iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Ao diagnosticar os três principais motivos por que as pessoas acabam infelizes, Giles abre caminho para as pessoas conquistarem a felicidade.

Leia o artigo original de Kim Giles aqui.

Há vários fatores que contribuem para a infelicidade das pessoas, coisas sobre as quais elas poderiam ter um pouco de controle.

Há três razões principais pela quais as pessoas criam infelicidade, consciente ou subconscientemente, e que não estão relacionadas com a depressão. Quando alguém não está interessado em obter ajuda, ou continua infeliz após ter obtido ajuda, uma dessas três causas de infelicidade pode estar em jogo (até certo ponto elas aparecem em todas as pessoas):

1. Insatisfação com o que está acontecendo em sua vida. Isso significa que você está desejando coisas / eventos / circunstâncias que você não tem em sua vida que você desejaria ter, ou que você está se sentindo incomodado com coisas / eventos / circunstâncias que você tem em sua vida que você desejaria não ter . Buda referia-se a estes como ânsias e aversões. Ele acreditava que elas eram a verdadeira causa de todo sofrimento. Elas representam, basicamente, escolher ser infeliz porque o que está em sua vida não é o que você queria que fosse. Em outras palavras, a vida não está à altura de suas expectativas, e você estava apegado a essas expectativas, então você escolheu não ser feliz até que a vida lhe dê o que você quer.

2. Medo ou sobre seu futuro ou seu passado. Isso significa que você está se agarrando ao medo sobre o passado e sentindo vergonha, culpa ou arrependimento por coisas que já aconteceram, e a respeito das quais você não tem controle para mudar. Ou você está escolhendo preocupar-se sobre algo que pode acontecer no futuro mesmo que você não saiba se realmente vai acontecer. De qualquer maneira, você está emprestando a miséria de ontem ou de amanhã para sofrer hoje – sem nenhuma boa razão, porque você não pode mudar o passado nem o futuro agora. O medo é também uma energia negativa que bloqueia o amor e a alegria.

3. Escolher ser infeliz porque infelicidade o beneficia de alguma forma. Algumas pessoas aprenderam quando crianças que a infelicidade poderia lhes arrumar amor e atenção. Você aprendeu a jogar as cartas de auto-piedade para ganhar amor de solidariedade. Você pode, subconscientemente, reagir bem quando coisas ruins acontecem com você, porque você pode usar suas circunstâncias infelizes para chamar a atenção, ou você pode usá-las como uma desculpa para livrá-lo de fazer coisas que você não quer fazer ou está com medo de fazer. Você também pode usar sua infelicidade para esconder de desafios, oportunidades de crescimento ou aprendizagem que o empurra para fora de sua zona de conforto. Você pode usar a infelicidade para, subconscientemente, proteger-se de fazer má figura ou falhar.

Às vezes, a infelicidade torna-se parte do mecanismo de enfrentamento da pessoa, que ela usa para proteger-se da vida e dos riscos, às vezes ela forma seu senso de identidade em torno dessa infelicidade e e não sabe quem seria sem ela. Assim, a pessoa pode não estar interessada em corrigir o problema, porque há benefícios em ficar onde se está.

A verdade, para a maioria de nós, é que nossa infelicidade é auto-infligida.

Na maior parte do tempo, ser infeliz é uma opção, mas não é a sua única opção. Você poderia escolher uma mentalidade feliz confiante, pacífica, otimista neste momento se você quisesse. (Obviamente, não estou falando de depressão química ou dos momentos em que um ente querido morre ou outros desafios difíceis acontecem com você.Estou me referindo ao seu dia-a-dia normal.)

Aprendi essa verdade ao estudar o trabalho de Viktor Frankl, que sobreviveu aos campos de concentração judaicos na Segunda Guerra Mundial e escreveu o livro O Homem em Busca de Um Sentido. Ele descobriu que, mesmo nas circunstâncias mais difíceis, ele tinha o poder (a última das liberdades humanas, ele dizia) para escolher sua atitude.

Eu acredito que isso é verdade, e entendo que este princípio é o primeiro passo para sentir ou criar mais felicidade em sua vida. Não importa quão ruim esteja hoje, você tem o poder de superar essas três causas de infelicidade e escolher a gratidão, a confiança, o amor, o otimismo e até mesmo a alegria. Aqui estão algumas sugestões que podem ajudá-lo a escolher mais felicidade:

1. Concentre-se na gratidão pelo que esta certo em sua vida. Fazer isso irá ajudá-lo a ver que não importa quantas coisas não estão certas, você ainda tem muito pelo que ser grato. Você também deve entender isso na natureza da vida. Você nunca terá tudo como você quer. Você sempre terá algumas coisas certas e algumas coisas erradas. A quantidade de felicidade que você sente em sua vida depende inteiramente de onde você se concentra. Concentre-se na gratidão todos os dias, até mesmo listando todas as suas bênçãos, e você vai encontrar muitas razões para sorrir.

2. Confie no processo da vida. A vida é uma sala de aula, e há uma ordem divina no universo. Ele sabe o que está fazendo e sempre vai entregar as melhores experiências que você precisa para o seu crescimento e aprendizagem. Não importa a desgraça que lhe aconteça, você pode ter certeza – há significado e propósito nela. Você não vai sofrer por nada. Você ganhará sabedoria e força de cada experiência. Quanto mais você confiar na jornada e parar de se preocupar com o futuro, mais feliz você será. Você pode planejar o futuro, mas isso é totalmente diferente de se preocupar com ele. Você também pode aprender com o passado. Ele tem lições para ensinar a você, mas não ajuda a ninguém carregar culpa, vergonha ou arrependimento. Abrace as lições e deixe para lá o resto. Concentre-se no hoje e seja a melhor pessoa que você pode ser agora – e você será mais feliz.

3.Demore um tempo e anote no papel quais os possíveis benefícios que você obtém ficando infeliz. O que significa para você ser infeliz? Seja honesto com você mesmo. O que você perderia se você fosse feliz? Então, anote os custos de ficar infeliz. O que lhe custa ser infeliz? O que uma atitude diferente, mais positiva traria a você? Só por ter a verdade no papel, isso irá ajudá-lo a ter clareza e escolher melhor.

É hora de começar a viver intencionalmente. Você tem o poder de determinar sua mentalidade e como você se sente. Você pode escolher o tipo de energia que você traz em cada sala que você entra, e há realmente apenas duas opções. Você pode ser positivo, amar, ter fé e energia bondosa ou você pode ser negativo, desgastante, medroso e ter energia fraca. Quem você quer ser?

Esta é uma decisão pessoal que cada pessoa deve fazer por e para si, em cada momento. Você não pode empurrar seu cônjuge/seu filho/seus pai para a felicidade. Ele deve querer e escolher.

A maioria das pessoas precisa de um pouco de orientação profissional para ter o controle das programações subconscientes e mudar, mas é possível.

Kimberly Giles  é uma coach pessoal.

 

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Opinião

Seja seu Próprio Herói.

Por Andrew Klavan. Leia o artigo completo no Daily Wire. [George] Lucas, você sabe, incorporou outras influências. O grande cineasta japonês Akira Kurosawa fazia parte de

Leia Mais »