Stiles Zuschlag

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por Nina Golgowski. Leia o artigo completo aqui.

Por Dennis Prager. Leia o artigo original aqui.

“Eu fui tão degradado no passado, eu me conformei às crenças e padrões de outras pessoas apenas para deixá-las felizes e confortáveis. Eu me coloquei em situações realmente dolorosas para minha saúde mental apenas para manter a paz. Deus me forçou a sair dessa situação, daquela escola, sabendo que minha saúde mental era muito mais importante do que a minha educação. A única razão pela qual eu fiquei na escola durante tanto tempo foi para minha educação, para o meu GPA e apenas para aprender sobre Deus. Mas eu também estava morrendo mentalmente lá e eu sofri muito. Deus me separou disso para me ajudar a ser uma pessoa melhor, respirar novamente, ser feliz novamente. Estou tão agradecido. Ele fez isso por mim.”

Ler esse depoimento leva você a formar uma ideia da história. Stiles Zuschlag, a aluna, disse isso depois que mudou de escola. Ela queria fazer a transição de mulher para homem mas a escola cristã disse que ela estava “trilhando o caminho errado” e deveria confessar seus pecados e parar os tratamentos de testosterona.  Ela não seria mais aceita na escola, mas lhe ofereceram aconselhamento cristão.

Agora, com mais informações, o primeiro parágrafo adquire uma interpretação oposta, certo? Então, como você faz para saber o que é certo e o que é errado?

Como podemos determinar o que é moralmente correto? A resposta a esta pergunta – a questão mais importante que os seres humanos precisam responder – é uma grande diferença entre esquerda e direita.
 
Para os conservadores, a resposta é, e sempre foi, que existem verdades morais – padrões morais objetivos – às quais cada pessoa é responsável. Na América, isso significou responsabilidade perante o Criador, o Deus da Bíblia e os valores judaico-cristãos.
 
Para a esquerda, a resposta sempre foi – o que quer dizer desde Karl Marx, o pai do esquerdismo – que não existe uma fonte de moral transcendente. Pelo contrário, como Marx escreveu: “O homem é Deus”, e, portanto, cada ser humano é o autor de seus próprios padrões morais.
 
Há, naturalmente, tanto esquerdistas religiosos quanto conservadores seculares, mas a diferença secular-religiosa explica muitas das diferenças fundamentais entre a Direita e a Esquerda.
 
Via de regra, os esquerdistas temem e desprezam as pessoas que baseiam seus valores em uma fonte transcendente, como a religião e a Bíblia. Tais pessoas, na visão da esquerda, “não conseguem pensar por si mesmas – elas precisam de Deus e uma religião para dizer o que é certo e errado”. Os esquerdistas contrastam esses conservadores com eles mesmos, pessoas que consideram as questões e não precisam de Deus nem de religião.
 
Este ideal de pensar por meio de si mesmo parece admirável. E, até certo ponto, é. As pessoas deveriam considerar as coisas. E muitas vezes, as pessoas religiosas podem parecer não fazer isso.
 
Mas se não há Deus nem religião, não há verdades morais, apenas opiniões morais. Sem Deus e a religião, o bem e o mal, o certo e o errado, não existem de forma objetiva. Eles são termos subjetivos que apenas significam “eu gosto” ou “eu não gosto”.
 
Portanto, não importa o quanto se considere as coisas, sem Deus e a religião – especificamente, o Deus e as religiões baseadas na Bíblia – as conclusões do indivíduo sobre o que é certo ou errado só podem ser opiniões sobre o que é certo ou errado. Sem Deus e a religião, moralmente falando, não há um norte fixo ou um sul fixo. A agulha aponta para onde quer que o proprietário da bússola pense que deveria apontar.
 
Você não precisa aceitar minha palavra. Recentemente, no  The New York Times, um professor de filosofia escreveu sobre esta completa ausência de verdade moral entre os americanos mais jovens:
 
“O que você diria se descobrisse que nossas escolas públicas estavam ensinando às crianças que não é verdade que é errado matar pessoas por diversão ou trapacear em testes? Você ficaria surpreso Eu fiquei.
 
“A esmagadora maioria dos estudantes de primeiro ano da faculdade em suas salas de aula vêem alegações morais como meras opiniões que não são verdadeiras, ou são verdadeiras apenas em relação a uma cultura.
 
“Nossas escolas públicas ensinam … não há fatos morais. E se não há fatos morais, então não há verdades morais.
 
“Não deve ser uma surpresa que haja trapaças desenfreadas nos campi universitários: se ensinamos aos nossos alunos por 12 anos que não há nenhum fato na questão de saber se trapacear é errado, não podemos simlesmente culpá-los por fazerem isso mais tarde.”
 
Então, então, se não há verdade moral, como a maioria das pessoas seculares chega às decisões morais?
 
De acordo com a forma como se sentem. Na esquerda, os sentimentos pessoais geralmente suplantam os padrões objetivos.
 
Muitos pais e professores liberais não dizem aos filhos o que é certo e errado. Em vez disso, eles pedem a seus filhos e alunos: “Como você se sente a esse respeito?”
 
De fato, os sentimentos muitas vezes suplantam a razão, não apenas as verdades morais. Na esquerda, os sentimentos pelos pobres, pelas minorias selecionadas, pelos oprimidos, homossexuais, mulheres, muçulmanos e outros são freqüentemente tudo o que é necessário para formular políticas.
 
Para os conservadores, por mais importantes que os sentimentos possam ser, os sentimentos não são tão importantes quanto os padrões ao fazer a política social. Mas para o liberal contemporâneo, o sentimento – ou “compaixão”, como a esquerda coloca – é determinante.
Por mas que se possa – e deve-se – se sentir sobre injustiças históricas cometidas contra os negros americanos, o conservador não eliminará os padrões. Portanto, os conservadores opõem-se a reduzir os padrões de admissão para estudantes negros em instituições acadêmicas; a compaixão liberal é a favor disso.
Os conservadores geralmente se opõem a mudar o padrão conjugal de homem-mulher; a compaixão dos liberais pelos gays apoia isso. De fato, dada a substituição dos padrões por sentimentos, os liberais terão dificuldade em se opor à poligamia. Se o amor entre as pessoas é o critério do casamento, duas pessoas que amam uma terceira pessoa não devem ter negado o direito de se casar com essa pessoa.
 
Os conservadores opõem-se à abolição do padrão biológico da identidade de gênero e, portanto, se opõem a permitir que os homens que se identificam com mulheres a participar das equipes femininas em esportes; os liberais têm compaixão pelos transsexuais e, portanto, derrubam o padrão atlético.
 
O compromisso dos conservadores com um padrão de real e falso significa identificar os terroristas como islâmicos; os liberais sentem pelos muitos muçulmanos bons no mundo e, portanto, muitas vezes se recusam a identificar o terror islâmico pelo nome.
 
Em seu Discurso de Adeus, o discurso mais famoso do presidente George Washington, o primeiro presidente expressou perfeitamente a visão conservadora sobre a necessidade de Deus e da religião para os padrões morais e para os padrões sociais em geral:
 
“De todas as disposições e hábitos que levam à prosperidade política, a religião e a moral são apoios indispensáveis … esses adereços mais firmes dos deveres do homem e dos cidadãos”.

 

Receba Por E-mail

Inscreva-se em nossa lista de e-mails para receber atualizações e as notícias mais recentes do Conselho!

Inscrito Com Sucesso, Parabéns!