iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

 

Por  Kim Giles & Nicole Cunningham. Leia o artigo completo aqui.
A verdade é que todos nós nos comparamos com os outros, e isso não ajuda a ninguém. Se a comparação terminar com você achando que você pode ser melhor do que outra pessoa na sala, embora possa dar ao seu ego um impulso temporário, não é realmente uma vitória. Acreditamos que deixar o ego se sentir superior aos outros no final significa ser uma pessoa que você realmente não quer ser, e isso irá prejudicá-lo no final.
 
Queremos que você entenda por que os seres humanos fazem esses jogos de comparação e de divisão de outras pessoas. Acreditamos que esse comportamento está enraizado na nossa tentativa de lidar com o nosso medo central mais profundo e mais sombrio – o medo do fracasso (não ser bom o suficiente). Um medo que, a propósito, todos nós combatemos, até certo ponto, todos os dias. E é um medo doloroso também. Para piorar as coisas, há uma voz na sua cabeça que quer que você compare-se constantemente com os outros, o que traz a você um resultado desfavorável na maior parte do tempo.
 
Pensar negativamente sobre si mesmo é tão doloroso que você fica constantemente, subconscientemente, procurando maneiras de aquietá-las ou reprimi-las. Você se agarrará a qualquer coisa que funcione, mesmo temporariamente.
 
Uma das técnicas que a maioria de nós usa, subconscientemente, é algo que chamamos de “Jogo da Vergonha e da Culpa”. A maneira como ele funciona é quanto mais vergonha (medo do fracasso) você sentir, mais você procurará mal nos outros e se concentrará em suas más qualidades, temporariamente se tornando melhor. Na maioria das vezes, no entanto, você não se percebe, conscientemente, fazer isso para se sentir melhor. Mas é isso que acontece.
 
Outra técnica comum para aquietar o seu medo (que a humanidade vem usando desde o alvorecer do tempo) tem a ver com nos dividirmos dos outros para vermos a “nós” como os bons e a “eles” como os maus. Usaremos tudo e qualquer coisa para fazer isso. Nós nos dividimos em grupos baseados em raça, religião, país, para que equipe de esportes torcemos (o azul ou o vermelho), que cola bebemos (Coca ou Pepsi), ou o sanduíche que preferimos (maionese ou Miracle Whip) .
 
Qualquer diferença, não importa o quão significativa ou insignificante, servirá se pudermos justificar o motivo pelo qual nosso caminho é o certo e esses caras são errados ou piores.
 
Isso piora quando fazemos isso em grupos. As outras pessoas que concordam com você parecem validar seus sentimentos de superioridade, ódio ou preconceito contra “eles”, e a divisão se aprofunda. Se você pensar nisso, essa tendência é responsável pela maioria dos problemas no planeta. Muitas vezes, um grupo de pessoas pensa que são melhores do que outro grupo.
 
Você julga os outros? Você acha  defeitos nas pessoas que o intimidam (ou fazem você sentir menos do que elas), então você pode puxá-las para baixo, até o seu nível ou abaixo dele e se sentir melhor? Você tem tendência a fofocar ou falar mal dos outros? Existe alguma chance de isso ser impulsionado pelo seu medo e insegurança?
Queremos explicar esta tendência a você, para que você possa se dar conta das técnicas que você pode usar para acalmar seu medo.
 
Aqui estão 5 maneiras de mudar o seu pensamento, silenciar seu medo e abraçar quem você é, para que você possa parar de comparar-se com os outros:
 
1. Mude a maneira como você determina o valor de todos os seres humanos.
 
Recomendamos que você altere sua crença subconsciente de que o valor humano pode aumentar ou diminuir, e que esse valor se baseia em seu desempenho e aparência (que é seu sistema atual no nível subconsciente). Em vez disso, abrace uma política que diz que todos os seres humanos têm o mesmo valor intrínseco e imutável.
 
Descobrimos que se você mudar o princípio fundamental sobre o qual você baseia o valor de todos os seres humanos, com o tempo, você chegará no ponto em que se aplicará a você também, e o seu medo do fracasso encolherá. Você vai começar a acreditar que você é bom o suficiente, porque você não pode ser menor do que outros se todos nós tivermos o mesmo valor.
 
2. Use a nova política como um lembrete de que as divisões significam que somos diferentes, mas ainda assim iguais em valor.
 
A realidade é que todos são diferentes. Você é único e nunca mais haverá outro humano como você. Essas diferenças tornam a vida interessante e emocionante. Quão chato seria se fossemos todos iguais?
 
Essas diferenças também proporcionam lições interessantes e importantes para nós quanto à tolerância e à aceitação, e eles esticam os limites do nosso amor e compaixão. Elas não nos separam por valor. Todos os dias, pratique ver os outros como diferentes, mas iguais.
 
3. Concentre-se em seus pontos fortes.
 
Você pode não ter o talento, o tamanho de corpo ou a inteligência que outros tenham, mas você, definitivamente, tem algo. Todos nós temos. Você tem algo em que você é bom. O truque é parar de tentar ser diferente, ou ter o que os outros têm, e apenas fazer você. Seja o melhor você.
4. Assuma as suas falhas, mas lembre-se de que elas não alteram o seu valor.
Sim, existem algumas coisas nas quais você não é bom. Eu tive que enfrentar os fatos de que eu não sou uma mulher com talentos na área de cabelo e maquiagem. É um esforço por uma roupa elegante, fico mais confortável com jeans do que num vestido elegante. A maior parte da minha vida, olhava para as belas mulheres de estilo impecável e cabelos perfeitos e me atribuía muito menos valor.
Agora eu assumo completamente minhas falhas, e decidi fazer, a cada dia, o meu melhor para me vestir e arrumar p meu cabelo. Daí falo a mim mesma que esse não é realmente o meu forte, então, em vez disso, é melhor eu sair lá e obter isso com meu amor. Eu sou melhor nisso. Ninguém é bom em tudo, então assuma suas fraquezas, trabalhe nelas, mas não as deixe afetar seu valor.
5. Desista de fazer julgamentos para que você possa reivindicar / afirmar o valor infinito para você também.
Há um senão quando se escolhe uma política que diz que todos os seres humanos têm o mesmo valor: você deve abdicar de julgar se quiser que essa mudança de política funcione. Você não pode continuar classificando as outras pessoas como não tão boas quanto você (fofocando ou pensando mal delas) e apesar disso ver seu próprio valor como infinito e absoluto.
Se você continuar julgando os outros, você está dando poder ao antigo sistema de crenças no qual as pessoas não conseguem ser suficientes. Se você dá poder a essa crença, você nunca vai comprar isso sozinho, e sua auto-estima continuará a sofrer. Se você quer sentir uma rocha sólida quanto ao seu próprio valor, você deve abdicar de julgar e deixar que todos ao seu redor tenham valor infinito e imutável também.
Descobrimos que, se você trabalhar nessas cinco coisas, a necessidade de comparar e criticar outros diminui rapidamente. Depois de aceitar a ideia de que seu valor não pode mudar, você verá que muito do que os outros fazem, ou vestem ou dizem, não tem nenhum efeito sobre você. Você descobrirá que você pode permitir que eles sejam quem são, e se concentrará em brilhar sendo você.
Você pode fazer isso.
star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Opinião

Seja seu Próprio Herói.

Por Andrew Klavan. Leia o artigo completo no Daily Wire. [George] Lucas, você sabe, incorporou outras influências. O grande cineasta japonês Akira Kurosawa fazia parte de

Leia Mais »