – bem como à demanda dos usuários por uma cannabis, que produza um efeito mais forte mais rapidamente. Nos estados em que a cannabis é legal, muitos usuários preferem extratos que são quase THC pura. Pense na diferença entre uma cerveja sem álcool e um martini, ou mesmo álcool de cereais, para entender a diferença.

Esses novos padrões de uso fizeram os problemas com a droga aumentarem. Em 2014, pessoas que tinham transtorno diagnosticável de uso de cannabis, o termo médico para abuso ou dependência de maconha, compunham cerca de 1,5% dos americanos. Mas eles foram responsáveis ​​por onze por cento de todos os casos de psicose em salas de emergência – 90.000 casos, 250 por dia, três vezes o número de 2006. Em estados como o Colorado, os médicos do pronto-socorro se tornaram especialistas em lidar com psicose induzida pela cannabis.

Defensores da maconha frequentemente argumentam que a droga não pode ser tão neurotóxica quanto os estudos sugerem, porque, do contrário, os países ocidentais teriam observado um aumento da psicose em toda a população, junto com o uso crescente. Na realidade, o rastreamento preciso dos casos de psicose é impossível nos Estados Unidos. O governo rastreia com cuidado doenças como o câncer nos registros centrais, mas não existe registro para esquizofrenia ou outras doenças mentais graves.

Por outro lado, pesquisas da Finlândia e Dinamarca, dois países que acompanham a doença mental de forma mais abrangente, mostram um aumento significativo da psicose desde 2000, após um aumento no consumo de cannabis. Em setembro do ano passado, uma grande pesquisa federal constatou também um aumento de doenças mentais graves nos Estados Unidos, especialmente entre os adultos jovens, os maiores usuários de cannabis.

De acordo com este último estudo, 7,5 por cento dos adultos entre 18 e 25 anos, preencheram os critérios para doença mental grave em 2017, o dobro da taxa de 2008. O que é especialmente surpreendente é que os adolescentes de 12-17 anos não mostram esses aumentos no uso de cannabis e doença mental grave.

Uma ressalva: essa pesquisa federal não conta casos individuais e coloca a psicose no grupo com outras doenças mentais graves. Portanto, não é tão preciso quanto os estudos finlandeses ou dinamarqueses. Tampouco qualquer um desses estudos prova que o uso crescente de maconha tenha causado aumentos populacionais em psicose ou outras doenças mentais. O máximo que pode ser dito é que eles oferecem evidências intrigantes de um nexo.

Defensores de pessoas com doenças mentais não gostam de discutir a ligação entre esquizofrenia e crime. Eles temem que isso estigmatize as pessoas com a doença. “A maioria das pessoas com doenças mentais não é violenta”, explica a National Alliance on Mental Illness (NAMI) em seu site. Mas o desejo de afastar a ligação não pode fazê-lo desaparecer. Na verdade, a psicose é um fator de risco extremamente alto para a violência. A melhor análise veio de um artigo de 2009 na revista PLOS Medicine, da Dra. Seena Fazel, psiquiatra e epidemiologista da Universidade de Oxford. Com base em estudos anteriores, o jornal descobriu que pessoas com esquizofrenia têm cinco vezes mais chances de cometer crimes violentos do que pessoas saudáveis, e estão quase 20 vezes mais propensas a cometer homicídio.

A declaração do NAMI, de que a maioria das pessoas com doença mental não é violenta é, naturalmente, precisa, dado que “a maioria” simplesmente significa “mais da metade”; mas é profundamente enganadora. A esquizofrenia é rara. Mas as pessoas com o distúrbio cometem uma fração apreciável de todos os assassinatos, na faixa de seis a nove por cento.

“A melhor maneira de lidar com o estigma é reduzir a violência”, diz Sheilagh Hodgins, professora da Universidade de Montreal que estuda a doença mental e a violência há mais de 30 anos.

A conexão marijuana-psicose-violência é ainda mais forte do que esses números sugerem. Pessoas com esquizofrenia têm uma probabilidade moderadamente maior de se tornarem violentas do que pessoas saudáveis ​​quando estão tomando remédios antipsicóticos e evitando drogas recreativas. Mas quando elas usam drogas, o risco de violência aumenta muito. “Você não apenas tem um risco maior de uma coisa – essas coisas ocorrem em grupos”, disse-me o Dr. Fazel.

Junto com o álcool, a droga que os pacientes psicóticos usam mais do que qualquer outra é a cannabis: uma revisão, de 2010, de estudos anteriores no Schizophrenia Bulletin descobriu que 27% das pessoas com esquizofrenia tinham sido diagnosticadas com transtorno por uso de cannabis em suas vidas. E infelizmente – apesar de sua reputação de deixar os usuários relaxados e calmos – a cannabis parece provocar muitos deles levando-os à violência.

Um estudo suíço, com 265 pacientes psicóticos, publicado em Frontiers of Forensic Psychiatry, em junho passado, descobriu que, em um período de três anos, homens jovens com psicose, que usavam cannabis, tinham 50% de chance de se tornarem violentos. Esse risco era quatro vezes maior do que para aqueles com psicose que não usaram, mesmo após o ajuste para fatores como o uso de álcool. Outros pesquisadores produziram descobertas semelhantes. Um artigo de 2013, em um jornal psiquiátrico italiano, examinou quase 1.600 pacientes psiquiátricos no sul da Itália e descobriu que o uso de cannabis estava associado a um aumento de dez vezes na violência.

A maneira mais óbvia pela qual a cannabis estimula a violência em pessoas psicóticas é através de sua tendência a causar paranóia – algo que até os defensores da cannabis reconhecem que a droga pode causar. O risco é tão óbvio que os usuários fazem piadas sobre isso e os dispensários anunciam certas cepas como menos propensas a induzir a paranóia. Para pessoas com transtornos psicóticos, a paranóia pode alimentar a violência extrema. Um artigo de 2007, no Medical Journal of Australia, sobre 88 réus que haviam cometido homicídio durante episódios psicóticos, descobriu que a maioria acreditava estar em perigo por causa da vítima, e quase dois terços relataram uso indevido de cannabis – mais do que álcool e anfetaminas juntos.

No entanto, a relação entre maconha e violência não parece limitada a pessoas com psicose preexistente. Pesquisadores estudaram o álcool e a violência por gerações, provando que o álcool é um fator de risco para abuso doméstico, agressão e até assassinato. Muito menos estudos foram feitos sobre a maconha, em parte porque os defensores estigmatizaram qualquer um que levantasse a questão. Mas estudos mostrando que o uso da maconha é um fator de risco significativo para a violência se acumularam silenciosamente. Muitos deles nem foram concebidos para detectar a relação, mas eles detectaram. Dezenas desses estudos existem, cobrindo tudo, desde o bullying por alunos do ensino médio a brigas entre turistas naEspanha.

Na maioria dos casos, os estudos mostram que o risco é pelo menos tão significativo quanto com o álcool. Um artigo de 2012, no Journal of Interpersonal Violence, examinou uma pesquisa federal com mais de 9.000 adolescentes e descobriu que o uso de maconha estava associado a uma duplicação da violência doméstica; um artigo de 2017, em Psiquiatria Social e Epidemiologia Psiquiátrica, examinou os condutores de violência entre 6.000 homens britânicos e chineses e descobriu que o uso de drogas – a droga quase sempre sendo a cannabis – traduziu-se em um aumento de cinco vezes na violência.

Hoje, esse risco está se traduzindo em impactos no mundo real. Antes de os estados [norte-americanos] legalizarem a maconha recreativa, os defensores disseram que a legalização permitiria que a polícia se concentrasse em criminosos perigosos, e não em fumantes de maconha, reduzindo assim o crime violento. Alguns defensores chegam a ponto de alegar que a legalização tenha reduzido a criminalidade violenta. Em um discurso de 2017, pedindo a legalização a nivel federal, o senador Cory Booker disse que “os estados [que legalizaram a maconha] estão vendo diminuições no crime violento”. Ele estava errado.

Os quatro primeiros estados a legalizar a maconha para uso recreativo foram Colorado e Washington em 2014 e Alasca e Oregon em 2015. Combinados, esses quatro estados tiveram cerca de 450 assassinatos e 30.300 agravos em 2013. No ano passado, eles tiveram quase 620 assassinatos e 38.000 assaltos à mão armada – um aumento de 37% para assassinatos e 25% para assaltos à mão armada, muito maiores do que o aumento nacional, mesmo depois de contabilzar as diferenças no crescimento populacional.

Saber exatamente quanto do aumento está relacionado à cannabis é impossível sem pesquisar todos os crimes. Mas os relatórios policiais, notícias e mandados de prisão sugerem um vínculo estreito em muitos casos. Por exemplo, em setembro passado, a polícia de Longmont, Colorado, prendeu Daniel Lopez por esfaquear seu irmão Thomas, até a morte, enquanto um vizinho observava. Daniel Lopez foi diagnosticado com esquizofrenia e estava se automedicando com maconha, de acordo com um depoimento da prisão.

Em todos os estados, não apenas aqueles onde a maconha é legal, casos como o de Lopez são muito mais comuns do que os defensores da cannabis ou da doença mental reconhecem. A cannabis também está associada a um número perturbador de mortes infantis por abuso e negligência – muito mais do que o álcool, e mais do que cocaína, metanfetaminas e opiáceos combinados – de acordo com relatos do Texas, um dos poucos Estados a fornecer informações detalhadas sobre o uso de drogas por perpetradores.

Esses crimes raramente recebem mais atenção do que a local. A violência induzida pela psicose assume formas particularmente terríveis e é frequentemente dirigida a membros da família desamparados. A mídia nacional de elite prefere ignorar os crimes classificando- oscomo alimento para os tablóides. Até mesmo os departamentos de polícia, que vêem essa violência de perto, demoraram a reconhecer a tendência, em parte porque a epidemia de mortes por overdose de opióides os sobrecarregou.

Então a maré negra da psicose e a maré vermelha da violência estão subindo constantemente, quase despercebidas, em uma lenta onda verde.

***

Durante séculos, as pessoas em todo o mundo entenderam que a cannabis causa doenças mentais e violência – assim como sabem que os opiáceos causam dependência e overdose. Dados concretos sobre a relação entre maconha e loucura datam de 150 anos, para registros de manicômio britânico na Índia. No entanto, há 20 anos, os Estados Unidos passaram a incentivar o uso mais amplo de cannabis e opiáceos.

Em ambos os casos, decidimos que poderíamos ser mais espertos do que esses medicamentos – que poderíamos ter seus benefícios sem os custos deles. E em ambos os casos estávamos errados. Os opiáceos são mais arriscados e as mortes por overdose causam uma crise mais iminente, por isso nos concentramos nelas. Mas logo a doença mental e a violência que se seguem ao consumo de cannabis também serão difundidas demais para serem ignoradas.

Usar cannabis, ou qualquer droga, é uma decisão pessoal. Se a cannabis deve ser legal é uma questão política. Mas seu status legal exato é muito menos importante do que garantir que qualquer pessoa que o utilize esteja ciente de seus riscos. A maioria dos fumantes não morre de câncer de pulmão. Mas nós tornamos amplamente conhecido que os cigarros causam câncer, ponto final. A maioria das pessoas que bebe e dirige não tem acidentes fatais. Mas nós destacamos os casos daqueles que têm.

Precisamos de campanhas de publicidade igualmente inequívocas e bem financiadas sobre os riscos da cannabis. Em vez disso, estamos agora no pior dos mundos. A maconha é legal em alguns estados, ilegal em outros, perigosamente potente e vendida sem avisos em todos os lugares.

Mas antes de podermos fazer qualquer coisa, nós, especialmente os defensores da maconha e aqueles na mídia de elite que há muito tempo aceitaram credulamente suas alegações, precisamos chegar a um acordo com a verdade sobre a ciência da maconha. Esse ajuste pode ser doloroso. Mas a alternativa é muito pior, como os pacientes do Instituto Psiquiátrico Forense de Mid-Hudson – e suas vítimas – sabem.


Alex Berenson

Alex Berenson é graduado pela Yale University, com graduação em história e economia. Iniciou sua carreira em jornalismo em 1994 como repórter de negócios do Denver Post , entrou para o site de notícias financeiras TheStreet.com em 1996 e trabalhou como repórter investigativo do The New York Times de 1999 a 2010, período em que também serviu. duas passagens como correspondente da Guerra do Iraque. Em 2006, ele publicou The Faithful Spy , que ganhou o Edgar Award de 2007 de melhor primeiro romance do Mystery Writers of America. Ele publicou dez romances adicionais e dois livros de não-ficção, The Number: Como o impulso para ganhos trimestrais corrompeu Wall Street e Corporate America e Diga aos seus filhos: A verdade sobre a maconha, doenças mentais e violência.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Opinião

Seja seu Próprio Herói.

Por Andrew Klavan. Leia o artigo completo no Daily Wire. [George] Lucas, você sabe, incorporou outras influências. O grande cineasta japonês Akira Kurosawa fazia parte de

Leia Mais »